Controle Estatístico do Processo (CEP)

O controle da qualidade de um processo produtivo envolve a realização das seguintes etapas consecutivas:

  • Definição de um padrão a ser atingido;
  • Inspeção (medir o que foi produzido e comparar com o padrão);
  • Diagnóstico das não-conformidades (descrição do desvio entre o que foi produzido e o padrão);
  • Identificação das causas das não conformidades ou defeitos;
  • Ação corretiva para eliminação das causas;
  • Atualização dos padrões (produto ou processo).

O CEP é uma ferramenta com base estatística, de auxílio ao controle da qualidade, nas etapas do processo, particularmente no caso de processo de produção repetitivo. Hoje, mais do que uma ferramenta estatística, o CEP é entendido como uma filosofia de gerenciamento (princípios de gerenciamento) e um conjunto de técnicas e habilidades, originárias da estatística e da engenharia de produção, que visam garantir a estabilidade e a melhoria contínua de um processo de produção. Em resumo, visa o controle e a melhoria do processo. Os princípios fundamentais para implantação e gerenciamento do CEP são:

  • Pensar e decidir baseado em dados e fatos;
  • Pensar separando a causa do efeito, buscar sempre conhecer a causa fundamental dos problemas;
  • Reconhecer a existência da variabilidade na produção e administrá-la;
  • Usar raciocínio de prioridade (Pareto);
  • Girar permanente e metodicamente o ciclo de controle (Ciclo PDCA), visando a melhoria contínua do desempenho;
  • Definir o próximo processo/etapa/posto de trabalho como cliente da etapa anterior e o cliente define a qualidade esperada;
  • Identificar instantaneamente focos e locais de disfunção e corrigir os problemas a tempo;
  • Educar, treinar e organizar a mão de obra visando uma administração participativa e o autocontrole.

As principais técnicas de apoio ao CEP são:

  • Amostragem (Inspeção, Planos de Amostragem);
  • Folha de Verificação;
  • Histograma/Gráficos;
  • Diagrama de Pareto;
  • Diagrama de Causa e Efeito/6M/Espinha de Peixe;
  • Estratificação;
  • Gráficos de Controle (Gráficos de Shewhart);
  • Diagrama de Correlação.

Mas, por que controlar o processo? Porque do processo de produção podem resultar itens (produtos) não conformes/defeituosos ou a porcentagem de defeituosos pode variar ao longo do tempo. O que causa a produção de defeituosos é a existência de variação nos materiais, nas condições do equipamento, nos métodos de trabalho, na inspeção, nas condições da mão-de-obra, e em outros insumos, etc. A variação que ocorre num processo de produção pode ser desmembrada em duas componentes: uma de difícil controle, chamada variação aleatória, e outra chamada variação controlável.

Assim a equação da variação total de um processo pode ser escrita como sendo: variação total = variação aleatória + variação controlável. Se as variações forem conhecidas, controladas e reduzidas, os índices de produtos defeituosos certamente se reduzirão. Esses dois tipos de variação exigem esforços e capacitação, técnica e gerencial, diferenciados para o seu controle. O CEP auxilia na identificação e priorização das causas de variação da qualidade (separação entre as poucas causas vitais e as muitas triviais) e objetiva controle ou eliminação (aprisionamento) das causas fundamentais dos defeitos. Clique no link e acesse um texto sobre as DIRETRIZES BÁSICAS PARA IMPLANTAÇÃO DO CEP: https://qualidadeonline.files.wordpress.com/2009/11/diretrizes-basicas-para-implantacao-do-cep.pdf

Anúncios

Os projetos vencedores do Prêmio von Martius de Sustentabilidade 2009

Entre os 166 projetos recebidos pela organização do Prêmio von Martius de Sustentabilidade 2009, dez foram escolhidos para receber o prêmio em cerimônia oficial no dia 24 de novembro, no Club Transatlântico, em São Paulo. A categoria Humanidade teve 68 projetos inscritos, Natureza contou com a participação de 54 projetos, e Tecnologia recebeu um total de 44 trabalhos. Desde quando o Prêmio foi criado, em 2000, até 2009, a Câmara Brasil-Alemanha – organizadora do evento – recebeu 1.603 trabalhos. A última edição, ocorrida em 2008, contou com a participação de 184 projetos. Em 2007, 132 iniciativas foram inscritas.

Segundo o diretor de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Câmara Brasil-Alemanha, Ricardo Rose, o número crescente de participantes de todo o país reflete a maior atratividade do prêmio e a importância que vem adquirindo junto à sociedade. “Recebemos projetos com temáticas variadas, de diversas regiões, de instituições, empresas e governos. Os aspectos que mais chamaram a atenção do júri de premiação este ano foram a qualidade técnica e a criatividade dos trabalhos participantes”, destaca.

Pela segunda vez, o Prêmio von Martius de Sustentabilidade recebeu o selo Sustentax de qualidade e responsabilidade socioambiental para eventos. Criado em 2007 pelo Grupo Sustentax – Engenharia de Sustentabilidade, o selo é fornecido a empresas e instituições organizadoras de eventos, produtos, construtoras, operações de limpeza, prestadores de serviço e empresas de arquitetura que cumprirem, no mínimo, 15 requisitos de sustentabilidade. O Prêmio é também o único concurso de projetos ambientais do Brasil a ter compensação de carbono com certificação – feita pela BRTÜV.

 Humanidade

1º lugar

Participante: Wal-Mart Brasil

Projeto: Programa de Sustentabilidade do Wal-Mart: Compromisso como parte do Negócio

Local: Barueri-SP

Com o objetivo de ser suprido 100% por energia renovável, ter uma operação com impacto zero e ofertar cada vez mais produtos com diferenciais de sustentabilidade, o Wal-Mart Brasil criou, em 2005, iniciativas direcionadas para diferentes públicos, dentro e fora das suas lojas, adotando um modelo de gestão com nove frentes de trabalho. Ações sustentáveis como o uso de sistemas de energia renovável, eficiência energética, gestão da água da chuva e seleção de materiais orgânicos e reciclados são algumas iniciativas colocadas em prática pelo Wal-Mart em sua loja do Morumbi, em São Paulo.

Participante: Furnas Centrais Elétricas
Projeto: Projeto de Recuperação Ambiental e Subsistência (PRAS) nas Aldeias Guarani no município de São Paulo
Local: Rio de Janeiro-RJ

Com o objetivo de contribuir para a melhoria da qualidade de vida de famílias das aldeias Guarani da cidade de São Paulo, a empresa Furnas Centrais Elétricas implantou projeto para a recuperação dos recursos naturais desses locais e a criação de alternativas de renda e produção de alimentos para seus moradores. As atividades são distribuídas por quintais familiares e áreas comunitárias, sendo que nos quintais são implantadas hortas, pomares, orquidários, viveiros de plantas ornamentais, galinheiros, roças e paisagismo, enquanto nas áreas comunitárias trabalha-se na formação de sistemas agroflorestais. Desde julho de 2004, quando o projeto foi criado, até dezembro de 2009, 215 famílias terão sido beneficiadas.

3º lugar

Participante: Consórcio Intermunicipal das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí

Projeto: Casa Modelo Experimental voltada ao Uso Racional de Água e Energia – Uma Ferramenta para a Educação Ambiental

Local: Americana-SP

Com o aproveitamento do sol, do vento, da chuva e da vegetação é possível construir uma casa sustentável sem abrir mão do conforto e da tecnologia. A Casa Modelo Experimental, uma iniciativa do Consórcio Intermunicipal das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (Consórcio PCJ), possui tecnologias de uso racional de água e da energia elétrica por meio da reutilização e reciclagem da água do banho, de pias e tanques, e ainda da captação de água da chuva pelo talhado e pelas calhas.

Menção honrosa

Participante: Grupo de Gestão Ambiental em Pernambuco

Projeto: Grupo de Gestão Ambiental em Pernambuco

Local: Recife-PE

Criado em junho de 2009, o Grupo Gestão Ambiental em Pernambuco engloba atividades relacionadas ao estudo e ao desenvolvimento de propostas voltadas à gestão ambiental no Estado. Integrado por docentes e estudantes do curso de Engenharia Agrícola e Ambiental da Universidade Federal Rural de Pernambuco, com o apoio de governos e instituições, o grupo atua na área de gestão ambiental em benefício de micro e pequenas empresas, escolas, universidades, comunidades, associações, comunidades urbanas e rurais.

 Natureza

1º lugar

Participante: Indústria Carbonífera Rio Deserto

Projeto: Felinos do Aguaí
Local: Criciúma-SC

Estimar a distribuição espacial dos felinos ameaçados de extinção na Reserva Biológica Estadual do Aguaí (REBIO), com ênfase nos grandes felinos, para a implementação de práticas de manejo conservacionista é o objetivo do Projeto Felinos do Aguaí. Iniciado em 2006, o programa abrange atualmente atividades de pesquisa científica, com ênfase à proteção das espécies de felinos silvestres que vivem no local, educação sustentável e envolvimento junto às comunidades locais.

2º lugar

Participante: Itaipu Binacional

Projeto: Programa Cultivando Água Boa
Local: Foz do Iguaçu-PR

Em outubro de 1982, com a formação do reservatório da Usina de Itaipu, constatou-se que a qualidade da água da região apresentava problemas em razão do desmatamento, da erosão e do uso de defensivos agrícolas, limitando os seus múltiplos usos (pesca, consumo humano, lazer, entre outros). Face à situação, a companhia criou o “Programa Cultivando Água Boa”, com o objetivo de estabelecer critérios e condições para orientar as ações socioambientais relacionadas à conservação dos recursos naturais e centradas na qualidade das águas e de vida das pessoas.

3º lugar

Participante: Secretaria de Meio Ambiente – Prefeitura do Município de Bertioga

Projeto: Calcule aqui seu Impacto Pessoal de Carbono

Local: Bertioga-SP

Por meio de calculadoras de CO2 disponíveis na Internet, o público responde uma série de questões relacionadas ao seu dia a dia, fornecendo o dimensionamento da quantidade de carbono produzida anualmente e de árvores que precisariam ser plantadas para minimizar o impacto ao meio ambiente. Como ação paralela, em cada evento da Prefeitura de Bertioga, mudas são plantadas tanto por autoridades e administradores da cidade quanto por alunos da rede municipal de ensino, nas margens dos rios em Bertioga, durante suas atividades de educação ambiental.

 Tecnologia

1º lugar

Participante: Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (CERTI)

Projeto: Água: Fonte de Alimento e Renda – Uma Alternativa Sustentável para o Semi-Árido

Local: Florianópolis-SC

Como grande parte da população nordestina, os habitantes de Uruçu, localidade situada no município de São João do Cariri (PB), extraem água do subsolo da região para sobreviver. O alto grau de salinidade dessa água requer o uso de dessanilizadores, os quais, ao tratar a água salobra geram, além da água potável, outra água ainda mais salina que a própria água salobra. Esta é devolvida ao solo gerando fortes impactos ambientais. Uma solução de caráter inovador foi desenvolvida para a conservação dos recursos hídricos.

2º lugar

Participante: OdontoPrev

Projeto: Reciclagem do Amálgama Dentário
Local: Barueri-SP

Apoena (aquele que enxerga longe) é o projeto de gestão ambiental implantado pela Odontoprev, operadora nacional de planos odontológicos. Seu objetivo é a coleta, o transporte, a recuperação e a reciclagem de até 95% do mercúrio e da prata presentes no amálgama dentário usados nos procedimentos odontológicos. Iniciado em 2003, em parceria com o Laboratório de Resíduos Químicos (LRQ) da Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB), o projeto contabiliza, desde a sua implantação, o processamento de 15,5 kg de amálgama, da qual foram recuperados 6,68 kg de mercúrio.

3º lugar

Participante: Centro de Educação Popular e Formação Social (CEPFS)

Projeto: Tecnologia Social – Bomba d’ Água Aro Trampolim

Local: Teixeira-PB

A partir da instalação da cisterna de placa como instrumento para armazenar água da chuva, famílias do médio sertão da Paraíba passaram a necessitar ferramentas adequadas para o bom manejo da água captada. A utilização inicial de um balde, guardado sob condições que impediriam a contaminação do líquido, logo mostrou ser frágil. A bomba d´água aro trampolim surgiu como a melhor solução. Segura e de fácil manejo, coleta água para o consumo humano e também pode ser utilizada para bombeá-la em pequenas irrigações. Instalada inicialmente nas cisternas de 13 famílias, beneficia 78 moradores.