Há uma banalização da metodologia denominada coaching?

LIVROS SOBRE O COACHING

O coaching tem se revelado um processo de treinamento eficiente. Seus métodos se destacam por proporcionar uma parceria entre o coach e o cliente, identificando e alcançando os objetivos.

http://www.qualistore.com.br/busca.asp?busca=coaching&ses_id=procurar+em+todas+as+lojas

Coaching é uma metodologia que surgiu nos processos de mudanças organizacionais durante os últimos anos, para o desenvolvimento gerencial e de lideranças. Em linhas gerais, ele enfatiza o poder transformador do uso do potencial humano e da aprendizagem contínua. .O coaching se apóia nos seguintes pressupostos básicos: as pessoas sabem mais do imaginam; as pessoas possuem recursos, que nem sempre usam, para elevar sua performance; perguntas adequadas, estimulantes e objetivas valem mais do que ordens e controles; todo erro representa uma oportunidade de aprendizagem; metas desafiantes e viáveis estimulam as pessoas a darem o melhor de si; querer é poder; e as pessoas são capazes de mudar se assim o desejarem.

Segundo alguns especialistas, ele pode ser tomado como um processo que tem como objetivo fomentar no subordinado o conhecimento de si próprio e ajudar a criar neste o desejo de melhorar ao longo do tempo. Trata-se, assim, de uma filosofia de liderança que assenta no pressuposto de que a aquisição e o desenvolvimento competências são processos contínuos e da responsabilidade de todos, e não apenas episódios isolados e limitados no tempo e impulsionados pelas chefias.

Na prática, o coach ajuda o seu colaborador a aprender, a descobrir as áreas de maior potencial de desenvolvimento, a desenvolver a sua inteligência emocional, a fazer opções, a definir os seus próprios objetivos, a analisar os seus próprios erros, bem como as suas causas e as formas de corrigi-los, faculta-lhe informações e pistas que lhe permitam tomar opções e efetuar decisões

A consultora associada da Muttare, Roberta Yono Ebina (redacao2@atozcomunicacao.com.br), ressalta que “antes das empresas ou profissionais fazerem uso desta técnica é preciso saber exatamente quais são os objetivos da organização ou do profissional em questão. O papel do coach é de facilitador na busca pela realização das mudanças necessárias. Potencializando suas escolhas e contribuindo para melhorar o desempenho diante de determinadas situações”.

De acordo com o Relatório Final do Estudo de Cliente Global de Coaching da International Coach Federation (ICF), as empresas que utilizaram (ou ainda utilizam) o coaching profissional por motivos comerciais obtiveram um retorno médio sobre o investimento sete vezes maior. Já nos casos dos clientes individuais, o retorno médio foi de 3,44 sobre o investimento.

A consultora afirma que existem diversos modelos para a realização de coaching na área profissional. ”Para cada objetivo o cliente é estimulado a traçar uma linha estratégica. No caso de um profissional almejar desenvolver certas habilidades, aperfeiçoar sua carreira em determinados aspectos ou buscar uma nova colocação profissional em sua área de atuação, é possível chegar a um resultado de metas em poucas sessões”.

Exercer esta atividade dentro de empresas e junto aos profissionais dos mais variados níveis hierárquicos não é tarefa fácil. Roberta, que aplica este processo há cinco anos em organizações de variados nichos e tamanhos, afirma que “a banalização deste conceito complica ainda mais o trabalho dos profissionais compromissados, já que muitos aproveitadores ‘vendem’ o serviço sem saber executá-lo da forma adequada. Em muitos casos, as pessoas confundem este trabalho com terapia ou aconselhamento, o que é muito errado”.

Roberta enumera cinco importantes dicas àqueles que necessitam mudar alguma característica profissional, ou, mesmo, pessoal:

  • Estabelecer metas é essencial: parte dos fracassos na realização do coaching ocorre pela falta de escrever as metas e as datas que as mesmas devem ser alcançadas.
  • Não deixe seu passado interferir nesta nova fase: como em diversas fases da vida, a sombra do que passou pode interferir nas conclusões de algumas tarefas. Esqueça a zona de conforto.
  • Como o maior beneficiário do processo será você, a responsabilidade é sua: muitos desejam ter sucesso na vida profissional e particular, porém, se por alguma razão a realização não for por completa, justificará que fatores externos o impediram. Isso é errado.
  • Planeje os resultados esperados para o período escolhido: todos os dias visualize seu objetivo principal. Se o processo for longo, estabeleça etapas para serem cumpridas.
  • Nunca pare de aprender: conhecimento aplicado à prática no dia a dia é fator crítico de sucesso para qualquer área ou objetivo. Ouse tentar acertar e errar. Lembre-se que existem diversos caminhos para chegar a determinado resultado, no coaching você é responsável por descobrir a rota mais apropriada.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Anúncios

Efeito Doppler

LIVROS SOBRE METROLOGIA – A CIÊNCIA DA MEDIÇÃO

Conheça a metrologia desde o seus nascimento das unidades de comprimento em épocas antigas até a medição convencional com instrumentos digitais e eletrônicos.

http://www.qualistore.com.br/secao_detalhe.asp?secao=5&secundaria=12 

Uma leitora disse que gostaria de saber mais sobre o efeito Doppler. Dissecado pelo austríaco Christian Doppler em 1843, pode ser explicado quando uma fonte sonora ou seu receptor estão se movendo e ocorre uma alteração aparente na frequência percebida do som. Suponha que uma fonte A emite 100 ondas por segundo. Um observador O perceberá a passagem de 100 ondas a cada segundo. Entretanto, se o observador se move na direção da fonte A, o número de ondas que ele encontra a cada segundo aumenta proporcionalmente à sua velocidade e a frequência aparente será dada por:

onde ƒA é a frequência da fonte, vo a velocidade do observador, e v a velocidade do som. Assim a frequência aparentemente aumenta enquanto o observador se move em direção à fonte. Quando o observador passa pela fonte A, a frequência cai abruptamente, já que ele passa a se afastar da fonte (nesse caso, vo deve ser subtraida de v).

O mesmo efeito ocorre se a fonte estiver em movimento, como no caso de uma ambulância que passa com a sirene ligada por um observador. A figura abaixo mostra que as ondas produzidas se assemelham a esferas cujos centros se deslocam na direção do movimento da fonte.

Neste caso a frequência aparente será:

Em resumo, a observação do cientista diz respeito ao seguinte: quando um carro passa buzinando o som parece mudar de tom? Enquanto o carro se aproxima, o som de sua buzina é mais agudo, e quando está se afastando, se torna mais grave. Mas para quem está dentro do veículo o tom não muda. Enquanto o homem se deslocava a baixas velocidades, usando as próprias pernas, cavalos, carruagens ou barcos, este efeito não foi notado.

Somente após o advento das estradas de ferro, o homem pode aumentar a sua velocidade de deslocamento, e estes efeitos se fizeram sentir. O som se desloca em forma de ondas a uma velocidade constante para um determinado meio. A velocidade do som no ar é de 344 m/s a 20 ºC. Quando a fonte sonora se desloca a uma velocidade relativamente grande, pelo menos uns 10% da velocidade do som, as frentes de onda que se aproximam são comprimidas e o som parece mais agudo, enquanto elas se rarefazem quando a fonte do som se afasta. Este fenômeno foi chamado de efeito Doppler.

Atualmente, o efeito Doppler é utilizado em instrumentos de medição, como os sonares dos submarinos, na medição de distâncias e na prospecção geológica. Contudo, não ficou limitado aos fenômenos acústicos, já que os radares usam o mesmo efeito sobre as ondas eletromagnéticas para detectar obstáculos.

No caso da astronomia, os cientistas observaram que as estrelas de outras galáxias eram formadas pelos mesmos elementos já conhecidos, já que as raias encontradas eram as mesmas, só que suas raias estavam deslocadas para o lado vermelho da janela óptica. Quanto mais distantes as galáxias, maior este deslocamento. Em algumas das galáxias mais próximas o desvio era para o azul! A única explicação plausível era a velocidade de afastamento da galáxias.

Quando o deslocamento era para o azul (blueshift), indicava uma aproximação. O deslocamento para o vermelho (redshift) é definido como z, e é expresso em percentuais da velocidade da luz c. Assim um z = 0,2 significa um afastamento com 20% da velocidade da luz, ou sejam 60 000 km/s. Hoje, conhecem-se os quasars que têm um z = 4, isto é, um deslocamento para o vermelho de 400%. Usando as fórmulas relativísticas, calcula-se que se afastam de nós com velocidades próximas à da luz. Leia um texto em inglês sobre como os astrônomos estão usando o efeito para localizar e estudar planetas distantes em http://web.mit.edu/newsoffice/2010/explained-doppler-0803.html

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.