Consumidor: só compre berços infantis com a marca do Inmetro e que cumpram as normas técnicas

berçoSegundo o Inmetro, desde dezembro de 2012, os berços infantis devem ser fabricados e importados somente em conformidade com os requisitos aprovados pela Portaria 269/2011 e devidamente registrados no Inmetro. Para o comércio, o prazo terminou no dia 21 junho de 2014, quando somente os berços certificados deverão estar disponíveis para venda ao consumidor. Fabricantes, importadores e comerciantes que apresentarem produtos não conformes e sem o selo de identificação da conformidade estarão sujeitos às penalidades previstas na Lei.

No final de 2007, um teste realizado reprovou todos os berços disponíveis no mercado brasileiro. “Foram 11 marcas analisadas e 100% das amostras apresentaram algum tipo de problema. Por isso, incluímos o berço na lista de produtos que precisam de certificação compulsória”, cita Leonardo Rocha, chefe da Divisão de Regulamentação Técnica e Programas de Avaliação da Conformidade do Inmetro.

Para o Inmetro, há alguns cuidados que os pais devem ter ao escolher um berço: observar a presença do Selo de Identificação da Conformidade do Inmetro, que deve estar exposto no berço e na embalagem do produto após o prazo de adaptação ao regulamento; verificar se as bordas e partes salientes são arredondadas ou chanfradas e isentas de quaisquer rebarbas e arestas; rótulos e decalques colados não podem ser utilizados nas superfícies internas das laterais e extremidades do berço; uma vez dentro do berço, a criança não pode conseguir levantar a base do colchão ou a base do berço; as laterais móveis devem ser equipadas com um sistema de travamento; as instruções de uso devem estar em língua portuguesa; todos os berços devem ser permanentemente marcados com informações sobre a razão social, nome ou marca comercial registrada do fabricante, distribuidor ou varejista, juntamente com meios adicionais de identificação do produto; caso o colchão não seja uma parte integrante do berço, deverá existir uma marcação, na base do berço, recomendando o uso de colchões com espessura máxima permitida de 120mm conforme a NBR 13579-1.

Além disso, os produtos precisam cumprir obrigatoriamente duas normas. A NBR 15860-1 de 07/2010 – Móveis – Berços e berços dobráveis infantis tipo doméstico – Parte 1: Requisitos de segurança que especifica os requisitos de segurança de berços infantis para uso domestico com um comprimento interno superior a 900 mm, porém não superior a 1 400 mm. Os requisitos aplicam-se a um berço que é totalmente montado e pronto para uso. Convém que os berços que possam ser convertidos em outros itens, por exemplo, minicamas, cômodas, cercados, quando convertidos, atendam à Norma Brasileira relevante para esse item.Não se aplica a berços portáteis com alças para o qual existem normas específicas e não aplica a berços utilizados para fins hospitalares.

E a NBR 15860-2 de 07/2010 – Móveis – Berços e berços dobráveis infantis tipo doméstico – Parte 2: Métodos de ensaio que especifica os métodos de ensaio para avaliação da segurança de berços e berços dobráveis infantis para uso doméstico. Aplica-se a berços e berços dobráveis infantis com um comprimento interno superior a 960 mm, porém não superior a 1 488 mm. Não se aplica a berços portáteis com alças para os quais existem normas especificas; e não se aplica a berços utilizados para fins hospitalares.

De maneira geral, recomenda-se que o comprimento interno do berço seja entre 90 cm e 1,40 m. A altura mínima das grades laterais deve ser 60 cm. A distância entre as traves das grades deve ser entre 4 e 6 cm, e essas traves devem ser arredondadas. As grades precisam ficar permanentemente elevadas. A segunda parte do berço ideal é o que diz respeito ao uso do berço, isto é, os complementos que são instalados nele. Conforme recomendação da Sociedade Brasileira de Pediatria, o estrado deve ser de madeira e o colchão deve ser duro, plano, não deformável, feito de espuma, não plastificado, com densidade ideal D18.

São contraindicados todos os tipos de travesseiros, protetores laterais, almofadas, brinquedos, babá eletrônica e quaisquer outros objetos que fiquem soltos dentro do berço, uma vez que eles podem causam sufocação e estrangulamento. Os cobertores só devem ser usados quando estritamente necessários e, nesses casos, somente se deve cobrir o bebê do peito para baixo, prendendo firmemente a coberta nas laterais e nos pés do colchão, para evitar sufocação. Se possível, substituir as cobertas por macacões e pijamas inteiros com pezinhos.

Os brinquedos pendurados sobre o berço, como móbiles, precisam estar bem fixados na sua base a fim de evitar possíveis quedas sobre a criança. Além disso, é muito importante que a altura não permita que o bebê alcance os objetos, o que poderia trazer riscos de contusões e ferimentos sérios.

Por fim, outro aspecto fundamental é a posição do bebê, que deve ser sempre deitado de barriga para cima. Já existem diversos estudos científicos que puderam comprovar com muita clareza a redução do risco de morte súbita em crianças que dormem de barriga para cima. Por isso, a menos que haja alguma recomendação médica específica (no caso de algumas doenças gastrointestinais ou neurológicas, por exemplo), todo bebê deve dormir nessa posição.

É claro que são muitos detalhes. Mas todos eles são muito pequenos se comparados à gravidade dos acidentes que eles podem facilmente evitar. Por isso, é muito importante seguir as recomendações do pediatra, pois o conhecimento é a única forma de se garantir o melhor sono possível para os bebês.

A determinação é que os berços infantis devem ser certificados conforme diretrizes do Inmetro e receberão um selo de qualidade. A regulamentação tem como objetivo principal a prevenção de acidentes com crianças e bebês. A proposta de regulamentação dos produtos passou por uma consulta pública. As normas foram publicadas na portaria número 269 do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

O regulamento da certificação estabelece dois modelos distintos para obtenção e manutenção da autorização para o uso do selo de identificação da conformidade, cabendo ao fornecedor optar por um deles: modelo de certificação 5 que prevê ensaio de tipo, avaliação e aprovação do Sistema de Gestão da Qualidade do processo produtivo, acompanhamento através de auditorias no fabricante e ensaio em amostras retiradas alternadamente no comércio e no fabricante; e o modelo de certificação 7 que prevê ensaio de lote de produtos.

O poder da atitude: as cinco lições de excelência

NORMAS COMENTADAS

NBR 14039 – COMENTADA
de 05/2005

Instalações elétricas de média tensão de 1,0 kV a 36,2 kV. Possui 140 páginas de comentários…

Nr. de Páginas: 87

NBR 5410 – COMENTADA
de 09/2004

Instalações elétricas de baixa tensão – Versão comentada.

Nr. de Páginas: 209

NBR ISO 9001 – COMENTADA
de 11/2008

Sistemas de gestão da qualidade – Requisitos. Versão comentada.

Nr. de Páginas: 28

A Disney é uma das maiores empresas de entretenimento do mundo. E é nela que Alexandre Slivnik se baseia para elaborar suas palestras e seu livro. O objetivo é mostrar ao público como os segredos de Walt Disney podem ser aplicados a qualquer empresa para um atendimento excepcional. No livro O Poder da Atitude (Gente, 2012), Slivnik apresenta diversas ferramentas para que profissionais se tornem extraordinários. Entre seus conselhos, ele apresenta cinco lições de excelência, sendo que a primeira é utilizar a história da organização ao seu favor, criando uma conexão emocional com o público, para envolvê-los e fideliza-los.

Há um detalhe importante nesta primeira lição: o principal público que deve ser comovido com a história é o cliente interno. São os colaboradores que passarão a imagem da empresa para o cliente externo. Por isso, é importante passar a missão, visão e os valores para o colaborador, para que ele seja contagiado e trabalhe engajado.

A segunda lição é antecipar-se aos problemas – que são inevitáveis. Em uma empresa, todos são responsáveis pelo bom andamento dos procedimentos e, mesmo que não possa resolver alguma questão, deve assumi-la e procurar alguém qualificado para isso. O importante é que o cliente perceba que está sendo tratado de maneira adequada. Para descobrir os problemas, aconselha Alexandre, escute os clientes – internos e externos. Todos podem contribuir para melhorar o ambiente e antecipar potenciais problemas para encontrar soluções.

Em seguida, a terceira lição é sobre exceder as expectativas. Essa é uma das principais estratégias da Disney, de acordo com o autor. Oferecer um pouco mais do que o cliente espera e criar uma experiência inesquecível para ele pode ser um ponto crucial para que ele se torne fiel para voltar sempre e faça uma boa propaganda para seus conhecidos. Por isso, manter os colaboradores engajados e antecipando-os de problemas, eles terão autonomia para exceder a expectativa dos clientes, entregar mais do que se espera.

A quarta lição é sobre cuidar obsessivamente dos detalhes. Era assim que Walt Disney conseguia fazer a magia acontecer com sua equipe. Como ele queria que todos os dias fossem “dia de inauguração”, depois que os parques fecham, uma equipe de pintura entra em ação para repintar os ambientes. Outro exemplo de pequenos detalhes é que todos os personagens se abaixam para falar com as crianças, para criar um envolvimento maior.

A última das cinco lições é celebrar cada sucesso. Não importa a meta que a empresa tenha, seja ela pequena ou grande, é importante celebrar cada conquista. A alegria contagia e o sorriso abre portas. Todos os dias na Disney há uma celebração com queima de fogos. Isso porque todos os dias é dia de comemorar, pois o trabalho valeu a pena.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Facebook: http://www.facebook.com/#!/hayrton.prado

Skype: hayrton.prado1

1º Congresso de Acessibilidade, online e gratuito

Logosite_congresso_acessibilidade_012

O Congresso de Acessibilidade, idealizado pela consultora em acessibilidade e inclusão Dolores Affonso, será o primeiro congresso nacional da área a ser realizado de forma totalmente gratuita pela internet. O evento acontecerá entre os dias 21 e 27 de setembro de 2014, coincidindo com a comemoração do Dia Nacional de Luta pela Inclusão das Pessoas com Deficiência.

Tendo nascido de um sonho de um mundo melhor – mais inclusivo -, contará com renomados especialistas de diversas áreas: inclusão, diversidade, acessibilidade, saúde, relacionamento, carreira, empreendedorismo, direitos humanos, tecnologias de informação e comunicação, assistivas e para reabilitação, entre outros. Eles abordarão informações, conhecimentos e oportunidades que podem mudar a vida das pessoas com deficiência ou necessidades especiais. O evento poderá ser assistido por computadores, tablets e celulares. O site do congresso é acessível, oferecendo opções de aumento de fonte e de tradução de todo o conteúdo em Libras, além de, é claro, poder ser acessado pelos leitores de telas.

“Este será um evento sem precedentes no país, muito esperado pelos mais de 45 milhões de brasileiros com deficiência e pelos outros milhões com necessidades especiais que lutam por uma vida digna no Brasil. Tenho certeza de que este evento mudará a vida de milhares, quem sabe milhões de pessoas por todo Brasil. Ficar de fora é o mesmo que desistir da sua vida e de seus sonhos!”, diz Dolores Affonso, Diretora Executiva da Affonso e Araujo Consultoria, deficiente visual e idealizadora do Congresso de Acessibilidade.

Além de palestras e entrevistas, o congresso contará ainda com um espaço virtual para parceiros, com informações de contato de diversas organizações de apoio ao deficiente; empresas de recolocação, formação e capacitação profissional; empresas desenvolvedoras de tecnologias de informação e comunicação, assistivas e para reabilitação, sites de relacionamento, agências de turismo acessível, projetos de esporte adaptado, cultura acessível, arquitetura humanista, moda inclusiva e muito mais.

Público

O evento foi pensado para atender as necessidades de todos: pessoas com e sem deficiência e/ou necessidades especiais, pais, amigos e demais interessados no tema; educadores, instituições de ensino e empresas que precisam se tornar acessíveis e inclusivas; organizações não governamentais, órgãos e entidades públicas de apoio, profissionais da saúde, arquitetos, webdesigners, cuidadores, enfermeiros, profissionais da área de cultura, esporte e todos que precisam conhecer as necessidades especiais, expectativas, capacidades e potencial das pessoas com deficiência e suas reais possibilidades de participação na sociedade, para realizarem melhor suas atividades pessoais e profissionais.

Palestrantes e temas

Confira os convidados já confirmados e os assuntos que serão abordados nas palestras:

Ângela Teixeira (Universo Coaching): Achando a direção da sua carreira – transformando sonhos em realidade;

Cristiano Santos (Blog Eu tenho um filho especial): Autismo;

Dolores Affonso (Stargardt Brasil e FGV-Rio): 5 passos para superar a deficiência e mudar a sua vida!;

Euclides Colombo (CONACOMPE): Criando seu Futuro num mundo em transformAÇÃO;

George Lucena (GLucena Online) : SEO e Acessibilidade web (para empresas e profissionais web);

Henriette Delavechia (Blog Sua Coluna sem Dor): Viver sem dor;

Idelfonso Carvalho (SEMEPE e Portal Sim): Lei de cotas – a distância entre a teoria e a prática;

Léo Cabral: 7 passos para revolucionar a inclusão do deficiente na sociedade;

Lívia Hyppolito: Mude de carreira, mude de vida;

Lucélia Fernandes: Libras e a comunidade surda;

Margareth Signorelli (Conexão Coach): EFT – Técnica de acupuntura sem agulhas para dores e emoções;

Maurício Sampaio (Instituto de Coaching MS): Vocação – como fazer a escolha certa para sua vida profissional (direcionados a jovens);

Maxx Figueiredo (Par Especial): Relacionamento e sexualidade da pessoa com deficiência – mitos e verdades;

Neiva Nigres (Arquitetura Saudável): Arquitetura acessível – soluções simples de acessibilidade (foco nos idosos);

Patrícia Arakaki: Não quero sair do espelho! (motivação e superação);

Ricardo Piovan (Portal Fox): Empreendedorismo digital;

Rita Pereira (Consulta Grátis para concursos): 4 passos para passar num concurso público;

Sionara Carvalho (Portal Sim): Eu tenho um filho com deficiência (saúde mental das mães);

Tabata Contri e Carolina Ignarra (Talento Incluir): A importância de descentralizar a inclusão nas organizações (direcionado a empresas e profissionais de RH);

Thais Frota (AHU): Arquitetura Humanista: um novo olhar sobre a acessibilidade;

Valéria de Oliveira (Programa Rompendo Barreiras – Uerj): O desafio da educação inclusiva.

Além de todos esses profissionais, o evento contará com representantes dos projetos e políticas públicas de inclusão e entidades de apoio aos deficientes explicando sobre os direitos das pessoas com deficiência, programas, projetos e eventos, e muito mais. As pessoas, empresas e instituições que se interessarem em transformar vidas podem participar do congresso como parceiros, apoiadores, patrocinadores, fornecedores de brindes, divulgadores de produtos, entre outros. Para isso, entrem em contato com a idealizadora do evento Dolores Affonso (contato@congressodeacessibilidade.com).

Serviço

Evento: Congresso de Acessibilidade

Datas: De 21 a 27 de setembro de 2014

Local: Online

Preço: Gratuito

Inscrições e mais informações: www.congressodeacessibilidade.com e contato@congressodeacessibilidade.com

Por mais produtividade

Interpretação e Aplicações da Norma Regulamentadora Nº 13 com base na última revisão da NR 13 aprovada pela Portaria 594 de 28 de Abril de 2014 do M.T.E. – A partir de 3 x R$ 257,81 (56% de desconto)

NR 10 – Atendendo às exigências do Ministério do Trabalho – Reciclagem Obrigatória – A partir de 3 x R$ 264,00 (56% de desconto)

Entendimento da Norma BRC Food Safety – A partir de 3 x R$ 110,00 (56% de desconto)

Controle Integrado de Pragas – A partir de 3 x R$ 91,67 (56% de desconto)

Luiz Gonzaga Bertelli

Apesar de o Brasil colocar-se entre as nações mais industrializadas do planeta – atualmente é a 7.º colocada entre mais ricas – ainda está longe de ser considerada uma potência econômica. Um dos problemas diagnosticados por especialistas é a baixa produtividade. Um brasileiro trabalha por ano, em média, mais horas que franceses, italianos, suíços, alemães, noruegueses, dinamarqueses ou belgas, mas produz apenas um quarto do que os trabalhadores desses países, segundo dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Mesmo sendo considerados os mais produtivos, os americanos trabalham em média menos que os brasileiros. Enquanto nos Estados Unidos um profissional passa 1.790 horas por ano no trabalho, no Brasil esse número sobre para 2.032. No entanto, o brasileiro leva quase seis dias para realizar o que um americano faz em apenas um dia.

Geralmente, as nações mais pobres, defasadas do ponto de vista tecnológico, trabalham por mais tempo que os países mais desenvolvidos, como uma forma de compensar a falta de tecnologia por mão de obra barata. Enquanto no Brasil, os sindicatos lutam para a redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas, na Alemanha, por exemplo, a luta é para chegar a 35 horas, jornada já praticada em outras nações europeias, como Bélgica e França.

Um diagnóstico feito por especialistas mostra que a principal causa para essa produção desacelerada é a educação deficiente do brasileiro.  Apenas 43% dos adultos possuem o ensino médio, uma média bem menor que a encontrada nos países da Organização para a Cooperação de Desenvolvimento Econômico (OCDE). Entre os jovens de 25 a 34 anos, a situação não melhora muito: apenas 57% terminaram o ensino médio, ante 82% na comparação internacional.

É por causa de situações como essa que o CIEE, com experiência de 50 anos na inserção do jovem no mercado de trabalho, vem incentivando a educação e a formação profissional dos estudantes com o estágio e aprendizagem, a fim de melhorar as condições de trabalho e de vida para os futuros talentos. Mas também é preciso que o poder público priorize a educação para que a produtividade ganhe novos rumos. Só assim podemos sair dessa situação incômoda no mercado internacional.

Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

Siga o blog noTWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Facebook: http://www.facebook.com/#!/hayrton.prado

Skype: hayrton.prado1

Os vários ganhos da eficiência energética

CURSO TÉCNICO PELA INTERNET

Gestão de Energia – Implantação da Nova Norma NBR ISO 50001 – Disponível pela Internet – Ministrado em 09/09/2013

A Nova Norma deve conduzir as reduções nos custos, nas emissões de gases de efeito estufa e outros impactos ambientais através da gestão sistemática da energia.

Manuel Alves Filho

eficiência

O tema da eficiência energética vem ganhando importância em vários setores no Brasil, notadamente o industrial. A despeito disso, o número de empresas brasileiras do segmento que dispõem de sistemas e processos estruturados de gestão da energia ainda pode ser considerado tímido. Um exemplo disso é que aproximadamente dez empresas no país possuem seu Sistema de Gestão da Energia (SGE) certificado pela norma ISO 50001, concedida àquelas organizações que estabeleceram sistemas e processos para melhorar o desempenho energético, incluindo eficiência energética, e adotam boas práticas no uso e consumo de energia. Na Alemanha, para estabelecer um termo de comparação, são mais de 1.100 empresas. “Esses dados demonstram o universo de oportunidades que o tema oferece”, afirma o engenheiro mecânico Flávio Roberto Mathias, que acaba de defender dissertação de mestrado sobre diagnóstico energético e gestão da energia na Faculdade de Engenharia Mecânica (FEM) da Unicamp, sob a orientação do professor Sergio Bajay.

De acordo com Mathias, as medidas na área de eficiência energética são importantes por dois motivos especialmente. Primeiro, porque contribuem para a redução de custos, meta que está sempre sendo perseguida pelas empresas. Segundo, porque, integradas a outras boas práticas de gestão, ajudam a tornar a corporação mais competitiva e também contribuem para minimizar os impactos ambientais decorrentes dos processos de produção. Em sua dissertação, o engenheiro mecânico tomou como estudo de caso uma central petroquímica de primeira geração pertencente à Braskem, empresa com 12 anos de atividades e que conta com 36 unidades industriais, sendo 29 no Brasil, cinco nos Estados Unidos e duas na Alemanha. A planta analisada está instalada em São Paulo, na região do ABC.

O pesquisador explica que uma central petroquímica de primeira geração é aquela que produz, a partir da nafta ou do gás natural, produtos como eteno, propeno, butadieno e BTX, matérias-primas utilizadas pelo restante da cadeia petroquímica (plantas de segunda e terceira gerações) para a fabricação de resinas termoplásticas, elastômeros e bens industriais de consumo, incluindo utensílios plásticos, para ficar em poucos exemplos. Pela avaliação feita pelo autor da dissertação, ao comparar o consumo energético específico da planta analisada com o indicador de consumo da melhor tecnologia disponível no mercado (BAT – Best Available Technology) para a produção de eteno, esta unidade apresenta um potencial técnico médio de conservação de energia de 36,4% [entre 2009 e 2012]. “A unidade tem como melhorar o seu desempenho nessa área através da adoção de um conjunto de medidas que envolvem a identificação e correção de perdas energéticas, investimentos em novas tecnologias e a ampliação da cultura da conservação de energia entre seus integrantes e parceiros”, aponta.

As principais rotas tecnológicas que têm possibilitado ganhos de eficiência energética na indústria petroquímica envolvem processos de integração das unidades produtivas, cogeração, reciclagem e recuperação de calor. Mathias reforça que o tema eficiência energética se torna ainda mais importante quando a empresa consegue integrá-lo a outras iniciativas. Embora a gestão energética, por si somente, já traga vantagens, ela tende a potencializar os resultados gerais da corporação quando associada a outras boas práticas. No caso específico, a redução do consumo de energia concorre também para a melhoria do processo de produção. “Quando você melhora um indicador, ele afeta positivamente outros indicadores. Ou seja, quando processos, que estão obviamente ligados a um gerenciamento sustentável, são aperfeiçoados, os reflexos positivos são sentidos por outras áreas, como as de segurança, qualidade e meio ambiente”, exemplifica o autor da dissertação.

O engenheiro mecânico destaca que o seu estudo de caso teve como base um diagnóstico feito pela Braskem em 2012. O trabalho foi desenvolvido por funcionários da empresa, especialistas do Departamento de Energia do governo dos Estados Unidos e representantes de instituições convidadas, entre elas a Unicamp. O próprio Mathias participou do diagnóstico, como estudante de pós-graduação da Universidade. “Essa experiência foi muito valiosa, tanto para os integrantes da Braskem quanto para as instituições convidadas, que tiveram a oportunidade de acompanhar os especialistas durante o diagnóstico energético”, considera. Conforme Mathias, o propósito do diagnóstico era reduzir custos e melhorar o desempenho energético das plantas da Braskem.

A partir dos dados pesquisados, o autor da dissertação desenvolveu então uma metodologia voltada à gestão energética, acompanhada das estimativas de potenciais para ganhos de eficiência energética. “Vale ressaltar que hábitos podem e devem ser mudados com o objetivo de reduzir o consumo energético e eliminar os desperdícios de energia” pondera. Atualmente, prossegue Mathias, os investimentos em eficiência energética estão mais concentrados, no Brasil, no consumo de energia elétrica. “Aos poucos, porém, o tema começa a sensibilizar outros setores. E isso é fundamental que aconteça, notadamente na área industrial, que foi responsável por 35,1% da energia primária consumida no Brasil em 2012”, pontua o pesquisador.

Mathias contou com bolsa de estudos concedida pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), por meio da sua participação no projeto Eficind, coordenado pelo Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Energético (Nipe) da Unicamp, que entre outros objetivos inclui o mapeamento de tecnologias, processos e ações, para se estimar potenciais técnicos, econômicos e de mercado de eficiência energética nos setores industriais intensivos, que possam ser incorporados nos estudos de planejamento energético a longo prazo, executadas pelo governo federal.

Gigante do ramo

A Braskem foi formada em 2002, já como líder do setor petroquímico na América Latina. A empresa é controlada pela multinacional brasileira Odebrecht, que detém 50,1% das ações, e pela Petrobras, que possui outros 47%. A empresa soma 36 unidades industriais, sendo 29 delas no Brasil, cinco nos Estados Unidos e duas na Alemanha. No México, em associação com o grupo local Idesa, a Braskem está investindo no mais importante projeto petroquímico na América Latina, para produção de eteno e polietileno, que entrará em operação em 2015.

A empresa está entre as dez brasileiras com melhor resultado no Carbon Disclosure Project (CDP), ano-base 2011, pela transparência e qualidade do inventário de emissões de gases de efeito estufa. Em 2012, pelo segundo ano consecutivo, conquistou a categoria Ouro no Programa Brasileiro GHG Protocol e se manteve indexada ao Índice Carbono Eficiente (ICO2) da Bolsa de Valores de São Paulo. A atuação da Braskem em 2012 também lhe valeu o Prêmio Finep de Inovação Sustentável, pelo segundo ano consecutivo, na categoria Grande Empresa. Em 2013, a receita líquida da empresa foi de R$ 41 bilhões, o que representou um crescimento da ordem de 13% em relação ao ano anterior.

As orientações de como se fazer um contrato

COLETÂNEAS DE NORMAS TÉCNICAS

Realizar o sonho de abrir uma empresa está cada dia mais fácil. No entanto, manter uma sociedade de sucesso depende de regras claras e bem estabelecidas.

Abrir um negócio com um amigo é um sonho comum no país. Além do incontestável espírito empreendedor, o brasileiro possui duas características essenciais para o sucesso profissional: criatividade e persistência.

No entanto, para se tornar um empresário é preciso estar em dia com as obrigações fiscais e investir em um contrato claro, objetivo e consistente. “O contrato é a base de uma empresa, além de ser o documento que vai estabelecer as normas e regras entre os sócios. É necessário compreender a importância desse papel e a melhor forma de criá-lo”, revela Cristiano Xavier, sócio do Xavier Advogados.

Muitas pessoas acreditam que abrir uma empresa com um familiar, por exemplo, significa segurança e sucesso. Porém, na prática não funciona bem assim. “Não estamos falando de honestidade, mas de objetivos que podem se tornar diferentes ao longo da trajetória do negócio. Se isso não estiver claro e documentado, as discussões em defesa de cada um poderão acabar prejudicando os planos empresariais e a relação pessoal entre os envolvidos”, completa.

Outro ponto fundamental é o tipo de contrato estabelecido. Atualmente, as empresas de pequeno porte utilizam a sociedade limitada. “Nesse caso, a responsabilidade dos envolvidos fica limitada à participação no capital social”, diz. O Código Civil diz que nele devem constar as cláusulas que especifiquem a qualificação de cada sócio, além o capital social, o percentual de cada um, a sede, o prazo da união, entre outros.

“Os empresários podem incluir assuntos importantes como o que ocorrerá se um sócio falecer ou mesmo abandonar a sociedade. Além disso, também podem constar regras sobre os métodos de resolução de problemas”, acrescenta. Para Xavier, um contrato social é muito mais do que a constituição legal de uma empresa. “Quando duas ou mais pessoas decidem abrir um negócio juntos, precisam estar cientes de que a amizade não sustenta o desgaste natural que o mercado e a competitividade provocam”, finaliza.

Consultoria: clientes competentes = consultores competentes

CURSO SOBRE O 5 S PELA INTERNET

5S – A Base para a Qualidade Total – Disponível pela Internet – Ministrado em 27/09/2013

As dicas para o sucesso do 5S em sua empresa.

Auditorias de 5S – Disponível pela Internet – Ministrado em 03/10/2013

Conheça o método eficaz para fazer auditorias de 5S em sua empresa.

Curso Básico de 5S – Disponível pela Internet – Ministrado em 27/09/2013

Conheça o método para a mudança Cultural em uma empresa.

L.A. Costacurta Junqueira

Fala-se e cobra-se muito e com razão sobre a competência dos consultores no mercado de T&D. O pano de fundo desse artigo é analisar no que o cliente pode ajudar o consultor a ser, ainda mais, competente.  Estamos tratando, portanto, da competência do cliente.

Perguntamos a dez consultores que trabalham no segmento de T&D há mais de dez anos; “O que o cliente poderia fazer para ajudá-lo a fazer o melhor trabalho possível”? As respostas de todos eles apresentaram uma semelhança bastante grande.

Eis o que obtivemos:

· Nos contatos para definição dos serviços e na elaboração da proposta deveriam estar sempre presentes, no mesmo contato, quem procura o consultor (normalmente RH ou T&D), bem como os executivos da área cliente (para quem vai ser feito o trabalho, o cliente final).

· As pessoas que contatam o consultor devem ser, de preferência, aquelas que têm competência (pelo menos técnica) para aprovar o trabalho.

· Se a proposta deve necessariamente incluir nomes de consultores específicos, deixar isso claro no primeiro contato; isso vale para qualquer outra pré-condição, pois “as regras do jogo” devem ser definidas antes de seu inicio.

· Liberar o consultor para contatos posteriores (na preparação da proposta) com a área cliente. Ciumeiras à parte a experiência mostra que, em certos casos, o cliente final pode querer com o consultor, sem a presença de RH ou T&D.

· Procurar definir efetivamente o que deve conter a proposta, quais as expectativas consensadas e resultados esperados, qualitativa e quantitativamente. Colocar o preço como valor maior é extremamente perigoso (como se fosse possível definir o preço antes de se definir o trabalho).

· Sempre dar feedback ao consultor sobre a proposta enviada, seja ela vencedora ou não. Se o consultor sabe que, perdendo ou ganhando ele vai saber o “porquê” disso ter acontecido, certamente passará a respeitar mais o cliente.

· Se datas foram reservadas e a consultoria não foi a vencedora, ou se, por qualquer razão, houve mudança nos planos, liberá-las, de imediato, para o consultor é uma questão de gentileza.

· Todos os trabalhos quase sempre possuem três etapas: planejamento, execução, avaliação. Especialmente quando se trata de treinamento, alguns clientes solicitam propostas apenas para a etapa execução (o seminário, a palestra etc.). A ideia é que haja disposição de se reservar uma pequena verba para o planejamento (customização, metas, indicadores etc.) e para a avaliação de resultados.

· Respeitar o tempo do consultor e cobrar a reciprocidade; nenhum lado é mais importante do que o outro.

· No convívio, durante o trabalho, adotar uma postura de controle de resultados, finalística; controles processuais tais como tempo, presença etc., não costumam ser benéficos para as relações e poucos contribuem para o melhor entendimento entre as partes.

· Toda e qualquer avaliação do trabalho do consultor deveria ser global, isto é, ouvidos todos os interessados no resultado: RH, cliente final, executivos envolvidos, etc. Se houver discrepância, que se promova o consenso. É complicado dar um feedback positivo ou negativo quando esse retorno não representa o ponto de vista de todos “atores” do processo.

· Consultores gostam de feedback, especialmente quando estes os ajudam a serem proativos. É sempre bom lembrar alguns facilitadores da aceitação do feedback: quantificação, exemplificação do problema, privacidade, desejo sincero de colaboração etc.

Como pôde ser observado, a qualidade do trabalho do consultor depende, também, da competência do cliente.

L.A. Costacurta Junqueira é CEO do Instituto MVC, autor de 11 livros, entre eles “Negociação – Tecnologia e Comportamento”.

Restrição e melhoria

TRAGÉDIAS, CRIMES E PRÁTICAS INFRATIVAS DECORRENTES DA NÃO OBSERVÂNCIA DE NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS – NBR

R$ 63,90

Capa da publicação E1324

Essa publicação aborda, através da apresentação de casos reais, como o cumprimento de normas técnicas NBR – ABNT está diretamente ligado à segurança, à saúde e à qualidade de vida em nosso dia a dia. O autor explica de forma prática, e infelizmente mostrando tragédias, como as normas técnicas estão presentes no nosso cotidiano. Elas devem ser levadas a sério quanto à sua observância obrigatória e o poder público precisa fazer gestão para fomentar esse cumprimento por parte da sociedade produtiva e de serviço. Mais informações e compra, acesse o link https://www.target.com.br/livros/target/livro_2013.aspx

Eduardo C. Moura

“Somente a partir da identificação de imperfeições é que poderemos conceber formas de melhorar.” (Eli Goldratt)

Todos queremos melhorar. Jamais encontrei alguém que fosse contra a melhoria (embora possa haver forte discordância quanto à forma de fazê-lo). Portanto, é muito comum que as empresas se envolvam na implementação de sugestões de melhoria, nas mais diversas atividades: alguém tem uma idéia de como melhorar um processo, desenvolver um novo produto, disparar um projeto estratégico, etc. E a partir da idéia proposta, mobilizam-se recursos e dedica-se tempo à execução da idéia.

Mas, na maioria dos casos o resultado final deixa a desejar, e não raras vezes gera conseqüências negativas que chegam a superar os eventuais benefícios. Apesar desta formulação ser bem genérica, acredito que você possa dar algum exemplo específico que tenha vivido na prática. Como diz o ditado, o inferno está cheio de boas intenções…

Sempre há dificuldades quando buscamos melhorias. É natural que o fracasso às vezes ocorra e, quando ocorre, pode ter um importante efeito didático. Mas se as dificuldades e fracassos tornam-se a regra, em vez da exceção, é hora de perguntar “por que?”. Por que é que isto ocorre com tanta freqüência? Vejamos algumas justificativas típicas, normalmente oferecidas após o fato, sobre o leite derramado: “é que não usamos um método estruturado”; “não foi identificada a causa raiz”, “faltou liderança”, “faltou um controle mais rigoroso”, “não contamos com os recursos necessários”, “não tivemos tempo suficiente”… Mas já vi vários casos em que foi usada uma metodologia, foi feita uma boa análise de causas, houve todo o apoio e controle necessário, e mesmo assim o fracasso veio.

Por que? Talvez a resposta esteja na história da caneta espacial: dizem que a NASA investiu uma soma considerável de dinheiro para desenvolver uma caneta que pudesse escrever no espaço, na ausência de gravidade. Porém os russos já haviam resolvido o problema muito tempo antes: eles usavam lápis! Quer dizer: o verdadeiro problema não era “desenvolver a caneta espacial” e sim “escrever no espaço”… Moral da história: desde o início, assegure-se de haver escolhido o problema correto a ser resolvido.

Mas qual critério devemos utilizar para escolher o problema correto? É aí que a frase de Goldratt mostrada no início pode nos ajudar. Aparentemente, a frase transmite uma atitude reativa. Alguém poderia contra-argumentar: “Devemos olhar o lado positivo das coisas. Partir das imperfeições somente nos levará a remediar a situação. Sejamos proativos!”.

Há porém alguns pontos que devemos esclarecer para entender bem o que Mr. Eli disse. Em primeiro lugar, a verdadeira melhoria é aquela que melhora o desempenho global (a meta do sistema) em algum aspecto relevante. Se consideramos as “melhorias” de maneira isolada e pontual, o mais provável é que sejam contraproducentes e, portanto, “não-melhorias”.

Logo, para definir o tema correto a ser atacado, é indispensável partir da visão sistêmica, considerando a empresa como um todo. Em segundo lugar, quando olhamos globalmente o sistema complexo que é a empresa, devemos reconhecer que nem tudo é igualmente importante. Necessariamente, num dado momento, o cumprimento da meta do sistema estará limitado por alguns poucos fatores críticos, talvez apenas um: a restrição do sistema (o elo mais fraco da cadeia). E aí está o problema correto a ser resolvido: a imperfeição ou limitação sistêmica que nos impede de obter mais da meta que buscamos para a empresa.

Se partimos do problema equivocado, ainda que realizemos uma implementação perfeita, seguramente o resultado será irrelevante ou até prejudicial. Mas quando identificamos o problema correto, ainda que a solução seja implementada com certas deficiências ou lacunas, o resultado será expressivo.

Portanto, a próxima vez que lhe ocorrer uma ideia ou alguém lhe propuser uma melhoria, considere antes de mais nada a seguinte pergunta: OK. Esta é a solução, mas… qual é o problema? E tratem de identificar o problema central.

Eduardo Moura é diretor da Qualiplus Excelência Empresarial – emoura@qualiplus.com.br

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Facebook: http://www.facebook.com/#!/hayrton.prado

Skype: hayrton.prado1

Saúde, educação e família

ACERVO DE NORMAS TÉCNICAS

Controlar e manter o seu acervo de normas técnicas e de documentos internos e externos sempre atualizados e disponíveis para compartilhamento entre todos os usuários é hoje um grande desafio em diversas organizações por envolver a dedicação e o esforço de vários profissionais. As Normas de Sistemas da Qualidade – série ISO 9000, são rigorosas quanto aos critérios de controle, atualização e disponibilização de documentos corporativos aos seus usuários. Tanto os documentos de origem interna como externa, devem ser controlados para evitar a utilização de informações não-válidas e/ou obsoletas, cujo uso pode trazer sérios problemas aos sistemas, produtos e negócios da empresa. É por isso que a Target Engenharia e Consultoria desenvolveu Sistemas que gerenciam e controlam estes documentos de forma rápida, ágil e segura, facilitando o acesso à informação e ajudando os seus clientes a garantirem suas certificações.

Target GEDWeb
O Target GEDWeb – Gerenciador Eletrônico de Documentos via Web da Target – é o único Portal Corporativo no mercado que possibilita o gerenciamento de grandes acervos…

Portal de Normas
Inclua Normas Técnicas Brasileiras em sua Biblioteca Técnica Digital com um simples clique

Normas.com.br
O normas.com.br é a solução mais fácil para você buscar, visualizar e controlar Normas Técnicas NBR, regulamentos técnicos e a várias outras informações técnicas restritas.

Ruy Martins Altenfelder Silva

Já há algum tempo especialistas vêm apontando a saúde dos adolescentes como um dos desafios para a realidade deste novo milênio. Trata-se do grupo etário de 1,2 milhão de pessoas (um em cada seis habitantes do mundo) talvez mais vulnerável à mudança global de valores que acompanha os novos cenários econômicos e sociais, que se sucedem cada vez mais velozmente. Desemprego, exigências mais rigorosas para acesso ao mercado de trabalho, urbanização, migrações, acelerada evolução tecnológica e choques culturais estão entre os fatores que provocam forte impacto na formação das novas gerações, num processo de difícil acompanhamento e mesmo percepção por parte de pais, professores e outros adultos que com elas convivem.

Em época nenhuma foi muito tranquila a transição da infância para a idade adulta, sempre uma fase complexa de desenvolvimento fisiológico e psicológico. Mas, atualmente e em especial nos países emergentes, os adolescentes enfrentam cargas adicionais. No Brasil, por exemplo, boa parcela deles vivenciam transformações profundas na vida pessoal e familiar, decorrentes da ascensão social, maior acesso à educação e maior poder de consumo.

Até aqui pouco estudado, o novo cenário vem despertando a atenção de especialistas e motivou, pela primeira vez, um relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS) que colheu dados de 109 países para identificar as principais causas de doenças e mortes de pessoas entre 10 e 19 anos em todo o mundo. O suicídio aparece como terceira causa das 1,3 milhão dos óbitos. À frente estão: acidentes de trânsito, com 330 mortes por dia, e a Aids, que após alguns anos de queda volta a crescer, atingindo mais de 2 milhões de adolescentes – uma elevação creditada ao aumento dos casos nos países africanos, enquanto Europa e Américas registram queda.

O mesmo relatório aponta a depressão como a grande causa de doenças e inaptidão nessa faixa etária. Entre os principais fatores desse cenário, estão as mudanças na expectativa de vida, a falta de perspectiva de futuro, o aumento no uso de drogas e a violência. “Os dados são realmente preocupantes, mas não surpreendem quem está, na prática, atendendo a essa população, pois a depressão, muitas vezes, está associada a outros problemas mentais mais graves – como dependência química ou transtorno de conduta –, casos em que aspectos emocionais ou alterações próprias da depressão não são investigados”, afirma o psiquiatra Miguel Boarati, coordenador do Ambulatório do Programa de Transtornos do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo, em reportagem no Correio Braziliense.

Muitas vezes o próprio adolescente não tem percepção ou consciência de que as mudanças comportamentais podem estar ligadas a quadros depressivos e que estes podem ser tratados. E, pior, pais e professores também padecem dessa falta de percepção e de conhecimento, confundindo tais problemas com a natural crise existencial do jovem.  Mas, como alerta Boarati, não há melhora espontânea do quadro depressivo, cujo tratamento chega a envolver várias especialidades, incluindo terapia de família, o que pode encarecer seus custos e tornar-se um obstáculo à sua realização.

Embora não seja solução para reduzir o alto número de mortes no trânsito, o aumento dos casos de Aids e a elevada incidência de suicídios, a educação pode prestar significativa contribuição para atenuar tais ameaças à vida e à saúde dos adolescentes. Sem falar numa forte política pública a ser lançada nesse sentido, as ações preventivas devem fazer parte da programação, regular ou extracurricular, das escolas, envolvendo familiares e educadores.

Também as empresas e entidades sociais voltadas à juventude devem incluir esse tema em seus programas de qualidade de vida para colaboradores e nas ações externas de responsabilidade social que promovem. O Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) – que há décadas realiza programas de prevenção ao uso de drogas nas escolas, palestras sobre saúde (prevenção de aids, doenças sexualmente transmissíveis, gravidez na adolescência, etc.) entre estudantes do ensino médio e superior – é testemunha de que tais ações encontram grande receptividade entre jovens, pais, educadores e comunidades carentes. Isso além de atuar como agente que facilita a preparação e o acesso dos jovens ao mercado de trabalho, por meio do estágio e da aprendizagem profissional.

Essa é a contribuição que o CIEE já presta – e pretende continuar intensificando –, ao se antecipar à recomendação de  Flávia Bustreo, subdiretora geral para a saúde das mulheres e das crianças da OMS: “Esperamos que esse documento consiga provocar mais atenção à saúde das pessoas que têm entre 10 e 19 anos e que sirva para desencadear uma ação acelerada sobre seus problemas”.

Ruy Martins Altenfelder Silva é presidente do Conselho de Administração do CIEE e da Academia Paulista de Letras Jurídicas.

Meio ambiente e empresas sustentáveis

COLETÂNEA DE NORMAS TÉCNICAS AMBIENTAIS

Coletânea Série Sistema de Gestão Ambiental

Coletânea Digital Target com as Normas Técnicas, Regulamentos, etc, relacionadas à Sistema de Gestão Ambiental!
Saiba mais

Cada vez mais as empresas precisam ter consciência de seu papel no processo de preservação do planeta. Práticas simples podem ser adotadas diariamente para que um futuro melhor seja possível.

Medidas como redução do consumo de energia e água já podem ser um bom começo para as organizações que querem adotar esses princípios sustentáveis. “Existe a possibilidade de adequar produtos e processos que sejam ambientalmente sustentáveis sem perder competitividade. O desenvolvimento econômico é fundamental, mas é possível realizar um bom trabalho respeitando a natureza”, afirma Rafael Goelzer, diretor da Quinta da Estância.

Para Goelzer, a gestão ambiental faz parte da cultura da instituição desde as atitudes mais simples até os deveres mais complexos. “Acreditamos na mudança de consciência que nos leva a pensar e aceitar outras formas de viver o presente pensando no futuro. Na semana do meio ambiente, nada mais justo que colocar em prática os nossos planos”, diz.

Para as empresas, cuidados básicos podem fazer toda a diferença e ainda diminuir efetivamente gastos mensais. “A impressão de papeis é um grande problema, pois se faz necessário que eles estejam fisicamente na mesa. O ideal é evitar utilizar folhas que não sejam ecológicas e tintas à base de soja. Procurar reutilizar, sempre imprimindo dos dois lados ao invés de colocar no lixo, também é uma solução”, conta. Outra dica importante é usar equipamentos de forma consciente e eficiente, sempre lembrando de não deixar os aparelhos eletrônicos em stand-by, pois gastam energia mesmo quando es tão aparentemente desligados.

As empresas precisam separar o lixo que pode ser reciclado do lixo orgânico.  Como o maior causador da degradação do meio ambiente, ele demanda tempo e paciência para se tornar sustentável. No entanto, os benefícios são muitos e vale a pena o pequeno esforço. “Essa é uma das melhores formas de economizar dinheiro e ainda reduzir o volume que chega todos os dias nos aterros. Sobre a decoração no ambiente, caso a troca de móveis seja necessária, vale investir em materiais reciclados, madeiras certificadas ou artigos que causem baixo impacto”, conclui.

Para as empresas que já praticam essas ações, avançar nos processos ecológicos pode demonstrar um engajamento extra e aumentar seu comprometimento com o futuro do planeta. Um grande exemplo disso está no esforço em buscar alternativas para reduzir os impactos.

Para começar, Goelzer indica que os empresários procurem se informar sobre quanto a empresa emite durante suas atividades diárias e quantas árvores seriam necessárias para neutralizar todo o carbono lançado na atmosfera. “Existem formas possíveis de amenizar isso e que são de grande valia para o futuro do meio ambiente”, afirma.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Facebook: http://www.facebook.com/#!/hayrton.prado

Skype: hayrton.prado1