Para onde vai o lixo no Brasil?

Segundo dados do Ministério do Meio Ambiente, o Brasil produz, em média, 90 milhões de toneladas de lixo por ano e cada brasileiro gera, aproximadamente, 500 gramas de lixo por dia, podendo chegar a mais de 1 kg, dependendo do local em que mora e do poder aquisitivo. Algumas cidades brasileiras coletam o lixo produzido por seus habitantes. Em outras, entretanto, quase metade dele é atirado nas ruas, terrenos baldios, rios, lagos, lagoas e no mar.

Em relação à coleta seletiva, visa separar e classificar o lixo para que se possa aproveitar tudo o que é reciclável. Geralmente, separa-se o material inorgânico (vidro, papel, metais e plásticos) do orgânico, composto de restos de comida, frutas, verduras, aparas de grama e esterco de animais, em recipientes de cores diferenciadas. Na reciclagem, o lixo passa por um processo de transformação industrial ou artesanal, que possibilita reaproveitar o material inorgânico. Deixa de ser lixo para servir de matéria prima para outras coisas.

Por exemplo, latinhas de alumínio, quando recicladas, podem dar origem a outras latinhas, e papéis rasgados ou riscados podem gerar novas folhas. Mas é preciso prestar a atenção, pois nem todo lixo pode ser reciclado. Apenas papel, metal, plástico e vidro – dependendo de seus tipos. Confira no quadro abaixo:

CLIQUE NOS QUADROS PARA UMA MELHOR VISUALIZAÇÃO

O lixo é coletado pelas prefeituras ou por uma companhia particular contratada e levado a um depósito, juntamente com o lixo de outras residências da área. Lá pode haver certa seleção – sobras de metal, por exemplo, são separadas e reaproveitadas. O resto do lixo deveria ser levado para aterros apropriados. O local adequado para colocar o lixo de uma cidade é o aterro sanitário. Trata-se de um amplo terreno com sistema de drenagem e impermeabilizado para não vazar o chorume (líquido que contamina o ar, o solo e os lençóis d’água subterrâneos). O material depositado deve ser coberto com terra para evitar a poluição e a exposição aos animais.

Os aterros ajudam a acabar com os lixões ou espaços a céu aberto que não foram preparados para receber o lixo. Infelizmente, no Brasil, 90% do lixo são jogados nos lixões, o que contribui para a proliferação de doenças. Segundo dados da Síntese de Indicadores Sociais – 2000 – do IBGE, 85% dos 34.870.828 domicílios brasileiros localizados na área urbana foram beneficiados com a coleta realizada por empresa pública ou privada (coleta direta), contra 8,8% cujo lixo foi depositado em caçamba, tanque ou depósito para depois ser removido (coleta indireta). E em apenas 3,4% do total, o lixo foi queimado ou enterrado na propriedade ou ainda jogado em terreno baldio, rua, rio ou mar. Sinal de que o lixo está sendo destinado ao lugar certo, evitando assim a proliferação de doenças e a poluição do solo e do ar. Veja as tabelas.

Além disso, antes de se projetar o aterro, são feitos estudos geológico e topográfico para selecionar a área a ser destinada para sua instalação não comprometa o meio ambiente. É feita, inicialmente, impermeabilização do solo através de combinação de argila e lona plástica para evitar infiltração dos líquidos percolados, no solo. Os líquidos percolados são captados (drenados) através de tubulações e escoados para lagoa de tratamento. Para evitar o excesso de águas de chuva, são colocados tubos ao redor do aterro, que permitem desvio dessas águas, do aterro.

A quantidade de lixo depositado é controlada na entrada do aterro através de balança. É proibido o acesso de pessoas estranhas. Os gases liberados durante a decomposição são captados e podem ser queimados com sistema de purificação de ar ou ainda utilizados como fonte de energia (aterros energéticos). Segundo a Norma Técnica NBR 8419 (ABNT, 1984), o aterro sanitário não deve ser construído em áreas sujeitas à inundação. Entre a superfície inferior do aterro e o mais alto nível do lençol freático deve haver uma camada de espessura mínima de 1,5 m de solo insaturado. O nível do solo deve ser medido durante a época de maior precipitação pluviométrica da região. O solo deve ser de baixa permeabilidade (argiloso).

O  aterro deve ser localizado a uma distância mínima de 200 metros de qualquer curso d´água. Deve ser de fácil acesso. A arborização deve ser adequada nas redondezas para evitar erosões, espalhamento da poeira e retenção dos odores. Devem ser construídos poços de monitoramento para avaliar se estão ocorrendo vazamentos e contaminação do lençol freático: no mínimo quatro poços, sendo um a montante e três a jusante, no sentido do fluxo da água do lençol freático. O efluente da lagoa deve ser monitorado pelo menos quatro vezes ao ano.

Quanto aos aterros controlados, é uma técnica de disposição de resíduos sólidos urbanos no solo, sem causar danos ou riscos à saúde pública e a sua segurança, minimizando os impactos ambientais. Este método utiliza princípios de engenharia para confinar os resíduos sólidos, cobrindo-os com uma camada de material inerte na conclusão de cada jornada de trabalho. Esta forma de disposição produz, em geral, poluição localizada, pois similarmente ao aterro sanitário, a extensão da área de disposição é minimizada. Porém, geralmente não dispõe de impermeabilização de base (comprometendo a qualidade das águas subterrâneas), nem sistemas de tratamento de chorume ou de dispersão dos gases gerados. Este método é preferível ao lixão, mas, devido aos problemas ambientais que causa e aos seus custos de operação, a qualidade é inferior ao aterro sanitário.

Na fase de operação, realiza-se uma impermeabilização do local, de modo a minimizar riscos de poluição, e a proveniência dos resíduos é devidamente controlada. O biogás é extraído e as águas lixiviantes são tratadas. A deposição faz-se por células que uma vez preenchidas são devidamente seladas e tapadas. A cobertura dos resíduos faz-se diariamente. Uma vez esgotado o tempo de vida útil do aterro, este é selado, efetuando-se o recobrimento da massa de resíduos com uma camada de terras com 1,0 a 1,5 metro de espessura. Posteriormente, a área pode ser utilizada para ocupações como zonas verdes, campos de jogos, etc.

Os lixões são locais onde há uma inadequada disposição final de resíduos sólidos, que se caracteriza pela simples descarga sobre o solo sem medidas de proteção ao meio ambiente ou à saúde pública. É o mesmo que descarga de resíduos a céu aberto sem levar em consideração: a área em que está sendo feita a descarga; – o escoamento de líquidos formados, que percolados, podem contaminar as águas superficiais e subterrâneas; a liberação de gases, principalmente o gás metano que é combustível; o espalhamento de lixo, como papéis e plásticos, pela redondeza, por ação do vento; e a possibilidade de criação de animais como porcos, galinhas, etc. nas proximidades ou no local.

Os resíduos assim lançados acarretam problemas à saúde pública, como proliferação de vetores de doenças (moscas, mosquitos, baratas, ratos etc.), geração de maus odores e, principalmente, a poluição do solo e das águas superficiais e subterrâneas através do chorume (líquido de cor preta, mau cheiroso e de elevado potencial poluidor produzido pela decomposição da matéria orgânica contida no lixo), comprometendo os recursos hídricos. Acrescenta-se a esta situação, o total descontrole quanto aos tipos de resíduos recebidos nesses locais, verificando-se, até mesmo, a disposição de dejetos originados dos serviços de saúde e das indústrias.

Comumente, os lixões são associados a fatos altamente indesejáveis, como a criação de porcos e a existência de catadores (que, muitas vezes, residem no próprio local). Embora apresente garantias razoáveis do ponto de vista sanitário, o aterro sanitário tem algumas desvantagens: desperdício de matérias primas, pois os materiais são perdidos definitivamente com que se produziram os objetos; e ocupação sucessiva de locais para deposição, à medida que os mais antigos se vão esgotando. Numa perspectiva de médio e longo prazo esse é um problema grave, pois normalmente apenas um número reduzido de locais reúne todas as condições necessárias para ser escolhido.

Quanto à incineração, é um processo de decomposição térmica, onde há redução de peso, do volume e das características de periculosidade dos resíduos, com a conseqüente eliminação da matéria orgânica e características de patogenicidade (capacidade de transmissão de doenças) através da combustão controlada. A redução de volume é geralmente superior a 90% e em peso, superior a 75%.

Para a garantia do meio ambiente a combustão tem que ser continuamente controlada. Com o volume atual dos resíduos industriais perigosos e o efeito nefasto quanto à sua disposição incorreto com resultados danosos à saúde humana e ao meio ambiente, é necessário todo cuidado no acondicionamento, na coleta, no transporte, no armazenamento, tratamento e disposição desses materiais.

Segundo a Associação Brasileira de Empresas de Tratamento, Recuperação e Disposição de Resíduos Especiais no Brasil, são 2,9 milhões de toneladas de resíduos industriais perigosos produzidos a cada 12 meses e apenas 600 mil são dispostas de modo apropriado. Do resíduo industrial tratado, 16% vão para aterros, 1% é incinerado e os 5% restantes são co-processados, ou seja, transformam-se, por meio de queima, em parte da matéria prima utilizada na fabricação de cimento.

Normas relacionadas ao tema:

NBR 13896 – de 06/1997 – Aterros de resíduos não perigosos – Critérios para projeto, implantação e operação

NBR 10004 – de 05/2004 – Resíduos sólidos – Classificação

NBR 10005 – de 05/2004 – Procedimento para obtenção de extrato lixiviado de resíduos sólidos

NBR 8418 – de 12/1983 – Apresentação de projetos de aterros de resíduos industriais perigosos

NBR 8419 – de 04/1992 – Apresentação de projetos de aterros sanitários de resíduos sólidos urbanos

NBR 8849 – de 04/1985 – Apresentação de projetos de aterros controlados de resíduos sólidos urbanos

NBR 10006 – de 05/2004 – Procedimento para obtenção de extrato solubilizado de resíduos sólidos

NBR 10007 – de 05/2004 – Amostragem de resíduos sólidos

NBR 12235 – de 04/1992 – Armazenamento de resíduos sólidos perigosos

NBR 11174 – de 07/1990 – Armazenamento de resíduos classes II – Não inertes e III – inertes

Anúncios

16 Respostas

  1. O artigo é muito interessante!

    Ralf

  2. Parabéns pelas informações, ótimo trabalho.

    abraços!

  3. esses dados são recentes?

  4. […] Para onde vai o lixo no Brasil? Janeiro, 2010 5 comentários […]

  5. Obrigada pelas informaçoes, ótimo trabalho

  6. Adoorei!! Isso vai ajudar muito no meu trabalho da escola!!

  7. AMEI , AMEI, AMEI ISSO VAI FAZER PARTE NA MINHA PESQUISA

  8. obrigada … pelas informações foi de grande importância para o enriquecimento dos meus conhecimentos .. tão de parabénsss

  9. muito bom me ajudou no trabalho de ciencias =]

  10. O grande problema do Brasil e a educação. Temos que educar a população do problemas que temos com o lixo. que mundo vamos deixa para nos criança

  11. q bom

  12. AMEI , AMEI, AMEI ISSO VAI FAZER PARTE NA MINHA PESQUISA

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: