A classificação de fornecedores

Muitas vezes, a classificação de fornecedores é feita de forma intuitiva e tem por objetivo estabelecer um ranking de fornecedores em relação aos produtos que vendem à empresa. O critério preço não é o único importante na determinação dos lotes de compra. As vezes é preferível comprar a um preço maior de um fornecedor que possui melhor qualidade ou pontualidade na entrega de seus produtos ou mesmo que tenha firmado um contrato de parceria com a empresa. Assim, os critérios para o ranqueamento dos fornecedores podem ser qualidade, pontualidade no fornecimento e parceria. O critério parceria influencia fortemente as relações de compra com os fornecedores, devendo então ser considerado na classificação. Esse critério é avaliado por um decisor, baseado em acordos e contratos firmados com o fornecedor. O critério preço não pode ser ignorado, mas apenas tradição de preços baixos não garante que, em um dado período, um dado fornecedor tenha o melhor preço para um produto. Por isso, este critério é reservado, junto com o critério condições de pagamento e entrega, para o processo de negociação direta com os fornecedores ou para modelos de otimização de compra.

Conforme ressalta o consultor Venilton W. Manochio (qsupply@qsupply.com.br), deve-se definir uma politica para os fornecedores, que deve refletir os requisitos e as expectativas da empresa com relação aos fornecedores e de acordo com os objetivos organizacionais definidos no planejamento estratégico, além de ser definir formalmente os objetivos ao longo do tempo. Dessa forma, a importância na classificação de fornecedores está relacionada em gerar informações para estabelecer ou implementar uma política de fornecimento; auxiliar na definição de cotas de fornecimento; estabelecer atividades de recebimento; e definir ações para reavaliação de fornecedores.

Em consequência, a classificação final dos fornecedores deve ser feita conforme seu desempenho, devendo-se estabelecer critérios para esta classificação. Um exemplo está abaixo:

Fornecedor Excelente (A)

– Sistema de Gestão da Qualidade Implementado;

– Amostras Iniciais Aprovadas;

– Desempenho Excelente.

Fornecedor Bom (B)

– Sistema de Gestão da Qualidade Parcialmente Implementado;

– Amostras Iniciais Aprovadas;

– Desempenho Satisfatório.

Fornecedor Regular (C)

– Sistema de Gestão da Qualidade em Desenvolvimento

– Amostras Iniciais Aprovadas;

– Desempenho Regular.

Em vista disso, a empresa deve realizar algumas ações, como:

Com o Fornecedor Excelente (A):

– Firmar contratos de fornecimento com qualidade assegurada (just in time/kanban).

Com o Fornecedor Bom (B):

– Estabelecer critérios de inspeção menos dispendiosos, como: análise de certificado/skip lot/auditoria de produto.

Com o Fornecedor Regular (C):

– Manter controle da qualidade no recebimento, como o planejamento de amostragem de acordo com a performance.

Enfim, o relacionamento com o cliente no futuro será muito mais complexo do que o é no presente, pois as companhias deverão não apenas satisfazer os clientes como também terão de gerar evidências para comprovação da satisfação de seus clientes. A corrida pelas conquistas de padrões da qualidade será e está sendo modificada. Dessa forma, A importância do envolvimento fornecedor–cliente, além de melhorar o desempenho dos resultados e aumentar os lucros da empresa, possibilita parcerias que auxiliam também na implantação de programas de melhorias de qualidade e produtividade.

Não há dúvida de que, quanto á implementação de sistema de gerenciamento dos fornecedores, existe uma relutância de alguns setores da organização em adotar políticas de relacionamento entre clientes e fornecedores sendo que ainda verifica-se divergência quanto à participação dos colaboradores, pois existe ainda um despreparo na utilização de informações que o sistema disponibiliza. Para solucionar os problemas de dentro das organizações, necessariamente deverá existir um levantamento de fatos e dados, pois caso contrário, a empresa defronta-se com situações em que não se conseguirá solucioná-las. Pode-se chegar à conclusão de que o relacionamento entre cliente e fornecedor pode se dar de diversas maneiras, e também para que este relacionamento seja saudável é preciso passar por alguns estágios.

Ambos os lados buscam a criação de um novo relacionamento que traga beneficio mutuo e ambas as partes devem abrir mão do interesse pessoal e independência em favor da confiança a fim de se obter uma aliança. É possível ganhos econômicos significativos através de uma maior integração entre cliente e fornecedor, gerando ganhos para ambas as partes por meio de troca de conhecimentos, que pelo lado fornecedor significa economia de recursos em investigação de possíveis falhas e suas causas, enquanto que pelo lado cliente representa a possibilidade de compartilhar dados e metodologia de acompanhamento dos equipamentos ou serviços que compram.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Anúncios

Uma resposta

  1. Foi o melhor texto sobre Classificação de Fornecedores que achei, muito obrigado.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: