As dificuldades em sobreviver no mundo corporativo

Normas comentadas

Confira quais as normas comentadas disponíveis. Elas oferecem mais facilidade para o entendimento e são muito mais fáceis de usar:

http://www.target.com.br/portal_new/ProdutosSolucoes/NBR/Comentadas.aspx

NBR 14039 – Instalações elétricas de média tensão de 1,0 kV a 36,2 kV. Possui 140 páginas de comentários

NBR 5410 – Instalações elétricas de baixa tensão – Comentada – para windows, versão 2004

NBR ISO 9001 – COMENTADA – Sistemas de gestão da qualidade – Requisitos

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Glossário Técnico Gratuito

Disponível em três línguas, a ferramenta permite procurar termos técnicos traduzidos do português para o inglês e para o espanhol. Acesse no link http://www.target.com.br/portal_new/ProdutosSolucoes/GlossarioTecnico.aspx?ingles=0&indice=A

kodakQualquer empresa é uma organização de pessoas formada pelo empresário, que na classificação hierárquica é dotado de um poder de mando, a pelos empregados, seus colaboradores, sujeitos á obrigação de fidelidade no interesse comum. Como objetivo único de obtenção do melhor resultado econômico na produção, fundindo-se os fins individuais do empresário e dos singulares colaboradores forma um núcleo social organizado. A analise dos diversos perfis da empresa contem a teoria jurídica da empresa.

A técnica do direito não pode disciplinar juridicamente o fenômeno econômico da empresa sem considerar separadamente os diversos aspectos. Aparentemente, as empresas do comércio são as que apresentam maior propensão à mortalidade. Cerca de 39% fecham antes de completar seu primeiro ano de atividade, enquanto na indústria a mortalidade no primeiro ano de atividade cai para 32% das empresas e no setor de serviços a mortalidade atinge 30% das empresas no primeiro ano. Entre as empresas sobreviventes, a maior dificuldade enfrentada foi a recessão econômica, ao passo que entre as que fecharam a resposta foi voltada para a falta de capital de giro. Destaca-se o fato de a carga tributária ter sido citada por todos os tipos de empresas.

Os motivos que conduzem a empresa ao fechamento estão ligados à falta de demanda, aos problemas com sócios e aos problemas pessoais. O planejamento anterior a abertura do negocio é importante. Os planejamentos mais utilizados são a avaliações da qualificação da mão de obra, a informação sobre os aspectos legais do negócio, identificação prévia dos fornecedores, a informação sobre a estrutura de custos do negócio e a informação sobre produtos e/ou serviços da concorrência. Apesar de poucos citados, a preocupação com o volume de vendas necessário e com a clientela são fatores que repercutem diretamente nas possibilidades de sucesso de uma empresa.

É necessário que o empreendedor atue diretamente no seu negócio, já que ele é o maior interessado nos seus frutos, e procure obter conhecimentos específicos sobre sua área de atuação. Ele deve, também, cumprir suas obrigações dentro do prazo, sem acumular dívidas. As maiores partes das empresas que obtém sucesso investem em propagandas e procuram acessoria de profissionais ou instituições para auxiliá-las no gerenciamento de dos seus negócios.

E a grande verdade é que não são somente as pequenas e médias empresas que podem ter dificuldades, pois a centenária Kodak, outrora líder inconteste do mercado fotográfico, pediu concordata na semana passada com o objetivo de sanar uma dívida de quase sete bilhões de dólares. Para Marcos Morita, mestre em administração de empresas, professor da Universidade Mackenzie e professor tutor da FGV-RJ (professor@marcosmorita.com.br), essa empresa foi vítima do próprio sucesso, não conseguiu realinhar seu modelo de negócios, sucumbindo à tecnologia digital. “Apesar dos esforços no lançamento de novos produtos, venda de ativos e corte de despesas, o fato é que sua imagem está e sempre estará ligada a fotografia analógica, tal como conheceram os amantes da fita cassete, do vinil e do rádio de gaveta. Uma época mais romântica, a qual começava com a escolha da marca do filme, número de poses – 12, 24 ou 36 – assim como a asa para os mais entendidos. Inseri-lo na máquina exigia também certa habilidade. Em uma viagem, não raro tínhamos que procurar pontos de venda de filmes, quase tão banais quanto encontrar cigarros. A primeira missão na volta era revelá-los, cuja empolgação era quase igual a do embarque. Enfim o grande dia, reunir a turma para rir e compartilhar os bons momentos vividos”, diz ele.

Morita garante que em todas as etapas, desde a compra do filme, revelação e impressão das fotos, a marca Kodak estava presente. Seu domínio e verticalização era tamanho, que acredito poucos consigam citar o nome de mais de um concorrente. Centenas de milhares de funcionários envolvidos nesta operação, nos mais diversos departamentos e unidades de negócios, às vezes por décadas, em todo o globo. Para estes indivíduos, acreditar no fim da fotografia como conheceram era algo insano, assim como apregoou Theodore Levitt em seu artigo: miopia de marketing, sobre os magnatas das ferrovias, os quais nunca imaginaram que seus brinquedos pudessem ser ultrapassados por outros meios de transporte.

“O planejamento tem algumas ferramentas, as quais podem ser utilizadas para a análise de cenários, dentre as quais trago a matriz de incertezas estratégicas, a qual categoriza em quatro quadrantes os riscos futuros, classificando-os conforme seu impacto e probabilidade de ocorrência. Vejamos, começando do menor para o maior, concentrando-se naqueles com alto impacto. Baixa probabilidade e impacto: devem ser monitorados periodicamente pela empresa, porém sem maiores investimentos. Alta probabilidade e baixo impacto: além do monitoramento, uma análise mais profunda deve ser necessária, porém sem necessidade de implementá-las. Baixa probabilidade e alto impacto: monitoramento, análises e estratégias de contingência devem ser desenvolvidos. O setor de turismo e o real valorizado, assim como as exportações de commodities e o crescimento da China, talvez ainda aproveitem de longos períodos de bonança, porém serão seriamente impactados, em caso de mudanças macroeconômicas mais severas. Alta probabilidade e alto impacto: além das ações anteriores, estratégias de reação e criação de forças-tarefa podem ser necessárias”.

Acrescenta que o software livre, a computação em nuvem, os smartphones, os aplicativos e os desenvolvedores estão mexendo com a Microsoft, a qual apesar do monopólio do Windows, corre para reduzir o atraso nestas tecnologias. Quem esteve em uma lanchonete do Mc Donald’s nos últimos tempos pode ter se surpreendido com a oferta de produtos saudáveis, tais como saladas e frutas. Sinal dos novos tempos. “Voltemos algumas décadas no túnel do tempo. Uma reunião de planejamento na antiga Kodak poderia colocar a então incipiente tecnologia digital como baixo impacto, talvez como alta probabilidade. O envolvimento até o pescoço com a tecnologia vigente, o medo de perder o emprego e a soberba – característica típica dos líderes de mercado – pode ter sido alguns dos motivos para que deixassem passar a janela de oportunidade, representada pela fotografia como hoje conhecemos. Chorar pelo leite derramado não mais resolverá. O melhor remédio foi e sempre será avaliar os cenários antes de tomar decisões ou pior ainda, ignorar as ameaças”, conclui.

A Copa do Mundo e a suspensão do Código de Defesa do Consumidor

Sistema Target GEDWeb
Para se realizar um bom controle da documentação em uma empresa, deve-se estabelecer um padrão e verificar seu cumprimento, para a boa gestão da informação. Esses padrões garantem que os documentos sejam analisados, emitidos, alterados, aprovados ou re(a)provados sob condições controladas, de forma a evitar o uso de documentos obsoletos ou não válidos. Assim, um sistema de documentação que inclua as normas técnicas, manuais de qualidade, procedimentos, instruções de trabalho, etc. não deve gerar papeis ou mesmo arquivos de computador inúteis, já que ele deve se constituir na documentação dos processos formado pelo conjunto harmônico. Todas as atividades devem estar documentadas de acordo com padrões predefinidos, sendo que essa documentação retratará os procedimentos necessários à execução e à avaliação das tarefas. Clique para mais informações.

Fabiano Vidal

img_34372.jpgA Copa do Mundo de 2014, que será sediada no Brasil, motivou a proposta feita pela FIFA (Fédération Internationale de Football Association) do Projeto de Lei nº 2330/2011 (Lei Geral da Copa), encaminhado pelo executivo ao Congresso Nacional em setembro de 2011. Porém, há uma grande polêmica em torno deste Projeto que, se aprovado, disciplinará as relações entre consumidores durante a realização da Copa do Mundo no Brasil.

A questão é que, com isso, suspende-se temporariamente a aplicação do Código do Consumidor (CDC), ferindo o artigo 5º, XXXII, da CF/88, como um direito fundamental, não podendo, portanto, ser restrito, muito menos suspenso, ressalvando os casos extremos previstos no Texto Constitucional. O mencionado Projeto sequer considera o “CDC” como texto legal à aplicação subsidiária à “Lei da Copa”.

O intuito do presente artigo é demonstrar que o referido Projeto de Lei (PL) pode comprometer os direitos fundamentais do consumidor previstos na legislação brasileira, sobretudo no que diz respeito a não aplicação do Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/1990). O PL disciplina dispositivos que confrontam com direitos, garantias e princípios expressamente previstos no artigo 4º do CDC. Sendo assim, se habilitado, trará um texto de lei eivado de inconstitucionalidade, desrespeitando a ética e a boa-fé nas relações de consumo, o que, certamente, abarrotará o judiciário com propositura de ações judiciais, a fim de restabelecer as relações consumeristas no Brasil.

A redação dada pelo artigo 42 do PL fica evidente em tornar compatível o texto com legislações de propriedade intelectual, porém, despreza a necessidade de aplicação do CDC para proteção da parte vulnerável das relações estabelecidas durante os eventos, ou seja, o consumidor. Além disso, o PL (art. 32) confere à FIFA plenos poderes na venda dos ingressos, o que guarnece à instituição a situação de fornecedora de produtos e serviços, nos termos do artigo 3º, do CDC. Sendo assim, a FIFA torna-se responsável por eventuais danos causados aos consumidores, com o dever de repará-los. E, entretanto, não menciona no texto legal qualquer obrigação de responsabilização.

O PL revela, ainda, a venda combinada de ingressos com pacotes de hospitalidade e passagens aéreas, configurando venda casada, prática abusiva e proibida pelo artigo 39, I, do CDC, conferindo a FIFA a possibilidade de vender ingressos de forma independente ou em pacotes de turismo ou hospitalidade. Por outro lado, determina a responsabilização dos indivíduos, combinando sanções civis e penais e ampliando as penas já previstas na legislação nacional. Ou seja, autoriza a FIFA a ajustar uma cláusula penal em seus contratos com os consumidores na ocasião de desistência ou cancelamento do ingresso comprado, “independentemente da forma ou do local da submissão do pedido ou da aquisição” (Art. 33, III, do PL).

Denota-se que a FIFA poderá atribuir penas (como multa) ao consumidor que, por exemplo, desista no prazo de 7 (sete) dias do contrato de compra que realizara, (caso ele a realize através da internet, por onde deverá ser vendida a maioria dos ingressos), conforme redação dada pelo artigo 49 do CDC. Já os artigos 32 e 33 do PL concedem à FIFA plena autoridade para estabelecer preço e condições de cancelamento, devolução e reembolso de ingressos, além da modificação unilateral nas condições dos serviços, como cancelamento e remarcação de assentos e alteração de datas e horários, sem qualquer referencia da justificativa ou aviso prévio aos consumidores.

Sendo assim, esses dispositivos, além de ferirem o direito básico à informação previsto no artigo 6º, inciso III, do CDC, acarretam sérios problemas logísticos aos consumidores, que poderão não ser indenizados, tendo em vista o curto período de tempo do evento, o que certamente dá ensejo para práticas e cláusulas abusivas nas compras dos ingressos. Ainda, o PL silencia sobre assuntos indispensáveis, como a proibição da publicidade enganosa e abusiva, expressamente vedada pelo texto do consumidor. (CDC, artigos 36,39, 51). Por fim, permitir a FIFA que apresente a Nação Brasileira leis que lhe beneficie é, mais do que afrontar as disposições constitucionais e do CDC, seria ofensa aos princípios fundamentais da Constituição Federal, como a soberania, a cidadania e a dignidade da pessoa humana (artigos 1º, I, II e III, da CF/88).

Fabiano Vidal é advogado do Escritório Bini Advogados de Piracicaba e atuante nas áreas: empresarial, consumidor e tributária.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a