Os vencedores do Prêmio Mário Covas 2011

prêmio mario covas

CATEGORIA EXCELÊNCIA EM GESTÃO PÚBLICA

Gestão de Segurança e Saúde do Trabalho nos Contratos de Serviço Terceirizados

Unidade de Negócio Leste da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo – SABESP – Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos

Monitoramento Externo de Qualidade: Experiência de 10 Anos no Laboratório de Citologia Oncótica do Instituto Adolfo Lutz

Instituto Adolfo Lutz – Secretaria da Saúde

Otimizando a Ocupação de Leitos Hospitalares e Melhorando a Qualidade de Vida de Pacientes Dependentes de Ventilação Mecânica Através do Cuidado Domiciliar

Hospital Auxiliar de Suzano do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP – Secretaria da Saúde

Projeto Audesp – Auditoria Eletrônica de Órgãos Públicos do Estado de São Paulo

Tribunal de Contas do estado de São Paulo

Projeto Sabadania

Centro de Integração da Cidadania (CIC) – Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania

Quando Empresa e Empregados se juntam na Mesma Causa Social:O Sucesso do Programa de Voluntariado da Sabesp

Superintendência de Recursos Humanos e Qualidade-
Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo-
Sabesp- Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos

Viveiro de Plantas- Restaurando o Homem e o meio Ambiente

Centro de Progressão Penitenciária “Dr.Edgard Magalhães Noronha”
Secretaria da Administração Penitenciária

CATEGORIA INOVAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA


Centro de Referência e Apoio à vitima –Unidade Cravi Fórum -A Consolidação da Um Lugar de Cidadania, Participação e Acesso à Justiça das Vítimas de Violência no Fórum Criminal da Barra Funda

CRAVI- Centro de Referência e Apoio à vitima-
Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania

Implantação do Serviço de Perícias Médicas Através de Telemedicina (Telejunta) na Polícia Militar do Estado de São Paulo

Polícia Militar do Estado de São Paulo
Secretaria de Segurança Pública

Implantação e Otimização do Ensaio de PCR em Tempo Real Para o Diagnóstico Laboratorial das Influenza A (H1N1) Pandêmica no Instituto Adolfo Lutz
Instituto Adolfo Lutz
Secretaria da Saúde

Polícia e Comunidade: a Integração Social como Filosofia de Trabalho de Base Comunitária de Segurança Vila Formosa

Polícia Militar do Estado de São Paulo
Secretaria de Segurança Pública

Programa Carpe Diem- Custódia Detentiva Alternativa

Centro de Detenção Provisória de Sorocaba-
Secretaria de Administração Penitenciária

Programa Voz Amiga

Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo
Prodesp/Poupatempo
Secretaria de Gestão Pública

Projeto Força Mirim ,Polícia e Comunidade Juntos por um Futuro Melhor. Educar Hoje para Não Castigar Amanhã

Segunda Companhia do Décimo Quinto Batalhão de Polícia Militar Metropolitano- 15º BPM/M ( Base Comunitária de Segurança Jardim Vila Galvão- Guarulhos) Secretaria da Segurança Pública

Projeto Lins- Trocando Papéis

Unidade Itapetininga (Casa Esperança) Fundação Centro de Atendimento Sócio-Educativo ao Adolescente- Fundação CASA-SP
Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania

Projeto Nasce Uma Criança, Plante uma Árvore

Estação de Tratamento de Esgotos de Jales- Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo- Sabesp
Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos

Projeto Professor Mediador Escolar e Comunitário (PMEC)

Escola Estadual Prof. Pedro Celestino Tonolli (Leme)
Secretaria da Educação

Projeto Semear “Plantando o Futuro”

Coordenadoria de Unidades Prisionais da Região Oeste
Secretaria de Administração Penitenciária

Projeto Trânsito Seguro- Educação Também se Faz nas Ruas

32º Batalhão de Polícia Militar do Interior Assis
Secretaria de Segurança Pública

Serviço de Laudos de Eletrocardiografia no Estado de São Paulo Através do Sistema Tele- ECG

Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia
Secretaria da Saúde

Vai começar o inferno: dias com baixa umidade do ar e alta concentração de poluentes

Os padrões de qualidade do ar definem legalmente o limite máximo para a
concentração de um poluente na atmosfera, que garanta a proteção da saúde e do
meio ambiente. Os padrões de qualidade do ar são baseados em estudos científicos
dos efeitos produzidos por poluentes específicos e são fixados em níveis que  possam propiciar uma margem de segurança adequada.

Os padrões nacionais foram estabelecidos pelo Instituto Brasileiro de Meio
Ambiente (Ibama) e aprovados pelo Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conam),
por meio da Resolução Conama 03/90. São estabelecidos dois tipos de padrões de
qualidade do ar: os primários e os secundários. São padrões primários de
qualidade do ar as concentrações de poluentes que, ultrapassadas, poderão afetar
a saúde da população. Podem ser entendidos como níveis máximos toleráveis de
concentração de poluentes atmosféricos, constituindo-se em metas de curto e
médio prazo. São padrões secundários de qualidade do ar as concentrações de
poluentes atmosféricos abaixo das quais se prevê o mínimo efeito adverso sobre o
bem estar da população, assim como o mínimo dano à fauna e à flora, aos
materiais e ao meio ambiente em geral. Podem ser entendidos como níveis
desejados de concentração de poluentes, constituindo-se em meta de longo prazo.

O objetivo do estabelecimento de padrões secundários é criar uma base para
uma política de prevenção da degradação da qualidade do ar. Devem ser aplicados
às áreas de preservação (por exemplo: parques nacionais, áreas de proteção
ambiental, estâncias turísticas, etc.). Não se aplicam, pelo menos a curto
prazo, a áreas de desenvolvimento, onde devem ser aplicados os padrões
primários. Como prevê a própria Resolução Conama n.º 03/90, a aplicação
diferenciada de padrões primários e secundários requer que o território nacional
seja dividido em classes I, II e III conforme o uso pretendido. A mesma
resolução prevê ainda que enquanto não for estabelecida a classificação das
áreas os padrões aplicáveis serão os primários

Padrões
nacionais de qualidade do ar

(Resolução CONAMA nº 03 de
28/06/90)

Poluente

Tempo
de
Amostragem

Padrão
Primário
µg/m³

Padrão
Secundário
µg/m³

Método
de
Medição

partículas totais
em
suspensão

24 horas1
MGA2

240
80

150
60

amostrador de
grandes volumes

partículas inaláveis

24 horas1
MAA3

150
50

150
50

separação
inercial/filtração

fumaça

24 horas1
MAA3

150
60

100
40

refletância

dióxido de enxofre

24 horas1
MAA3

365
80

100
40

pararosanilina

dióxido de nitrogênio

1 hora1
MAA3

320
100

190
100

quimiluminescência

monóxido de carbono

1 hora1

8
horas1

40.000
35 ppm
10.000
9
ppm

40.000
35 ppm
10.000
9
ppm

infravermelho
não dispersivo

ozônio

1 hora1

160

160

quimiluminescência

1 – Não deve ser excedido mais que uma vez ao ano. 2 – Média geométrica anual. 3 – Média aritmética anual.

Já o índice de qualidade do ar é uma ferramenta matemática desenvolvida para
simplificar o processo de divulgação da qualidade do ar. Esse índice é utilizado
desde 1981, e foi criado usando como base uma longa experiência desenvolvida no
Canadá e EUA. Os parâmetros contemplados pela estrutura do índice da Cetesb,
são: dióxido de enxofre (SO2), partículas totais em suspensão
(PTS), partículas inaláveis (MP10), fumaça (FMC), monóxido de carbono
(CO), ozônio (O3) e dióxido de nitrogênio (NO2). Para cada
poluente medido é calculado um índice. Através do índice obtido ar recebe uma
qualificação, que é uma espécie de nota, feita conforme apresentado na tabela
abaixo:

Qualidade

Índice

MP10
(µg/m3)

O3
(µg/m3)

CO
(ppm)

NO2
(µg/m3)

SO2
(µg/m3)

Boa

0
– 50

0
– 50

0
– 80

0
– 4,5

0
– 100

0
– 80

Regular

51
– 100

50
– 150

80
– 160

4,5
– 9

100
– 320

80
– 365

Inadequada

101
– 199

150
– 250

160
– 200

9
– 15

320
– 1130

365
– 800

200
– 299

250
– 420

200
– 800

15
– 30

1130
– 2260

800
– 1600

Péssima

>299

>420

>800

>30

>2260

>1600

Para efeito de divulgação utiliza-se o índice mais elevado, isto é, a qualidade
do ar de uma estação é determinada pelo pior caso. Esta qualificação do ar está
associada com efeitos sobre à saúde, independentemente do poluente em questão,
conforme tabela abaixo:

Qualidade

Índice

Significado

Boa

0 – 50

Praticamente
não há riscos à saúde.

Regular

51 – 100

Pessoas de
grupos sensíveis (crianças, idosos e pessoas com doenças
respiratórias e cardíacas), podem apresentar sintomas
como tosse seca e cansaço. A população, em geral, não é
afetada.

Inadequada

101 – 199

Toda a
população pode apresentar sintomas como tosse seca,
cansaço, ardor nos olhos, nariz e garganta. Pessoas de
grupos sensíveis (crianças, idosos e pessoas com doenças
respiratórias e cardíacas), podem apresentar efeitos mais
sérios na saúde.

200
– 299

Toda a
população pode apresentar agravamento dos sintomas como
tosse seca, cansaço, ardor nos olhos, nariz e garganta e
ainda apresentar falta de ar e respiração ofegante.
Efeitos ainda mais graves à saúde de grupos sensíveis
(crianças, idosos e pessoas com doenças respiratórias e
cardíacas).

Péssima

>299

Toda a
população pode apresentar sérios riscos de manifestações
de doenças respiratórias e cardiovasculares. Aumento de
mortes prematuras em pessoas de grupos sensíveis.

Individualmente, cada poluente apresenta diferentes efeitos sobre a saúde da
população para faixas de concentração distintas, identificados por estudos
epidemiológicos desenvolvidos dentro e fora do país. Tais efeitos sobre a saúde
requerem medidas de prevenção a serem adotadas pela população afetada. No
inverno, freqüentemente ocorrem dias com baixa umidade do ar e alta concentração
de poluentes. Nessas condições, é comum ocorrerem complicações respiratórias
devido ao ressecamento das mucosas, provocando sangramento pelo nariz,
ressecamento da pele e irritação dos olhos.

Quando a umidade relativa do ar estiver entre 20 e 30%, é melhor evitar
exercícios físicos ao ar livre entre 11 e 15 horas; umidificar o ambiente
através de vaporizadores, toalhas molhadas, recipientes com água, umidificação
de jardins etc; sempre que possível permanecer em locais protegidos do sol ou em
áreas arborizadas. Se a umidade estiver entre 20 e 12%, é recomendável suspender
exercícios físicos e trabalhos ao ar livre entre 10 e 16 horas; evitar
aglomerações em ambientes fechados; e seguir as orientações anteriores.

Mas, se a umidade for menor do que 12% é preciso interromper qualquer
atividade ao ar livre entre 10 e 16 horas; determinar a suspensão de atividades
que exijam aglomerações de pessoas em recintos fechados; manter umidificados os
ambientes internos, principalmente quartos de crianças, hospitais etc. Além
dessas medidas é recomendável usar colírio de soro fisiológico ou água boricada
para os olhos e narinas e beber muita água.

No estado de São Paulo, a população pode acompanhar diariamente as medições feitas pela Cetesb em suas estações de medição no link http://sistemasinter.cetesb.sp.gov.br/Ar/mapa_qualidade/mapa_qualidade_rmsp.asp

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Curso Técnico