ISO 9004: o verdadeiro caminho para o sucesso de uma organização

PAS 2060 Specification for the demonstration of carbon neutrality
A especificação PAS 2060 visa estabelecer diretrizes para as empresas que desejam se tornar neutras em carbono. Esses programas têm sido criticados há anos por não ter uma padronização garantindo que a neutralização não é apenas uma forma de greenwashing, onde a empresa diz ter contribuído para algum projeto que reduz ou absorve emissões de gases do efeito estufa mas na realidade isto não acontece. Clique para mais informações.

Depois de sofrer um processo de revisão, a NBR ISO 9004:2010 fornece orientação para apoiar qualquer organização que esteja operando dentro de um ambiente complexo e exigente, e sempre em mudança, a alcançar o sucesso sustentado, através de uma abordagem de gestão da qualidade. O sucesso sustentado de uma organização e alcançado através da sua habilidade em atender as necessidades e expectativas dos seus clientes e demais partes interessadas, a longo prazo e de forma equilibrada. O sucesso sustentado pode ser alcançado pela gestão eficaz da organização, através da consciência do ambiente organizacional, pelo aprendizado e pela introdução de melhorias ou inovações, ou ambas.

A norma promove a autoavaliação como uma ferramenta importante para a analise critica do nível de maturidade da organização, abrangendo sua liderança, estratégia, sistema da gestão, recursos e processos, para identificar pontos fortes e fracos bem como oportunidades tanto de melhoria quanto inovação, ou ambas. Fornece uma visão mais ampla da gestão da qualidade do que a NBR ISO 9001; trata das necessidades e expectativas de todas as partes interessadas pertinentes, e fornece orientação para a melhoria sistemática e contínua do desempenho global da organização.

A NBR ISO 9004.foi desenvolvida de forma a manter a coerência com a NBR ISO 9001 e ser compatível com outras normas de sistema de gestão. Elas se complementam mutuamente, mas também podem ser utilizadas de forma independente. Em seu Anexo A há uma ferramenta para que as organizações se autoavaliem os seus pontos fortes e fracos, para determinar o seu nível de maturidade e para identificar oportunidades de melhoria e inovação. No Anexo B há uma descrição dos princípios de gestão da qualidade que são os fundamentos das normas de gestão da qualidade preparadas pelo ISO TC 176 (ABNT CB 25). Já o Anexo C apresenta uma correspondência, seção por seção, entre a a ISO 9001 :2008 e a ISO 9004.

O padrão especifica que, para se alcançar o sucesso sustentado, convém que a alta direção adote uma abordagem de gestão da qualidade. Convém que o sistema de gestão da qualidade da organização se baseie nos princípios descritos no Anexo B. Esses princípios descrevem os conceitos que são a base de um sistema eficaz de gestão da qualidade. Convém que, para alcançar sucesso sustentado, a alta direção aplique estes princípios para a organização do sistema de gestão da qualidade. Convém que a organização desenvolva o seu sistema de gestão da qualidade para assegurar a utilização eficiente de recursos, a tomada de decisões baseada ern evidência factual e o foco na satisfação do cliente, bem como sobre as necessidades e expectativas de outras partes interessadas pertinentes.

A organização pode alcançar sucesso sustentado pela constante satisfação das necessidades e expectativas das suas partes interessadas, de uma forma balanceada, a longo prazo. Por isso mesmo, o ambiente de uma organização está em constante mudança e é incerto, e, para alcançar o seu sucesso sustentado, convém que sua alta direção tenha uma perspectiva de planejamento de longo prazo, constantemente monitore e analise regularmente o ambiente da organização, identifique todas as suas partes interessadas, avalie os seus impactos potenciais sobre o seu desempenho, bem como para determinar a forma de satisfazer as suas necessidades e expectativas de uma forma balanceada, engaje continuamente as partes interessadas, e as mantenha informadas sobre as atividades e os planos da organização, considere as relações mutuamente benéficas com fornecedores, parceiros e outras partes interessadas, faça uso de urna ampla variedade de abordagens, incluindo a negociação e mediação, para balancear as necessidades e expectativas frequentemente conflitantes das partes interessadas, identifique os riscos de curto e longo prazo associados, e implemente uma estrategia global para a organização para atenuá-los, antecipe necessidades futuras dos recursos (incluindo as competências exigidas das pessoas da organização), estabeleça processos adequados para a realização da estratégia da organização, assegurando que eles são capazes de responder rapidamente a evolução das circunstâncias, avalie periodicamente a conformidade com os planos e procedimentos atuais, e tome as ações corretivas e preventivas apropriadas, assegure que as pessoas da organização tenham oportunidades de aprendizagem para seu próprio beneficio, bem como para manter a vitalidade da organização, e estabeleça e mantenha processos para inovação e melhoria continua.

A fim de garantir que os seus processos e as suas praticas sejam eficazes e eficientes, convém que a organização realize atividades para antecipar eventuais conflitos decorrentes das diferentes necessidades e expectativas das suas partes interessadas. Deve avaliar e compreender o atual desempenho da organização e as causas raiz dos problemas no passado, a fim de evitar a sua recorrência. Outras medidas a serem tomadas: manter as partes interessadas informadas, obtendo o seu comprometimento, mantendo-as a par dos progressos em relação aos planos, e a obtenção de realimentação e ideias de melhoria a partir delas, analisar criticamente o sistema de gestão e seus processos, e atualizá-los sempre que necessário, monitorar, medir, analisar criticamente e reportar, disponibilizar quaisquer recursos necessários, incluindo aqueles para melhoria, inovação e aprendizado, desenvolver, atualizar e cumprir os seus objetivos, incluindo a definição de prazos para a sua realização, e assegurar que os resultados sejam consistentes com a estrategia.

Outra ação fundamental para as empresas e valorizar as pessoas que são um importante recurso de uma organização e seu pleno envolvimento amplia a sua capacidade de criar valor para as partes interessadas. Assim, a norma estabelece que convém que a alta direção, através da sua liderança, crie e mantenha uma visão compartilhada, valores compartilhados e um ambiente interno no qual as pessoas podem se tornar totalmente envolvidas na realização dos objetivos da organização. Como as pessoas são o recurso mais valioso e crítico, e necessário garantir que o seu ambiente de trabalho favoreça o crescimento pessoal, aprendizagem, transferência de conhecimento e trabalho em equipe. Convém que a gestão de pessoas seja realizada através de uma abordagem planejada, transparente, ética e socialmente responsável. Convém que a organização assegure que as pessoas compreendam a importância da sua contribuição e de seus papéis. Convém que a organização estabeleça processos que capacitem as pessoas a traduzir a estrategia da organização e dos objetivos dos processos em objetivos individuais de trabalho, e para estabelecer planos para a sua realização, identificar restrições ao seu desempenho, assumir a propriedade e a responsabilidade de resolver problemas, avaliar seu desempenho individual em relação aos objetivos individuais de trabalho, procurar ativamente oportunidades para melhorar a sua competência e experiência, promover o trabalho em equipe e incentivar sinergia entre as pessoas, e compartilhar informações, conhecimentos e experiências dentro da organização.

Já no item 6.3.2 Competência das pessoas, a norma diz que, a fim de garantir que a organização tenha as competências necessárias, convém que a organização estabeleça e mantenha um “plano de desenvolvimento pessoal” e processos associados, que devem ajudar a organização a identificar, desenvolver e melhorar as competências dos seus colaboradores através dos seguintes passos:

– identificar as competências profissionais e pessoais que a organização poderá necessitar a curto e longo prazos e de acordo com a sua missão, visão, estrategia, políticas e objetivos,

– identificar as competências atualmente disponíveis na organização e as lacunas entre o que e disponível e o que é necessário no momento e que poderá ser necessário no futuro,

– implementar ações para melhorar elou adquirir competências para preencher as lacunas,

– analisar criticamente e avaliar a eficácia das medidas tomadas para assegurar que as competências foram adquiridas, e

– manter as competências que foram adquiridas.

O item 6.3.3 Envolvimento e motivação das pessoas especifica que convém que a organização motive as pessoas a compreender o significado e a importância das suas responsabilidades e atividades relacionadas com a criação e provisão de valor para os clientes e outras partes interessadas. Para aumentar o envolvimento e a motivação das pessoas, convém que a organização considere atividades tais como

– desenvolver um processo para compartilhar conhecimento e utilizar a competência das pessoas, por exemplo, um sistema para coletar ideias para a melhoria,introduzir um sistema adequado de reconhecimento e recompensa, que seja baseado em avaliações individuais das realizações das pessoas,

– instituir um sistema de qualificação de habilidades e de planejamento de carreira, a fim de promover o desenvolvimento pessoal,

– analisar critica e continuamente o nível de satisfação e as necessidades e expectativas das pessoas, e proporcionar oportunidades para mentorear e orientar

O item 6.6 Ambiente de trabalhe descreve que convém que a organização forneça e gerencie um ambiente de trabalho adequado para atingir e manter o sucesso sustentado da organização e da competitividade dos seus produtos. Convém que um ambiente de trabalho adequado, como uma combinação de fatores físicos e humanos, considere:

– métodos criativos de trabalho e oportunidades para um maior envolvimento para aproveitar o potencial das pessoas na organização,

– regras de segurança e orientação e uso de equipamentos de proteção,

– ergonomia, fatores psicológicos, incluindo carga de trabalho e estresse,

– localização do local de trabalho, com facilidades para as pessoas na organização,

– maximização da eficiência e minimização de resíduos,

– calor, umidade, luz, fluxo de ar, e

– higiene, limpeza, ruído, vibração e poluição.

Convém que o ambiente de trabalho incentive a produtividade, criatividade e bem-estar para as pessoas que trabalham nas instalações da organização ou as visitem (por exemplo, clientes, fornecedores e parceiros). Ao mesmo tempo, convém que a organização assegure que o seu ambiente de trabalho esta em conformidade com os requisitos estatutários e regulamentares aplicáveis e atenda as normas aplicáveis (tais como os de saúde ocupacional e ambienta1 e de gestão da segurança).

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Glossário Técnico Gratuito

Disponível em três línguas, a ferramenta permite procurar termos técnicos traduzidos do português para o inglês e para o espanhol. Acesse no link

http://www.target.com.br/portal_new/ProdutosSolucoes/GlossarioTecnico.aspx?ingles=1&indice=A

Anúncios

Andragogia nas empresas

eBook :: UMA ENCRENCA QUE SE CHAMA CLIENTE ::

eBook :: UMA ENCRENCA QUE SE CHAMA CLIENTE
Atualmente, com a evolução tecnológica, aceitar o imperativo do título como uma frase verdadeira é simplesmente uma falácia. Com a sociedade em constante transmudação, tudo é relativo, depende do momento da verdade e da situação vivida pelas partes. Segundo o autor, Hayrton Rodrigues do Prado Filho, deve-se analisar cada caso, pois ele depende de todo um conjunto de fatores particulares. Não se pode e nem se deve cumprir regras gerais ou leis universais que valham em toda e qualquer situação. Principalmente, nas situações de mercado com o advento da Web. Clique para mais informações.

Andragogia é a ciência e a arte da educação de adultos

Carlos W. Dorlass, consultor de empresas e instituições de ensino, em assuntos ligados à educação – awcomunicacao@hideamkt.com.br

A educação de adultos é uma preocupação da humanidade há muito tempo, se considerarmos que os grandes mestres dos tempos antigos foram professores de adultos, não de crianças. Os antigos chineses e hebreus inventaram o que chamamos hoje de estudo de caso, em que o aprendiz ou um dos membros do grupo descreve uma situação, geralmente na forma de parábola, e juntamente com o grupo explora suas características e possíveis soluções.

A Unesco já utilizou-se do termo para referir-se à educação continuada, e Paulo Freire em seu livro “Pedagogia do Oprimido” afirma ” ninguém educa ninguém, nem ninguém aprende sozinho, nós homens (mulheres) aprendemos através do mundo”.

Sabemos que os adultos que desejam manter suas mentes vigorosas, o farão por meio do conflito de situações, porque buscarão seus referenciais nas suas experiências, antes mesmo das fontes de textos.

O modelo andragógico baseia-se em:

– Necessidade de Saber;

-O autoconhecimento do Aprendiz; (como posso ser independente e aluno);

-O papel das Experiências;

-Prontidão para aprender;

-Orientação para aprendizagem;

-Motivação.

Na andragogia, o professor precisa ser humilde para, além de se tornar um aprendiz, transformar-se em um tutor eficiente para mostrar como aquele conhecimento fará a diferença na vida de seus alunos.

Assim como o professor necessita mudar, o aprendiz (aluno) necessita iniciar o processo mudando seus próprios valores, suas crenças ( desaprender e aprender) e ser flexível para que sua aprendizagem seja eficaz.

Na andragogia os alunos deverão ser estimulados à troca de experiências, informações e tomadas de decisões em conjunto, onde serão trabalhados para a formação de cidadãos conscientes de seus direitos, deveres e suas responsabilidades sociais.

Os métodos andragógicos estão sendo utilizados nas empresas para a gestão de pessoas, planejamento estratégico, marketing, processos de qualidade etc.

Ao invés de se fazer apresentações shows, trabalha-se em grupos com equipes multidisciplinares, isso leva ao comprometimento necessário para que haja o sucesso de um projeto, os participantes saem da posição de espectadores para a posição de participantes.

Nos dias de hoje, onde a competitividade e produtividade são as palavras “do momento”, as empresas necessitam estar cada vez mais preparadas, o que implica na necessidade do aprendizado constante de seus colaboradores. E é dentro deste contexto que as práticas andragógicas assumem papel fundamental.

Peter Senge afirma que hoje, os lideres devem ser ” projetistas, professores e regentes”, ou seja devem saber desenvolver projetos, ensiná-los e manter a equipe afinada, onde cada membro tem uma função específica na “orquestra”. O líder deverá desenvolver novas crenças e valores nos quais os liderados serão estimulados a expandir suas competências continuamente.

Geralmente, as empresas utilizam estratégias para treinamento corporativo utilizando uma abordagem convencional, baseada nos princípios pedagógicos clássicos, que prioriza o conteúdo e o formato unidirecional de transmissão de conhecimento.

No entanto, é preciso considerar que a experiência é a fonte mais rica na aprendizagem de adultos, pois aprendem conforme vivenciam situações motivadas por necessidades e interesses reais em suas vidas.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Normas comentadas

Confira quais as normas comentadas disponíveis. Elas oferecem mais facilidade para o entendimento e são muito mais fáceis de usar: http://www.target.com.br/portal_new/produtossolucoes/NBR/Comentadas.aspx

NBR 14039Instalações elétricas de média tensão de 1,0 kV a 36,2 kV. Possui 140 páginas de comentários

NBR 5410Instalações elétricas de baixa tensão – Comentada – para windows, versão 2004

NBR ISO 9001 – COMENTADASistemas de gestão da qualidade – Requisitos