Aproveitar melhor o tempo é buscar a perfeição

CURSO AO VIVO PELA INTERNET

Formação de Auditores Internos de Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Meio Ambiente, Saúde, Segurança do Trabalho e Responsabilidade Social)

Este curso apresenta os detalhes sobre os requisitos das normas de gestão da qualidade, ambiental, de saúde, segurança do trabalho e responsabilidade social, relacionando-os com os requisitos específicos dos Sistemas de Gestão implantados (Normas NBR ISO 9001:2008, NBR ISO 14001:2004, OHSAS 18001:2007 e SA 8000:2008). Tem o objetivo de capacitar os participantes a realizar auditorias compartilhadas do Sistema Integrado.

De 12/08/2010 a 30/09/2010

R$ 175,78 mensais (*)

(10 parcelas)

(*) Valor por participante

Para se inscrever: http://www.target.com.br/portal_new/Home.aspx?pp=1&c=686

O PORTAL DAS NORMAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS

Há dias que o tempo parece correr como uma tartaruga e em outros tudo parece voar à velocidade da luz. Assim, administrar o tempo não é uma questão de ficar contando os minutos dedicados a cada atividade e sim uma questão de saber definir prioridades. Provavelmente, nunca se tem tempo para fazer tudo o que se precisa e deseja fazer. Saber administrar o tempo é ter clareza cristalina sobre o que é mais prioritário e tomar providências para que essas coisas sejam feitas, sabendo que as outras provavelmente nunca vão ser realizadas.
Segundo o autor do livro “Quem roubou o meu tempo” e consultor Ernesto Artur Berg, todos já passaram por situações em que o tempo pareceu ter parado e os minutos levaram horas para passar. “Isso, provavelmente, aconteceu enquanto você esperava por algo ou não tinha nada para fazer. No entanto, história bem diferente acontece quando você está apressado, ou pior, atrasado, ou quando tem muito trabalho esperando por você na sua mesa. Por que isso acontece? A resposta é simples, isso não acontece, acredite. O tempo não anda mais depressa e, tampouco, mais devagar”.
“Uma das principais dificuldades das pessoas está em conseguir se organizar no trabalho e muitas vezes, isso se dá por erros cometidos pela própria organização. Obviamente, nenhuma empresa deseja que seus colaboradores desperdicem tempo e diminuam a produtividade. Mas, a necessidade de sobrevivência pode levar a certos atropelos, tanto de pessoas quanto de processos, e essas atitudes podem impedir o bom uso do tempo”, acrescenta.
Berg destaca três erros comuns em empresas: primeiro, a não fixação de linhas claras de planejamento e ação consciente provocam transtornos organizacionais. Segundo, não se deve ignorar a importância de definir prioridades, sejam internas ou externas, e seguir à risca o plano traçado. E, por último, não ter disciplina ao adotar métodos eficazes de gestão do tempo, que, uma vez utilizados, dão um alto retorno aos seus praticantes.
Neste contexto, o gestor ou a coordenação da organização também podem contribuir positivamente para que seu grupo obtenha melhores resultados. Em principio, é necessário que o líder desenvolva a plena consciência de que uma boa gestão do tempo traz benefícios reais como aumento de produtividade e melhora no desempenho profissional. Na prática, Berg ensina a adoção de alguns métodos simples, como fazer uma lista diária das atividades que devem ser executadas naquele período. É vital que se estabeleçam quais são as prioridades e, sempre, colocá-las no topo da lista de atividades. É necessário fazer primeiro o que é prioridade e não o que é mais fácil ou mais prazeroso. Por último ficam as tarefas menos significativas. “As pessoas tendem a começar pelo que é mais gostoso de fazer. Quando chegam ao que realmente importa já se está cansado, as ideias não fluem mais e, geralmente, sobraram poucas horas disponíveis para trabalhar”, explica.
Se a priorização é importante, disciplina é imprescindível. Muitas vezes existe um plano estabelecido, porém, é preciso segui-lo à risca. Outro detalhe importante, quase sempre esquecido mesmo por aqueles que adotam uma agenda de tarefas, é deixar um espaço para resolver os imprevistos ou novos trabalhos que podem ocorrer. “É preciso saber lidar também com interrupções, sejam elas do chefe, de colega ou de clientes, pois você não controla a agenda deles”, sugere o especialista.
Ao contrário do que muitos pensam a reunião também pode ser uma vilã contra o tempo. Realizada, em tese, para pôr ordem na casa, pode atrapalhar mais do que ajudar, alerta Berg: “Novamente, as pesquisas mostram – e eu tenho experiência pessoal disso também -, que apenas 10% das pessoas sabem fazer reuniões produtivas; as outras 90% não tem nenhuma noção do que é uma reunião bem feita, com resultados concretos e estabelecimento de ações efetivas. É importante sair de uma reunião com metas claras, objetivas e possíveis de serem cumpridas, evitando divagações, metas inatingíveis e longas discussões, que terminam sem que se defina uma solução”.
Porém, de nada adianta um bom planejamento por parte da empresa e da liderança, sem que haja, paralelamente, o comprometimento por parte dos colaboradores. “Nesse sentido, as dicas se assemelham as dos líderes: criar uma agenda de atividades, com prioridades e ter disciplina para cumprir o que foi estabelecido. Os resultados é que são um pouco diferentes. A empresa, em um primeiro momento, busca resultados positivos e lucros e o funcionário, além de resultados, busca sucesso e qualidade de vida no trabalho. Ninguém deseja estar em um ambiente desagradável, cercado de colegas estressados, ansiosos e nervosos. É aí que um bom planejamento auxilia e permite que o trabalho transcorra com mais tranquilidade, sem que se perca em rendimento pessoal”.
Não é novidade que um colaborador motivado e saudável trabalha mais e melhor. Consequência: todos ganham, inclusive, os clientes externos. “Saber dizer não pode ser bom para quem diz e para quem recebe. Por pressão, por medo ou por não se dar conta do tamanho da responsabilidade assumida, é comum que as pessoas aceitem fazer todas as tarefas que lhe são delegadas, sem ter reais condições para fazê-las. Isso é um grande erro, segundo Berg. É mais útil que se diga ao colega, ou mesmo ao superior, o que é possível, ou não, de ser realizado. A maioria dos colaboradores assume cada vez mais e mais trabalhos, acarretando sobrecarga de atividades e o resultado já é conhecido: estresse, irritação, cansaço, frustração, estados de depressão etc.”, comenta.
Quando questionado qual a relação do bom uso do tempo e a obtenção do sucesso Berg é muito claro ao afirmar que somente a preocupação em ser eficiente no trabalho não leva diretamente ao sucesso. É preciso que se tenham outras aspirações, além disso: “Se o indivíduo tiver um claro propósito de vida, tanto profissional, quanto pessoal, e aliar a isso os instrumentos e processos de gestão do tempo, certamente terá todas as chances de um grande sucesso, não importa que área seja”.
O planejamento e as prioridades de ação representam o início de um processo, mas a perseverança e a determinação para colocar esses princípios em prática é que determinam se o resultado será positivo. A boa administração do tempo conduz também a uma melhor qualidade de vida. Com o trabalho organizado, a tendência é a diminuição da sensação de estresse e de pressão e maior tranquilidade nos momentos fora do escritório. Ao chegar em casa, os momentos de folga é aproveitada para o lazer pessoal, seja ele com a família ou com amigos.
Certamente não se pode ignorar que fatores externos podem, e irão, em certos momentos, interferir e atrapalhar planejamentos. O maior desafio, de acordo com Berg, é a postura com a qual enfrentamos os problemas e com que grau de assertividade e objetividade eles serão solucionados. “Costumo dizer que as pessoas improdutivas são excelentes desperdiçadoras de tempo e conhecem tudo a respeito de como serem ineficientes, e que as pessoas produtivas são mestres no uso do tempo e sabem como extrair o melhor das horas do dia, fazendo do tempo seu maior aliado”, conclui.

Quadrinhos corporativos

Recebi do Tomaz Edson um pedido para divulgar a Gibiosfera, um estúdio que utiliza as revistas em quadrinhos como ferramenta de comunicação corporativa. “Sempre acreditei que os recursos utilizados nesse meio de comunicação como linguagem falada, foco na leitura, personalização da informação, a emoção dos personagens pelas expressões faciais e corporais e o bom humor auxiliariam os profissionais de diversas áreas responsáveis pela distribuição da informação a obter os resultados esperados. Conheci o seu blog e fiquei impressionado com sua formação acadêmica e sua experiência editorial bem como seu interesse nos negócios da qualidade e toda a sorte de comentários positivos que lá encontrei”, explica ele porque entrou em contato com o site.

Segundo ele, o estúdio trabalha histórias onde os ambientes empresariais pudessem ser identificados como comércio, indústria ou serviços porque se trata de temas também de interesse geral da comunidade onde as empresas atuam. “Assim, além dos colaboradores receberem informações relevantes de determinados programas, como se trata de material de leitura atraente, as revistas em quadrinhos costumam atravessar os portões da empresa onde foram distribuídas e chegar às mãos da família do colaborador. Com isso, a empresa tem a oportunidade de demonstrar seu compromisso e consciência ambiental e multiplicar a informação de que busca um crescimento sustentável através de um sistema ambiental integrado. Também temos a preocupação em cativar o leitor com uma história onde existe a apresentação dos personagens e seu universo primando pela linguagem falada. Com isso, aumentamos a certeza de leitura e, consequentemente, o entendimento e a adesão dos colaboradores da empresa ao programa em questão”, conclui.

Site do estúdio: www.gibiosfera.com.br

Siga o blog no TWITTER
Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Anúncios

Como vem evoluindo a qualidade das tintas imobiliárias

A gente pinta e, depois de 15 dias, a tinta começa a escorrer pela parede sumindo gradativamente. Esse poderia ser o depoimento de um usuário de tintas no Brasil. Depois que o Inmetro fez uma avaliação das tintas imobiliárias látex econômicas em novembro de 2008 (http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/tintasImobiliarias.pdf), o que melhorou e piorou nesse mercado. Em suas conclusões, o instituto revelou que 53% das marcas analisadas tiveram amostras que não atenderam aos requisitos mínimos estabelecidos nas normas brasileiras pertinentes.

Aparentemente, esse índice mostra uma divisão no setor. Entretanto, de acordo com o Programa Setorial da Qualidade de Tintas Imobiliárias, reconhecido no âmbito do Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat (PBQP-H) pela Secretaria Nacional da Habitação do Ministério das Cidades, as empresas que têm colocado no mercado produtos não conformes às normas representam cerca de 20% do setor.

Todas as marcas de tintas cujas amostras foram consideradas não conformes na análise coordenada pelo Inmetro encontram-se classificadas da mesma forma no Programa Setorial. O mesmo vale para as marcas com amostras consideradas conformes. Os problemas observados representam potencial prejuízo econômico para o consumidor, agravado pelo fato de tratar-se de um tipo de tinta com preço mais baixo e, por isso mesmo, mais acessível às pessoas de pouco poder aquisitivo. Além de serem enganosas quanto ao rendimento, incorrendo em maior gasto de material e de horas de trabalho, as tintas fabricadas em desacordo com a normalização apresentam deficiência quanto à durabilidade e comprometem a proteção adequada do patrimônio do consumidor.

A Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas (Abrafati) ficou responsável pelo Programa Setorial da Qualidade – Tintas Imobiliárias. Usa como critérios:

  • Tinta Látex Econômica – A verificação da qualidade é realizada de acordo com a NBR 15079 – Especificação dos requisitos mínimos – Tinta látex econômica nas cores claras, publicada pela ABNT, em 30 de junho de 2004. A norma especifica que todas as tintas látex fabricadas e comercializadas no Brasil, de qualquer nível de qualidade, devem atender as exigências mínimas contidas na NBR 15079.

Ensaios – Poder de cobertura de tinta seca – NBR 14942: a película de tinta deve apresentar poder de cobertura de no mínimo 4,0 m²/l. Poder de cobertura de tinta úmida – NBR 14943 : a película deve apresentar a razão de contraste de no mínimo 55%. Resistência à abrasão sem pasta abrasiva – NBR 15078 : a película de tinta deve resistir no mínimo por 100 ciclos.

  • Massa corrida – A verificação da qualidade das massas niveladoras está sendo feita com base na NBR 15348 – Tintas para construção civil – Massa niveladora monocomponente à base de dispersão aquosa para alvenaria – Requisitos.

Ensaios: NBR 15303 – Determinação da absorção de água de massa niveladora: a quantidade de água absorvida pela massa niveladora não deve ser superior a 15% no caso de massa interior e de 18% para massa de uso interior/exterior. NBR 15312 – Determinação da resistência à abrasão da massa niveladora: a quantidade de massa niveladora seca desbastada não deve superar 10 gramas no caso de massa de uso interior, e de 5 gramas para uso interior e exterior. Nota: As formas de determinar os valores para absorção de água e para resistência à abrasão são diferentes para os dois tipos de massas: interior e exterior.

  • Esmalte Sintético – A verificação da qualidade está sendo feita com base no Projeto – 02:115.29-0 – Tintas para construção civil – Especificação dos requisitos mínimos de desempenho de esmalte sintético para edificações não-industriais.

Ensaios: Projeto 02:115.29-004 – Determinação do tempo de secagem de tintas e  vernizes por método experimental. Projeto 02:115.29-643 – Determinação do poder de cobertura de tinta seca. Projeto 02:115.29-048 – Determinação do teor de substâncias voláteis e não voláteis.

Segundo a associação, o objetivo maior foi a melhoria da qualidade dos produtos em benefício do mercado consumidor e assegurar a lealdade na concorrência. Ele é importante para determinar uma qualidade mínima para o setor. O programa é gradual e visa que todo fabricante de tintas possa produzir em conformidade. Atualmente, conforme diz a Abrafati, 100% das empresas que participam do Programa estão em conformidade com as normas brasileiras e técnicas. Também é possível notar uma melhoria crescente nas marcas de tintas imobiliárias que são acompanhadas pelo Programa, permitindo assim traçar um panorama de mais de 90% do setor. Para conhecer quais os produtos conformes e não conformes, clique no link http://www.tintadequalidade.com.br/

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.