Diagrama de Pareto

NORMAS COMENTADAS

NBR 14039 – COMENTADA
de 05/2005

Instalações elétricas de média tensão de 1,0 kV a 36,2 kV. Possui 140 páginas de comentários…

Nr. de Páginas: 87

Clique para visualizar a norma imediatamenteVisualizar já!

NBR 5410 – COMENTADA
de 09/2004

Instalações elétricas de baixa tensão – Versão comentada.

Nr. de Páginas: 209

Clique para visualizar a norma imediatamenteVisualizar já!

NBR ISO 9001 – COMENTADA
de 11/2008

Sistemas de gestão da qualidade – Requisitos. Versão comentada.

Nr. de Páginas: 28

Clique para visualizar a norma imediatamenteVisualizar já!

Cristiano Bertulucci Silveira

Uma das primeiras lições que os novos engenheiros são convidados a aprender é a de priorizar tarefas. É importante aprender desde cedo a distinguir entre os “poucos pontos vitais” dos “muitos pontos triviais”. Isto significa que é importante concentrar-se nas poucas coisas que realmente importam e não gastar recursos em muitos outras que têm pouco ou nenhum impacto no negócio.

Para priorizar o que realmente é importante, existe uma regra conhecida como a regra de 80/20, que indica que 80% de todas as ocorrências de problemas são devidos a apenas 20% dos tipos de problemas encontrados. Outra variante desta regra estabelece que para qualquer problema, 80% das suas ocorrências são devido a apenas 20% de todas as causas.

O diagrama de Pareto é, basicamente, um gráfico de barras descendente que apresenta as freqüências de ocorrências ou os tamanhos relativos abrangendo:

1) as várias categorias de todos os problemas encontrados, a fim de determinar quais os problemas existentes ocorrem com mais frequência, ou:

2) as várias causas de um problema particular, a fim de determinar qual das causas de um problema particular surge mais frequentemente.

Após identificar as categorias de problemas ou causas, é necessário dispor elas no eixo x do gráfico de barras. Basicamente, para entender o que é o diagrama de Pareto, primeiramente é preciso entender o princípio de Pareto, originário da regra 80/20. Este princípio afirma que 80% dos fenômenos advém de 20% das causas. Veja alguns exemplos:

Exemplo

  • Uma banca de jornal não pode expor 100% a capa de todas as revistas e por isso ela escolhe 20% das mais vendidas que geram 80% do faturamento;
  • Alguns estudos mostram que 80% do faturamento de uma empresa advém de 20% dos clientes;
  • 20% dos estoques respondem por 80% dos custos;
  • 20% dos defeitos geram 80% das reclamações;
  • 20% das causas de paradas de máquinas industriais são responsáveis por 80% do tempo em que a máquina fica parada.

Ou seja, o princípio de Pareto mostra a relação desigual entre causas e efeitos.

O que é o Diagrama de Pareto?

Como explicado, o diagrama de Pareto é um recurso gráfico utilizado para estabelecer uma ordenação nos problemas que devem ser sanados e sua maior utilidade é a de permitir uma fácil visualização e identificação das causas ou problemas mais importantes. Através de sua utilização, é possível compreender a relação entre as causas e efeitos de um processo, permitindo a localização dos problemas vitais. De maneira prática, ao serem listadas diversas causas raiz, ou causas profundas, é necessário identificar aquelas de maior impacto sobre a eficiência e eficácia do todo. Vamos analisar um exemplo prático de constuir um diagrama:

O primeiro passo é construir uma tabela com os dados de interesse:

Descrição da Falha       Total % por       falha %    Acum
Rebarbas       445 44% 44%
Diagrama menor       234 23% 67%
Diagrama maior       178 17% 84%
Sem usinagem       156 15% 99%
outros        8 1% 100%

Como aplicar o Diagrama de Pareto?

Siga três passos básicos:

  1. Primeiramente determine o objetivo do diagrama, qual tipo de perda você quer investigar? (na tabela, descrição da falha);
  2. Defina o aspecto do tipo de perda, deixe claro como os dados serão classificados (na tabela está representado pelo total de falhas por ítem;
  3. Faça os cálculos de freqüência e agrupe as categorias que ocorrem com baixa freqüência sob a denominação outros. Calcule também o total e a porcentagem de cada item sobre o total e o acumulado. Determine as frequências relativas e acumuladas. (respectivamente na tabela, “% por falha” e % acum).

Após criar a tabela, utilize ela para gerar o gráfico através de qualquer ferramenta gráfica como o Excel:

diagrama-de-paretoRepare que o gráfico é uma composição de barra e linha, que são dispostos em dois eixos verticais (y). O eixo à esquerda representando a quantidade de falhas e o eixo à direita representando a porcentagem acumulada.

Visualizando o gráfico acima, fica fácil identificarmos onde estão os 80% dos problemas vitais. Neste caso, eles se concentram em: rebarbas, diagrama menor e diagrama maior. Portanto, para o envolvimento da equipe nas ações de resolução dos problemas, os esforços devem ser concentrados nestes 3 itens.

Benefícios da utilização do Diagrama de Pareto na indústria

Através da utilização do diagrama de Pareto é possível atingir os seguintes objetivos:

  • Separar os poucos problemas principais de muitos problemas possíveis para que você possa concentrar seus esforços de melhoria no que realmente importa;
  • Organizar os dados de acordo com a prioridade ou importância;
  • Determinar os problemas são mais importantes através da utilização de dados e não percepções.

Benefícios da utilização dos diagramas de Pareto:

  • Resolve um problema de forma eficiente por meio da identificação e hierarquização, de acordo com a sua importância das causas principais de falhas;
  • Define as prioridades para muitas aplicações práticas. Alguns exemplos são: os esforços da equipe de melhoria de processos, as necessidades dos clientes, fornecedores, oportunidades de investimento;
  • Mostra onde concentrar os esforços;
  • Permite a melhor utilização dos recursos, que geralmente são limitados.

Cristiano Bertulucci Silveira é engenheiro eletricista pela Unesp com MBA em Gestão de Projetos pela FVG e certificado pelo PMI. Atuou em gestão de ativos e gestão de projetos em grandes empresas como CBA-Votorantim Metais, Siemens e Votorantim Cimentos. Atualmente é diretor de projetos da Citisystems – cristiano@citisystems.com.br – Skype: cristianociti

gedweb_qualidade

Você considera o seu fornecedor um parceiro?

Normas NBR/NMNR/ MTE/RT/Portarias INMETRO/Matérias Técnicas/Projetos de NBR/Cursos/Gênius FAQ/e-Books ASQ/Resoluções ANEEL/Procedimentos ONS

Target Engenharia e Consultoria

Portal Target/GEDWeb/CENWin

Erick Pedretti Nobre

Nos anos 80, o Japão criou o conceito “Just in Time”, que na tradução livre é “Na Hora Certa”. Trata-se de um sistema de administração da produção que determina que nada deve ser produzido, transportado ou comprado antes da hora exata, isto é, o produto ou matéria prima chega ao local de utilização somente no momento exato em que for necessário, ou seja, os produtos somente são fabricados ou entregues a tempo de serem vendidos ou montados. Não existe estoque parado.

Nos últimos 15 anos, a demanda cada vez maior pela busca da qualidade, além de preços cada vez mais competitivos fez com que a distância entre o cliente e o fornecedor diminuísse cada vez mais, tornando o diálogo entre os dois mais efetivo e dinâmico. Atualmente não há como uma empresa isolada ser competitiva em um mundo cada vez mais globalizado. O empreendimento faz parte de uma cadeia de compradores e fornecedores, cujo objetivo é a satisfação dos consumidores. É frequente a criação cada vez mais de processos para melhorar esse laço entre cliente e fornecedor.

Os fornecedores são partes fundamentais em todo o processo, pois são eles que fornecem os insumos necessários para que a empresa venda seus produtos e serviços. Portanto, se faz necessário selecionar e avaliar muito bem os abastecedores para que se possa garantir a qualidade das matérias-primas fornecidas por eles.

A abertura do comércio para as empresas estrangeiras gerou aumento da competitividade internacional. Por isso, ter um excelente fornecedor não é mais suficiente para que se tenha uma operação com qualidade e baixo custo de forma competitiva. Neste contexto, estamos falando do “fornecedor-parceiro”, que é o provedor que não enxerga somente a venda de curto prazo, mas sim ajuda a entender as necessidades dos seus clientes e ajuda a criar demandas que talvez você não enxergue.

O fornecedor, além de parceiro, é parte da sua empresa onde tem profissionais trabalhando para fornecer serviços e produtos de qualidade que posteriormente serão comprados por seus clientes finais, tendo que gerar lucros para ambas as empresas. Um dos maiores desafios de um gestor é conseguir estabelecer uma relação de parceria com profissionais e empresas envolvidos direta ou indiretamente nos projetos.

Quando pensar em criar uma parceria, é importante estabelecer um ponto único de contato, pois quando se tem diversos parceiros para resolver um determinado problema podem acontecer coisas embaraçosas. A clareza nas responsabilidades é fundamental para evitar o famoso jogo de empurra, que poderão ser perdidas horas para solucionar o problema. Um parceiro que possa lhe ajudar em várias camadas é sempre uma decisão inteligente.

Qualquer parceria de longo prazo requer que cliente e parceiro se conheçam muito bem, inclusive as limitações de cada um. Entender o negócio de cada parte é fundamental para que possíveis ajustes sejam realizados a tempo, evitando constrangimentos futuros no cliente final. É importante estarem intimamente alinhados nos projetos para que no final de cada operação, o sucesso seja comemorado por todos. Os fornecedores muitas vezes trabalham para cumprir um acordo ao pé da letra. Já os parceiros de negócios estão dispostos a fazer o que for preciso para a parceria dar certo.

Voltando ao mercado de tecnologia, ainda vejo muitos clientes comprarem a solução mais barata, sem levar em consideração o pós venda, isto é, todo o suporte necessário para a correta implementação, possíveis suportes técnicos caso haja algum problema, incluindo trabalhos nas madrugadas para que seus clientes não sejam prejudicados com a ausência de seus serviços.

A ideia do “Bom Bonito Barato” nem sempre se traduz em sucesso quando falamos em serviços críticos do negócio da empresa. Imagine uma empresa financeira, por exemplo, uma corretora de valores, onde os clientes compram e vendem milhares de ações a cada milésimo de segundos. E se a rede da corretora fica fora do ar por 5 minutos? Ainda há quem pense: “cinco minutinhos não tem problema”. Fale isso para um CIO de uma corretora de valores.

Segundo o Financial Times, foram necessários apenas 45 minutos para que um defeito na rede de serviços, responsável por automatizar as transações na Bolsa da Knight Capital, gerasse um prejuízo de U$ 440 milhões. A Knight Capital é uma das principais empresas do segmento de transações eletrônicas de alta frequência, que se utilizam de supercomputadores e de algoritmos matemáticos para lucrar com possibilidades mínimas de ganho em casas decimais, que surgem em fração de segundos na Bolsa. O prejuízo é quase duas vezes a receita gerada pela empresa no segundo trimestre de 2012 e eliminou 75% de seu valor de mercado em 24 horas.

O banco suíço UBS teve prejuízo superior a US$ 350 milhões com problemas semelhantes durante a oferta pública de ações do Facebook, em maio de 2012. A Bolsa Bats, especializada em transação de grandes lotes de ações, viu-se forçada a cancelar sua abertura de capital em março, depois de passar por problemas técnicos em sua infraestrutura de comunicação de dados.

Executivos de salários elevados estão sendo demitidos, e as companhias financeiras têm investido quantias cada vez maiores em sistemas sofisticados de tecnologia da informação. O seu sucesso é consequência do sucesso de todos os parceiros envolvidos em um projeto. Por isso, cultive o bom relacionamento entre as duas partes.

Dessa forma, compartilhe informações com seus principais fornecedores, para que eles também obtenham melhorias em seus negócios e repassem essas melhorias para a sua empresa. Isso garante a competitividade de ambas as empresas no médio e longo prazo. Lembrem-se: a qualidade de seu produto começa no seu fornecedor. Comprador: tenha parceiro de negócios e não apenas um fornecedor de produtos ou serviços.

Erick Pedretti Nobre é especialista em segurança da informação, gerenciamento, wireless, e Account Manager da empresa CYLK.