Indicadores gerenciais ajudam os processos de gestão

Normas comentadas

Confira quais as normas comentadas disponíveis. Elas oferecem mais facilidade para o entendimento e são muito mais fáceis de usar: http://www.target.com.br/portal_new/produtossolucoes/NBR/Comentadas.aspx

NBR 14039
Instalações elétricas de média tensão de 1,0 kV a 36,2 kV. Possui 140 páginas de comentários
NBR 5410
Instalações elétricas de baixa tensão – Comentada – para windows, versão 2004
NBR ISO 9001 – COMENTADA
Sistemas de gestão da qualidade – Requisitos

Quando eu escrevi o e-book “Indica Dores Empresariais” a minha ideia era mostrar aos gestores onde os números e os resultados de dois ou mais fatores estão mostrando, de forma inequívoca, os locais com problemas ou dores nas empresas. Os indicadores de desempenho devem ser desenvolvidos de cima para baixo e precisam interligar as estratégias, recursos e processos. A avaliação da qualidade depende principalmente de um conjunto de indicadores de desempenho, processos de gestão claramente definidos – onde os indicadores estão adaptados – e recursos para coletar e propagar os indicadores na organização.

Tomar decisões acertadas significa conhecer com precisão os fatores que envolvem a questão, dominar fatos e dados. Para isso, a empresa deve dispor de um rotineiro sistema de acompanhamento dos fatos e da medição de resultados que mais interessam a seu negócio. São estes, em sua maior parte, indicadores de desempenho.

Um sistema de medição bem feito resulta em inúmeros benefícios ao empresário e à empresa:

  • Informações confiáveis a respeito do que está certo ou errado na empresa;
  • Identificação de pontos estratégicos e priorização de esforços em direção a eles;
  • Fornecimento de base para consenso sobre problemas, procedimentos e soluções;
  • Objetividade da avaliação;
  • Possibilidade de acompanhamento histórico;
  • Definições sobre papéis e responsabilidades;
  • Medição de graus de eficiência e eficácia da empresa.

Os indicadores de desempenho podem ser utilizados para:

  • Controle: as medições ajudam a reduzir as variações, como por exemplo, controle dos lotes de matéria prima;
  • Auto-avaliação: as medidas podem ser usadas para avaliar quão bem está se comportando o processo e determinar as melhorias a serem implementadas;
  • Melhoria contínua: as medidas podem ser utilizadas para identificar fontes de defeitos, tendências de processos e prevenção de defeitos, determinarem a eficiência e efetividade dos processos, bem como as oportunidades para sua melhoria;
  • Avaliação administrativa: sem medir não há certeza de que se está agregando valor, e se está sendo efetivo e eficiente.

As medições podem ser classificadas segundo a finalidade da informação que fornecem, em:

  • Medição para visibilidade: são medidas para diagnóstico e têm por objetivo identificar pontos fortes e fracos ou disfunções para que seja possível propor ações de melhoria. A finalidade principal é demonstrar o desempenho atual. A avaliação é feita por comparação com dados médios do setor ou dados semelhantes de concorrentes.
  • Medição para controle: são medições que visam a controlar o desempenho em relação a um padrão estabelecido. A avaliação é feita comparando-se os resultados com padrões adotados ou convencionados. Estes padrões constituem médias e os limites de controle superior e inferior.
  • Medições para melhoria: as medições podem, também, ser utilizadas de modo a comparar a implantação de uma melhoria em relação á meta estabelecida. Este tipo de medição visa a identificar as oportunidades de melhoria ou verificar o impacto das intervenções no processo e podem ser utilizadas para assegurar a implantação de estratégias. A avaliação é feita comparando o desempenho da variável medida em relação á meta estabelecida.

A utilização das medidas contribui, efetivamente, para a motivação e envolvimento das pessoas com a melhoria, pois permite um retorno quanto ao seu próprio desempenho. Os indicadores de desempenho atuam como instrumento de planejamento, gerenciamento e mobilização, pois concretizam objetivos, organizam ações e conferem visibilidade dos resultados alcançados.

Para o sócio diretor da Vecchi Ancona Estratégia e Gestão, Paulo Ancona Lopez (simone@grupovervi.com.br), a gestão saudável de uma empresa é obtida através do uso sistêmico de inúmeras ferramentas que devem trabalhar juntas. “Pegue a caixa de ferramentas do RH, junte algumas outras que são da área financeira, aproveite aquelas ferramentas novas da caixa de marketing e por aí afora. Possivelmente isso vai ser bom para sua empresa, desde que você tenha habilidade suficiente para usar todas elas ao mesmo tempo, sem, por exemplo, querer furar com um voltímetro, ou aplainar com uma furadeira. Digamos que não seja muito fácil para um gestor conseguir se utilizar de tantas ferramentas ao mesmo tempo. Ninguém é capaz de possuir tantas competências e conhecer a fundo cada um dos processos de trabalho e ao mesmo tempo ter tempo para analisar, gerenciar e tomar decisões acertadas o tempo inteiro. Ah, é verdade ! Os sistemas informatizados nos ajudam muito e eles podem fazer parte do papel dos gestores! Errado. Eles criam as condições para a gestão, mas não existem soluções viáveis, principalmente para empresas pequenas e médias, em que um sistema substitua o gestor”, assegura.

Segundo ele, o resumo da ópera pode ser descrito da seguinte forma: você precisa comandar sua empresa e errar o menos possível (se possível acertar sempre), para que os resultados apareçam e seu negócio seja competitivo e rentável. Que tal, então, transformá-lo num gerente de poucos indicadores, em lugar de gerenciar cada um dos processos e dentro deles, cada uma das pessoas ? “Para conseguir se transformar no efetivo gestor de sua empresa, será preciso definir os seus principais processos e desenhá-los ou redesenhá-los sob a forma de fluxo, descartando todas as atividades supérfluas ou efetivamente desnecessárias e levando sempre em conta que a satisfação dos clientes é o foco a ser atingido. O cliente é o foco e tudo que não resulte em resultados é despesa e por isso deve ser eliminado do processo.

É muito importante, para cada atividade, que a matriz quem, quando, onde e como esteja totalmente respondida e, por conseguinte, as responsabilidades se tornem muito claras para todos: executores e gestores. Desenhados os processos, é preciso verificar quais são os pontos principais destes processos que merecem ser constantemente verificados e acompanhados. Muito bem: acabamos de definir os indicadores de desempenho de cada processo. Simples e objetivo. Ancona cita, como exemplo, um indicador da eficácia de vendas, pode ser a resultante do número de propostas pelos pedidos realmente fechados. Ou a relação entre o numero de funcionários da loja pela vendas mensais. E que tal comparar o resultado de diferentes lojas comparando a metragem quadrada delas pelas vendas, ou ainda, em uma indústria, a relação de compras do mês sobre o faturamento.

“Pode parecer que todos usam estes indicadores, mas no mundo real a maioria das empresas trabalha só por fluxo de caixa: se tem verba compra estoque, e aí por diante, sem se dar conta de que é necessário analisar informações de forma sistêmica, para saber como e onde existem possibilidades de melhorar os resultados. Se trabalharmos só de olho no fluxo, estaremos agindo a partir de fatos ocorridos, sem tomar nenhuma ação de correção de rumo, ou seja, ficaremos a vida toda agindo reativamente, sem ter o comando da situação.O outro lado da moeda nos mostra um gestor analisando gráficos de resultados históricos, podendo observar para onde caminha a empresa e com todas as condições de atuar nos pontos nevrálgicos. Com indicadores bem pensados, responsabilidades claras e acompanhamentos sistêmicos, é possível gerenciar desde pessoas e seu desempenho, até os resultados financeiros e a eficácia das estratégias e processos da empresa. Gerenciar sobre fatos e focando metas transparentes é muito mais simples do que possa parecer, mas para isso é preciso acreditar que metodologias funcionam mais do que o medo de perder o poder ou de abrir a empresa para uma forma de atuação onde a base seja a competência e a responsabilidade de todos”.

E não se esqueça de alguns conceitos importantes:

Indicadores – Aquilo que se quer medir. Indica a situação de um determinado processo. São variáveis representativas de um processo que permitem quantificá-lo. São constituídos por duas unidades de medida correlacionadas. São os referenciais que servem de base para uma tomada de decisão e que visa a melhoria de um processo.

Processo – conjunto de atividades destinadas a produzir produtos/serviços desejados pelos clientes, de acordo com uma lógica preestabelecida e com agregação de valores.

Unidade de Medida – tudo aquilo que se pode contar, mensurar, aferir, apurar, medir dentro de um processo.

Ex.: 12 maças num saco; 6 estão estragadas, logo 6/12 x 100% = 50% estão estragadas. Unidades de medidas similares podem obter resultados percentuais.

Índice – expressão ou resultado numérico de um indicador. Relação entre medidas.

Exemplo: O carro anda a 50 km/h

       Indicador: velocidade

        Índice: 50 km/h

Um trabalhador produz 100 blocos por dia

        Indicador: produtividade do trabalhador

        Índice: 100 blocos/dia

Cada indicador pode estar associado a vários índices, mesmo que reflitam aspectos de uma mesma realidade.

Exemplo: Os indicadores de satisfação dos clientes podem estar associados a:

N° de reclamações/N° de clientes

N° de devoluções/N° de clientes

Tempo médio de atendimento/cliente

Freqüência de compras/cliente

Observação: medições simples não constituem índices

Exemplo: Medições: 20°C, 3 km, 100 blocos, 2 horas, R$ 200,00

      Índices: 3 km/h, R$ 200,00/blocos, 100blocos/dia

Meta – é o valor pretendido para o indicador de um produto ou processo, a ser atingido em determinadas condições, estabelecidas no planejamento.

Coleção e-books Volume 6 - INDICA DORES EMPRESARIAIS (envio do arquivo por email)

E-book: Indica Dores Empresariais

Os indicadores de desempenho são elementos chave num programa de gestão da qualidade, cuja função é evidenciar a necessidade de ações de melhoria e verificar se as ações implementadas estão produzindo os efeitos desejados, bem como as suas tendências. Indicadores de desempenho são números, resultados de dois ou mais fatores e que nos mostram, de forma inequívoca, como andam as coisas na empresa. Clique para mais informações.

Glossário Técnico Gratuito

Disponível em três línguas, a ferramenta permite procurar termos técnicos traduzidos do português para o inglês e para o espanhol. Acesse no link http://www.target.com.br/portal_new/ProdutosSolucoes/GlossarioTecnico.aspx?ingles=1&indice=A

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Anúncios

Qualidade de vida: cuidado com a comida dos fast-foods

Hoje, há uma necessidade crescente das pessoas por uma alimentação próxima ao local de trabalho com a finalidade de evitar a perda de tempo, que inevitavelmente conduz à substituição do almoço tradicional por lanches ou sanduíches. Com isso, proliferaram em variedade e em número as redes de fast-foods com o objetivo de atender aos consumidores que, além de se alimentarem fora de casa, também têm pressa e procuram por refeições rápidas, com qualidade higiênico-sanitária e com preços acessíveis.

O fast-foods é um segmento no setor de alimentação que se constitui pela produção mecanizada de um determinado número de itens padronizados, os quais são sempre idênticos em peso, aparência e sabor. Em geral, as redes de fast-foods oferecem variedade limitada de produtos no cardápio, garantia da procedência de sua matéria-prima e preços compatíveis com o tipo de alimentos comercializados. Alguns exemplos de redes de fast-foods bastante conhecidas são: Mc Donald’s, Bob’s, Baked Potato e Pizza Hut. 

Glossário Técnico Gratuito

Disponível em três línguas, a ferramenta permite procurar termos técnicos traduzidos do português para o inglês e para o espanhol. Acesse no link

http://www.target.com.br/portal_new/ProdutosSolucoes/GlossarioTecnico.aspx?ingles=1&indice=A

Os nutricionistas destacam que consumir sanduíches ou pizzas, no almoço, uma ou duas vezes por semana, não prejudica ninguém, desde que os seus ingredientes não sejam tão ricos em gordura. Assim, os produtos que não contenham embutidos (bacon, salame, presunto), maionese, cheddar, catupiry, molhos cremosos ou que não sejam fritos, na maioria das vezes, possuirão menos calorias em relação aos que abusam desses ingredientes.

Um fator que se deve levar em conta também são os nomes das preparações: aqueles que contêm os adjetivos Big, Super, Supreme possuem uma quantidade maior de ingredientes ricos em gordura do que os comumente comercializados, fornecendo mais calorias. Igualmente seus acompanhamentos e as sobremesas. Por isso, dê preferência à batata frita pequena e ao refrigerante light. Entre as sobremesas disponíveis, escolha a menos calórica como, por exemplo, uma tortinha de banana (211 kcal) ou invés do sundae de chocolate (299 kcal). Mas, como essas sobremesas são bastante calóricas, consuma-as esporadicamente.

Outra dica fundamental: não saia do trabalho com muita fome, pois se a pessoa passou muitas horas sem se alimentar, ficará muito difícil entrar em um estabelecimento de fast-foods e pedir apenas uma batata assada com recheio requeijão e cogumelos ou uma pizza brotinho de mussarela ou ainda, um hambúrguer. O longo período em jejum fará com que acabe ingerindo o maior sanduíche com todos os complementos. Dessa forma, a quantidade de calorias consumidas poderá, até mesmo, ser o equivalente à necessária para mais de duas refeições.

Uma alimentação saudável deve ser variada para que todos os nutrientes possam ser obtidos na quantidade recomendada. Entretanto, como os alimentos das redes de fast-foods apresentam alta quantidade de gordura, quando for consumi-los, dê preferência aos menos calóricos e, assim, você estará evitando o excesso de calorias que será depositada na forma de gordura corporal o que fará com que aumente de peso. Por isso, não é proibido alimentar-se em fast-foods mas, para não cometer exageros, é preciso freqüentá-los esporadicamente.

E será que irá resolver o acordo do governo com as cerca de 60 das principais redes de lanchonetes e restaurantes do país que se comprometeram a divulgar a tabela nutricional dos alimentos que servem. Essas redes têm até junho de 2011 para implementar a medida. Dados como calorias e quantidade de gordura deverão ser informados preferencialmente nas embalagens dos produtos. Quando isso não for possível, as lojas deverão disponibilizar as informações nos cardápios, em cartazes ou folhetos. As redes confirmadas: Rei do Mate, KFC, Bob’s, Grão Expresso, Bon Grillê, Divino Fogão, Seletti, Amor aos Pedaços, China in Box, China in House, Gendai, Risoto Mix, Vivenda do Camarão, Café do Ponto, Spoletto, Domino’s Pizza, Kopenhagen, Spedini e Giraffas.

O McDonald’s passou a imprimir informações nutricionais nas embalagens dos lanches em 2005, depois de liminar conseguida também pela procuradoria em Minas Gerais. A fiscalização da medida será de responsabilidade da vigilância sanitária nos Estados e municípios. A multa em caso de descumprimento do acordo será de R$ 5 mil reais, na primeira notificação, e pode chegar a R$ 30 mil em caso de reincidência. O acordo vale também para todos os franqueados. A legislação brasileira exige apenas que os rótulos dos produtos industrializados tragam informações nutricionais.

No Brasil, apesar de algumas empresas fornecerem a informação, ela não é obrigatória, em razão de uma lacuna na legislação sobre rótulos de alimentos, que determinou em 2003 que apenas os industrializados deveriam trazer dados nutricionais. Assim, é possível saber o quanto gorduroso é um achocolatado comprado no supermercado verificando sua embalagem, mas não há dados no copo do milk-shake de chocolate de determinados restaurantes de fast-foods.

Hambúrguer 296 caloriasCheeseburger 304 caloriasBigMac Unidade 590 caloriasQuarteirão c/ Queijo 530 caloriasCheddar McMelt 550 calorias

MacBacon 410 calorias

McChicken 491 calorias

McFish Unidade 394 calorias

Chicken McNuggets 63 calorias

Sundae de Caramelo 293 calorias

Sundae de Morango 260 calorias

Sundae de Chocolate 295 calorias

Torta de Maçã 241 calorias

Torta de Banana 209 calorias

McShake morango Pequeno 284 calorias

McShake morango Médio 463 calorias

No caso da alimentação infantil, o fast-foods pode levar ao sobrepeso, já que esse tipo de alimentação se tornou mais do que um recurso esporádico tornou-se parte de um estilo de vida ao qual estão acostumadas, arrastando assim também as suas crianças para essa forma de estar, o que as prejudica gravemente. Esta mudança no estilo de vida de muitas famílias deve-se em parte aos horários atarefados da maioria e ao hábito a um estilo de vida apressado. Além disso, as redes desse tipo de alimentação oferecem brindes e brinquedos como estratégia para vender. Uma pesquisa constatou que os que os kits de todas as redes apresentam níveis altos de gorduras totais, gorduras saturadas e sódio, vilões conhecidos por prejudicar, a longo prazo, a saúde da criança. O McLanche Feliz, por exemplo, tem 636 calorias, 10,3 g de gordura saturada, o que corresponde a 54% da recomendação diária.

CLIQUE NA FIGURA PARA UMA MELHOR VISUALIZAÇÃO

Siga o blog no TWITTER 

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Assinatura Revista Banas Qualidade/Metrologia & Instrumentação  + As Ferramentas da Qualidade

Assinatura Revista Banas Qualidade

Publicação mensal sobre gestão, processos e meio ambiente, voltada a temas de normas nacionais e internacionais, ferramentas da qualidade, economia e recursos humanos. Assinando a revista, você recebe gratuitamente o CD-ROM As Ferramentas da Qualidade. Clique para mais informações.

Os números de 2010

Os duendes das estatísticas do WordPress.com analisaram o desempenho deste blog em 2010 e apresentam-lhe aqui um resumo de alto nível da saúde do seu blog:

Healthy blog!

O Blog-Health-o-Meter™ indica: Uau.

Números apetitosos

Imagem de destaque

O Museu do Louvre é visitado por 8,5 milhões de pessoas todos os anos. Este blog foi visitado cerca de 290,000 vezes em 2010, o que quer dizer que se fosse uma exposição no Louvre, eram precisos 12 dias para que as mesmas pessoas a vissem.

Em 2010, escreveu 489 novo artigo, aumentando o arquivo total do seu blog para 596 artigos. Fez upload de 407 imagens, ocupando um total de 74mb. Isso equivale a cerca de 1 imagens por dia.

O seu dia mais activo do ano foi 22 de Novembro com 2 visitas. O artigo mais popular desse dia foi NBR 15575 – Edificações habitacionais de até cinco pavimentos – Desempenho.

De onde vieram?

Os sites que mais tráfego lhe enviaram em 2010 foram google.com.br, search.conduit.com, twitter.com, mail.live.com e mail.yahoo.com

Alguns visitantes vieram dos motores de busca, sobretudo por nbr 15575, metodologia masp, lixo no brasil, comunicação interna nas empresas e nbr 18801

Atracções em 2010

Estes são os artigos e páginas mais visitados em 2010.

1

NBR 15575 – Edificações habitacionais de até cinco pavimentos – Desempenho Março, 2010

2

A importância da comunicação interna nas empresas Janeiro, 2010
2 comentários

3

Dicas de qualidade: Diagrama de Pareto, Ishikawa e 5W1H Novembro, 2009
1 comentário

4

Metodologia 8 D ou Solução de Problemas em 8 Disciplinas Janeiro, 2010

5

Para onde vai o lixo no Brasil? Janeiro, 2010
5 comentários