A importância dos indicadores gerenciais

Coletânea de normas

Em formato digital, facilitam a consulta e o controle das normas técnicas sobre gestão da qualidade e gestão ambiental nas organizações.     

 

 

 
Normas para a gestão da qualidade

 

Normas para a gestão ambiental

 

O gerenciamento com indicadores é uma ferramenta simples e de elevada eficácia para ganhar produtividade. Os programas de qualidade disseminaram o uso de indicadores, mas, em muitos casos, isto se converteu apenas em burocracia e mais trabalho, sem gerar os resultados desejados. Criou-se, em nossas empresas, a idéia de que Qualidade é algo a mais a se fazer, além de produzir. O uso correto de indicadores também é fundamental para a adoção de técnicas mais avançadas de gestão.

Para que haja o gerenciamento de um negócio ou um processo produtivo há a necessidade de medir, de alguma forma, os efeitos das ações tomadas. Isto permite reforçar o que está dando resultados positivos e descartar o que não contribui para os resultados desejados. Para estas medições são usados indicadores ou métricas. Assim, indicadores são formas de representação quantificáveis das características de produtos e processos.

Os indicadores, para se tornarem eficazes como ferramenta de gestão, devem ser:

  • Relevantes – Medir aquilo que realmente é importante para a qualidade desejada do produto ou para a economia na produção.
  • Simples – Tanto para coletar os dados quanto para entender.
  • Abrangentes – Dando informações sobre uma parte significativa do processo que se deseja medir.
  • Comparáveis – Facilitando a comparação com dados históricos e com os de outras empresas.
  • Baratos – Para que os benefícios da medição sejam seguramente superiores ao seu custo.

Quanto mais informações existem, mais fácil é o caminho para o sucesso. Esse é o papel dos indicadores.

• Para medir os resultados (desempenho) de um determinado processo.

• Como base para uma decisão (só se deve apurar indicadores se eles servirem para a tomada de decisão num processo organizacional. Os dados mudam constantemente porque os processos estão constantemente em evolução.

• Trazem mudanças na cultura organizacional (quebra de paradigmas) e dando condições ao gerente para mudar com base em dados, saber o que está acontecendo analisando em cima do que foi medido.

• Precisam ser bem definidos e acompanhados sistematicamente.

• É preciso medir aquilo que realmente é relevante para a organização.

LINKS PATROCINADOS

Desmistificando o TPM

A grande maioria da literatura existente no ocidente sobre TPM é de origem japonesa. Apesar de ser resultado de uma experiência acumulada por empresas e consultorias do Japão, não usa uma linguagem e didática aplicável à nossa cultura. Clique para mais informações. 

E como se aplicam os indicadores? Nos três níveis da organização, porque existem processos em todos os níveis.

No nível mais elevado da estrutura organizacional, os indicadores e as metas são em geral fortemente relacionados aos objetivos e estratégias da organização. Quanto a empresa faturou, Se houve investimento, insumos incorporados à organização, total de clientes, faturamento global. Assim, pode-se definir: Indicadores Estratégicos – processo que ocorrem ao nível de diretoria – planejamento da Alta Administração; Indicadores Táticos – processo que ocorrem ao nível gerencial – planejamento dentro da esfera do gerente; Indicadores Operacionais – geram resultados ao nível da estação de trabalho.

Dessa forma, o indicador, como bem define o nome, apenas indica e não corrige o processo. Atua como um alerta indicando quando o processo está gerando resultados indesejados, seja quanto as baixa qualidade do produto ou então quanto aos baixos índices de produtividade. O constante levantamento de dados dos processos, a elaboração dos gráficos de indicadores e a analise dessa informação é que possibilita aos gestores saber que o processo está fora de controle, sendo necessária uma ação corretiva.

É interessante que esses indicadores possam fazer ponte dos relatórios gerenciais para, além de ficar registrados como histórico, possa permitir uma analise mais ampla do desempenho da empresa pela direção e outras gerências. É importante a sistematização deste processo. Não basta criar indicadores é preciso identificar a forma de rastrear esses indicadores dentro da organização.

E como se pode implantar os indicadores? Alguns passos para isso:

• Definir o público alvo.

• O que ele necessita? Há indicadores para avaliar a empresa como um todo e há indicadores que apenas avaliam o desempenho de determinado órgão.

• Defina os indicadores, como os pontos relevantes no atendimento ao cliente ou os pontos onde o produto/serviço muda de mãos.

• Defina a freqüência de elaboração e o formato dos relatórios.

• Estabeleça para cada um deles uma situação aceitável, desejada, ideal. O cliente é quem deve definir.

• Compare com a situação real encontrada e atual.

• Divulgue os indicadores.

• Descubra as causas da diferença.

• Identifique as soluções que eliminem estas causas.

• Forme uma equipe que fará a melhoria, estabeleça um cronograma e um método de ação.

• Melhore seu processo.

• Confirme que o problema foi solucionado.

• Revise os procedimentos documentados.

• Treine todo o pessoal no novo método.

• Estabeleça os controles necessários.

Para que o sistema de medição sirva de impulso para a melhoria, ele deve ser compreendido e aceito pelos usuários do sistema. Uma maneira de aumentar a compreensão e aceitação é envolver os usuários no seu desenvolvimento. A medição serve como feedback para permitir que as pessoas saibam como estão seu desempenho. Desta forma, a medição é um componente importante do processo de motivação.

Os indicadores existem para serem avaliados. Ações corretivas devem ser tomadas para atingir as metas. Recomendações devem ser feitas para atingir novos padrões. O uso dos indicadores pode também ser otimizado por uma análise crítica e atualização; redução do ciclo de tempo desde a coleta de dados até a análise crítica e implementação das ações corretivas/recomendações; acesso dos indicadores a todos que dele necessitam; integração dos dados com o planos de melhoria.

Tenha cuidado pois a medição é ameaçadora: as pessoas em geral não temem a medição, elas até gostam do feedback. O que elas temem é o mau uso dos dados gerados. Medição não é só controle. É a constatação da implantação de melhorias. Exatidão da medição: nem sempre a precisão é essencial. É melhor ter alguma medição, mesmo não tão precisa, do que não ter nenhuma. Enfoque em um único indicador: o piloto não dirige o avião olhando para apenas um instrumento. Ênfase excessiva na produtividade da mão de obra. Medidas subjetivas não são confiáveis: medição não objetiva não significa medição não confiável. Os padrões funcionam como teto para o desempenho.

COMPRE UM E-BOOK SOBRE INDICADORES EMPRESARIAIS POR APENAS 10 REAIS

Coleção e-books Volume 6 - INDICA DORES EMPRESARIAIS (envio do arquivo por email)

Os indicadores de desempenho são elementos chave num programa de gestão da qualidade, cuja função é evidenciar a necessidade de ações de melhoria e verificar se as ações implementadas estão produzindo os efeitos desejados, bem como as suas tendências. Indicadores de desempenho são números, resultados de dois ou mais fatores e que nos mostram, de forma inequívoca, como andam as coisas na empresa. Como exemplo, um indicador da eficácia de vendas, pode ser a resultante do número de propostas pelos pedidos realmente fechados. Ou a relação entre o numero de funcionários da loja pela vendas mensais. E que tal comparar o resultado de diferentes lojas comparando a metragem quadrada delas pelas vendas, ou ainda, em uma indústria, a relação de compras do mês sobre o faturamento.

SUMÁRIO

– INDICA DORES OU OS PROBLEMAS E OS ERROS EM UMA EMPRESA
– LINK PARA UMA APRESENTAÇÃO EM POWER POINT SOBRE OS INDICADORES DE DESEMPENHO
· FACILITANDO A OPERAÇÃO E À TOMADA DE DECISÕES
– LINK PARA UMA APRESENTAÇÃO EM POWER POINT SOBRE INDICADORES DA QUALIDADE
· METAS DE DESEMPENHO
· INDICADORES DE DESEMPENHO
– EXEMPLOS DE INDICADORES
· BALANCED SCORECARD (BSC)
– LINK PARA UMA APRESENTAÇÃO EM POWER POINT SOBRE O BSC

Para comprar por R$ 10,00, envie um e-mail para hayrton@uol.com.br e saiba como pagar e receber o livro.

Siga o blog no TWITTER 

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Anúncios

Registro eletrônico do ponto de entrada e saída dos trabalhadores

Guia de Implantação do 5S

Diferentemente de todos os demais livros existentes sobre 5S, este Guia de Implantação do 5S trata o tema de maneira modular, sem comprometer a sequência cronológica de suas etapas de implantação. Isto significa que, cada nível de hierarquia da empresa, ou cada parte da estrutura de implantação do 5S, tem um acesso fácil e objetivo às suas respectivas atividades e responsabilidades. Clique para mais informações.

A polêmica continua e é intensa para o cumprimento da Portaria nº 1.510, de 21 de agosto de 2009 que disciplina o registro do ponto eletrônico nas empresas e dá prazo até 1º de março para que elas se adaptem ao novo sistema.. Esse assunto já foi destaque nesse site em https://qualidadeonline.wordpress.com/2010/01/22/registro-eletronico-de-ponto-dos-funcionarios/, mas com a proximidade da data limite as controvérsias se acirram. A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) pediu ao Ministério do Trabalho e Emprego um  levantamento preliminar do número de relógios que serão necessários a fim de checar a viabilidade do cumprimento da portaria. O governo também estuda a possibilidade de um acordo coletivo entre empregador e trabalhadores que permita a dispensa do ponto eletrônico. No dia 28 de fevereiro as empresas ganharam mais tempo para buscar conhecimento sobre a norma e adquirir equipamento homologado. Com a Portaria MTE nº 373/11, publicada no Diário Oficial da União, a mudança passa a valer a partir do dia 1º de setembro e não mais agora, em 1º de março, conforme estabelecido anteriormente.

Já o empresário Dimas de Melo Pimenta informa que mais de 100.000 empresas já atenderam às disposições da portaria, estando adequadas ao prazo estabelecido para o início da fiscalização do novo sistema, em 1º de março próximo. A partir dessa data, as firmas que ainda não tiverem instalado o novo equipamento serão notificadas no sentido de que devem adotá-lo no prazo máximo de 90 dias. Adiou-se por duas vezes, desde agosto de 2010, quando a portaria entrou em vigor, a aplicação de multas, mas agora não há mais como postergar a aplicação prática da medida. Não havendo a regularização do registrador de ponto no prazo de três meses, a empresa será autuada e os autos de infração, enviados ao Ministério Público do Trabalho.

“Os adiamentos, como se sabe, decorreram da intensa campanha contra a portaria 1.510, desencadeada principalmente por entidades de classe, e o lobby contra a medida continua. No entanto, estão-se desprezando aspectos muito importantes. Sem entrar no mérito político ou filosófico da questão, há, de modo prioritário, um fator econômico-financeiro a ser considerado: os investimentos já realizados pelas empresas (as compradoras e as fabricantes dos novos equipamentos), que acreditam na seriedade das medidas e leis adotadas pelo poder público e cumprem os seus deveres cívicos, éticos, trabalhistas e administrativos”.

Pimenta explica que as moções de entidades de classe, pedindo a revisão e/ou suspensão da portaria, são remetidas sem o menor constrangimento ao governo. É curioso notar que há sindicatos patronais e de trabalhadores posicionando-se em uníssono contra a medida. “De repente, as representações sindicais que sempre defenderam a retomada de documento impresso comprobatório do ponto voltam-se contra a decisão, alinhando-se às críticas de algumas entidades de classe patronais. É no mínimo estranho e contraditório esse posicionamento. Afinal, a impressão gráfica do ponto é ruim para empregadores ou empregados? Mais do que entender essas insólitas contradições que, às vezes, permeiam o cotidiano dos brasileiros, é importante garantir e respeitar o direito das cem mil empresas que já compraram os novos relógios de ponto. Caso prevalecesse a insensatez de se revogar a portaria 1.510, atendendo-se a interesses que ainda não ficaram muito claros para a opinião pública, o que o governo diria àquelas organizações? Devolveria a elas, com os devidos juros, o dinheiro que já gastaram na aquisição dos equipamentos ou transformaria esses valores numa bizarra punição pecuniária a quem ousou cumprir a lei?”

Para a Fiesp, cumprir a portaria significa um retrocesso às empresas brasileiras. Os altos custos dos equipamentos devidamente adaptados e dos procedimentos técnicos e operacionais comprometerão a competitividade das micro e pequenas indústrias, principalmente. Um dos seus aspectos mais preocupantes é a possibilidade de aumentar a animosidade das relações de trabalho. Isso porque com a implantação ou utilização dos novos moldes do sistema de ponto eletrônico deverão ser criados mecanismos de fiscalização e manutenção da regularidade pelo empregador, que podem ser entendidos como um ato de desconfiança por parte das entidades sindicais. Esta circunstância representa um retrocesso histórico à atual relação entre capital e trabalho, colocando em risco o equilíbrio que alcançou.

Além disso, a obrigatoriedade da entrega de um comprovante físico a cada marcação do empregado (entrada / saída para almoço / volta do almoço / saída) é altamente dispendiosa e não resolve os problemas existentes. Assim, os empregados serão obrigados a guardar os comprovantes fornecidos durante toda a relação contratual, pois estes serão as únicas provas dos horários que de fato trabalharam.

Por fim, além de todos os ônus à atividade produtiva, as regras não serão bem sucedidas em seu objetivo de evitar as fraudes e imprecisões nos registros de frequência, já que o sistema apresenta pontos de alta vulnerabilidade, como a porta USB para coleta de informações existentes no equipamento de registro. O mecanismo expõe dados pessoais dos trabalhadores, desrespeitando seu direito constitucional à privacidade.

Estes impasses inviabilizam o uso da tecnologia eletrônica de registro da jornada de trabalho e forçam as indústrias a utilizarem os meios obsoletos, dispendiosos e imprecisos de marcação, como o registro manual ou mecânico. Por esses motivos, a Fiesp pede a suspensão, e se necessário a revogação, das novas regras impostas pelo Ministério do Trabalho, para que a indústria, as bases representantes dos trabalhadores e o governo possam traçar uma visão compartilhada e mais profunda dos impactos que a Portaria acarretará à sociedade brasileira.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

 

Normas comentadas

Confira quais as normas comentadas disponíveis. Elas oferecem mais facilidade para o entendimento e são muito mais fáceis de usar: http://www.target.com.br/portal_new/produtossolucoes/NBR/Comentadas.aspx