Biofeedback pode controlar o estresse e a ansiedade

NBR 14280: cadastro de acidente do trabalho
O crescimento no número de acidentes de trabalho é uma realidade em todos os setores econômicos e, segundo dados do governo, os acidentes e doenças do trabalho custam, anualmente, R$ 10,7 bilhões aos cofres da Previdência Social, através do pagamento do auxílio-doença, auxílio-acidente e aposentadorias. Deve ser frisado que essas estatísticas de acidentes de trabalho refletem somente os acidentes registrados pela Previdência Social. Estima-se que ainda haja no Brasil uma alta taxa de subnotificação de acidentes de trabalho. Clique para mais informações.

Existem várias definições para o biofeedback. Originalmente, o termo foi descrito no final dos anos 60, por um grupo de profissionais sediado em Santa Mônica, na Califórnia. Este grupo estudava profundamente os mecanismos biológicos que controlam a auto-regulação de respostas fisiológicas. A palavra deriva da união de outras três: bios (do grego “vida”), feed (do inglês “alimentar”) e back (também do inglês “retorno ou volta”). Em uma tradução literal, significa retroalimentação da vida. O objetivo da técnica, que tem sido pesquisada há mais de 40 anos, é conceder uma visualização das próprias alterações orgânicas (frequência cardíaca, taxa de sudorese, atividade elétrica cerebral). Através da terapia, o paciente consegue controlar algumas funções fisiológicas das quais as pessoas normalmente não tem consciência, com a finalidade de recuperar, manter ou melhorar sua saúde ou seus desempenhos. Controlar voluntariamente as funções fisiológicas é uma forma de diminuir o conteúdo reforçador das interpretações limitantes dos estímulos (achei um pouco técnico), que atingem o sistema nervoso.

Paralelamente a aplicação do Biofeedback, técnicas de relaxamento e concentração são ensinadas para que a pessoa, ao realizá-las, perceba que as mesmas influenciam as variáveis fisiológicas monitoradas pelo equipamento. “Esta percepção serve como um reforço positivo que facilita o aprendizado do controle das manifestações orgânicas associadas ao estresse e ansiedade”, aponta Káritas de Toledo Ribas, administradora de Empresas, especialista em Medicina Comportamental e Coach Ontológica. As bases de dados científicas ligadas à área da saúde contemplam inúmeras pesquisas que apresentaram resultados positivos, tais como a utilização do Biofeedback para redução de estresse em pacientes portadores de hipertensão arterial, para gerenciamento e redução de dores de cabeça crônicas, para treinamento psicomotor, neurofeedback para tratamento de usuários de drogas para tratamento de portadores de transtorno de déficit de atenção/ hiperatividade – TDAH – crianças, adolescentes e adultos e também para aumentar os processos de criatividade e performance; assim como para controlar distúrbios afetivos a ansiedade.

Quando um mesmo estímulo é percebido pelo cérebro, este constrói uma determinada interpretação, que não é necessariamente a mesma em diferentes indivíduos. Partindo do princípio que a interpretação a sucessão de estímulos tenha sido de medo, surgirão respostas fisiológicas associadas a essa emoção, como alterações respiratórias, tensão muscular, taquicardia, tremores e sudorese. Essas alterações dão origem aos comportamentos de luta ou de esquiva e, ao mesmo tempo, reforçam a interpretação concedida aos estímulos iniciais. “Quando uma pessoa é ansiosa, quando ela é preocupada e sente-se perturbada isto se caracteriza, em indivíduos normais, por uma tensão excessiva, com tensão generalizada nos músculos estriados, geralmente por todo o corpo”, detalha Káritas.

A especialista em medicina comportamental destaca que os benefícios têm sido aplicados com sucesso no controle das manifestações de estresse, nos quadros ansiosos, distúrbios de aprendizagem, em especial os devidos a déficit de atenção com ou sem hiperatividade, enxaqueca e dores de cabeça tensionais, dores crônicas lombares, na nuca e ombros, hipertensão arterial essencial e problemas musculares, como torcicolo e bruxismo. “Além do seu aspecto terapêutico o biofeedback é uma ferramenta educacional, prestando-se ao aprimoramento de diversos desempenhos, tais como: melhora de performance de atletas amadores e profissionais, assim como, outras classes de desempenho, como os da esfera executiva, a educacional, a de comunicações”, conclui Káritas.

Pessoas que podem se beneficiar com a técnica do biofeedback

• Estejam desejosas de desenvolver habilidades físicas e mentais mais enriquecedoras, compassivas, tranquilizadoras e que promovam o desenvolvimento humano de forma mais plena;

• Queiram desenvolver níveis mais elevados de consciência externa e de autoconsciência;

• Queiram melhorar a concentração, os níveis de percepção da linguagem corporal e a memória;

• Sejam portadoras do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade ou convivam com elas;

• Vivem elevado desgaste emocional no ambiente de trabalho e desejam aprender técnicas eficazes de gerenciamento de estresse e ansiedade;

• Vivem momentos de conflito dentro da organização empresarial, familiar ou esportiva e procuram por meio de vivências mais introspectivas atingir um maior grau de relaxamento psicofisiológico e, consequentemente, maior nível de clareza mental;

• Desejam realizar uma atividade diferente, que facilite o gerenciamento e o controle do estresse;

• Desejam realizar uma atividade complementar no gerenciamento e no controle da ansiedade e/ou depressão e/ou dores crônicas e/ou fobias;

• Desejam gerenciar déficits de atenção/hiperatividade e, melhorar assim, sua qualidade de vida;

• Sejam atletas amadores ou profissionais e procuram uma atividade paralela e complementar aos seus treinos cotidianos e que lhes concedam um maior grau de atenção, concentração e gerenciamento de estresse e ansiedade por meio do desenvolvimento de habilidades psicofisiológicas;

• Sejam alunos em fase pré-vestibular e desejam aprender técnicas de relaxamento psicofisiológico destinadas ao controle do estresse e da ansiedade, além de desenvolverem níveis mais elevados de memória, concentração e atenção prolongada.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: