1º Congresso de Acessibilidade, online e gratuito

Logosite_congresso_acessibilidade_012

O Congresso de Acessibilidade, idealizado pela consultora em acessibilidade e inclusão Dolores Affonso, será o primeiro congresso nacional da área a ser realizado de forma totalmente gratuita pela internet. O evento acontecerá entre os dias 21 e 27 de setembro de 2014, coincidindo com a comemoração do Dia Nacional de Luta pela Inclusão das Pessoas com Deficiência.

Tendo nascido de um sonho de um mundo melhor – mais inclusivo -, contará com renomados especialistas de diversas áreas: inclusão, diversidade, acessibilidade, saúde, relacionamento, carreira, empreendedorismo, direitos humanos, tecnologias de informação e comunicação, assistivas e para reabilitação, entre outros. Eles abordarão informações, conhecimentos e oportunidades que podem mudar a vida das pessoas com deficiência ou necessidades especiais. O evento poderá ser assistido por computadores, tablets e celulares. O site do congresso é acessível, oferecendo opções de aumento de fonte e de tradução de todo o conteúdo em Libras, além de, é claro, poder ser acessado pelos leitores de telas.

“Este será um evento sem precedentes no país, muito esperado pelos mais de 45 milhões de brasileiros com deficiência e pelos outros milhões com necessidades especiais que lutam por uma vida digna no Brasil. Tenho certeza de que este evento mudará a vida de milhares, quem sabe milhões de pessoas por todo Brasil. Ficar de fora é o mesmo que desistir da sua vida e de seus sonhos!”, diz Dolores Affonso, Diretora Executiva da Affonso e Araujo Consultoria, deficiente visual e idealizadora do Congresso de Acessibilidade.

Além de palestras e entrevistas, o congresso contará ainda com um espaço virtual para parceiros, com informações de contato de diversas organizações de apoio ao deficiente; empresas de recolocação, formação e capacitação profissional; empresas desenvolvedoras de tecnologias de informação e comunicação, assistivas e para reabilitação, sites de relacionamento, agências de turismo acessível, projetos de esporte adaptado, cultura acessível, arquitetura humanista, moda inclusiva e muito mais.

Público

O evento foi pensado para atender as necessidades de todos: pessoas com e sem deficiência e/ou necessidades especiais, pais, amigos e demais interessados no tema; educadores, instituições de ensino e empresas que precisam se tornar acessíveis e inclusivas; organizações não governamentais, órgãos e entidades públicas de apoio, profissionais da saúde, arquitetos, webdesigners, cuidadores, enfermeiros, profissionais da área de cultura, esporte e todos que precisam conhecer as necessidades especiais, expectativas, capacidades e potencial das pessoas com deficiência e suas reais possibilidades de participação na sociedade, para realizarem melhor suas atividades pessoais e profissionais.

Palestrantes e temas

Confira os convidados já confirmados e os assuntos que serão abordados nas palestras:

Ângela Teixeira (Universo Coaching): Achando a direção da sua carreira – transformando sonhos em realidade;

Cristiano Santos (Blog Eu tenho um filho especial): Autismo;

Dolores Affonso (Stargardt Brasil e FGV-Rio): 5 passos para superar a deficiência e mudar a sua vida!;

Euclides Colombo (CONACOMPE): Criando seu Futuro num mundo em transformAÇÃO;

George Lucena (GLucena Online) : SEO e Acessibilidade web (para empresas e profissionais web);

Henriette Delavechia (Blog Sua Coluna sem Dor): Viver sem dor;

Idelfonso Carvalho (SEMEPE e Portal Sim): Lei de cotas – a distância entre a teoria e a prática;

Léo Cabral: 7 passos para revolucionar a inclusão do deficiente na sociedade;

Lívia Hyppolito: Mude de carreira, mude de vida;

Lucélia Fernandes: Libras e a comunidade surda;

Margareth Signorelli (Conexão Coach): EFT – Técnica de acupuntura sem agulhas para dores e emoções;

Maurício Sampaio (Instituto de Coaching MS): Vocação – como fazer a escolha certa para sua vida profissional (direcionados a jovens);

Maxx Figueiredo (Par Especial): Relacionamento e sexualidade da pessoa com deficiência – mitos e verdades;

Neiva Nigres (Arquitetura Saudável): Arquitetura acessível – soluções simples de acessibilidade (foco nos idosos);

Patrícia Arakaki: Não quero sair do espelho! (motivação e superação);

Ricardo Piovan (Portal Fox): Empreendedorismo digital;

Rita Pereira (Consulta Grátis para concursos): 4 passos para passar num concurso público;

Sionara Carvalho (Portal Sim): Eu tenho um filho com deficiência (saúde mental das mães);

Tabata Contri e Carolina Ignarra (Talento Incluir): A importância de descentralizar a inclusão nas organizações (direcionado a empresas e profissionais de RH);

Thais Frota (AHU): Arquitetura Humanista: um novo olhar sobre a acessibilidade;

Valéria de Oliveira (Programa Rompendo Barreiras – Uerj): O desafio da educação inclusiva.

Além de todos esses profissionais, o evento contará com representantes dos projetos e políticas públicas de inclusão e entidades de apoio aos deficientes explicando sobre os direitos das pessoas com deficiência, programas, projetos e eventos, e muito mais. As pessoas, empresas e instituições que se interessarem em transformar vidas podem participar do congresso como parceiros, apoiadores, patrocinadores, fornecedores de brindes, divulgadores de produtos, entre outros. Para isso, entrem em contato com a idealizadora do evento Dolores Affonso (contato@congressodeacessibilidade.com).

Serviço

Evento: Congresso de Acessibilidade

Datas: De 21 a 27 de setembro de 2014

Local: Online

Preço: Gratuito

Inscrições e mais informações: www.congressodeacessibilidade.com e contato@congressodeacessibilidade.com

Anúncios

Por mais produtividade

Interpretação e Aplicações da Norma Regulamentadora Nº 13 com base na última revisão da NR 13 aprovada pela Portaria 594 de 28 de Abril de 2014 do M.T.E. – A partir de 3 x R$ 257,81 (56% de desconto)

NR 10 – Atendendo às exigências do Ministério do Trabalho – Reciclagem Obrigatória – A partir de 3 x R$ 264,00 (56% de desconto)

Entendimento da Norma BRC Food Safety – A partir de 3 x R$ 110,00 (56% de desconto)

Controle Integrado de Pragas – A partir de 3 x R$ 91,67 (56% de desconto)

Luiz Gonzaga Bertelli

Apesar de o Brasil colocar-se entre as nações mais industrializadas do planeta – atualmente é a 7.º colocada entre mais ricas – ainda está longe de ser considerada uma potência econômica. Um dos problemas diagnosticados por especialistas é a baixa produtividade. Um brasileiro trabalha por ano, em média, mais horas que franceses, italianos, suíços, alemães, noruegueses, dinamarqueses ou belgas, mas produz apenas um quarto do que os trabalhadores desses países, segundo dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Mesmo sendo considerados os mais produtivos, os americanos trabalham em média menos que os brasileiros. Enquanto nos Estados Unidos um profissional passa 1.790 horas por ano no trabalho, no Brasil esse número sobre para 2.032. No entanto, o brasileiro leva quase seis dias para realizar o que um americano faz em apenas um dia.

Geralmente, as nações mais pobres, defasadas do ponto de vista tecnológico, trabalham por mais tempo que os países mais desenvolvidos, como uma forma de compensar a falta de tecnologia por mão de obra barata. Enquanto no Brasil, os sindicatos lutam para a redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas, na Alemanha, por exemplo, a luta é para chegar a 35 horas, jornada já praticada em outras nações europeias, como Bélgica e França.

Um diagnóstico feito por especialistas mostra que a principal causa para essa produção desacelerada é a educação deficiente do brasileiro.  Apenas 43% dos adultos possuem o ensino médio, uma média bem menor que a encontrada nos países da Organização para a Cooperação de Desenvolvimento Econômico (OCDE). Entre os jovens de 25 a 34 anos, a situação não melhora muito: apenas 57% terminaram o ensino médio, ante 82% na comparação internacional.

É por causa de situações como essa que o CIEE, com experiência de 50 anos na inserção do jovem no mercado de trabalho, vem incentivando a educação e a formação profissional dos estudantes com o estágio e aprendizagem, a fim de melhorar as condições de trabalho e de vida para os futuros talentos. Mas também é preciso que o poder público priorize a educação para que a produtividade ganhe novos rumos. Só assim podemos sair dessa situação incômoda no mercado internacional.

Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

Siga o blog noTWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Facebook: http://www.facebook.com/#!/hayrton.prado

Skype: hayrton.prado1