Cenários para os próximos anos novos

Publicação ASQ/Target em destaque

Tendo como autores Eldon H. Christensen, Kathleen M. Coombes-Betz e Marilyn S. Stein, o e-book The Certified Quality Process Analyst Handbook é um manual desenvolvido para auxiliar aqueles que se preparam para a certificação como Analista de Qualidade de Processos. Ele cobre o processo de certificação do conhecimento explicitamente e de forma abrangente. O livro e a certificação estão voltadas para o profissional que, em apoio e sob a direção de engenheiros ou supervisores de qualidade, analisa e resolve problemas de qualidade e está envolvido em projetos de melhoria de qualidade.

Ruy Martins Altenfelder Silva

A notícia auspiciosa é que, nos últimos cinco anos, o Brasil foi o país que mais bem utilizou os resultados do crescimento econômico para elevar o padrão de vida e o bem estar da população, graças principalmente à melhor distribuição de renda: os ganhos sociais equivalem a um país com expansão do Produto Interno Bruto (PIB) da ordem de 13%, mais do dobro dos 5,1% da  média anual registrada no período de 2006 a 2011. A constatação é do estudo Da riqueza para o bem-estar, elaborado pela consultoria internacional Boston Consulting Group a partir de dados sobre 150 países coletados em diversas fontes, entre as quais o Banco Mundial, o FMI e a ONU. Mas, como acontece com quase todos os estudos desse tipo, antes de se comemorar a boa nova é importante ampliar a análise para além dos frios números e até mesmo fazer alguns cruzamentos com outras pesquisas. Como alerta Christian Orglmeister, diretor do escritório da consultoria em São Paulo, quando se parte de uma base muito baixa, é mais fácil avançar, segundo declarou em entrevista ao Estadão. Ou seja, embora a situação seja melhor, ainda há muito o que fazer. Ele ainda aponta, com precisão, o desafio: manter esse ritmo de crescimento e de distribuição da riqueza e seus benefícios. Para isso, é necessário melhorar a qualidade da educação, modernizar a infraestrutura, flexibilizar o mercado de trabalho e reduzir os entraves burocráticos que atrapalham a realização de negócios.

Seguindo a recomendação de ampliar a análise, vale lançar um olhar atento sobre a Síntese de Indicadores Sociais, elaborado pelo IBGE, que foca as condições de vida da população em 2012. O primeiro aspecto que chama a atenção é o marcante crescimento do número de pessoas com 60 anos ou mais, que saltou 9% do total de brasileiros (15,5 milhões) em 2001 para 12,1% (23,5 milhões) em 2011. Enquanto isso, no mesmo período, o grupo de até 24 anos caiu de 48,2% em 2001 para 40,2% (78,5 milhões) em 2011. E a tendência de queda deve se manter, considerando que, no mesmo período, o número de pessoas com até 14 anos de idade sofreu uma redução de 45,9% para 36%, na relação com a faixa de 15 a 59 anos.

Um dos significados desse cenário é que será cada vez menor o contingente de pessoas ativas no mercado de trabalho na comparação com os inativos. Ou seja, menos pessoas para produzir a riqueza a ser distribuída para maior número de brasileiros. Para os jovens em início de carreira, há um obstáculo adicional: provavelmente, mais profissionais permanecerão no mercado de trabalho durante um tempo maior, com impacto na oferta de oportunidades. Nesse ponto, vale considerar outro indicador social apontado pelo estudo do IBGE: mais da metade dos jovens com menos de 25 anos está concentrada na base da pirâmide, ou seja, nas duas faixas de menor renda per capita familiar (menos de um quarto do salário mínimo e de um quarto até a metade desse valor de referência). Já entre os idosos, esse percentual cai para algo em torno de 18% — efeito de políticas sociais e previdenciárias que garantem benefício de pelo menos um mínimo a idosos carentes, independentemente da contribuição. Aqui cabem, logo de início, duas perguntas, nada retóricas. A primeira: até quando os cofres do INSS suportarão esse descompasso, entre receita e despesa? A segunda: será justo adiar esse problema para que as gerações futuras o resolvam?

Dois dados apresentados pela Síntese, que sinalizam para uma maior dificuldade na manutenção do ritmo de melhora do padrão de vida, são as taxas de natalidade e de fertilidade – esta última chegou a 1,9 filho por mulher em 2010, a menor da última década. Ambas guardam relação com o aumento da escolaridade, que vem numa curva ascendente desde o início dos anos 1990 e agora se acelera com a universalização do acesso ao ensino fundamental e a expansão das matrículas no ensino superior. Na faixa etária dos 15 a 19 anos e com sete anos de estudo, 18,3% têm filhos. Quando a escolaridade sobe para oito ou mais anos de estudos, esse percentual cai para 7%.

Os números da Síntese de Indicadores Sociais apenas reforçam a urgência do enfrentamento dos gargalos da educação, infraestrutura, burocracia e falta de flexibilidade com excessivos encargos nas relações trabalhistas apontados pelo diretor do Boston Consulting Group. Não será tarefa fácil, considerando o impacto negativo da crise internacional nos resultados das empresas. Por exemplo, a pesquisa Panorama Empresarial 2013, realizada pela consultoria Deloitte, revela que 71% das empresas com receita líquida superior a 500 milhões de reais foram afetadas pelo cenário internacional adverso, pelo aumento dos salários e benefícios dos funcionários e pelos custos com fornecedores.

Mesmo com o balanço de um 2012 pouco animador, os empresários confiam num ano novo mais promissor, com um maior aumento do PIB e melhora de importantes indicadores da atividade econômica. E não hesitam em divulgar suas metas. Além de um já tradicional propósito de reduzir custo anunciado por 63% das empresas, os principais focos a serem perseguidos em 2013 pelas empresas participantes do estudo são fortalecimento da marca (59%), investimento em capital humano (53%) e em inovação (49%), assim como em ações de retenção de profissionais (39%). Nessa listagem, nota-se um ponto altamente positivo, quando as empresas incluem no item investimento – e não mais em custos – o capital humano e a retenção de talentos. Para os profissionais, novos e veteranos, é mais uma comprovação de que, em certos aspectos, a crise pode ser sinônimo de oportunidade… desde que se esteja bem preparado para aproveitá-la.

Ruy Martins Altenfelder Silva é presidente do Conselho de Administração do CIEE e do Conselho Superior de Estudos Avançados – IRS/Fiesp.

Novo documento de rescisão de contrato

O uso do novo modelo do Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho já é obrigatório a todos os empregadores que demitirem seus funcionários sem justa causa a partir da última sexta-feira (1/2). Sem o termo, nenhum trabalhador pode sacar o FGTS ou o seguro-desemprego nas agências da Caixa Econômica Federal. No novo documento as verbas rescisórias devidas ao funcionário e as deduções feitas deverão ser especificadas. Também devem constar adicional noturno, de insalubridade e de periculosidade, horas extras, férias vencidas, aviso prévio indenizado, décimo terceiro salário, gorjetas, gratificações, salário família, comissões e multas, além de serem discriminados valores de adiantamentos, pensões, contribuição à Previdência e o Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF). Para a advogada Isadora Petenon Braslauskas*, especialista em relações do trabalho do escritório Celso Botelho de Moraes Advocacia, o novo termo de rescisão de contrato de trabalho agrega maior transparência na descrição das verbas rescisórias, no entanto, não evita que o empregado acione a Justiça do Trabalho para pleitear eventuais diferenças.

Anúncios

Por que os carros são tão caros no Brasil?

(Clique no curso para mais informações e fazer a inscrição)

Curtos-Circuitos e Seletividade em Instalações Elétricas Industriais – Conheça as Técnicas e Corretas Especificações – Presencial ou Ao Vivo pela Internet – A partir de 3 x R$ 257,81 (56% de desconto)

Inspetor de Conformidade das Instalações Elétricas de Baixa Tensão de acordo com a NBR 5410 – Presencial ou Ao Vivo pela Internet – A partir de 3 x R$ 320,57 (56% de desconto)

Portal Target – Saiba como é fácil ter acesso às Informações Tecnológicas

Gestão de Energia – Implantação da Nova Norma ISO 50001 – Presencial ou Ao Vivo pela Internet – A partir de 3 x R$ 257,81 (56% de desconto)

carrosPor que será que um carro é tão caro no Brasil? Quantos e quais impostos fazem o preço desse bem cobiçado subir tanto? “Existe incidência de elevados tributos diretos e indiretos, o que eleva custo do veículo para chegar ao consumidor final. Possuímos uma infraestrutura e logística que potencializam os valores e uma demanda por veículo ainda aquecida. Além disso, o dólar está em alta”, conta Milad Kalume Neto, gerente de Desenvolvimento de Negócios da Jato Dynamics do Brasil. De acordo com relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgado no final de 2012, o Brasil arrecada mais impostos e contribuições (federais e locais) do que a maioria dos países da América Latina. Enquanto a carga tributária no país é de 32,4% do PIB, nos demais países analisados na América Latina ela é de 19,4%.

Mas a lista de tributos que encarecem não somente os carros, mas outros bens, ficará mais clara para nós ainda este ano. Isso porque, a partir de junho, todas as notas fiscais emitidas de qualquer produto deverão mostrar o quanto pagamos de tributos para os governos municipais e estaduais, além do federal. Essa lei já é um começo para que nós, consumidores, tenhamos a oportunidade de saber o quanto realmente vale o produto comprado. As notas fiscais deverão trazer discriminados os valores de impostos. No caso dos carros, serão: ICMS: Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação; ISS: Imposto sobre serviço; IPI: Imposto sobre produto industrializado; IOF: Imposto sobre operação financeira; PIS: Programa de Integração Social; Cofins: Contribuição social para financiamento da Seguridade Social; IR: (Imposto de Renda); e IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores).

Todos esses impostos incidem no carro que sai da concessionária, e são variáveis de acordo com o modelo. E o bem pode ficar ainda mais caro se você pretende equipá-lo. “Os carros são caros e os opcionais também são. Entretanto, destaco que é o preço que o consumidor está disposto a pagar por aquele determinado equipamento”, explica Milaid. Segundo o especialista, todos os carros estão ficando caros, até os populares mais conhecidos, a exemplo do Palio e do Gol. Em dez anos houve um aumento muito grande no preço desses modelos. Veja as comparações:

Palio em 22/01/2003: USD 4.623,53 (aproximadamente R$ 9.395);

Palio em 22/01/2013: USD 11.712,99 (aproximadamente R$ 23.800), um aumento de 253,33%;

Gol em 22/01/2003: USD 6.019,71 (aproximadamente R$ 12.232);

Gol em 22/01/2013: USD 16.651,20 (aproximadamente R$ 33.835), um aumento de 276,61%.

E se você é daqueles que está comemorando, pensando que com o detalhamento dos impostos o carro poderá ficar mais barato, fique atento. As coisas não são bem assim: “O que poderá ocorrer é uma força do consumidor para reduzir os impostos pagos”, diz Milaid.

Medicamento Diane 35

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Agence Nationale de Sécurité du Médicament et des Produits de Santé (ANSM), por meio de um comunicado publicado em seu site em 27 de janeiro, informou que irá realizar uma análise benefício/risco do medicamento Diane 35 e seus genéricos na utilização para o tratamento da acne, devido à sua indicação particular para a acne e ao seu perfil de risco. Com relação às informações sobre mortes por trombose venosa associada ao medicamento Diane 35, publicadas na imprensa internacional, a Agência Francesa afirma que os casos mencionados refletem as declarações feitas por médicos do sistema nacional de farmacovigilância para os últimos 25 anos, ou seja desde 1987. Ainda, de acordo com o comunicado da Agência Francesa, entre os casos citados a partir da base de farmacovigilância, quatro mortes foram devido a trombose venosa relacionada com Diane 35. Para os outros três casos mencionados, a causa da morte está relacionada com doenças subjacentes dos pacientes.

O medicamento Diane 35 está registrado no Brasil desde 2002 pelo laboratório Bayer S.A. para o tratamento de distúrbios andrógeno-dependentes na mulher, tais como a acne, principalmente nas formas pronunciadas e naquelas acompanhadas de seborréia, inflamações ou formações de nódulos (acne papulopustulosa, acne nodulocística); alopecia androgênica; casos leves de hirsutismo e síndrome de ovários policísticos. Diante deste cenário a Anvisa esclarece que, até o presente momento, não houve geração de sinal de risco sanitário no banco de dados do sistema de notificação da Agência. E, por sua vez, informa que a bula do referido medicamento já possui as informações de que o mesmo não deve ser utilizado na presença ou histórico de processos trombóticos/tromboembólicos arteriais ou venosos, como por exemplo, trombose venosa profunda, embolia pulmonar, infarto do miocárdio ou de acidente vascular cerebral, bem como na presença ou história de sintomas e/ou sinais prodrômicos de trombose , como por exemplo, episódio isquêmico transitório, angina pectoris. A Anvisa, informa, ainda, que continua a monitorar a segurança de medicamentos e reforça a necessidade da promoção do uso seguro e racional de medicamentos. Nesse sentido, solicita aos profissionais de saúde que notifiquem especialmente as suspeitas de reações adversas graves pelo sistema Notivisa: http://www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm