Consumidores que compram veículos eficientes podem economizar até 8.000 reais

  A qualidade dos fogões nacionais conforme as normas técnicas

A Proteste testou diversos modelos de fogões, com acendimento elétrico e manual, para avaliar a qualidade, a segurança e o desempenho dos produtos. Um grande problema surgiu durante a análise de risco de tombamento: quase metade dos fogões não suportou o peso de 22,5 kg colocado sobre a porta do forno aberta e tiveram o risco de tombar, constatando insegurança e chances de provocar acidentes domésticos. Clique para mais informações.

inmetroOs consumidores que pretendem comprar um veículo novo em 2013 devem ficar atentos a mais um item na hora da escolha do modelo: a etiqueta de eficiência energética. O Inmetro testou 327 veículos de 25 montadoras e o resultado pesa no bolso. Em carros classificados como fora de estrada (Off Road), a eficiência no uso de combustível entre um e outro modelo pode representar uma economia de mais de R$ 8 mil, em cinco anos. Para chegar aos resultados da Etiqueta Nacional de Conservação de Energia (Ence), o Inmetro calculou a diferença dos gastos com combustível para percorrer um percurso diário de 40 quilômetros com os veículos mais e menos eficientes dentro de uma mesma categoria. Um carro subcompacto, por exemplo, faz em média 12,3 km com um litro de gasolina, contra 9,2 km dos menos eficientes. Num percurso diário de 40 km, em um ano, a economia pode ultrapassar R$ 950, ao optar pelo veículo classe A. Em cinco anos, o valor é superior a R$ 4,7 mil, o que representa até 20% do valor do próprio veículo.Como já ocorre nos refrigeradores, aparelhos de ar condicionado, fogões, televisores e outros produtos, os veículos recebem etiqueta com faixas coloridas de “A” (mais eficiente) até “E” (menos eficiente).

“Com a adesão de 25 fabricantes, 70% do volume de vendas no mercado nacional sairá da fábrica em 2013 etiquetado. O objetivo é estimular que o consumidor procure a etiqueta para comparar veículos de uma mesma categoria, auxiliando-o a tomar uma decisão de compra consciente”, explica o diretor de Qualidade do Inmetro, Alfredo Lobo. A Ence classifica os modelos quanto à eficiência energética na sua categoria e traz outras informações, como a autonomia em km por litro de combustível na cidade e na estrada, e a emissão de CO2, um dos gases responsáveis pelo efeito estufa e uma das novidades do ciclo. “Houve uma melhora de 5% na média dos consumos dos veículos A categoria subcompactos em relação ao ciclo 2012 e de 1% dos veículos A compactos, ou seja, o maior volume de vendas no mercado nacional, reduzindo em média 4,2% a emissão de CO2 para atmosfera nestas duas categorias”, completa Lobo. Para acessar a tabela completa acesse o link http://www.inmetro.gov.br/consumidor/pbe/veiculos_leves_2013.pdf

Além disso, segundo a Confederação Nacional dos Transportes (CNT), pode ser que haja esse ano um aumento no preço dos combustíveis, o que deverá obrigar os motoristas a buscar mecanismos para gastar menos e para economizar combustível. O Programa Ambiental da Confederação Nacional do Transporte (CNT) – Despoluir -, por exemplo, traz um guia com dicas simples e fáceis de executar aos interessados em uma condução econômica, segura e ambientalmente sustentável. Entre as orientações, por exemplo, destaque para a importância de calibrar os pneus e mantê-los com a pressão correta, de acordo com o manual do fabricante, uma vez que pneus descalibrados fazem com que o carro consuma mais combustível. “O pneu deve estar calibrado corretamente para ter o contato ideal com o solo”, explica o instrutor do Sest Senat de Natal (RN), Alexandre Ferreira.

Ferreira ministra aulas de condução segura e econômica em cursos da unidade da capital potiguar. Outra dica importante, destaca, refere-se à manutenção do veículo. “É importante deixar o carro regulado. Não andar com o tanque vazio para pegar menos impurezas porque elas podem interferir no sistema de injeção eletrônica. Carro regulado queima combustível da forma ideal”, orienta. Segundo o manual do Despoluir, os carros não podem ser conduzidos desengrenados. “Os veículos com injeção eletrônica de combustível possuem um dispositivo que torna o consumo reduzido quando o veículo está engrenado e com o acelerador na posição de repouso. Caso o veículo ande em ‘ponto morto’, há maior consumo para manter o motor em marcha lenta”, explica o guia do site do Programa.

Mais duas dicas simples: reduzir o uso do ar-condicionado – desligar o aparelho minutos antes de terminar a viagem faz diferença – e não trafegar com os vidros abertos. No caso das janelas, a ação de fechá-las proporciona menor perda de velocidade e melhora o consumo de combustível. Já os veículos de grande porte também exigem atenção de quem deseja economizar combustível. Segundo o instrutor do Sest Senat este é um dos principais tópicos abordados nos treinamentos, quando os alunos aprendem a manusear o tacômetro, ferramenta que mede a rotação do conta-giros do motor. “Existe uma faixa de operação econômica. Os alunos aprendem o momento certo de acelerar, frear e trocar as marchas, controlando o gasto de combustível”, explica.

Lojistas têm seis meses para se adequarem à nova regra para eletrodomésticos

Gestão de Energia – Implantação da Nova Norma ISO 50001 – Presencial ou Ao Vivo pela Internet

Curso: Gestão de Energia – Implantação da Nova Norma ISO 50001

Modalidade: Presencial ou Ao Vivo pela Internet

Dias: 04 e 05 de Março

Horário: 09:00 às 18:00 horas

Carga Horária: 16h

Professor: Eduardo Daniel

Preço: A partir de 3 x R$ 257,81

(*) O curso permanecerá gravado e habilitado para acesso pelo prazo de 30 dias a partir da data da sua realização.

Este curso visa permitir que as organizações estabeleçam os sistemas e processos necessários para melhorar o desempenho energético, incluindo a eficiência e intensidade energéticas. A norma deve conduzir as reduções nos custos nas emissões de gases de efeito estufa e outros impactos ambientais através da gestão sistemática da energia. Ela se aplica a todos os tipos e tamanhos de organizações, independentemente de quaisquer condições geográficas, culturais ou sociais. Para atender à demanda daqueles que não podem se locomover até as instalações da Target, disponibilizamos este curso Ao Vivo pela Internet. Recursos de última geração permitem total aproveitamento mesmo à distância. Os cursos oferecidos pela Target são considerados por seus participantes uma “consultoria em sala”, ou seja, o participante tem a possibilidade de interagir com renomados professores, a fim de buscar a melhor solução para problemas técnicos específicos e particulares.

Inscreva-se Saiba Mais

ferroDevido a dificuldades de empresas no atendimento aos requisitos da Portaria nº 371/2009, o Inmetro orientou a seus órgãos delegados, através de Ofício Circular, que os lojistas terão seis meses para se adequarem a nova regra envolvendo 97 famílias de eletrodomésticos, que desde 1º de janeiro de 2013 só poderiam ser vendidas ao consumidor com a certificação ou selo do Inmetro. Com isso, durante os seis primeiros meses do ano, contados a partir do dia 10/01/2013, as ações de fiscalizações do Ipem-SP nestes produtos serão apenas de caráter orientativo, restringindo-se a notificações de irregularidades, sem interdição ou apreensão de mercadorias, nem aplicação de multas. Após este período, as ações de fiscalizações seguirão seu rito normal.

Desde 1º de janeiro de 2013, cafeteiras, liquidificadores, batedeiras, ferros de passar, torradeiras, sanduicheiras, secadores de cabelo, entre outros produtos, só podem ser vendidos ao consumidor com o selo do Inmetro. Para alguns produtos, no entanto, entre eles fogões elétricos, fornos elétricos (exceto os abrangidos pelas normas IEC 60335-2-36 e IEC 60335-2-42), fornos de microondas abrangidos pela norma IEC 60335-2-90, banheiras de hidromassagem, compressores abrangidos pela norma IEC 60335-34, secadoras de roupa, máquinas de lavar louça, adegas, congeladores e conservadores comerciais, bombas de calor e aquecedores híbridos de acumulação, o prazo é 1º de janeiro de 2014, conforme Portaria Inmetro nº 328/2011. Os testes de segurança aos quais os eletrodomésticos são submetidos antes de receber o selo do Inmetro são realizados por Laboratórios Acreditados pelo Inmetro e certificados pelos Organismos de Certificação de Produtos, onde os fabricantes terão a linha de produção auditada periodicamente.

Atualmente, existem 13 laboratórios no Brasil autorizados a fazer a avaliação de acordo com os critérios determinados pelo Inmetro, mas os ensaios podem ser realizados também por laboratórios no exterior, desde que esses sejam acreditados pela Cgcre (Coordenação Geral de Acreditação) ou por um Organismo de Acreditação signatário do IAAC (Interamerican Accreditation Cooperation), do EA (European Cooperation for Accreditation) ou ILAC (International Laboratory Accreditation Cooperation). Em seu site, o Inmetro disponibiliza um guia sobre a regulamentação, que detalha os aparelhos abrangidos e os excluídos da obrigatoriedade. As empresas autuadas pelo Ipem-SP têm dez dias para apresentar defesa ao órgão, que define, então, as multas. De acordo com a lei federal 9.933/99, as multas na autarquia variam entre R$ 100 e R$ 1,5 milhão. No caso dos eletrodomésticos, as multas poderão variar de R$ 800 a R$ 30 mil, dobrando na reincidência. Acesse link http://www.inmetro.gov.br/noticias/conteudo/orientacoes-portaria-371-2009.pdf mais informações sobre o assunto.