Uma cartilha sobre as mudanças climáticas

Recebi um e-mail pedindo alguma coisa sobre as mudanças climáticas. Já tem um texto neste blog sobre o assunto, porém o grande problema é que as temperaturas na Terra têm grandes chances de aumentar de 1,8 ºC a 4 ºC até 2100. Mas há também a possibilidade de que essa variação seja de 1,1 ºC a 6,4 ºC.

Tudo este processo é causado pelo dióxido de carbono (CO2), que é o principal gás do chamado efeito estufa e o aumento da sua emissão desde a Revolução Industrial é claro. A queima de carvão, o uso do petróleo e o desmatamento são atividades que liberam CO2 na atmosfera. Outros dois importantes gases de efeito estufa são o metano e o óxido nitroso. Ambos estão muito menos presentes na atmosfera que o CO2, mas têm um efeito muito mais devastador e sua presença também está crescendo. O metano provoca 20 vezes mais danos que o CO2, enquanto o óxido nitroso é 300 vezes mais forte.

Neste momento em que se discute o problema em Copenhague, na Dinamarca, para conscientizar os seus funcionários, os seus filhos e os deles, distribua uma cartilha bastante interessante produzida pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Imprima algumas cópias em papel reciclável e vamos tentar salvar o Planeta: https://qualidadeonline.files.wordpress.com/2009/12/cartilha_mudancas_clima.pdf

NBR ISO 10012:2004 – Gestão Metrológica

A gestão metrológica abrange os requisitos para a acreditação na NBR ISO 10012:2004, pois a atividade de calibração evidência a importância do padrão como elemento essencial à garantia da rastreabilidade. Já a gestão dos padrões industriais constitui atividade imprescindível para o sucesso de qualquer programa eficiente de gestão da metrologia industrial. Assim, o modelo de gestão de padrões metrológicos não se restringe à necessidade de calibração dos padrões previamente ao seu uso, pois cuidados especiais nem sempre triviais devem ser dispensados para que um determinado instrumento possa, de fato, ser utilizado como padrão metrológico na indústria.

No item 6.2.1 da norma NBR ISO 10012 (2004) está definido que “os procedimentos do sistema de gestão de medição devem ser documentados na extensão necessária e validados para assegurar a implementação adequada, sua consistência de aplicação e a validade dos resultados de medição”. Entende-se que este requisito vai muito além da prática da simples calibração e arquivo dos certificados de calibração dos padrões, sendo necessária a inclusão de práticas que visem o atendimento de questões vitais para a manutenção da rastreabilidade e conformidade dos produtos e processos. Nesse contexto, dois outros parâmetros relevantes em qualquer certificado de calibração de padrões merecem atenção e destaque: a tendência e a incerteza associada à calibração.

Nenhum padrão, ainda que recém-calibrado, deve ser liberado para uso numa  linha de manufatura, ou seja, ser liberado como referência metrológica, sem antes ter seu certificado de calibração criteriosamente analisado. Essa prática preventiva visa evitar que indesejáveis propagações das incertezas de medição não-controladas possam interferir no processo interno de calibração dos instrumentos de processo.

Na verdade, a comprovação metrológica é um conjunto de operações necessárias para assegurar-se de que um dado instrumento de medição encontra-se em condições de conformidade com os requisitos para o uso pretendido. Ela normalmente inclui, entre outras atividades, a calibração, qualquer ajuste e/ou reparo necessário e as recalibrações subsequentes, assim como qualquer selagem ou rotulagem necessária. Enfim, o sistema de medição afeta os resultados das medidas e perde sua confiabilidade. Por isso os sistemas de medição podem ser agora acreditados pela norma NBR ISO 10012, reconhecidos pelo Inmetro.

Esta norma especifica requisitos genéricos fornece orientação para a gestão de processos de medição e comprovação metrológica de equipamento de medição usado para dar suporte e demonstrar conformidade com os requisitos metrológicos. Ela especifica requisitos de gestão da qualidade de um sistema de gestão de medição que pode ser usado por uma organização que executa medições como parte de um sistema de gestão global, e para assegurar que os requisitos metrológicos são atendidos.

Para os efeitos desta norma, aplicam-se os termos e definições das ABNT NBR ISO 9000 e VIM e os seguintes:

Sistema de gestão de medição

Conjunto de elementos inter-relacionados e interativos, necessários para obter a comprovação metrológica e o controle contínuo dos processos de medição

Processo de medição

Conjunto de operações para determinar o valor de uma grandeza.

Equipamento de medição

Instrumento de medição, programa para computador, padrão de medição, material de referência ou dispositivos auxiliares, ou uma combinação deles, necessários para executar um processo de medição.

Característica metrológica

Propriedade distinta que pode influenciar os resultados de medição

NOTA 1: Equipamentos de medição normalmente têm várias características metrológicas.

NOTA 2: Características metrológicas podem estar sujeitas à calibração.

Quer ler mais sobre o assunto, clique nos links

https://qualidadeonline.wordpress.com/2014/05/07/os-requisitos-para-a-acreditacao-na-nbr-iso-100122004-parte-1/

https://qualidadeonline.wordpress.com/2014/05/08/os-requisitos-para-a-acreditacao-na-nbr-iso-100122004-parte-2/

https://qualidadeonline.wordpress.com/2014/05/11/os-requisitos-para-a-acreditacao-na-nbr-iso-100122004-parte-3-final/