Ergonomia: muito além do mobiliário

NORMAS COMENTADAS

NBR 14039 – COMENTADA
de 05/2005

Instalações elétricas de média tensão de 1,0 kV a 36,2 kV. Possui 140 páginas de comentários…

Nr. de Páginas: 87

NBR 5410 – COMENTADA
de 09/2004

Instalações elétricas de baixa tensão – Versão comentada.

Nr. de Páginas: 209

NBR ISO 9001 – COMENTADA
de 11/2008

Sistemas de gestão da qualidade – Requisitos. Versão comentada.

Nr. de Páginas: 28

ergonomiaAmbiente de trabalho precisa oferecer atmosfera saudável aos colaboradores

Com um conceito bem mais abrangente do que muita gente visualiza, a ergonomia visa proporcionar o máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente aos colaboradores. Para ser considerado ergonômico não basta apenas um mobiliário adequado, é preciso que o ambiente de trabalho esteja totalmente adaptado às características psicológicas e também fisiológicas dos trabalhadores. Por esse motivo, questões como materiais, ruído, iluminação, vibrações, ambiente térmico, duração da tarefa, horários das pausas, modelo de treinamento e aprendizagem, são parâmetros levados em conta na análise de risco ergonômico.

No Brasil, a NR 17 é a norma reguladora que abrange todas as questões relacionadas ao tema. Segundo ela, cabe ao empregador oferecer aos seus colaboradores, no mínimo, as condições de trabalho estabelecidas na legislação. “Todas as empresas, independente do porte e das atividades exercidas, precisam estar em conformidade com a NR 17. Quando pensamos em ergonomia, devemos considerar tudo o que sobrecarrega o corpo humano. O mercado de trabalho precisa se adequar para oferecer condições saudáveis para seus colaboradores”, explica Janaína Abou-Rejale, fisioterapeuta do trabalho e ergonomista do Imtep Saúde Empresarial..

O descumprimento das exigências da NR 17 pode ocasionar em multas e processos trabalhistas. Os órgãos públicos, como a Vigilância Sanitária e o Ministério do Trabalho, são responsáveis por fiscalizar e solicitar, quando necessário, a análise ergonômica do ambiente de trabalho. “Muitas vezes vemos que as empresas dispõem de todos os materiais necessários para o atendimento da norma, como os apoios para pés, tão populares nos escritórios.

Porém os próprios colaboradores por desconhecimento ou desinteresse utilizam o mobiliário de forma incorreta. É preciso que os profissionais levem a sério as orientações, que zelem por sua saúde e que busquem refletir sobre as consequências que essas negligências podem trazer a curto e longo prazo”, explica a ergonomista. Uma gestão do capital humano voltada para a conscientização e prevenção pode auxiliar no aumento da adesão as medidas de confortabilidade.

Entre as vantagens de um ambiente ergonomicamente confortável estão a otimização do desempenho profissional, a diminuição da ocorrência de doenças ocupacionais, redução de ações trabalhistas, do estresse ocupacional, das faltas e a conformidade com a legislação trabalhista. “Existem várias soluções simples e econômicas que podem transformar o local de trabalho em um ambiente adequado. O ideal é sempre buscar a orientação de um especialista”, finaliza.

 

No escritório: Na indústria: Dicas:
  • Sempre que o trabalho puder ser executado na posição sentada, o posto de trabalho deve ser planejado ou adaptado para esta posição.
  • Bancadas, mesas, escrivaninhas e os painéis devem proporcionar ao trabalhador condições de boa postura, visualização e operação.
  • Os assentos utilizados nos postos de trabalho devem possuir altura ajustável à estatura do trabalhador e à natureza da função exercida.
  • Nas atividades que exijam sobrecarga muscular estática ou dinâmica do pescoço, ombros, dorso e membros devem ser incluídas pausas para descanso.
  • Não deverá ser exigido nem admitido o transporte manual de cargas, por um trabalhador cujo peso seja suscetível de comprometer sua saúde ou sua segurança.
  • Para as atividades em que os trabalhos são realizados em pé, devem ser colocados assentos para descanso em locais de circulação dos trabalhadores durante as pausas.
  • Educar e orientar os colaboradores em relação a boa postura com cartazes educativos e instruções constantes.
  • Substituir sacas pesadas por sacas mais leves.
  • Implantar pausas para recuperação da fadiga.
  • Treinar os colaboradores em diversas tarefas, o que permite um trabalho em sistema de rodízio.
  • Baseado na altura do colaborador, regular a altura do monitor de vídeo e da bancada de trabalho.
  • Evitar horas extras.
  • Ter profissionais suficientes para suprir as faltas e épocas de grande produção.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: