Auditoria em fornecedores? Por que não qualificar os seus fornecedores?

Coletânea Série Atmosferas Explosivas
Por atmosfera explosiva entende-se uma mistura com o ar, em condições atmosféricas, de substâncias inflamáveis, sob a forma de gases, vapores, névoas ou poeiras, na qual, após a ignição, a combustão se propague a toda a mistura não queimada. Já por área perigosa entende-se aquela onde se pode formar uma atmosfera explosiva em concentrações que exijam a adoção de medidas de prevenção especiais a fim de garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores abrangidos. Clique para mais informações.

Li no Qualiblog um texto sobre auditoria em fornecedores. Caramba, se a sua empresa ainda costuma fazer esse tipo de procedimento, está na hora de mudar, dentro do espírito de melhoria contínua. Ela deveria ajudar as empresas fornecedoras a desenvolver um programa de gestão que não precisa ser certificado. Basta implementar, por exemplo, três sensos do Programa 5 S e quatro princípios da ISO 9001. Isso gera um programa de gestão que pode ser auditado por um consultor terceirizado. Os custos não são tão altos e devem ser menores do que a inspeção no fornecedor. Pode ser que alguns organismos de certificação aceitem a prestar esse tipo de serviço, visando a uma certificação futura dos seus forncedores. Conversem com eles.

Não há dúvida, só para esclarecer, que no item 7.4 Aquisição da ISO 9001 está escrito:

A organização deve assegurar que o produto adquirido está conforme com os requisitos especificados de aquisição. O tipo e a extensão do controle aplicados ao fornecedor e ao produto adquirido devem depender do efeito do produto adquirido na realização subsequente do produto ou no produto final. A organização deve avaliar e selecionar fornecedores com base na sua capacidade de fornecer produto de acordo com os requisitos da organização. Critérios para seleção, avaliação e reavaliação devem ser estabelecidos. Devem ser mantidos registros dos resultados das avaliações e de quaisquer ações necessárias, oriundas da avaliação (ver 4.2.4).

As informações de aquisição devem descrever o produto a ser adquirido e incluir, onde apropriado,

a) requisitos para a aprovação de produto, procedimentos, processos e equipamento,

b) requisitos para a qualificação de pessoal, e

c) requisitos do sistema de gestão da qualidade.

A organização deve assegurar a adequação dos requisitos de aquisição especificados antes da sua comunicação ao fornecedor.

7.4.3 Verificação do produto adquirido

A organização deve estabelecer e implementar a inspeção ou outras atividades necessárias para assegurar que o produto adquirido atenda aos requisitos de aquisição especificados.

Quando a organização ou seu cliente pretender executar a verificação nas instalações do fornecedor, a organização deve declarar, nas informações de aquisição, as providências de verificação pretendidas e o método de liberação de produto.

Quer dizer, a norma fala em inspeção no fornecedor, mas acho que isso precisa ser superado. O melhor de tudo é a empresa implementar um programa de qualificação e desenvolvimento dos fornecedores. A importância do envolvimento fornecedor–cliente, além de melhorar o desempenho dos resultados e aumentar os lucros da empresa, possibilita parcerias que auxiliam também na implantação de programas de melhorias de qualidade e produtividade.

Existe, quanto à implementação de sistema de gerenciamento dos fornecedores, uma relutância de alguns setores da organização em adotar políticas de relacionamento entre clientes e fornecedores sendo que ainda verifica-se divergência quanto à participação dos colaboradores, pois existe ainda um despreparo na utilização de informações que o sistema disponibiliza. Para solucionar os problemas de dentro das organizações, necessariamente deverá existir um levantamento de fatos e dados, pois caso contrário, a empresa defronta-se com situações em que não se conseguirá solucioná-las.

Pode-se chegar à conclusão de que o relacionamento entre cliente e fornecedor pode se dar de diversas maneiras, e também para que este relacionamento seja saudável é preciso passar por alguns estágios, dentre estes estágios dois são de fundamental importância, Ambos os lados buscam a criação de um novo relacionamento que traga beneficio mutuo e ambas as partes devem abrir mão do interesse pessoal e independência em favor da confiança a fim de se obter uma aliança.

É possível ganhos econômicos significativos através de uma maior integração entre cliente e fornecedor, gerando ganhos para ambas as partes por meio de troca de conhecimentos, que pelo lado fornecedor significa economia de recursos em investigação de possíveis falhas y suas causas, enquanto que pelo lado cliente representa a possibilidade de compartir dados e metodologia de acompanhamento dos equipamentos que compram. Alguns estudos comparativos entre os modelos descritos mostram ser mais abrangentes e posicionarem de forma mais clara a área de suprimentos dentro de um ambiente de qualidade total ou Just in Time.

O modelo de Juran operacionalmente parece mais fácil de ser praticado, principalmente para organizações que estão iniciando a atividade de avaliação estruturada de seus fornecedores, e o modelo de Petrus é mostrado de uma forma simples e mais pratica no manuseio das informações, pode ser aplicado a qualquer tipo de organização. Para planejar e implementar o programa é necessário organizar um grupo de trabalho multifuncional contemplando, área de suprimentos, área técnica, área de materiais, almoxarifados e produção. É necessário criar um clima de parceria dentro da própria organização, somente assim será estruturado um programa consistente para o cliente e para o fornecedor, também é recomendável iniciar com poucos fornecedores e preferencialmente, com aqueles que tenham melhores desempenhos.

Um exemplo interessante foi a Eletronorte que em 2006 implantou um sistema de avaliação de fornecedores, em que o desempenho deles durante a execução dos contratos de fornecimento de produtos e serviços é monitorado visando acompanhar e registrar os aspectos relativos aos prazos, quantidade, qualidade e segurança. As empresas serão classificadas de acordo com o conceito geral obtido, conforme quadro abaixo:

As empresas serão avaliadas nos seguintes momentos:

1. No processo de cadastramento;

2. Na entrada da mercadoria;

3. Na entrada do serviço;

No processo de inspeção;

No gerenciamento do contrato.

Na entrada da mercadoria os subcritérios abaixo serão avaliados e pontuados observando o cumprimento do contrato:

Na entrada do serviço os subcritérios abaixo serão avaliados e pontuados observando o cumprimento do contrato.

Nos processos de cadastramento, de inspeção, e durante o gerenciamento do contrato a avaliação será feita mediante o registro das não conformidades. As empresas em função do conceito obtido e de acordo com a Lei 8666/93 estarão sujeitas a aplicação de medidas administrativas conforme quadro abaixo:

Prometo que irei tocar mais nesse assunto nas próximas matérias. Minha ideia é desenvolver um manual de qualificação de fornecedores, um assunto bastante complicado no Brasil. Pode ser que esse manual fique por aqui em capítulos durante os próximos meses.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Facebook: http://www.facebook.com/profile.php?id=100002095953440

Glossário Técnico Gratuito

Disponível em três línguas, a ferramenta permite procurar termos técnicos traduzidos do português para o inglês e para o espanhol. Acesse no link

http://www.target.com.br/portal_new/ProdutosSolucoes/GlossarioTecnico.aspx?ingles=1&indice=A

As tecnologias a serviço do meio ambiente

Apesar de parecerem distantes, tecnologia e meio ambiente podem caminhar juntos com soluções voltadas à área ambiental. A tecnologia sempre pareceu inimiga do meio ambiente. Com a evolução do homem, a natureza foi dando lugar às suas criações e o lixo eletrônico já é uma realidade. Computadores, telefones celular, baterias e pilhas usadas juntam-se aos entulhos, trazendo graves impactos ao meio ambiente.

Mas, nem toda a evolução da tecnologia pode ser culpada por isso. Algumas ferramentas que ela é capaz de criar estão sendo direcionadas à salvaguarda do meio ambiente e seus recursos. Por meio de um servidor de mapas, sensoriamento remoto e georreferenciamento, integrado a Sistemas de Informações Geográficas (SIG), por exemplo, a prevenção a vários tipos de impactos pode ser aplicada.

Para Ronaldo Callmann, gerente de marketing da Husqvarna, em tempos de uso exagerado dos recursos naturais e aquecimento global, muitos aumentam seus esforços para a preservação do meio ambiente e renovação dos elementos da natureza. “Nesse sentido, por que não utilizar as tecnologias disponíveis para que possamos contribuir com essa questão? Existem produtos que nos permitem realizar as mesmas atividades com o mesmo – ou até melhor – desempenho, economizando energia, água, diminuindo a emissão de poluentes e reutilizando detritos. Podemos pensar em alguns exemplos práticos em serviços domésticos que dispensam o uso de água. No outono, época de ventos mais fortes, é comum a queda das folhas secas das árvores e o acúmulo de poeira e vegetação pelas ruas e jardins. Com isso, manter a área externa limpa torna-se uma tarefa mais trabalhosa e geralmente com maior consumo de água. Segundo a Organização das Nações Unidas, cada pessoa necessita de cerca de 110 litros de água por dia para atender as necessidades de consumo e higiene. Mas, no Brasil, o consumo por pessoa pode chegar a mais de 200 litros/dia.

Para este caso, empresas especializadas em manejo de áreas verdes desenvolveram produtos capazes de manter calçadas, terraços, campos e quintais limpos, sem ser necessário o uso de ao menos uma gota de água. Um exemplo é o soprador, que facilita a limpeza de áreas externas e diminui o uso de água. Além disso, alguns modelos possuem a função aspiração para coletar detritos. Uma boa ideia também é utilizá-lo para outras funções, como, por exemplo, limpar maquinários ou mesmo secar o próprio veículo.

“Nos serviços de jardinagem, cortadores de grama possuem a função de reciclagem. A Husqvarna dispõe da opção BioClip: a grama é cortada em pequenos pedaços, que rapidamente se decompõem e retornam ao gramado como fertilizantes, ajudando a fortalecer a área verde. Ou seja, um simples trabalho de aparar a grama pode se tornar em uma atitude sustentável. Em se tratando de serviços maiores, como podar galhos, erguer cercados e cortar lenha, as motosserras são equipamentos que facilitam e agilizam a realização dessas tarefas. Para isso, foi criada a tecnologia X-TORQ, que proporciona reduções de até 20% no consumo de combustível e de até 60% na emissão de poluentes. Essa tecnologia, presente em diversos produtos Husqvarna, auxilia na redução dos impactos ambientais. Por isso, fique atento às novas tecnologias. Ao comprar novos produtos, tenha em mente que as atividades rotineiras podem ser desenvolvidas com equipamentos que minimizam a utilização dos recursos naturais e proporcionam um novo destino para os resíduos”.

A contaminação de solos e da água é uma preocupação frequente das autoridades ambientais. Investir em pesquisas e na criação de soluções eficazes e ambientalmente corretas para a descontaminação desses solos é um desafio para empresas do setor. Em 2010, a Contech lançou o Fentox, ideal para solo e água subterrânea que necessitem de remediação ambiental. O produto patenteado destrói contaminantes persistentes com até 10 vezes mais eficiência que produtos convencionais.

Criado em parceria com a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), o Fentox maximiza o desempenho da remediação porque utiliza um oxidante “limpo”, como o peróxido de hidrogênio, através de uma formulação especial que promove a geração de compostos mais estáveis, não poluentes e que se dissipam facilmente no ar. “Além disso, é biodegradável e não deixa resíduos após a sua aplicação, atuando de acordo com as exigências dos órgãos ambientais”, explica o engenheiro químico Vitor Lacerda Mauricio, da equipe de novos negócios do projeto.

Uma vez no solo, após ser combinado com um oxidante, o produto cria reações extremamente efetivas e controladas, com riscos minimizados. Ele também não necessita de qualquer ajuste de pH e provoca reações muito mais rápidas, que consomem menos oxidantes, sem gerar resíduos sólidos. Os postos de combustíveis constituem num dos principais mercados consumidores desse tipo de produto, devido à rígida legislação e ao amplo potencial de impacto. Ao todo, 15 já utilizam o Fentox® em seus processos de descontaminação. “São principalmente vazamentos de antigos tanques subterrâneos que, após sofrerem corrosão, liberam compostos que se infiltram nos lençóis freáticos e afetam as populações que vivem em áreas próximas”, informa Ricardo Barreto, responsável pelo desenvolvimento de novos negócios. A Contech já registra dois casos de sucesso do uso do produto nestas situações, aprovados pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb).

Além disso, o produto pode ser aplicado em indústrias desativadas e antigos sítios industriais que apresentem o mesmo problema, pois a ação do tempo sobre as estruturas abandonadas pode acabar causando a deterioração e contaminando o solo. Indústrias que manipulam derivados de petróleo e outros produtos químicos poluentes também se beneficiam da descontaminação que o Fentox realiza, pois geralmente alguns resíduos persistem nas águas utilizadas no processo industrial.

O desenvolvimento do produto ocorreu devido a uma parceria com pesquisadores da Unicamp. Os estudos foram iniciados no Laboratório de Química Ambiental do Instituto de Química da Unicamp, sob coordenação do professor Wilson Jardim. Foram conduzidos os experimentos para desenvolvimento do produto e a comprovação de sua eficácia na remediação de áreas contaminadas.

A parceria com a Contech começou com a negociação para licenciamento da patente. Foram identificadas as demandas de mercado e o potencial de aplicação do produto, além do planejamento da produção em larga escala, passando pelas etapas piloto e pré-industrial. “Durante todo esse processo foram essenciais ações em conjunto com a universidade, para alinharmos as expectativas do mercado com a viabilidade de produção e aplicação do novo produto”, explica Ricardo Barreto.

Normas comentadas

Confira quais as normas comentadas disponíveis. Elas oferecem mais facilidade para o entendimento e são muito mais fáceis de usar: http://www.target.com.br/portal_new/produtossolucoes/NBR/Comentadas.aspx

NBR 14039Instalações elétricas de média tensão de 1,0 kV a 36,2 kV. Possui 140 páginas de comentários

NBR 5410Instalações elétricas de baixa tensão – Comentada – para windows, versão 2004

NBR ISO 9001 – COMENTADASistemas de gestão da qualidade – Requisitos

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Facebook: http://www.facebook.com/profile.php?id=100002095953440