Objetivos empresariais sem propósitos

Coletânea Série Sistema de Gestão Ambiental
Os aspectos ambientais onde a empresa está inserida fazem com que as organizações que implantam a NBRISO 14001 em suas administrações, tenham uma vantagem competitiva em relação aos demais concorrentes, pois o consumidor enxergará essa organização não somente uma prestadora de serviços comum, mas sim como uma empresa que está interagindo com o interesse da sociedade. Se o consumidor pode escolher entre duas empresas com preço e qualidade similar, certamente ele dará prioridade à empresa que tem com o meio ambiente uma relação não danosa. Com uma visão voltada para o futuro, os legisladores estão criando leis mais rígidas, imputando sanções aos infratores, obrigando as empresas a encarar com seriedade e responsabilidade a variável ambiental em sua estratégia operacional. Clique para mais informações.

binocolo_bn_architetto_f_01Algumas empresas com certificação ISO 9001 se perdem em seus propósitos e o programa de qualidade parece desandar feito uma maionese. Quando uma empresa tem seu foco bem definido e todos os funcionários estão alinhados com o objetivo, a produtividade tende a aumentar. Ter constância de propósito implica em se ter um objetivo. Deve-se perguntar sobre questões: quais são os objetivos da empresa? Como está indo e como irá chegar lá? De que forma isso afeta a todos? Todas essas questões se relacionam com o fato de se ter um propósito, e cada pessoa precisa de respostas, pessoais e de cunho profissional.

A meta da ISO 9001 – compatível ao processo de gestão é descrito na cláusula 5.3 – é sempre melhorar a satisfação do cliente. O modo como a empresa decidiu alcançar essa meta deve estar descrito no manual de qualidade do sistema de gestão, como definido na cláusula 4.2.2. O item 5.3 Política da qualidade diz que a Alta Direção deve assegurar que a política da qualidade a) seja apropriada ao propósito da organização, b) inclua um comprometimento com o atendimento aos requisitos e com a melhoria contínua da eficácia do sistema de gestão da qualidade, c) proveja uma estrutura para estabelecimento e analise critica dos objetivos da qualidade, d) seja comunicada e entendida por toda a organização, e e) seja analisada criticamente para a continuidade de sua adequação.

O item 4.2.2 Manual da qualidade determina que a organização deve estabelecer e manter um manual da qualidade que inclua a) o escopo do sistema de gestão da qualidade, incluindo detalhes e justificativas para quaisquer exclusões (ver 1.29, b) os procedimentos documentados estabelecidos para o sistema de gestão da qualidade, ou referência a eles, e c) uma descrição da interação entre os processos do sistema de gestão da qualidade. Pode-se comparar a estrutura de um sistema de gestão ao governo de um país, em que o manual da qualidade é a Constituição, onde se são definidos os escopos da gestão e a ligação de todos os procedimentos que o compõem. Na Seção 4.2.1 da ISO 9001, Generalidades está escrito que a documentação do sistema de gestão da qualidade deve incluir: a) declarações documentadas de uma política da qualidade e dos objetivos da qualidade, b) um manual da qualidade, c) procedimentos documentados e registros requeridos por esta norma, e d) documentos, incluindo registros, determinados pela organização como necessários para assegurar o planejamento, a operação e o controle eficazes de seus processos.

NOTA 1 Onde o termo “procedimento documentado” aparecer nesta norma, significa que o procedimento é estabelecido, documentado, implementado e mantido, Um único documento pode cobrir os requisitos para um ou mais procedimentos. Um requisito para um procedimento documentado pode ser coberto por mais de um documento.

NOTA 2 A abrangência da documentação do sistema de gestão da qualidade pode diferir de uma organização para outra devido a) ao porte da organização e ao tipo de atividades, b) a complexidade dos processos e suas interações, e c) a competência do pessoal

NOTA 3 A documentação pode estar em qualquer forma ou tipo de meio de comunicação..

Ou seja é requerida a determinação de objetivos adequados, que são fundamentais para as metas, objetivos ou visão. Com os objetivos, a política e o manual organizados, a norma requer a gestão (cláusula 5.1) para ser responsável para espalhar este tipo de regularidade de propósitos ao resto da organização por meio de uma comunicação eficaz e estabelecer os objetivos adicionais aos níveis apropriados e funções relevantes (5.4.1 5.4.1 Objetivos da qualidade). A Alta Direção deve assegurar que os objetivos da qualidade, incluindo aqueles necessários para atender aos requisitos do produto [ver 7.1 a)], sejam estabelecidos nas funções e nos níveis pertinentes da organização. Os objetivos da qualidade devem ser mensuráveis e consistentes com a política da qualidade).

Por fim, o item 5.1 Comprometimento da direção define que a Alta Direção deve fornecer evidencia do seu comprometimento com o desenvolvimento e com a implementação do sistema de gestão da qualidade, e com a melhoria contínua de sua eficacia a) comunicando a organização da importância de atender aos requisitos dos clientes, como também aos requisitos estatutários e regulamentares, b) estabelecendo a política da qualidade, c) assegurando que os objetivos da qualidade são estabelecidos, d) conduzindo as analises criticas pela direção, e e) assegurando a disponibilidade de recursos. Quando toda a organização está alinhada, ela cria sinergia e aumenta a produtividade. Todos querem direcionar seu produto ou serviço ao mercado da forma mais rápida, e o alinhamento é necessário à velocidade. Todos os cavalos precisam ser direcionados em um mesmo sentido para uma viagem efetiva. Um Sistema de Gestão da Qualidade efetivo fornece regularidade no propósito, levando a organização mais perto do sucesso.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

PRÓXIMOS CURSOS TARGET (Clique no curso para mais informações e fazer a sua inscrição)

Curto-Circuitos e Seletividade em Instalações Elétricas Industriais – Conheça as Técnicas e Corretas Especificações – Presencial ou Ao Vivo pela Internet – A partir de 3 x R$ 257,81 (56% de desconto)

Sistemas de Informações Tecnológicas Target Gedweb

Instalações Elétricas de Média Tensão – Principais soluções para evitar riscos, prejuízos e atender a legislação em vigor – Presencial ou Ao Vivo pela Internet – A partir de 3 x R$ 257,81 (56% de desconto)

Ferramentas MASP – Metodologia de Análise e Solução de Problemas – Presencial ou Ao Vivo pela Internet – A partir de 3 x R$ 257,81 (56% de desconto)

Anúncios

Uma certificação para a cana de açúcar

PALESTRAS E TREINAMENTOS SOBRE O MASP

Contate o Claudemir Oribe um treinamento ou uma palestra em sua empresa sobre o MASP, faça contato com ele: (31) 3391-7646 – 8748-1686 ou pelo e-mail: claudemir@qualypro.com.br

http://www.qualypro.com.br/novosite/default.asp

O MASP é um caminho ordenado, composto de passos e subpassos pré-definidos para a escolha de um problema, análise de suas causas, determinação e planejamento de um conjunto de ações que consistem uma solução, verificação do resultado da solução e realimentação do processo para a melhoria do aprendizado e da própria forma de aplicação em ciclos posteriores. O MASP prescreve como um problema deve ser resolvido e não como ele é resolvido, contrapondo dois modos de tomada de decisão que Bazerman (2004) denomina de “modelo prescritivo” e “modelo descritivo”.

Acesse o site do MASP da Qualipro:

http://www.masp.inf.br/site/

sugar caneFormada em 2009 como uma organização sem fins lucrativos no Reino Unido, a Better Sugar Cane Initiative (Bonsucro – http://www.bonsucro.com/) definiu os princípios, os critérios, os indicadores e os padrões para a produção de cana de açúcar baseados em desempenho e que sejam aplicáveis em todo o mundo, e que levem em consideração as condições e circunstâncias locais, e que sejam baseados em um processo crível e transparente, focado nos fatores chave de sustentabilidade na produção de cana de açúcar. Assim, tem a intenção de promover a melhora mensurável nos principais impactos econômicos, ambientais e sociais da produção de cana-de-açúcar e processamento primário. E acabou desenvolvendo um sistema de certificação que permita aos produtores, compradores e outros envolvidos nos segmentos de açúcar e etanol obter produtos derivados da cana-de-açúcar que tenham sido produzidos conforme critérios acordados, críveis, transparentes e mensuráveis.

No Brasil, a Copersucar adotou esse padrão internacional de sustentabilidade. Ao todo, foram certificados 7,8 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, equivalentes a 470 mil toneladas de açúcar e 345 milhões de litros de etanol. Além da maior oferta já certificada, a empresa passou a atender ao padrão Bonsucro Europeu (Bonsucro EU Renewable Energy Directive – RED – Production Stantard), que inclui exigências fundamentais para a comercialização de biocombustiveis na União Européia. O padrão Bonsucro avalia os impactos da produção de cana-de-açúcar na biodiversidade, no ecossistema e nos direitos humanos, além do cumprimento às exigências legais e a melhoria contínua nos processos de produção. A avaliação é composta de indicadores-chave, tais como consumo de energia e de água, emissão de gases de efeito estufa. As usinas de cana de açúcar devem ser membros afiliadas ao Bonsucro e os certificados são válidos por três anos, com auditorias anuais.

O Bonsucro é uma organização multissetorial reconhecida como a principal referência mundial em sustentabilidade na produção de cana-de-açúcar e seus derivados, cuja certificação reconhece a adoção de práticas sustentáveis no processamento da biomassa, do plantio à produção do açúcar e etanol. A conquista da certificação constitui mais um passo da Copersucar em sua missão de criar valor de forma sustentável em toda a cadeia de produção, do campo ao cliente, passando pela logística integrada. “A sustentabilidade está no centro da nossa estratégia, como um atributo cada vez mais valorizado pelo mercado e pela sociedade”, afirma o presidente executivo, Paulo Roberto de Souza. “Na condição de líder do mercado de açúcar e etanol, a Copersucar tem, como compromisso de gestão, o contínuo engajamento das usinas produtoras e dos parceiros logísticos no tema da sustentabilidade. Este comprometimento gera valor em todos os elos da cadeia, favorecendo o cliente, o meio ambiente e as comunidades onde atua”.

As cinco primeiras usinas da Copesucar que obtiveram as certificações Bonsucro são a Usina Quatá (Empresas Zilor, localizada no município de Quatá, SP); a Usina São Manoel (em São Manuel, SP); a Usina Santa Adélia (em Jaboticabal, SP); a Usina Barra Grande (Zilor, em Lençóis Paulista, SP), e a Usina São José (também Zilor, em Macatuba, SP). Elas cumpriram os requerimentos de avaliação contidos nos cinco princípios definidos pelo padrão de produção Bonsucro: cumprimento da legislação; respeito aos direitos humanos e trabalhistas; gerenciamento eficiente de insumos, produção e processamento; gerenciamento ativo da biodiversidade e dos serviços do ecossistema, e a melhora constante das áreas-chave do negócio. Para o cumprimento das Diretivas da União Europeia para Energias Renováveis, as usinas também atenderam as oito exigências adicionais, dentre elas o monitoramento de emissões de gases de efeito estufa e rastreabilidade da cadeia de custódia do etanol.

Em um trabalho integrado, as usinas sócias e a Copersucar adotaram um modelo de gestão da sustentabilidade não apenas para atender às demandas atuais e se antecipar às exigências do mercado, mas, também, por estarem conscientes de que a gestão sustentável é pressuposto para o sucesso e a perenidade do negócio. “Este é um processo contínuo de engajamento e de busca de padrões superiores que será intensificado em todas as 48 usinas produtoras sócias”, afirma Mauricio de Mauro, diretor de Planejamento e Gestor do Processo de Sustentabilidade na Copersucar.

Loja Quality: Comemore Conosco e Ganhe Vantagens!

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a