A reciclagem do aço

 
Formação de Auditores Internos de Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Meio Ambiente, Saúde, Segurança do Trabalho e Responsabilidade Social) – Ao Vivo pela Internet

Este curso apresenta os detalhes sobre os requisitos das normas de gestão da qualidade, ambiental, de saúde, segurança do trabalho e responsabilidade social, relacionando-os com os requisitos específicos dos Sistemas de Gestão implantados (Normas NBR ISO 9001:2008, NBR ISO 14001:2004, OHSAS 18001:2007 e SA 8000:2008). Tem o objetivo de capacitar os participantes a realizar auditorias compartilhadas do Sistema Integrado.

De: 12/08/2010 a 30/09/2010.

R$ 175,78 mensais *

(10 parcelas)

(*) Valor por participante.

Disponível 24 horas por dia

Para se inscrever http://www.target.com.br/portal_new/ProdutosSolucoes/Cursos/Cronograma.aspx?pp=1&c=686

O aço é 100% reciclável, se for coletado e destinado corretamente a uma usina siderúrgica ou de fundição pode ser utilizado como matéria prima sem perder suas propriedades. Um fator interessante é que, caso não sejam encaminhadas à reciclagem, as embalagens de aço se degradam com muita rapidez na natureza, num período entre cinco a dez anos, dependendo das condições climáticas e geográficas do ambiente, sem causar quaisquer danos ao solo.

Na Europa, a lata de aço é a líder em reciclagem, sendo que o país campeão é Luxemburgo, com o índice de 93%. Nos EUA, o uso do aço é controlado por poucas indústrias, principalmente a automotiva, de eletrodomésticos, e pelo setor de construção. Entre os vários produtos que utilizam aço, a maior concentração de reciclagem é a do automóvel. Hoje, quase todos os automóveis descartados são reciclados e raramente são vistos automóveis abandonados como sucatas enferrujadas em ferros velhos.

A taxa de reciclagem dos eletrodomésticos está estimada em 77%. No setor de construção, a reciclagem de vigas e chapas de aço chega a 95%. Uma vez que mais de 60% do aço mundial é originado de sucatas, vale ressaltar que é mais fácil para os países desenvolvidos, com economias industriais e populações estáveis obterem a maior parte do aço através da reciclagem de sucata do que para os países em desenvolvimento. Isso porque o estoque de aço embutido na economia é essencialmente fixo, ou seja, o número de eletrodomésticos, a frota de veículos e o estoque de construções crescem muito pouco, ou quase nada. Nos países em estágios iniciais de industrialização, nos quais há um constante aperfeiçoamento da infraestrutura, as indústrias, as construções e os transportes deixam pouco aço para reciclar.

Segundo a Associação Brasileira de Embalagem de Aço (Abeaço – http://www.abeaco.org.br/abeaco.html), a reciclagem do aço é tão antiga quanto à própria história da utilização do metal. O aço é o material mais reciclado no mundo. No Brasil, assim como no resto do mundo, o mercado de sucata de aço é bastante sólido, pois as indústrias siderúrgicas precisam da sucata para fazer um novo aço, ou seja, cada usina siderúrgica é uma planta de reciclagem. O principal mercado associado à reciclagem de aço é formado pelas aciarias, que derretem a sucata nos altos fornos e transformam-na em novas chapas de aço. O interessante é que o aço para reciclagem não precisa ser totalmente livre de contaminantes, já que o próprio processo é capaz de eliminá-los.

Em 2008, foram produzidos 33,8 milhões de toneladas de aço bruto no país, dentro deste montante, 575 mil toneladas foram de folhas de aço para embalagens. Cerca de 10,2 milhões de toneladas de sucatas foram utilizadas para a produção de novo aço, valor correspondente a 30,1% do aço produzido no Brasil.

O aço é o material mais reciclado do mundo, sendo que em 2008 foram recicladas cerca de 385 milhões de toneladas no planeta. O incremento da coleta seletiva desse material estimula o aumento da demanda de empregos e equipamentos de separação, como os eletroímãs. 46,5% do total das latas de aço consumidas no Brasil em 2008 foram recicladas, incluindo 82% reciclados de latas de aço para bebidas (latas de duas peças). Este índice vem aumentando graças à ampliação de programas de coleta seletiva e educação ambiental.

Depois de separadas do lixo, por processo manual, ou através de separadores eletromagnéticos, as latas de aço passam por processo de limpeza em peneiras para a retirada de terra e de outros contaminantes. Em seguida, são prensadas em fardos para facilitar o transporte nos caminhões até as indústrias recicladoras. Ao chegar à usina de fundição a sucata vai para fornos elétricos ou a oxigênio, aquecidos, em média, a 1.550 graus centígrados. Após atingir o ponto de fusão e chegar ao estado de líquido fumegante, o material é moldado em tarugos e placas metálicas, que serão cortados na forma de chapas de aço. A sucata demora somente um dia para ser reprocessada e transformada novamente em lâminas de aço usadas por vários setores industriais – das montadoras de automóveis às fábricas de latinhas. O material pode ser reciclado infinitas vezes, sem causar perdas mecânicas, como dureza e resistência, ou prejudicar a qualidade.

(CLIQUE NA FIGURA PARA UMA MELHOR VISUALIZAÇÃO)

O CICLO DA RECICLAGEM

Quanto às embalagens, dentre as opções de material para embalagens, o aço sai na frente com suas inúmeras vantagens. A primeira vantagem, que só a lata de aço tem, é a extrema facilidade de separação entre materiais orgânicos e não orgânicos pela atração magnética, facilitando a seleção de resíduos. Além disso, a lata de aço é 100% reciclável, pois pode retornar infinitas vezes ao processo de fabricação sem que perca as características mecânicas do material. A lata de aço de hoje pode virar o carro de amanhã, depois a geladeira, depois uma nova lata e assim por diante.

A cada ano, são recicladas no mundo 385 milhões de toneladas de latas de aço, ou seja, a cada dia mais de 1 milhão de toneladas são reciclados. A economia de energia também impressiona: a cada 75 embalagens de aço recicladas, se salva uma árvore que, sem isso, estaria sendo transformada em carvão vegetal. A cada 100 embalagens de aço recicladas, poupa-se o equivalente a uma lâmpada de 60 W acesa por uma hora.

A sustentabilidade da lata de aço ainda pode ser comprovada em seu processo de fabricação: o aço reciclado é ingrediente necessário e fundamental para a fabricação do novo aço. O processo também vem sofrendo cada vez maior redução dos níveis de emissão de CO2, nas últimas três décadas a emissão foi reduzida em mais de 50%. Além disso, reduziu-se também o nível de consumo de energia primária no processo produtivo do aço em cerca de 40%.

 Como se obtém aço da sucata?

Para extrair o ferro do minério, é preciso aquecê-lo fortemente, junto com carvão e calcário. O ferro derretido sai com carbono dissolvido. E é chamado de ferro gusa. É muito duro e, além de quebrar com facilidade, tem muita impureza. Por isso não é tão usado. Para diminuir a quantidade de carbono do ferro gusa, queima-se o carbono com oxigênio. O volume de oxigênio é controlado para sobrar no ferro exatamente a quantidade de carbono que se quer. As propriedades do aço dependem muito da quantidade de carbono dissolvido no ferro.

Agora se pode saber como a sucata de ferro é transformada outra vez em aço. O metal escuro, quase preto, que a maioria das pessoas chama de ferro, na verdade é aço. As moedas, a chave de fenda, a tesoura, o cabo e as varetas do guarda chuva, o arame, as molas, os pregos, os parafusos são todos feitos de aço. Quando o ferro se liga ao oxigênio, as partículas de ferro se ligam às partículas de oxigênio para dar óxido de ferro.

A mesma coisa acontece com o óxido de cromo. As partículas de cromo que se ligam às partículas de oxigênio e dão óxido de cromo. Quando se queima o carbono, as partículas de carbono se ligam às partículas de oxigênio para dar o gás carbônico. O aço, que é vendido para o depósito de sucatas, geralmente está todo enferrujado. Não é o aço inoxidável. Portanto, a quantidade de cromo e de níquel nesse aço não é alta.

A sucata é colocada num forno e derretida. Quando o aço derrete, a ferrugem derrete junto. As substâncias que estavam no aço, principalmente carbono, cromo e níquel, ficam dissolvidas no ferro líquido. Algumas substâncias, que não fundem e que também não se dissolvem no ferro líquido, ficam boiando em cima do líquido. Essas impurezas são separadas.

Para fabricar o aço que tenha propriedades satisfatórias, há a necessidade de se saber quais são os metais que estão dissolvidos no ferro. Uma amostra do material derretido é levada para o laboratório para fazer a análise, que mostra exatamente os metais e as quantidades deles que estão dentro do líquido. A análise dá a composição da mistura, isto é, a porcentagem de cada substância na mistura. Uma vez conhecida a composição do ferro líquido, pode-se acertá-la até se chegar a uma composição satisfatória, colocando-se os metais que estão faltando.

 Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

QUALIDADE ONLINE – LINKS PATROCINADOS

Curso: Gestão da Qualidade por Processos
Data: 21/07/2010
Horário: 8h30 às 17h00
Valor: R$ 380,00

Sistema de Informações Tecnológicas
Curso Gratuito
Dias 05 de agosto de 2010

Assine a Revista Banas Qualidade
A única revista com matérias sobre gestão da qualidade, meio ambiente, metrologia e normas nacionais e internacionais.
http://www.banasqualidade.com.br/2009/assine.asp?tipo=1

Jogo da Responsabilidade Ambiental e Jogo da ISO 14001
Dois jogos divertidos, para treinar e conscientizar seus funcionários

2 Respostas

  1. pode me informar a fonte/ referência bibliográfica deste texto?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: