Milk Run

COLETÂNEAS DE NORMAS TÉCNICAS

Coletânea Série Tecnologia da Informação

Coletânea Digital Target com as Normas Técnicas, Regulamentos, etc, relacionadas à Tecnologia da Informação
Saiba Mais…

Coletânea Série Trabalhos Acadêmicos

Coletânea Digital Target com as Normas Técnicas, Regulamentos, etc, relacionadas à Trabalhos Acadêmicos!
Saiba Mais

Cristiano Bertulucci Silveira

O Milk Run é um conceito de logística com ampla abrangência na indústria automobilística que se baseia no planejamento de entregas e coletas. O termo “Milk Run” teve a sua origem na cultura americana, a partir da análise dos entregadores que realizavam a coleta e entrega de garrafas de leite. Na sua rotina diária, o leiteiro distribuia as garrafas cheias de leite e simultaneamente coletava as garrafas vazias. Após realizar a entrega para todos os clientes, ele retornava com as garrafas vazias para recomeçar no próximo dia. Veja que para isto ele necessitava de apenas um trajeto. Este é o conceito do Milk Run. O Milk Run nasceu da necessidade de movimentar pequenas quantidades de itens com maior frequência até a fábrica sem que para isto os custos de transporte fossem multiplicados. Assim, nas fábricas que aplicam este conceito, operadores logísticos realizam um planejamento para que os caminhões possam partir de um depósito, coletando mercadorias de diferentes fornecedores e entregando elas a um único consumidor. Isto torna possível a entrega de pequenos lotes de forma eficiente, mantendo os níveis de estoque de matéria-prima baixos e economizando espaço interno de armazenagem. O planejamento também pode ser feito para que produtos sejam coletados de um fornecedor e distribuídos para vários consumidores ou clientes. Veja na Figura abaixo um esquemático do Milk Run.Milk Run

Benefícios obtidos ao aplicar o Milk Run

Com a aplicação do Milk Run, evita-se que vários fornecedores enviem caminhões em demasia ao fabricante, gerando assim uma economia no valor do frete, melhora na agilidade de recebimento dos materiais e aceleração na movimentação do material dentro da planta. Outro ponto é que ao entregar na quantidade adequada, há uma redução nos estoques e nos custos relacionados a sua manutenção, otimização do uso do espaço interno da fábrica e redução do fluxo de materiais. O Milk Run cria um ambiente que favorece a implementação do sistema just in time nas empresas e fornecedores parceiros. No sistema Lean, esta ferramenta faz com que haja um processo planejado nos mínimos detalhes, de forma a ser pontual como em um relógio suíço. Para operacionalizar um sistema Milk Run bem sucedido, é preciso que os operadores logísticos e os fornecedores se comuniquem constantemente e estejam sincronizados, para que cada um cumpra sua responsabilidade no tempo definido. Os fornecedores precisam deixar o material organizado, embalado e na quantidade correta enquanto que o operador logístico precisa estar com os cronogramas em dia e os fabricantes precisam programar e entregar a produção em suas fábricas nos prazos estabelecidos.

Vantagens do Milk Run

  • Redução nos lotes;
  • Aumento na frequência de entrega;
  • Fluxo de matéria-prima nivelado;
  • Rápido giro de estoque;
  • Redução de estoque e redução de espaço necessário para o estoque;
  • Maior facilidade de registro e controle de estoque;
  • Agilidade e flexibilidade;

Desvantagens do Milk Run

  • Nem todos os fornecedores são capazes de implementar o Milk Run;
  • Na falta de planejamento, o número de viagens extras pode aumentar e por consequência elevar os custos.

Como ser bem sucedido com o sistema Milk Run?

O procedimento para o desenvolvimento e a concepção do Milk Run deve obedecer alguns passos. São eles:

  1. Definir o peso e volume de produtos para diferentes fornecedores em uma região;
  2. Identificar e selecionar os potenciais fornecedores Milk Runs fundamentando a seleção em quantidade máxima de carga e freqüência de entrega.
  3. Identificar e definir  os parâmetros Milk Run tais como limite de peso e volume, os horários de coleta e entrega, frequência de entrega e o número máximo de potenciais fornecedores;
  4. Desenvolver e avaliar diferentes alternativas de Milk Run;
  5. Comparar alternativas e criar planos de contingência;
  6. Implementar um cronograma, treinar fornecedores, testar e controlar.

Para um sistema Milk Run eficiente, também é necessário que a empresa e seus fornecedores tenham disciplina e alto grau de atenção na preparação do PFEP (Plan For Every Part). Um PFEP simples é um documento que deve constar  alguns dados importantes do produto como:

  • Dimensão do item;
  • Peso do item;
  • Dimensão da Embalagem;
  • Peso da embalagem;
  • Peças por embalagem;
  • Containers por palete;
  • Restrições;
  • Informações adicionais.

A elaboração detalhada e precisa do PFEP é importante, pois é através dele que é possível compreender o espaço necessário para o armazenamento e o transporte de materiais. As informações contidas na PFEP também serão utilizadas para tomar decisões durante a operação, como acordar mudanças com os fornecedores tais como trajeto e embarque de mercadoria. Outro ponto que favorece a implantação do Milk Run é o acompanhamento em tempo real das rotas de entrega. Assim é possível acompanhar se as entregas estão seguindo o planejado. Caso houver algum atraso por exemplo, é possível notificar todos os fornecedores e assim colocar em andamento um plano de contingência. O Milk Run exige uma equipe e fornecedores dedicados, mas o ganho gerado em economia de estoques faz valer a pena os custos adicionais. Por este motivo é preciso analisar bem os ganhos, vantagens e desvantagens quando for implementá-lo.

Cristiano Bertulucci Silveira é engenheiro eletricista pela Unesp com MBA em Gestão de Projetos pela FVG e certificado pelo PMI. Atuou em gestão de ativos e gestão de projetos em grandes empresas como CBA-Votorantim Metais, Siemens e Votorantim Cimentos. Atualmente é diretor de projetos da Citisystems – cristiano@citisystems.com.br – Skype: cristianociti