Liderança: cadê os novos Ciccillos?

slaca

IX SLACA – SIMPÓSIO LATINO AMERICANO DE CIÊNCIA DE ALIMENTOS

Centro de Convenções da UNICAMP, Campinas
05 a 08 de novembro de 2011

Alfredo Behrens

Recentemente passei por uma estátua do Ciccillo Matarazzo na Barra Funda. A placa indicava que ela estaria lá temporariamente até que fosse transferida ao parque das indústrias. Em breve nem indústria teremos, quanto mais um parque para elas. O mundo está mudando muito e muito rapidamente, mas a novidade não figura ainda entre os grandes temas nacionais. As lideranças de hoje se formaram numa tendência que levou a um mundo em que 1 bilhão de pessoas detêm em torno de 80% da renda. Segundo o antigo presidente do Banco Mundial, as outras 5 bilhões de pessoas ficam com apenas 20% da renda. Nesse mundo, a grande maioria das transações se deu no Atlântico Norte e os portos próximos dessa região têm grandes vantagens comparativas.

Mas, nos próximos 40 anos, o centro gravitacional do mundo econômico se mudará para um eixo determinado pela Índia e a China, que juntas serão responsáveis pela metade do PIB mundial. Uma situação semelhante foi vista pela última vez no início de século 19 e, antes disso, no século 15. Durante a maior parte do último século esses países não somavam nem 5% do PIB mundial.

O mundo será tão diferente que nos custa apreciar a magnitude da mudança em formação. Por isso, vale lembrar que quando finalmente Vasco da Gama chegou a Calicut, na Índia, os melhores produtos que ofereceu aos indianos não despertaram maior interesse entre eles. A Ásia de então era mais avançada e achava os produtos europeus rudimentares. Porém, em 2050, o mundo terá 9 bilhões de pessoas, serão 3 bilhões adicionais e deles, apenas 100 milhões nascerão nos países hoje considerados ricos. A desproporção do número de pessoas por nascer, por si só já indicaria porque o crescimento dos mercados seria maior na Ásia e na África. Hoje, a Europa se preocupa com a invasão de africanos. Amanhã será a Ásia a se preocupar com isso, a menos que os africanos se aproveitem da sua maior proximidade com a Ásia para concorrer com os nossos produtos.

É claro que estes movimentos deveriam estar incomodando hoje aos brasileiros, banhados, como estamos, apenas pelo Atlântico. Este movimento de dimensões tectônicas terá importantes consequências para nós. Pense senão no encolhimento dos portos de Veneza e Gênova a partir do descobrimento da rota de Vasco da Gama ao oriente. Esse encolhimento não se deu de uma hora para outra, mas em menos de um século Veneza e Gênova deixaram de serem portos de referência para se converterem apenas em cidades, bonitas, cheias de historia, mas sem um grande futuro pela frente.

Aqui estamos preocupados em sentarmos entre os grandes de hoje nas Nações Unidas. Penso que deveríamos estar procurando acordos para assegurar ao Brasil uma saída terrestre ao Pacífico. Claro que há o Canal do Panamá e o Estreito de Magalhães, mas eles nunca serviram de muito ao Chile ou ao Peru, serviram? Por que não levantamos a questão da saída ao mar do Mercosul via a Bolívia? Pelo menos serviria a Bolívia que seria um peso menos para o Brasil. Por que não estamos já mais presentes na costa Leste da África, onde poderíamos produzir bem com os moçambicanos, e estarmos mais perto da Índia e da China? Deveríamos estar mais presentes em Macau ou Timor Leste, onde teríamos mão de obra já treinada em português para pelo menos responder aos telefones de São Paulo, onde já nem inglês queremos ensinar aos jovens. Cadê os Ciccillos de hoje? Ficaram tão pequenos que não dá para serem ouvidos?

Alfredo Behrens é professor de liderança em gestão intercultural dos MBAs da FIA – Fundação Instituto de Administração.

Abrindo seu próprio negócio: sonho ou pesadelo?

Robison Chan Tong

Todos empreendedores, geralmente, têm uma coisa em comum: são pessoas que em determinado momento da vida não se conformam com a situação em que vivem e, literalmente, arregaçam as mangas e iniciam um pequeno negócio. No geral, esses empreendedores são completamente leigos no vasto mundo burocrático para abrir um negócio e, principalmente, desconhecem as mais rudimentares regras de tributação e cálculos de custos.

Vale ressaltar que, estatisticamente no Brasil, uma micro ou pequena empresa, sem as devidas orientações e acompanhamentos por profissionais contábeis, falecem – isso mesmo, literalmente morrem – por volta de dois anos e meio depois de terem sido abertas. Pois bem, a fim de auxiliar esse grupo que considero seleto e muito corajoso, aí vão algumas dicas simples para os primeiros passos da tão sonhada independência.

· Saber fazer. O empreendedor deve realmente saber o que está fazendo. Imagine um técnico contábil, como eu, se aventurando a abrir uma pizzaria se não tiver pleno conhecimento de como fazê-las;

· Planejamento. Deve-se sempre planejar o empreendimento, desde quanto vai investir de capital até a determinação do ponto comercial, disposição dos bens ativos, atendimento e, principalmente, simular o fluxo de caixa;

· Custo. Se não imagina quanto custará o desembolso na atividade, nem comece. Pesquise antes sobre tudo o que for possível, principalmente as matérias-primas e mercadorias a serem revendidas;

· Carga tributária. Esse item é o mais crítico. Hoje no Brasil, para os empreendedores, de acordo com o faturamento anual, pode-se ser enquadrado como Simples Nacional, que possui a tributação mais barata; Lucro Presumido, onde se a empresa tiver um lucro inferior a 8% não compensa; e o Lucro Real, que é para as empresas de grande fôlego e que possuem despesas elevadas;

· Estudo do mercado potencial. Pesquisar o mercado é coisa simples e de fundamental importância para o sucesso do negócio. Na internet podem-se efetuar verificações por segmentos e os sindicatos de classe também são bons auxílios;

· Consumidor e sua classe social. Atingir o consumidor é sempre o desafio, e por isso é preciso conhecer o público-alvo. Sabendo quem tem potencial para ser seu cliente, o empreendedor aumenta sua chance de vendas;

· Acompanhamento contábil. Um bom profissional contábil é essencial. O papel do contador está explícito no dinamismo da nossa legislação e sua correta aplicação aos fatos contábeis. O assessoramento é contínuo, sem contar que atualmente a orientação contábil para uma boa gestão está cada vez mais imprescindível.

Finalmente, pergunte-se se realmente é isso que deseja fazer. Abrir um negócio pode ser o grande salto na sua vida, mas nunca para um precipício. Logo, reveja seu planejamento, pesquise bastante, converse com um conhecido que também partiu na mesma viagem: a experiência ainda é um grande exemplo para todos.

Robison Chan Tong é gerente do setor fiscal da Prolink Contábil, (www.grupoprolink.com.br).

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Facebook: http://www.facebook.com/profile.php?id=100002095953440

Glossário Técnico Gratuito

Disponível em três línguas, a ferramenta permite procurar termos técnicos traduzidos do português para o inglês e para o espanhol. Acesse no link

http://www.target.com.br/portal_new/ProdutosSolucoes/GlossarioTecnico.aspx?ingles=1&indice=A

Livro :: Aprendendo QUALIDADE de uma forma SISTÊMICA

APRENDENDO QUALIDADE DE UMA FORMA SISTÊMICA
Autor: OCEANO ZACHARIAS
Editora: QUALITY® CONSULTORIA
Assunto: GESTÃO DA QUALIDADE : ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS : QUALIDADE :
ISBN: 978-85-901852-8-4
N° de páginas: 248 PÁGINAS
Para comprar clique no link http://www.lojaquality.com.br/livros/aprendendo-qualidade-de-uma-forma-sist-mica-1.html

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: