Prêmio Internacional de Sustentabilidade Energética

EVENTO GRATUITO

Sistemas de Informações Tecnológicas Target Gedweb

Informação fácil e correta economiza tempo e permite que organizações fiquem à frente de situações que podem afetar seus negócios.

 dia 28/06/2013

foto

José Rui Camargo, reitor da Universidade de Taubaté (Unitau), Ingomar Lochschmidt, cônsul comercial da Áustria para o Brasil, e Ederaldo Godoy Junior, assessor da Unitau.

O International Energy Globe Awards, um Prêmio Mundial para a Sustentabilidade, é o mais importante prêmio internacional de sustentabilidade energética promovido pela Energy Globe Foundation. O prêmio tem o apoio da Unesco, da United Nations Environment Programme, da WKO (Austrian Economic Chamber), da EREC (European Renewable Energy Council), da ISES (International Solar Energy Society), entre outros). Na edição 2013 do prêmio, mais de 100 países enviaram um total de 1.051 projetos.

Um júri internacional, presidido por Maneka Gandhi, avaliou todas as submissões e selecionou os vencedores nacionais de cada um dos 100 paises participantes. O projeto apresentado pela Universidade de Taubaté (Unitau), de autoria dos professores pesquisadores José Rui Camargo, Ederaldo Godoy Junior e do ex-aluno do Programa de Mestrado da Unitau, Jalmir Machado da Silva, foi escolhido como o melhor projeto do Brasil e foi homenageado com a conquista do Energy Globe National Award Brasil. A entrega do prêmio ocorreu em um jantar na residência do consul da Áustria em São Paulo, realizado no dia 5 de junho, Dia Mundial do Meio Ambiente.

O projeto, denominado “Microcogeneration solar power-photovoltaic using waste heat through the thermoelectric Seebeck effect” é um sistema para aumentar a eficiência de painéis fotovoltaicos por meio da utilização de módulos de conversão termelétrica direta pelo efeito Seebeck, reaproveitando o calor residual e reconvertendo em energia elétrica. Agora o projeto da equipe da Unitau participa como finalista para a premiação mundial a ser realizada em Viena na Austria. Os cinco indicados em cada categoria são convidados e os vencedores serão anunciados na cerimônia.

O projeto informa que os painéis de geração de energia elétrica fotovoltaicos se aquecem quando expostos à luz solar e este aquecimento diminui a sua produção de energia, reduzindo sua eficiência. Este projeto apresenta uma solução para o problema, com reutilização desta energia térmica residual, convertendo-a também diretamente em energia elétrica por meio do efeito Seebeck.

Esse efeito consiste na transformação direta de energia térmica em energia elétrica com a utilização de módulos de conversão termelétrica direta que utilizam arranjos de materiais semicondutores. Estes materiais quando expostos a um gradiente de temperatura, geram uma diferença de potencial elétrico. A pesquisa envolveu a análise teórica dos fenômenos envolvidos, apresentando os modelos matemáticos de sistemas termelétricos e fotovoltaicos, analisando-se as curvas de tensão, potência e corrente elétrica geradas e também analisando-se a influência da temperatura em cada modelo.

Foram feitas simulações no modelo matemático, levando-se em conta os parâmetros de módulos termelétricos e de células fotovoltaicas reais, e testes laboratoriais. Foram desenvolvidos protótipos contendo módulos termelétricos instalados na parte inferior de um painel fotovoltaico, a fim de reaproveitar a energia térmica absorvida e transmitida por condução pelo painel. Dados foram coletados e analisados​​, observando-se a influência da temperatura em ambos os sistemas e validando a modelagem matemática. Os resultados mostram a viabilidade do projeto e a aplicabilidade dos modelos matemáticos nas análises.

Teste de produtos: escovas de dentes

escovas de dentesDe acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), no Brasil, terceiro maior mercado do mundo de produtos de higiene oral, apenas precedido por Estados Unidos e Japão9, a demanda do mercado de escovas dentais tem aumentado continuamente ao longo dos anos, alcançando, em 2011, o volume de 361 milhões de escovas vendidas. Em 1997, o volume de vendas foi de 114 milhões.

Em 1998, o Inmetro realizou uma análise em escovas dentais para uso adulto e infantil, após um levantamento epidemiológico feito entre os anos de 1986 e 1996, pela Coordenação de Saúde Bucal do Ministério da Saúde, no qual foi observado que o índice de dentes atacados por cáries entre crianças de até 12 anos sofreu uma redução de 54% nesse período (de sete para três dentes) devido, principalmente, a fatores como a implantação de programas de educação em saúde bucal e a fluoretação das águas para abastecimento público. Nessa análise, das 24 marcas analisadas, duas foram consideradas não conformes no ensaio de Rigidez das Cerdas, sendo uma de uso adulto e uma de uso infantil. Já no ensaio de Rotulagem, mais uma marca de uso infantil obteve uma não conformidade por não declarar a rigidez da sua escova.

Nesse contexto, diante do crescimento da demanda por produtos de higiene oral, diretamente proporcional ao aumento do volume de importações e exportações, do surgimento de diversas novas marcas de produtos nacionais e importados, comercializadas com preços cada vez mais acessíveis a todas as classes sociais e do elevado número de sugestões dos consumidores para análise desses produtos, o Inmetro decidiu analisar escovas dentais, destinadas ao uso adulto e infantil, com o objetivo de verificar se elas atendem aos requisitos normativos vigentes para o produto. Como no Brasil não há normas técnicas publicadas sobre escovas de dentes, o Inmetro usou como referência a Resolução Anvisa nº 211, de 14 de julho de 2005 que estabelece a Definição e a Classificação de Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes e outros; a ISO 8627: 1987 – Dentistry – Stiffness of the tufted área of toothbrushes (Odontologia – Rigidez da área encerdada); a Portaria Anvisa nº 97, de 26 de junho de 1996 que dispõe sobre as normas e requisitos técnicos a que estão sujeitas as escovas dentais; e a Lei 8.078, de 11 de setembro de 1990, do Ministério da Justiça – Código de Proteção e Defesa do Consumidor – CDC.

Os resultados encontrados na análise demonstraram que a tendência do mercado de escovas dentais é de conformidade em relação à metodologia elaborada pelo Inmetro, pois apenas quatro, que corresponde a 16% das 25 marcas analisadas apresentaram não conformidade em algum dos ensaios realizados. Apesar dessa tendência favorável, evidenciada pelo resultado de conformidade da maioria das marcas analisadas, alguns dos resultados podem ser considerados preocupantes por colocarem em risco a saúde do consumidor. A rigidez das cerdas muito elevada, a tensão para remoção dos tufos quase desprezível e as formas das extremidades das cerdas com um péssimo acabamento são itens preocupantes quando pensamos em uma higiene bucal eficaz e para a proteção da gengiva e do esmalte dos dentes.

Ao contrário do cenário encontrado nas escovas dentais de uso adulto, observou-se o atendimento total aos critérios definidos pelo Inmetro no que se refere às escovas dentais destinadas ao uso infantil, significando 100% de conformidade em todos os ensaios realizados. Considerando que o público infantil requer cuidados especiais, devido à sua natural fragilidade e maior exposição a riscos de uma forma geral, pode-se dizer que os resultados das escovas dentais destinadas ao uso infantil foi satisfatório, o que significa dizer que estas são seguras e que não oferecem riscos à saúde das crianças. Diante do exposto, o Inmetro enviará esse relatório de análise com os respectivos resultados para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para que sejam tomadas as providências cabíveis. Para ler o relatório completo, acesse o link http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/escovas_dentais.pdf