Principais tendências em Tecnologia da Informação (TI) para 2013

NORMAS COMENTADAS

NBR14039 – COMENTADA
de 05/2005

Instalações elétricas de média tensão de 1,0 kV a 36,2 kV. Possui 140 páginas de comentários…

Nr. de Páginas: 87

Clique para visualizar a norma imediatamenteVisualizar já!

NBR5410 – COMENTADA
de 09/2004

Instalações elétricas de baixa tensão – Versão comentada.

Nr. de Páginas: 209

Clique para visualizar a norma imediatamenteVisualizar já!

NBRISO9001 – COMENTADA
de 11/2008

Sistemas de gestão da qualidade – Requisitos. Versão comentada.

Nr. de Páginas: 28

Clique para visualizar a norma imediatamenteVisualizar já!

tiEssencial para a competitividade e produtividade da economia nacional, o mercado brasileiro de TI contribuiu para o aumento da eficiência dos mais diversos segmentos no último ano e se consolidou como grande aposta de aquecimento para 2013. Soma-se a esse cenário uma especial preocupação do governo federal, através do Ministério de Ciência e Tecnologia, em estimular o desenvolvimento da área, com a criação de programas como Brasil TI Maior e StartUp Brasil. As experiências vividas pelo boom da área ainda incipiente direcionam as expectativas de tendências para 2013. É o caso daTWT Info, desenvolvedora nacional de softwares de gestão, que em 2012 lançou o Strigoi, software de monitoramento de equipes e recebeu o selo Microsoft Cloud Partner 2012. Confira abaixo as tendências para a área de Tecnologia da Informação em 2013:

Mobilidade – Os especialistas em TI acreditam que 2013 vai ser o grande ano da mudança para a mobilidade, proporcionada, em grande parte pelo fortalecimento da computação em nuvem. Segundo o gerente de TI da TWT Info, Gustavo Duarte, “a possibilidade de acessar documentos e fazer serviços de qualquer lugar, tornou relativa a noção de longe e de tempo”. As melhorias da computação em nuvem se traduzem em melhorias na administração e disponibilidade das empresas – considerando que muitas delas passam a hospedar seus serviços em grandes datacenters, desconcentrando o que antes ficava restrito à empresa. A mobilidade traz ganhos em relação à agilidade e otimização do tempo que antes era perdido em trânsito, por exemplo. Além de ser uma ótima forma de integração com colaboradores que buscam capacitação no exterior ou com aqueles que têm o home office como opção. Por outro lado, abre discussões sobre segurança da informação (abaixo) e o limite de horário e remuneração dos colaboradores que trabalham fora do escritório.

Segurança da Informação – A valorização da Tecnologia da Informação para aumentar a competitividade e produtividade das empresas também se traduz em maior digitalização dos documentos que antes estavam em papel. Esse processo tornou a preocupação dos gestores com a segurança dos dados maior, já que o roubo de informações se torna mais prático e rápido. Prova disso é que, de acordo com Pesquisa Global de Segurança da Informação 2013, da PwC, o Brasil é o 4º país que mais teme ataques cibernéticos, mostrando que 67% (média global) das organizações nacionais têm muita ou alguma ciência dos riscos cibernéticos. Unindo o cenário da segurança da informação com o aumento da mobilidade que a TWT Info criou o Strigoi, software de monitoramento de equipes. O software monitora quanto tempo cada colaborador gasta em cada atividade, aprimorando o gerenciamento de tempo para cada serviço, além de monitorar palavras-chave estabelecidas pelo gestor. Isso significa que, caso haja alguma informação que não possa sair da empresa, o gestor será prontamente notificado. O software, entretanto, não interfere na privacidade dos usuários, uma vez que não lê conteúdos inteiros e não monitora senhas.

Gerenciamento Eletrônico de Documentos – O aumento da mobilidade fez com que 2012 fosse considerado o ano Gerenciamento Eletrônico de Documentos (GED). Tanto para aumentar o controle das empresas sobre seus documentos, para aumentar a agilidade e mobilidade e também pela economia de espaço físico. O GED tornou-se palavra de ordem nas empresas. Soma-se a isso, o fato dos scanners terem se tornado mais acessíveis e as empresas terem se sensibilizado para a causa, fazendo com que muitas, por exemplo, contratassem um colaborador responsável exclusivamente por serviços de digitalização ou terceirizassem o serviço de digitalização do passo.

Capacitação da mão de obra – O aquecimento da área de TI em 2012 trouxe um novo desafio aos gestores: o encarecimento da mão de obra. Muitos se queixam do aumento do custo e da redução da qualidade dos serviços dos colaboradores de TI, fazendo com que programas de retenção de talentos se tornassem fundamentais às empresas de tecnologia. No caso da TWT Info, a empresa garante o pagamento integral dos cursos para os quais os colaboradores recebam certificação, como uma forma de estímulo à capacitação e treinamento da equipe.

Outsourcing e a terceirização de serviços – A mobilidade de acesso e o aumento do custo da mão de obra tornou a terceirização de serviços opção essencial para grandes empresas que não tem ramo de atuação ligado à tecnologia. Isso porque, embora mantenham uma equipe de TI interna, muitas vezes as empresas buscam nas consultorias externas o melhor custo benefício para problemas que se repetem indefinidamente. A área de outsourcing sai, então, fortalecida.

Base de conhecimento – É uma das grandes apostas da TWT Info para 2013, como uma ferramenta para fortalecer o canal de comunicação com o cliente e deixá-lo mais autônomo em relação aos trabalhos da empresa. Trata-se de um software em que o colaborador envia uma pergunta e a resposta é compartilhada com toda a empresa. A ideia é otimizar a solução de complicadores e evitar a duplicação de informações e também monitorado para que o cliente interno ou externo seja amparado e suas dúvidas estejam sempre esclarecidas na área deste, no portal da TWT. O software é alinhado com uma das diretrizes que a TWT Info busca para 2013: garantir autonomia e controle ao cliente sobre a utilização de seus serviços. Este produto também permite que o conhecimento que está sob o domínio individual seja coletivo, esta ferramenta pode ser aplicada a qualquer área de atuação em qualquer empresa, não só apenas para uso restrito dos conhecimentos da TWT Info, ferramenta que em 2013 estará disponível para comercialização.

Tendências para 2013 – Além de todas as mudanças pautadas pelo mercado, a integração das áreas técnica, de implantação e de suporte é tendência unânime, sob o ponto de vista dos especialistas da área. Na TWT Info, o processo foi iniciado em 2012, sob os fundamentos da governança corporativa instalada na empresa. A gerente de relacionamento e uma das idealizadoras da mudança, Flávia Azzi, destaca que a visão gerencial foi fundamental no processo, acabando com o isolamento de áreas e com a dependência de talentos individuais. O novo modelo traz resultados positivos no atendimento ao cliente, na entrega dos serviços (que se torna melhor alinhada entre comercial e implantação), além da resolução mais rápida das eventuais falhas. Os colaboradores percebem também que o fortalecimento dos canais de comunicação com cliente, através da área de marketing, foram fundamentais para o melhor alinhamento e percepção de futuras demandas.

Matéria

Target GEDWEB: a gestão do conhecimento tecnológico adequado para qualquer empresa

O Target GEDWEB permite à qualquer empresa, de             qualquer porte, o acesso centralizado às normas técnicas,             documentação empresarial, regulamentos, portarias, textos técnicos, publicações da American Society Quality (ASQ), publicações             técnicas e científicas, revistas segmentadas, etc.

Agora é lei: carga tributária será informada nas notas fiscais

Gestão de Energia – Implantação da Nova Norma ISO 50001 – Presencial ou Ao Vivo pela Internet

Curso: Gestão de Energia – Implantação da Nova Norma ISO 50001

Modalidade: Presencial ou Ao Vivo pela Internet

Dias: 04 e 05 de Março

Horário: 09:00 às 18:00 horas

Carga Horária: 16h

Professor: Eduardo Daniel

Preço: A partir de 3 x R$ 257,81

(*) O curso permanecerá gravado e habilitado para acesso pelo prazo de 30 dias a partir da data da sua realização.

Este curso visa permitir que as organizações estabeleçam os sistemas e processos necessários para melhorar o desempenho energético, incluindo a eficiência e intensidade energéticas. A nova Norma deve conduzir as reduções nos custos nas emissões de gases de efeito estufa e outros impactos ambientais através da gestão sistemática da energia. Ela se aplica a todos os tipos e tamanhos de organizações, independentemente de quaisquer condições geográficas, culturais ou sociais. Para atender à demanda daqueles que não podem se locomover até as instalações da Target, disponibilizamos este curso Ao Vivo pela Internet. Recursos de última geração permitem total aproveitamento mesmo à distância. Os cursos oferecidos pela Target são considerados por seus participantes uma “consultoria em sala”, ou seja, o participante tem a possibilidade de interagir com renomados professores, a fim de buscar a melhor solução para problemas técnicos específicos e particulares.

Inscreva-se Saiba Mais

impostosA presidente Dilma Rousseff sancionou o projeto de lei conhecido como De Olho no Imposto, que determina a divulgação tributos e tramitou pelo Congresso Nacional por mais de seis anos. A Lei nº 12.741, publicada no Diário Oficial da União, entretanto, foi assinado com vetos. Saíram da lista de obrigatoriedade o Imposto de Renda (IR) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). “A apuração dos tributos que incidem diretamente na formação do preço é de difícil implementação e a sanção desses dispositivos induziria a apresentação de valores muito discrepantes daqueles efetivamente recolhidos, em afronta à própria finalidade de trazer informação adequada ao consumidor final”, justificou a presidente em mensagem. Também, foi vetado o item que previa informar, conscientizar e motivar o consumidor através dos diferentes meios de comunicação, bem como indicar entidade responsável por fazer os cálculos.

Segundo análise do governo federal, essa medida colide com outro dispositivo da lei, que prevê que as empresas contratem instituições de “âmbito nacional reconhecidamente idônea” para calcular e fornecer dados. Na opinião do presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Rogério Amato, os vetos não comprometem o projeto. “O mais importante é que a presidente ouviu o clamor da população. Essa lei surgiu da vontade popular, há seis anos, quando o movimento De olho no Imposto colheu 1,5 milhão de assinaturas”, lembrou. Para Amato, a lei que acaba de ser sancionada é um ponto de partida importante para uma possível reforma tributária e mudanças no sistema em busca da simplificação. “Com a informação dos impostos na nota fiscal, o consumidor passa a ser cidadão de fato, conhecedor de seu direito de cobrar por serviços como saúde, educação, transporte público porque sabe que está pagando por eles”, completa. E vai além. “Sabendo que nada é de graça, o cidadão brasileiro valorizará ainda mais a preservação do patrimônio público”.

O presidente do Conselho Superior e Coordenador de Estudos do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), Gilberto Luiz do Amaral, também comemorou a assinatura da lei, mesmo com vetos parciais. “É um marco da transparência tributária no Brasil”, disse, ao lembrar da forte pressão pelo veto total ao projeto aprovado no Congresso, principalmente da Receita Federal. “O governo mostrou determinação em busca da transparência”, completou. Na opinião do tributarista, a exclusão do IR e da CSLL nas notas fiscais a partir de junho não vai interferir na visualização que o consumidor passará a ter do peso dos impostos no preço final das mercadorias e serviços. “O primeiro passo foi dado. Os dois tributos poderão ser acrescentados no futuro, em nova legislação”, ponderou.

O vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos, que na semana passada participou do manifesto Não Veta, Dilma, no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), não se surpreendeu com a assinatura da lei. “A presidente Dilma sempre se mostrou simpática à ideia da transparência tributária”, disse. Quanto à exclusão do IR e da CSLL do cálculo, Afif afirmou que o mais importante é que permaneceram os tributos em cascata. “De fato, os dois impostos vetados variam muito em termos de cálculo”. O vice-governador também ressaltou que não haverá qualquer dificuldade para o cumprimento da nova lei, já que o texto aprovado abre a possibilidade dos varejistas informarem por meio de cartazes o valor aproximado dos impostos. Ele adiantou que a presidente deve enviar ao Congresso um projeto de lei para que a adesão da micro e pequena empresa seja voluntária, com base no tratamento diferenciado ao segmento previsto na Constituição. Para o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis no Estado de São Paulo (Sescon-SP), José Maria Chapina Alcazar, a aprovação da lei é uma grande revolução na relação da sociedade com o governo. “Com a ciência de o quanto paga de imposto em cada produto ou serviço, o brasileiro poderá formar uma consciência cidadã e, assim, terá condições de exigir o retorno deste montante em benefícios sociais, como saúde, segurança e educação”, destacou.

A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) devem disponibilizar em fevereiro um software gratuito que poderá ser baixado na internet com o cálculo aproximado dos tributos incluídos na Lei nº 12.741. O aplicativo foi desenvolvido em 2011 para fornecer as informações e será reformulado com base nos dispositivos aprovados. “Será uma adaptação simples, fácil e sem custo. E o prazo de seis meses é mais que suficiente para se adequar à lei”, explicou o presidente da ACSP e Facesp. Ele ressaltou que as empresas que ainda usam a nota manual, poderão entrar no site do impostômetro (www.impostometro.com.br) e obter o percentual em impostos de uma infinidade de produtos e serviços.

De acordo com o coordenador de estudos do IBPT, Gilberto Luiz do Amaral, com o software será possível ter acesso ao valor dos impostos embutidos em cerca de 17 mil produtos e serviços consumidos no Brasil. Hoje, a Associação Comercial vai montar um Feirão do Imposto com a exposição de várias mercadorias com preço final e respectiva carga tributária, na sede da entidade, para demonstrar a facilidade de se cumprir a legislação que acaba de tornar obrigatória a divulgação da maior parte dos impostos embutidos nos bens de consumo e serviços.

LEI Nº 12.741, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2012

Dispõe sobre as medidas de esclarecimento ao consumidor, de que trata o § 5º do artigo 150 da Constituição Federal; altera o inciso III do art. 6º e o inciso IV do art. 106 da Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 – Código de Defesa do Consumidor.

Art. 1º Emitidos por ocasião da venda ao consumidor de mercadorias e serviços, em todo território nacional, deverá constar, dos documentos fiscais ou equivalentes, a informação do valor aproximado correspondente à totalidade dos tributos federais, estaduais e municipais, cuja incidência influi na formação dos respectivos preços de venda.

§ 1º A apuração do valor dos tributos incidentes deverá ser feita em relação a cada mercadoria ou serviço, separadamente, inclusive nas hipóteses de regimes jurídicos tributários diferenciados dos respectivos fabricantes, varejistas e prestadores de serviços, quando couber.

§ 2º A informação de que trata este artigo poderá constar de painel afixado em local visível do estabelecimento, ou por qualquer outro meio eletrônico ou impresso, de forma a demonstrar o valor ou percentual, ambos aproximados, dos tributos incidentes sobre todas as mercadorias ou serviços postos à venda.

§ 3º Na hipótese do § 2º, as informações a serem prestadas serão elaboradas em termos de percentuais sobre o preço a ser pago, quando se tratar de tributo com alíquota ad valorem, ou em valores monetários (no caso de alíquota específica); no caso de se utilizar meio eletrônico, este deverá estar disponível ao consumidor no âmbito do estabelecimento comercial.

§ 4º ( VETADO).

§ 5º Os tributos que deverão ser computados são os seguintes:

I – Imposto sobre Operações relativas a Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS);

II – Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS);

III – Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI);

IV – Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou Relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF);

V – (VETADO);

VI – (VETADO);

VII – Contribuição Social para o Programa de Integração Social (PIS) e para o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) – (PIS/Pasep);

VIII – Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins);

IX – Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico, incidente sobre a importação e a comercialização de petróleo e seus derivados, gás natural e seus derivados, e álcool etílico combustível (Cide).

§ 6º Serão informados ainda os valores referentes ao imposto de importação, PIS/Pasep/Importação e Cofins/Importação, na hipótese de produtos cujos insumos ou componentes sejam oriundos de operações de comércio exterior e representem percentual superior a 20% (vinte por cento) do preço de venda.

§ 7º Na hipótese de incidência do imposto sobre a importação, nos termos do § 6o, bem como da incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados – IPI, todos os fornecedores constantes das diversas cadeias produtivas deverão fornecer aos adquirentes, em meio magnético, os valores dos 2 (dois) tributos individualizados por item comercializado.

§ 8º Em relação aos serviços de natureza financeira, quando não seja legalmente prevista a emissão de documento fiscal, as informações de que trata este artigo deverão ser feitas em tabelas afixadas nos respectivos estabelecimentos.

§ 9º ( VETADO).

§ 10. A indicação relativa ao IOF (prevista no inciso IV do

§ 5º) restringe-se aos produtos financeiros sobre os quais incida diretamente aquele tributo.

§ 11. A indicação relativa ao PIS e à Cofins (incisos VII e VIII do § 5º), limitar-se-á à tributação incidente sobre a operação de venda ao consumidor.

§ 12. Sempre que o pagamento de pessoal constituir item de custo direto do serviço ou produto fornecido ao consumidor, deve ser divulgada, ainda, a contribuição previdenciária dos empregados e dos empregadores incidente, alocada ao serviço ou produto.

Art. 2º Os valores aproximados de que trata o art. 1º serão apurados sobre cada operação, e poderão, a critério das empresas vendedoras, ser calculados e fornecidos, semestralmente, por instituição de âmbito nacional reconhecidamente idônea, voltada primordialmente à apuração e análise de dados econômicos.

Art. 3º O inciso III do art 6º da Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990, passa a vigorar com a seguinte redação:

“Art. 6º ……………………………………………………………………………………………………………………..

III – a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade, tributos incidentes e preço, bem como sobre os riscos que apresentem;”

…………………………………………………………………………………………………………………….(NR)

Art. 4º ( VETADO).

Art. 5º O descumprimento do disposto nesta Lei sujeitará o infrator às sanções previstas no Capítulo VII do Título I da Lei nº 8.078, de 1990.