Florestas urbanas: uma norma que estabelece os procedimentos para a poda de árvores

urbanasAs florestas urbanas são as árvores e outras formas de vegetação de pequeno, médio e grande portes que crescem, de forma espontânea ou cultivada, em ambientes urbanos. Um estudo do U.S. Forest Service e do Davey Institute revelou que as as árvores podem salvar uma vida por cada ano e reduzir a poluição nas cidades. O estudo foi realizado com amostras de dez cidades dos EUA: Atlanta; Baltimore; Boston; Chicago; Los Angeles; Minneapolis; Nova York; Filadélfia; San Francisco e Syracuse. A conclusão dos cientistas é que as árvores ajudam no controle de pequenas partículas de poluição, que geram doenças graves no pulmão, aterosclerose acelerado (formação de placas nos vasos sanguíneos), problemas cardíacos, inflamações e morte prematura.

Nova York apresentou os melhores resultados entre florestas urbanas e grandes cidades. A vegetação da cidade salva até oito pessoas por ano. Outro dado da pesquisa mostra que as árvores plantadas na cidade, a partir de 2011, reduziram mais de dois mil casos de asma e doenças pulmonares, além de maior assiduidade dos funcionários em seus empregos. O que gerou uma economia financeira de U$ 9,7 milhões aos cofres públicos.

A NBR 16246-1 de 11/2013 – Florestas urbanas – Manejo de árvores, arbustos e outras plantas lenhosas – Parte 1: Poda estabelece os procedimentos para a poda de árvores, arbustos e outras plantas lenhosas em áreas urbanas, em conformidade com a legislação aplicável. Esta parte 1 pode ser utilizada como orientação para que profissionais da administração pública municipal, estadual e federal, assim como prestadores de serviço particulares, proprietários de imóveis, concessionárias de serviços públicos e outros, elaborem suas especificações de trabalho. Os procedimentos previstos nesta parte 1 não se aplicam a podas em frutíferas, para as quais podem ser utilizadas as técnicas de poda empregadas na fruticultura.

Essa norma, sob o título geral “Florestas urbanas – Manejo de árvores, arbustos e outras plantas lenhosas”, tem previsão de conter as seguintes partes: Parte 1: Poda; Parte 2: Segurança na arboricultura; Parte 3: Análise de risco; e Parte 4: Plantio e transplantio. Os objetivos da poda, bem como a destinação de seus resíduos, devem ser estabelecidos antes do início de qualquer operação de poda.

A fim de se alcançar os objetivos da poda, convém: considerar o ciclo de crescimento, a estrutura individual das espécies e o tipo de poda a ser executada; que não se retire mais que 25 % da copa, já que o percentual e a distribuição da folhagem a ser removida devem ser definidos de acordo com a espécie arbórea, idade, estado sanitário e localização, pois podas de maior intensidade devem ser justifi cadas tecnicamente; que não se retire mais que 25 % da folhagem de um galho, quando este é cortado junto a outro galho lateral, sendo conveniente que o galho lateral tenha dimensões suficientes para assumir a dominância apical.

O destopo e a poda tipo poodle devem ser considerados práticas de poda inaceitáveis para árvores, exceto nos casos em que tal prática for necessária para posterior supressão. O arborista deve realizar uma inspeção visual, para avaliar todos os aspectos físicos e fi tossanitários de cada árvore-alvo do trabalho e realizar o planejamento prévio das atividades. O arborista em treinamento também pode realizar este tipo de inspeção, desde que esteja sob supervisão direta de um arborista profissional.

Caso se constate a existência de alguma condição ou fator que requeira atenção além do escopo original do trabalho, é conveniente que esta condição ou fator seja reportado a um supervisor imediato, ao proprietário da árvore ou à pessoa responsável por autorizar a realização do trabalho. Devem ser utilizados equipamentos e práticas de trabalho que não danifiquem o tecido vivo e a casca além das especificações de trabalho. Ferramentas de impacto não podem ser usadas no corte final.

As ferramentas usadas para fazer os cortes de poda devem estar sempre afiadas e em perfeitas condições de uso.Esporas de escalada não podem ser usadas para poda de árvores, exceto quando: os galhos estiverem separados à distância maior que a linhada de arremesso e não houver alternativa de escalada da árvore; ou a casca for de espessura suficiente para prevenir danos ao câmbio.

A limpeza consiste em poda seletiva para remover galhos mortos, doentes ou quebrados. A localização e a variação de tamanho dos galhos a serem removidos devem ser especificadas. A desrama ou raleamento consiste em poda seletiva para reduzir a densidade de galhos vivos. Convém que a desrama ou raleamento resulte em distribuição equilibrada de ramos em galhos individuais, não comprometendo a estrutura da árvore.

Não é recomendado que se retire mais que 25 % do volume da copa que cresceu após a última poda. A localização e a variação de tamanho dos galhos, bem como o percentual de folhagem a serem removidos devem ser especificados. A elevação da copa consiste em poda seletiva para fornecer espaços verticais. Convém que a necessidade de espaço vertical, a localização e a variação de tamanho dos galhos a serem removidos sejam especificadas.

A redução consiste em poda seletiva para reduzir a altura e/ou a largura da copa e, por consequência, a área e o volume da copa, sempre obedecendo à arquitetura típica da espécie, buscando uma distribuição equilibrada de ramos. O galho deve ser podado junto a outro que tenha no mínimo 1/3 do seu diâmetro. Deve-se considerar a tolerância da espécie a esse tipo de poda.

Convém que sejam especificadas a localização e a variação de tamanho dos galhos a serem podados, bem como o espaço (desobstrução) a ser obtido com a poda. É recomendada a realização de poda de palmeiras quando fronde, infl orescências, frutos e pecíolos puderem criar uma condição de risco.

Não podem ser removidas frondes vivas e saudáveis que se iniciem em ângulo maior ou igual a 45° com o plano horizontal na base das frontes (ver Figura 1), exceto no caso de frondes em conflito com redes aéreas de serviços. Recomenda-se a retirada de folhas junto à base do pecíolo sem causar danos aos tecidos vivos do estipe. Recomenda-se que a descamação da palmeira (barba) seja feita pela remoção apenas das bases de frondes mortas no ponto onde elas entram em contato com o estipe, sem causar danos aos tecidos vivos (ver Figura 2).

poda1

poda2

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Facebook: http://www.facebook.com/#!/hayrton.prado

Skype: hayrton.prado1

Ano Novo, vida nova no trabalho

NORMAS COMENTADAS
NBR 14039 – COMENTADA
de 05/2005

Instalações elétricas de média tensão de 1,0 kV a 36,2 kV. Possui 140 páginas de comentários…

Nr. de Páginas: 87

Clique para visualizar a norma imediatamenteVisualizar já!

NBR 5410 – COMENTADA
de 09/2004

Instalações elétricas de baixa tensão – Versão comentada.

Nr. de Páginas: 209

Clique para visualizar a norma imediatamenteVisualizar já!

NBR ISO 9001 – COMENTADA (EM VÍDEO)
de 11/2008

Sistemas de gestão da qualidade – Requisitos. Versão comentada.

Nr. de Páginas: 28

Clique para visualizar a norma imediatamenteVisualizar já!

Com a chegada do novo ano, é comum refletir sobre o que vai bem e o que precisa ser modificado, inclusive na vida profissional. De acordo com o especialista em gestão do conhecimento nas organizações, escritor e professor Marcus Garcia, se existe uma desmotivação no trabalho, é hora de verificar o que pode melhorar ou buscar uma nova oportunidade. “Quando um profissional está desmotivado, é importante que ele perceba a causa e depois converse com o gestor para mostrar o seu descontentamento”, assegura ele.

Algumas situações que levam à falta de motivação, segundo o professor, são: falta de desafios no trabalho, insatisfação com o salário e quando o profissional não gosta da empresa, dos colegas, dos gestores ou do que faz. “A perda da motivação pode gerar desinteresse, cujas causas podem ser a falta de recursos básicos para exercer uma atividade, a rotina, a escolha errada pela profissão ou o pouco aproveitamento do potencial para uma atividade”, esclarece.

Para Marcus Garcia, o profissional precisa, primeiramente, saber se quer mudar e buscar soluções para o seu descontentamento. “Há aqueles que se motivam quando ocupam um posto de trabalho desejado ou fazem o que gostam, do jeito que gostam”, comenta. “Uma alternativa é se aperfeiçoar com treinamentos, cursos ou palestras. Ler sobre o trabalho que exerce para aprimorá-lo ou lançar desafios e metas também ajuda a se sentir motivado”, acrescenta.

O gestor pode ajudar um funcionário e evitar uma demissão. “Um dirigente precisa entender o real causa da desmotivação e, com isso, pode solucionar um conflito na empresa, verificar a possibilidade de um aumento de salário ou benefícios, reconhecer um bom trabalho e fazer o feedback, para melhorar as relações na empresa, a comunicação e o desempenho”, explica.

De acordo com o professor, ao conversar com o gestor é necessário agir com honestidade e ser objetivo. “Evite dar desculpas ou fazer ‘rodeios’ para dizer o que pretende. As razões para a falta de motivação devem ser apresentadas de forma clara, para que a resposta também seja honesta e objetiva. Se o retorno não for o esperado, recomendo rever o posicionamento no mercado”, sugere. “Nesta procura, a disponibilidade de emprego pode ser negativa por algum tempo, por isso, é preciso agir com cautela e pedir demissão quando uma nova colocação já estiver garantida”, aconselha.

Segundo Marcus Garcia, conflitos com o gestor devem ser evitados, mesmo que a conversa seja insatisfatória. “Profissionais com valores equivocados como aqueles que procuram motivos desonestos para processar a empresa, que criam situações para alcançar cargos melhores a qualquer preço e agem de má fé com colegas para obter ganhos, devem lembrar que na busca por uma nova oportunidade precisarão de referências”, alerta.