Fontes de alimentação: não negligencie essa parte vital do seu computador

COLETÂNEAS DE NORMAS TÉCNICAS

Coletânea Série Transformadores de Potência

Coletânea Digital Target com as Normas Técnicas, Regulamentos, etc, relacionadas à Transformadores de Potência
Saiba Mais…

Coletânea Série Transportes

Coletânea Digital Target com as Normas Técnicas, Regulamentos, etc, relacionadas à Transportes!
Saiba Mais…

Qualidade

Acesse já as normas da Qualidade
Saiba Mais …

fonteUma das partes bastante importante de um computador é a sua fonte de alimentação, sendo ela responsável por toda a distribuição de energia elétrica. Segundo o Inmetro, ela tem o papel de converter a corrente alternada, fornecida pela concessionária, em corrente contínua, mais apropriada ao funcionamento de equipamentos eletrônicos, como o computador. Essa conversão é necessária porque a corrente alternada possui oscilações em seu curso, além de uma alta voltagem, propriedades que embora permitam o percurso de longos trajetos das usinas às residências sem grandes perdas, não são indicadas para a alimentação de equipamentos eletrônicos, mais sensíveis a variações de tensão e curtos-circuitos. Embora fundamental para o bom funcionamento do computador e de seus demais componentes internos, a fonte de alimentação, tradicionalmente, não é levada em consideração no momento da compra ou na montagem de um computador. Isso ocorre porque outros componentes como a frequência do processador, a quantidade de memória, o volume de armazenamento do disco rígido e a capacidade da placa de vídeo, além de serem mais transparentes ao usuário final, tem maior apelo comercial, enquanto a fonte de alimentação, importante para que todos os outros componentes funcionem corretamente, atua praticamente imperceptível.

Os impactos da utilização de fontes de alimentação projetadas sem a preocupação adequada com os requisitos de segurança e desempenho podem ser constatados por danos à saúde e ao patrimônio dos consumidores e ao meio-ambiente. Os riscos mais comuns são: o superaquecimento e/ou a explosão das fontes, que pode provocar ferimentos e queimaduras; os danos aos demais componentes do computador e o desperdício de energia, que provoca um prejuízo econômico para o consumidor e para a matriz energética brasileira, além de impactos ambientais decorrentes do mau uso da energia gerada e distribuída. Para avaliar os produtos disponíveis no mercado, o Inmetro testou esses produtos baseado nas seguinte normas e documentos: IEC 60.950-1/1999 – Information Technology Equipment – Safety (Part 1: General Requirements) – Equipamentos de Tecnologia da Informação – Segurança – Parte 1 – Requisitos Gerais.; ATX12V Power Supply Design Guide – Version 2.2 – Guia de Projeto de Fontes de Alimentação – Versão 2.2 – Padrão ATX12V 2.2; Proposed Test Protocol for Calculating The Energy Efficiency of Internal Ac-Dc Power Supplies,– Protocolo de Teste para o Cálculo da Eficiência Energética de Fontes de Alimentação (fornecido pela EPRI Solutions – Electric Power Research Institute); e Lei 8.078, de 11 de setembro de 1990, do Ministério da Justiça – Código de Proteção e Defesa do Consumidor.

Como não há norma ou regulamento técnico específico para fontes de alimentação chaveadas e que a utilização de fontes que não sejam projetadas com a preocupação com determinados critérios de segurança e desempenho pode causar sérios prejuízos aos consumidores e ao meio ambiente, o Inmetro elaborou uma metodologia de análise que teve como base os seguintes ensaios: Descarga dos Capacitores no Circuito Primário; Requisitos Térmicos; Rigidez Dielétrica; Corrente Absorvida; Potência; Eficiência Energética e Fator de Potência; Estabilidade das Tensões; e Nível de Ruído/Oscilação (Ripple). Segundo o Inmetro, os resultados encontrados na análise demonstraram que a tendência do mercado de fontes de alimentação para computadores do tipo desktop é a de não conformidade em relação à metodologia elaborada pelo Inmetro, pois apenas duas das 11 marcas analisadas apresentaram conformidade em todos os ensaios realizados. Esse resultado pode ser considerado preocupante, na medida em que coloca em risco a saúde e a segurança do consumidor e o meio ambiente. Algumas fontes analisadas, por exemplo, queimaram ao serem expostas a níveis de carga elevados, o que pode ocasionar curtos-circuitos, incêndios e até perdas patrimoniais.

Além disso, nessa análise foi evidenciada uma prática de publicidade enganosa com relação à potência das fontes declarada pelos fabricantes/importadores, bem como às classificações de potência nominal e real, indicando uma grande confusão na declaração da potência, levando o consumidor a erros e induzindo-o a pensar que o valor de potência declarado é o que a fonte realmente é capaz de atingir, quando na verdade é o valor de pico da potência, que raramente será atingido. Essa prática também se caracteriza concorrência desleal, pois o fabricante que declara a potência real do produto está perdendo mercado para aquele que engana o consumidor. De uma forma geral, os resultados evidenciaram que tanto o consumidor quanto o meioambiente estão sendo prejudicados por fabricantes que colocam no mercado produtos inseguros, ineficientes e que não contribuem para a sustentabilidade do país, já que há um desperdício de energia e, consequentemente, de recursos. Diante do exposto, o Inmetro está estudando a possibilidade de regulamentar o produto fontes de alimentação com foco na segurança elétrica e na etiquetagem sobre a eficiência energética e paralelamente enviará esse relatório de análise para o Ministério de Minas e Energia (MME), para conhecimento e para o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério da Justiça (DPDC/MJ) para que as providências cabíveis sejam tomadas.

CLIQUE NA TABELA PARA UMA MELHOR VISUALIZAÇÃO

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Facebook: http://www.facebook.com/#!/hayrton.prado

Anúncios

Pesquisa: cresce o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal no Brasil

5S Para Pessoas Estratégicas

Apresentação

  • Será que a alta direção das empresas sabe realmente o que é 5S?
  • Qual o papel da alta direção na condução do 5S?
  • Quais os fatores de sucesso e de fracasso na implantação do 5S?

Estas e outras questões são discutidas nesta apresentação.
Objetivo
Fornecer aos participantes uma visão mais completa do 5S em todos os seus estágios, visando a implantação e manutenção eficaz do 5S.
Público alvo
Alta e média gerências, Coordenação do 5S e Pessoas estratégicas da organização.

Programa
• Fundamentos do 5S
• Diferenças entre 5S e Housekeeping
• Metodologia de implantação e manutenção do 5S
• Fatores de fracasso e de sucesso
• Papel das lideranças na condução do 5S
Carga horária
2 a 4 horas
Recursos audiovisuais
• Datashow
• Flip-chart

clique aqui para mais informações.

Uma pesquisa encomendada pela Regus à MindMetre, uma organização independente, mostra que profissionais do Brasil estão conseguindo melhorar o equilíbrio entre vida pessoal e profissional. Mesmo com um aumento na carga de trabalho, as pessoas estão gostando mais de suas funções e a maioria acredita ter tempo suficiente para cuidar de assuntos pessoais. O Índice de Equilíbrio entre Vida Pessoal e Profissional analisa os indicadores de satisfação profissional e a opinião dos entrevistados sobre o equilíbrio entre vida pessoal e profissional, com base nas informações do cotidiano, como jornada de trabalho e o tempo gasto no trajeto casa-trabalho, coletados a partir de uma pesquisa global com cerca de 16.000 profissionais em mais de 80 países. Os dados atuais demonstram aumento de 42% no equilíbrio entre vida pessoal e profissional do brasileiro, entre 2010 e 2012.

“Os resultados confirmam uma mudança de mentalidade em relação ao modelo tradicional de trabalho, cujo melhor exemplo é a alteração na CLT que decreta que a troca de e-mails após o expediente deve ser considerada como hora extra”, afirma Guilherme Ribeiro, diretor geral da Regus no Brasil. “Após a queda do mercado nos anos anteriores a 2010 e a consequente desaceleração da economia mundial, não é surpresa que os profissionais demonstrem mais alegria neste momento. Exemplo disso é que a preocupação com a estabilidade no trabalho diminuíram em alguns setores. Além disso, o Índice de Confiança Comercial da Regus confirma que os gestores das empresas no Brasil estão entre os mais otimistas com o cenário econômico atual”, acrescenta Ribeiro.

Os principais resultados no Brasil mostram que:

– A pontuação atual no Brasil é de 151, acima da média global de 124.

– Mais da metade dos profissionais gostam do seu trabalho (81%) e estão satisfeitos com a quantidade de tempo disponível para ficarem em casa ou para cuidar de assuntos pessoais (51 %);

– A grande maioria dos profissionais (83%) afirmou um aumento nas conquistas profissionais em comparação a 2010, confirmando a ligação entre equilíbrio e produtividade;

– Mais da metade (59%) dos entrevistados afirma que as empresas demonstraram esforço para diminuir o tempo em que o funcionário leva de sua casa ao trabalho, confirmando o estresse causado no trajeto para chegar e sair do trabalho.

A pesquisa também confirma que funcionários felizes são mais produtivos. A maioria dos entrevistados declararam que suas conquistas foram maiores do que em 2010. “À medida que a economia continua a crescer e o mercado se torna mais dinâmico, as empresas que buscam manter e contratar profissionais talentosos não devem ignorar os benefícios do equilíbrio entre vida pessoal e profissional. Além disso, as empresas se tornaram cada vez mais focadas nos resultados durante o período de retração da economia e, em todos os lugares, estão optando por práticas profissionais menos tradicionais, buscando maior eficiência ao permitir mais flexibilidade aos funcionários. Uma medida que está se popularizando é ajudar os profissionais a reduzirem o cansaço e a improdutividade causada pelo percurso casa-trabalho, por meio da introdução de práticas profissionais mais flexíveis. Essas medidas permitem que o funcionário fuja do horário de pico; trabalhe em locais próximos a sua casa, o que propicia mais tempo livre. Não restam dúvidas de que essa flexibilidade para que o funcionário defina seu modo de trabalhar está sendo vista como um dos fatores mais importantes para se atingir o bem-estar e a produtividade”, conclui Ribeiro.

A pesquisa analisou as opiniões de cerca de 16.000 profissionais em mais de 80 países cadastrados no banco de dados mundial de contatos da Regus, que reúne mais de 1 milhão de empresas e é formado por gerentes seniores e proprietários de organizações de todo o mundo. Os entrevistados responderam perguntas sobre jornada de trabalho, satisfação com o tempo disponível para permanecerem em casa ou com a família, e suas opiniões acerca da melhoria no equilíbrio entre vida pessoal e profissional. O Índice avalia os dados acima e o benchmark em relação à pontuação foi definido em 100, em 2010. A pesquisa foi administrada e gerenciada pela MindMetre (www.mindmetre.com).

Curtos-Circuitos e Seletividade em Instalações Elétricas Industriais - Conheça as Técnicas e Corretas Especificações - Presencial ou Ao Vivo pela Internet

Curso: Curtos-Circuitos e Seletividade em Instalações Elétricas Industriais – Conheça as Técnicas e Corretas Especificações

Modalidade: Presencial ou Ao Vivo pela Internet

Dias: 16 e 17 de julho

Horário: 09:00 às 17:00 horas

Carga Horária: 14h

Professor: José Ernani da Silva

Preço: A partir de 3 x R$ 257,81

(*) O curso permanecerá gravado e habilitado para acesso pelo prazo de 30 dias a partir da data da sua realização.

Inscreva-se Saiba Mais

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Facebook: http://www.facebook.com/#!/hayrton.prado