Ajude a preservar os nossos rios

Target CENWin 6.0 – Setor Máquinas


A partir de amplo e profundo estudo realizado com instituições que discutem os aspectos técnicos e jurídicos da regulamentação do setor de Máquinas, identificamos e selecionamos cuidadosamente, entre mais de 15.000 informações tecnológicas, cerca de 265 Documentos Normativos críticos, obrigatórios e indispensáveis para o dia-a-dia desse Setor. Clique para mais informações.

rioMaria Rosí Melo Rodrigues

Água, um bem indispensável à vida na Terra, um líquido precioso que deveria estar sendo tão protegido quanto todos aqueles que nos são importantes no mundo. Mas a realidade não é bem assim. A busca pelo desenvolvimento e consumo sem critérios está proporcionando a perda da qualidade de uma água que representa vida para a maioria das espécies além do ser humano. Fauna e flora dependem deste bem natural, proporcionando equilíbrio de sobrevivência. Mas, já nos perguntamos se somos responsáveis por esta perda de qualidade de nossa água? Isso é poluição? Se formos pensar, um rio se inicia de nascentes naturais, límpido, cristalino, com oxigênio suficiente para gerar e distribuir vida, abastecendo com qualidade todos os que dele necessitarem. Isso, se em seu curso natural não recebesse outros despejos que não fossem outros rios de boa qualidade. O que realmente acontece, infelizmente, é que em seu percurso até o mar, segue recebendo outros afluentes (rios menores que desaguam nele) contaminados e águas servidas que podem vir de indústrias ou esgotos gerados pelo homem. Tais águas servidas (efluentes), se não bem tratadas antes de seu lançamento, se misturam com a limpa do rio receptor e transformam sua qualidade, pois nestes efluentes estão todos os resíduos descartados que não foram aproveitados em processos industriais e em nosso organismo.

Assim sendo, concluímos que nossa responsabilidade é altamente relevante pela alteração de qualidade de nossos rios. À medida que jogamos mais e mais material contaminante sem controle, há mais saturação em seus leitos e, consequentemente, as águas captadas para distribuição terão que sofrer tratamentos mais pesados, com mais produtos, alterando cada vez mais a qualidade e o custo de fornecimento. Os rios tem condições de se auto depurarem, ou seja, o próprio corpo hídrico “se limpa”. Por exemplo, o Rio Iguaçu tem a nascente em Curitiba e está muito contaminado, mas chega em Foz do Iguaçu praticamente sem essa poluição, só que a autodepuração depende da dose de poluentes que são lançados na água e isso está diretamente ligado aos hábitos da população, ao que ela está acostumada a jogar no “ralo” de sua casa.

Portanto, as pessoas podem ajudar a proteger os rios com atitudes simples no dia a dia. A separação do lixo é uma grande forma de contribuição à redução da poluição, pois quanto menos lixo for para o aterro, menor será a geração de chorume (líquido gerado na decomposição do resíduo no aterro), o qual pode contaminar o solo, as águas superficiais e as águas subterrâneas, além de necessitar de um tratamento de alto custo devido as cargas serem muito elevadas desse material. Além disso, a falta de separação reduz a vida útil dos aterros, causando problemas para as cidades. O uso indiscriminado de produtos de limpeza, o material jogado na tubulação de esgoto e o consumo excessivo de água também levam a uma contaminação significativa no meio. Outra questão é a população questionar os órgãos públicos sobre o tratamento do esgoto em suas cidades ou até mesmo em suas residências. Em tese, todo o esgoto gerado deve ir para uma rede coletora da companhia de água e esgoto do município ou do estado, seguindo então para uma estação de tratamento que permita uma remoção dos compostos poluentes em alta eficiência, fazendo com que o esgoto seja lançado no rio sem alterar suas características, ou até mesmo sendo reaproveitado para irrigação, lavagem de calçadas, veículos, entre outros usos que não potabilidade.

O esgoto bem tratado não tem odor, é límpido e praticamente isento de bactérias e coliformes. Então, se a rede passa na frente de sua casa, não esqueça de fazer a ligação, pois se isso não ocorrer, seu esgoto sai na rede de água de chuva, que leva diretamente ao rio seu excremento sem qualquer tratamento e irá poluir o corpo hídrico que pode estar sendo fonte de captação para abastecimento de sua própria residência. É responsabilidade da população ter este cuidado, já que cada pessoa lança em média 54 gramas de carga poluente por dia. Se formos pensar no número de pessoas que lançam estes efluentes nos rios, é um número extremamente elevado. Fica então uma reflexão para todos: estamos sendo colaboradores para transformar a qualidade de nossas águas para termos um planeta cheio de vida ou um planeta em agonia?

Maria Rosí Melo Rodrigues é engenheira sanitarista da Tegeve Ambiental.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: