Será que o coaching auxilia no crescimento profissional das pessoas?

ACIDENTE DO TRABALHO – Sistema de Gestão

Publicada em 01/12/2010 a norma sobre Sistema de Gestão da Segurança e saúde no Trabalho – Requisitos – NBR18801. Esta norma especifica os requisitos de um Sistema de Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho (SGSST) que permitem que uma organização controle os respectivos riscos da Segurança e Saúde no Trabalho (SST) e melhore o respectivo desempenho. Para ler mais clique aqui;

A essência do denominado coaching é ajudar a pessoa a mudar na maneira que ela quer, ajudando-a a caminhar na direção que ela quer ir. O coaching apóia a pessoa em todos os níveis do processo de tornar-se quem ela quer ser e ser o melhor que ela pode. Ele tem sido associado com os esportes, pois todo atleta de alto nível tem um coaching. Nos últimos anos, o coaching tornou-se aplicável a outras áreas, como negócios e outros aspectos da vida, bem como nos esportes. Agora está se tornando comum ter um coach para ajudar a atingir metas na vida e no trabalho.

O coaching é um processo continuado e planejado de aperfeiçoamento e superação profissional e pessoal, baseado especialmente na aprendizagem e, mais do que formular respostas, ajuda a formular questões. Um coach, no âmbito de um relacionamento de parceria e de influência mútua, apóia o cliente na definição e concretização de seus objetivos profissionais e pessoais.

Ele, normalmente, utiliza as atividades do cliente como situações de aprendizagem, com vista a melhorar a auto-eficácia, o desempenho, o desenvolvimento, a autoconfiança e a realização pessoal, bem como o seu valor para a organização e o mercado de trabalho. O conceito e as técnicas de coaching organizacional permitem assim torná-lo em um importante instrumento de gestão da mudança, atuando sobre a cultura da organização (longo prazo) e obtendo níveis superiores de desempenho (curto prazo).

O coaching organizacional pode ser utilizado como uma metodologia de mudança que procura integrar a liderança, a gestão e a aprendizagem organizacional. Dessa forma, a rotina corporativa exige muito dos colaboradores. As responsabilidades, a pressão e a vontade de crescer na carreira fazem com que o trabalhador, muitas vezes, exceda suas horas de trabalho e mesmo após o fim do expediente continue pensando na empresa.

O excesso no trabalho acarreta em falta de equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, o que pode ter consequências desastrosas. Um funcionário cheio de problemas, por mais dedicado que seja, está suscetível a cometer erros que podem ser fatais, como aconteceu em São Paulo, com a enfermeira que, por engano, injetou vaselina na veia de uma menina de 12 anos, causando a sua morte.

Para evitar erros, o ideal é estar concentrado, mas é difícil manter a atenção com diversos problemas na cabeça. “Buscar o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional é fundamental para conseguir se concentrar, pois além de se manter atento ao trabalho, também é necessário foco na carreira, para não se perder no caminho”, explica o psicofisiologista e coach ontológico Marcello Árias Dias Danucalov. Esse equilíbrio pode ser alcançado com a ajuda de diversos profissionais, entre eles está o coach. “Antes de buscar o equilíbrio, é necessário descobrir quais são as causas do desequilíbrio, pois somente entendo o motivo é possível combatê-lo, e essa é uma das funções do processo de coaching”, esclarece Danucalov.

O coaching é um processo de autoconhecimento e desenvolvimento pessoal que possibilita um aumento de desempenho e implementação de ações que aproxima a pessoa que contrata esse serviço de seus objetivos. Existem diversos tipos de coaching e entre eles está o coaching ontológico, que tem como principais objetivos atingir as metas do coach e simultaneamente produzir conforto emocional, promover o bem estar, ser catalisador de mudanças de comportamento e ensinar ao cliente como ser gestor de sua própria vida.

A coach ontológica especialista em medicina comportamental, Káritas de Toledo Ribas, explica que o coaching ontológico tem como foco descobrir qual tipo de observador o coach é, qual é o seu modelo mental, quais os seus sistemas de crenças, e se existem formas distintas de interpretar as dificuldades do momento. “Nas sessões de coaching ontológico, o coach elabora junto com o coach a distinção entre fatos e opiniões, ampliando a visão das questões trazidas pelo coach e possibilitando que este perceba a situação por meio de diversos pontos de vista”.

Durante o processo de coaching, é comum que o coach perceba de forma mais clara quais são os seus talentos e os seus valores de vida. Esses fatos facilitam a percepção deste quanto ao sentido de sua vida e a missão que esta lhe confere. A partir dessas definições é possível perceber o real valor do trabalho, da família e dos amigos. Além disso, o coach ajuda o coach a perceber quais são as atitudes que estão atrapalhando o crescimento, possibilitando pequenas mudanças de comportamento que podem trazer grandes benefícios a longo prazo.

Káritas explica que o coaching ontológico pode ser aplicado em diversos contextos, tais como o corporativo/empresarial, executivo, de carreira, esportivo, financeiro, estudantil, Life Coaching, de equipes e coaching para crises pontuais, como vestibular, aposentadoria, gestação, menopausa, períodos pós-doenças, adolescência. “Em todas essas circunstâncias as metas serão atingidas quando houver aprendizagem verdadeira, que é a capacidade de gerar ações efetivas. Essa aprendizagem se estabelece de três maneiras possíveis: quando o coach muda a ação para conquistar seu objetivo; quando muda a interpretação dos fatos relacionados à conquista de suas metas; e quando o coach muda seu modelo mental, sua emocionalidade, sua linguagem, alterando assim a sua história pessoal e passando a ser um novo tipo de observador. Sempre trabalhamos na busca por esta terceira aprendizagem”, esclarece Káritas.

Enfim, o coaching organizacional reduz o ciclo de transformação de uma organização, na medida em que todas as relações coach e cliente são orientadas por planos de ação e resultam em atuação imediata. Cada interação de coaching torna-se, assim, num microcosmo de mudança, que deve ser alinhado com os objetivos da organização. Ao atuar individualmente, o coaching organizacional permite atuar de forma específica e em tempos diferentes, em diferentes partes de uma organização. Pode, em consequência, isolar, endereçar e eliminar as resistências específicas à mudança ao nível mais básico ou operacional da organização. É na interface do relacionamento de um para um, na prática do desempenho diário, que se alavanca a mudança efetiva, podendo ser eliminadas as resistências e reforçar as competências relevantes para a ação. A própria definição e a gestão do equilíbrio entre objetivos a atingir e recursos a disponibilizar são feitas de forma flexível e adequada a cada interação.

 Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

É possível aprender inovação na escola?

É um sonho. Mas seria maravilhoso que os processos inovativos fossem aprendidos e apreendidos na escola. Assim, os gestores e administradores praticariam a inovação de forma sistemática, tendo sempre um processo organizado que sustente e acompanhe a inovação desde o planejamento até o seu lançamento e acompanhamento no mercado. A inovação estará consolidada se agregar, de maneira ampla, valor às ações da empresa, influenciando a economia como um todo.

Para que ocorra a inovação na empresa, para que ocorra inovação, deve-se implantar um modelo baseado em: inovação contínua, em que o processo nunca termina, deve ocorrer sempre; inovação sustentável, em que a utilização de plataformas amplas leva à capacidade de gerar inovações constantes no tempo; e inovação no âmbito da empresa em que todos os setores da corporação devem participar do processo de inovação.

Para a gerente de projetos da Pieracciani, Lilian Laraia (michele@versatilcomunicacao.com.br), de uma maneira geral, as organizações brasileiras não possuem ou são modestas no reconhecimento das atividades de pesquisa e desenvolvimento. Os projetos, as pessoas e os orçamentos financeiros para as atividades de pesquisa, desenvolvimento e assistência técnica são vistas e tratadas como ações fora da realidade, desnecessárias para o momento atual, como algo que vem para modificar aquilo que sempre funcionou e como custos e despesas.

Há de haver um novo olhar para as questões ligadas à pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias. Elas merecem seu devido valor e reconhecimento, uma vez que a inovação deixa de ser um diferencial competitivo para as organizações para se tornar um tema necessário e presente na estratégia, na estrutura e no dia a dia”, aconselha. “Não se trata apenas de vencer os limites da concorrência ou surpreender o cliente. Inovar para as empresas representa agora superar os próprios limites em todas as suas dimensões, pois os processos de inovação têm a propriedade de ser multidisciplinar, ser multifuncional e de permear por todas as áreas. Na função de inovar, encontra-se a competência de envolver representantes das mais diversas funções na organização como alta direção, financeira, mercadológica, industrial, técnica, qualidade, segurança e meio ambiente nas decisões, relações e resultados”.

Ela pergunta quem já ouviu falar da empresa Olivetti? Significativamente um ícone na produção de máquinas de escrever, mas que foi ultrapassada por empresas como IBM, Itautec e outras conterrâneas que acreditaram e investiram nos desenvolvimentos dos computadores. A opção da Olivetti era manter-se no nicho das máquinas de escrever, este mercado era cativo e dominado por ela. Os negócios iam muito bem, obrigado!!! Então, por que mudar? Ela não acreditou na grande mudança tecnológica e poucos meses foram suficientes para perder este mesmo mercado. Quando despertou para o fato, era tarde demais, estava fadada ao fim;

O papel que a inovação tecnológica tem assumido e contribuído para o desenvolvimento socioeconômico dos países por meio da criação de novas oportunidades de negócio é inegável, confirme Sbragia (2006). O ritmo dos países desenvolvidos e em desenvolvimento, sem dúvida alguma, irá depender cada vez mais da sua capacidade de introduzir novas tecnologias para tornar sua empresa mais competitiva e, consequentemente, contribuir para o desenvolvimento do país. Andreassi (1999) mostrou que a despesa em pesquisa e desenvolvimento por faturamento bruto está altamente correlacionada com o percentual do faturamento da empresa gerado por produtos novos ou melhorados. Como esse percentual equivale a uma parcela significativa do faturamento das empresas (em média 37%), pode-se ter uma ideia do quão estratégico podem ser os investimentos em P&D, notadamente naqueles setores onde a obsolescência tecnológica é alta e, portanto, o ciclo de vida dos produtos é baixo. No mercado brasileiro podemos destacar algumas empresas que são exemplos de práticas nos investimentos consistentes em programas de inovações e com resultados satisfatório a longo prazo. Estamos falando de empresas como Embraer, Petrobrás, Natura e outras. À medida que as empresas brasileiras despertam para a inovação tecnológica, a função de pesquisa evolui e aponta para uma relação entre a acumulação de capital e tecnologia de manufatura, mostrando nítida posição, espaço na organização e crescimento”, complementa.

Segundo ele, a utilização de instrumentos de gestão eficaz assume papel de alta importância no acompanhamento do desenvolvimento e do atendimento aos objetivos da estrutura da inovação. As funções gerenciais dessa estrutura permitem organizar os recursos humanos e materiais de forma a possibilitar atingir o dos objetivos maximizando a utilização dos recursos disponíveis.

Estas colocações nos permitem concluir que se considerarmos as decisões relativas à estrutura de inovação para as empresas brasileiras nacionais e multinacionais, há fatores que mais interferem na decisão quanto à sua função. São eles: qualidade e disponibilidade de pessoal qualificado, existência de universidades e institutos de pesquisa, infra estrutura básica e incentivos fiscais. Estes pontos precisam ser considerados e devidamente tratados na elaboração deste tipo de estrutura. Consideramos ainda de extrema importância para o Brasil aproveitar a tendência da descentralização e adotar medidas efetivas, com o propósito de atrair investimento das empresas transnacionais para a criação de centros de pesquisa e desenvolvimento no país. Se o Brasil não fizer, seguramente outros países da América latina o farão e trarão para si o capital intelectual do conhecimento que caminha junto a cada projeto de inovação tecnológica”.

Siga o blog no T WITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

 

Glossário Técnico Gratuito

Disponível em três línguas, a ferramenta permite procurar termos técnicos traduzidos do português para o inglês e para o espanhol. Acesse no link

http://www.target.com.br/portal_new/ProdutosSolucoes/GlossarioTecnico.aspx?ingles=1&indice=A