A visão dos trabalhadores sobre os seus direitos

S O L U Ç Õ E S  P A R A  G E S T Ã O  D E  A C E R V O

 
Controlar e manter o seu acervo de normas técnicas e de documentos internos e externos sempre atualizados e disponíveis para compartilhamento entre todos os usuários é hoje um grande desafio em diversas organizações por envolver a dedicação e o esforço de vários profissionais. Clique para mais informações.

Os direitos dos trabalhadores brasileiros estão garantidos na Constituição e na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e, para saber como isso é visto pelos trabalhadores, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) fez uma pesquisa sobre o assunto. Os resultados apresentados referem-se às questões respondidas por trabalhadores assalariados (formais e informais), que envolvem temáticas como a jornada de trabalho, segurança no trabalho, discriminação, assédio moral ou sexual e, também, se os trabalhadores recorrem ou não a instituições coletivas no caso de ocorrências graves em seus locais de trabalho.

Em termos de jornada de trabalho, duas questões principais foram levantadas. A primeira delas indagou se os trabalhadores realizam horas-extras habitualmente – prática vedada pelas normas que regulam a duração do trabalho. Como se verifica no gráfico 1, a ampla maioria dos assalariados formais e informais afirmou que não fazem hora extra, ainda que 29,4% dos primeiros tenham afirmado que sim. Isso porque, como pode ser examinado no gráfico 2, a maior parte dos assalariados informais possui jornadas atípicas – inferiores a 40 horas ou, então, superiores a 44 horas semanais. A propósito, 38,7% deles trabalham mais do que o limite previsto nas normas laborais, percentual superior ao dos assalariados formais (33,8%). O que talvez ocorra neste caso é que esse sobretrabalho dos informais não é por eles encarado como a realização de horas-extras, sendo percebido como parte integrante do tempo normal de seu trabalho.

CLIQUE NAS FIGURAS PARA UMA MELHOR VISUALIZAÇÃO

Em termos da percepção da segurança existente no ambiente de trabalho, duas questões foram destacadas. A primeira questionou se os trabalhadores enfrentam situações que ofereçam risco à saúde ou até mesmo à vida em seus postos. Nos dois segmentos, de assalariados formais e informais, a maioria afirmou não enfrentar tais situações. Mesmo assim, deve ser destacado que, entre os formais, o percentual foi mais que o dobro do revelado pelos informais: 37,2% contra 18%, como mostra o gráfico 4.

O segundo questionamento foi se esses trabalhadores que enfrentam situação de risco em seus postos (ou seja, os que responderam afirmativamente à questão anterior) recebem ou não adicional de insalubridade ou de periculosidade na composição de seus salários. De acordo com o gráfico 5, constata-se que menos da metade dos trabalhadores nos dois segmentos recebem esses adicionais. A situação é mais gritante entre os informais, pois apenas 13,8% os recebem.

Outros dois pontos importantes levantados nesta pesquisa dizem respeito às percepções sobre casos de tratamento discriminatório ou de assédio (moral ou sexual) ocorridos no local de trabalho. Somente uma pequena parcela de trabalhadores (menos de 10% no caso de discriminação e menos de 5% no caso de assédio, para os segmentos formal e informal) afirmou perceber casos desses tipos em seus empregos. Os gráficos 6 e 7 abaixo ilustram esses resultados.

Quando se trata de trabalhadores por conta própria e de pequenos empregadores, é mais complicado discutir o respeito a direitos, bem como a observância de adequadas condições de atividade. Até porque, historicamente, os direitos previstos nas normas laborais brasileiras referem-se apenas aos trabalhadores assalariados – sejam eles com vínculos privados ou públicos, situados nas empresas, nos órgãos estatais ou nos domicílios particulares.

Não obstante, em alguma medida, uma questão ajuda a dimensionar os problemas enfrentados por trabalhadores por conta própria e por pequenos empregadores em suas atividades. Refere-se ao local de funcionamento do empreendimento econômico: se ele é adequadamente estruturado, dedicado às atividades a serem realizadas. Verifica-se no gráfico 9 que 59,2% dos entrevistados, que são trabalhadores por conta-própria e pequenos empregadores, relatam que esse local é precário – percentual que engloba situações em que o local é o domicílio do trabalhador, o seu veículo automotor, a via pública, entre outros.

Na verdade, o direito do trabalho nasceu da necessidade social de se buscar um mecanismo que servisse para intermediar os conflitos entre o capital e o trabalho, assegurando ao trabalhador ¾ a parte mais fraca da relação de emprego ¾ uma proteção capaz de equilibrar a sujeição ao poder total de submissão e domínio do dono do capital (patrão), Se há um universo de desemprego crescente, relevante é o papel da Justiça do Trabalho e inarredável a aplicação do princípio de proteção ao hipossuficiente.

Patricia Peck Pinheiro, advogada especialista em direito digital e sócia fundadora da Patricia Peck Pinheiro, aponta um problema novo: os aspectos legais do monitoramento com câmeras nos locais de trabalho. “Vivemos uma sociedade mais vigiada, monitorada e como fica a questão da privacidade? Logicamente que a proteção do indivíduo é uma grande conquista da humanidade em termos de ordenamento jurídico, no entanto, muitas vezes, a mesma cede lugar para a segurança coletiva, e há previsão legal neste sentido em vários países, inclusive no Brasil. Mas há limites? Pode-se observar uma pessoa no terraço do prédio, fazendo topless através do Google Earth sem que isso gere um risco jurídico? Esta realidade mais exposta, mais transparente, trouxe uma série de novos serviços relacionados à vigilância, especialmente com câmeras, cada vez mais conectadas, possíveis de serem verificadas via web, via celular. Há dois tipos de monitoramento em franco crescimento: vias públicas e ambientes corporativos ou domésticos (sejam empresas ou mesmo condomínios). No tocante a via pública, a discussão é diminuta, visto que em princípio a pessoa não pode alegar “invasão de privacidade” estando em um local público. No entanto, deve-se ter cuidado com a armazenagem e o acesso a este conteúdo, e o seu fornecimento a terceiro só pode ocorrer através de uma ordem judicial, especialmente quando se tratar de câmeras em prédios que apontam para calçada ou para a rua (não é uma câmera instalada na própria via pública como ocorrem em cruzamentos e semáforos). Já para realização do monitoramento corporativo ou doméstico por câmeras sem riscos legais, deve-se sempre fazer o seus aviso prévio, em especial no local principal de entrada do recinto (perímetro físico). Visto que a regra é a proteção da privacidade do indivíduo a não ser que seja feito aviso prévio ou haja uma ordem judicial, para se evitar infração a Constituição Federal, art. 5º, inciso IV, X, XII, XXVIII, XIX e XXXV, artigos. 21 a 23 do Código Civil, e a própria Lei de Interceptação”, explica.

Além disso, segundo a advogada, deve-se ter muito cuidado com a armazenagem do conteúdo coletado, pois o mesmo só poderá ser transcrito e utilizado em face de investigação e nos limites de uso das imagens necessárias para tanto. Logo, há uma crescente preocupação com se garantir a confidencialidade do mesmo. Por isso, recomenda-se que seja feito treinamento específico da equipe responsável por analisar as imagens e o conteúdo deve ter controle de acesso rígido. Houve um caso recente em que o segurança de um condomínio que via o que ocorria através das câmeras do elevador, separava algumas cenas envolvendo condôminos e as publicava no Youtube. Apesar do aviso prévio de monitoramento não se tem o direito de usar o conteúdo coletado para qualquer finalidade, muito menos expor o mesmo desta forma. No caso em tela, houve clara infração a privacidade e foi movida ação de indenização contra o prédio. Também se deve observar para não haver tratamento que possa expor o colaborador ao ridículo, tampouco gerar algum tipo de perseguição (colocar a câmera vigiando apenas ele e não todos).

“Devido à terceirização do serviço de vigilância e monitoramento por câmeras, é essencial que o contrato preveja estas obrigações, delimitando claramente quais são do cliente e quais do prestador de serviço. Já houve caso de a contratante não avisar suas equipes sobre o monitoramento e a pessoa ajuizar ação contra a empresa prestadora do serviço, pois afinal, quem detinha a propriedade do equipamento e coletava as imagens era ela de fato. Concluindo, quando bem feito o monitoramento, além de se ter a imagem do flagrante, tem-se também mais prevenção. Pois o aviso prévio ajuda a evitar a conduta indevida”.

 Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

 

Glossário Técnico Gratuito

Disponível em três línguas, a ferramenta permite procurar termos técnicos traduzidos do português para o inglês e para o espanhol. Acesse no link

http://www.target.com.br/portal_new/ProdutosSolucoes/GlossarioTecnico.aspx?ingles=1&indice=A

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: