As normas técnicas para as telhas de fibrocimento

emkt_abqeventos_102014_03

Mais informações: http://www.abqeventos.org.br/

A cobertura em uma edificação tem a função de garantir proteção contra a chuva, ventos e insolação. Na elaboração de um projeto arquitetônico, a definição do tipo de cobertura que será utilizada e sua forma deve ser umas das primeiras preocupações. Seu custo normalmente varia entre 8% a 12% do custo total da obra.

Atualmente, no mercado, existem várias opções de produtos e a sua escolha vai depender do tipo de edificação e das vantagens e desvantagens de cada sistema de cobertura. No que dizem respeito às cobertura com telhas de fibrocimento, elas estão entre as mais utilizadas principalmente na cobertura de edificações comerciais, industriais, rurais e moradias populares, isto se deve, principalmente, ao baixo custo. São fabricadas em diversos modelos, tamanhos e espessuras. Ressalte-se também que apresentam como diferencial a possibilidade de vencer grandes vãos sem o uso de apoios intermediários, sendo leves e resistentes.

As telhas podem ser apoiadas em estruturas de madeira, metálicas ou de concreto, sendo fixadas por acessórios próprios para este fim fornecidos pelos fabricantes. Esta fixação é feita por parafusos, grampos zincados, arruelas elásticas de vedação, massa de vedação e cordões de vedação.

A história do fibrocimento começa com o uso do amianto ainda na idade antiga quando gregos, romanos e outros povos reforçavam os objetos de cerâmica e argila com este mineral a fim de torná-los mais resistentes e duráveis. Etimologicamente, a palavra amianto deriva da palavra grega “asbesto” que significa “indestrutível”.

No século XVII, o uso do amianto começou a ser difundido em escala comercial. Em 1895 foi descoberto o fibrocimento – uma mistura de cimento, amianto e água – pelo austríaco Ludwig Hatschek. A produção em escala industrial de telhas de fibrocimento firmou-se no mercado em substituição das telhas feitas de ardósia.

A empresa Eternit criada pelo austríaco Ludwig Hatschek descobridor do fibrocimento tem seu nome derivado da palavra latina “aeternitas” que quer dizer “eterno”. Em 1901 este inventor obteve a patente de sua invenção criando a empresa para fabricá-la. Posteriormente, nas décadas seguintes do século X diversos empreendedores obtiveram a licença para iniciar a produção do fibrocimento.

As telhas de fibrocimento apresentam as seguintes características: diversos tamanhos e espessuras; são duráveis; podem ser pintadas para melhorar a estética ou desempenho térmico da cobertura; apresentam um conjunto de peças complementares para fixação e acabamento; alguns modelos podem ser utilizados para fechamento lateral; são resistentes a atmosferas agressivas, não sofrendo os efeitos de corrosão; apresentam bom desempenho acústico; e apresentam elevada resistência mecânica.

O amianto é uma fibra natural presente em dois terço da água e no solo de todo o planeta. Esta fibra não queima ou sofre corrosão, sendo isolante, flexível, durável e resistente. Estas características fazem com que seja extremamente útil em diversos usos.

No fibrocimento, cerca de 90% da mistura é cimento e menos de 10% é amianto, que tem a função de sustentação. Nesta mistura as fibras ficam perfeitamente incrustadas na massa que dificilmente se desprendem. Anualmente, cerca de 2 milhões de toneladas de amianto são consumidas no mundo, usada principalmente na composição do fibrocimento, utilizado na construção civil.

Existem dois grupos de amianto: amianto crisotila e o amianto anfibólio. O segundo possui fibras duras, retas e pontiagudas apresentando altas concentrações de ferro em sua composição. Já o amianto crisotila possui fibras curvas e sedosas com altas concentrações de magnésio. Quando inspiradas, as fibras do amianto anfibólio ficam por mais de um ano nos pulmões enquanto que as fibras do amianto de crisotila ficam cerca de dois dias.

No Brasil, a lei 9055/95, instituída pelo Decreto 2350/97 e pela Portaria 3214/78 – NR 15 – Anexo 12, regulamenta o uso, a fabricação, o comércio e o transporte do amianto. A regulamentação prevê um uso responsável do amianto de crisotila e proíbe o uso dos outros tipos.

Quanto à normalização técnica, há a NBR 5643 (MB1090) de 09/2012 – Telha de fibrocimento – Verificação da resistência a cargas uniformemente distribuídas que estabelece o método para a verificação da resistência de telhas ondulada de fibrocimento,quando solicitadas por cargas uniformemente distribuídas. A NBR 7581-1 de 09/2014 – Telha ondulada de fibrocimento – Parte 1: Classificação e requisitos estabelece os requisitos para o recebimento de telhas de fibrocimento de seção transversal ondulada e seus complementos, classifica as telhas onduladas de fibrocimento em função de suas características e propriedades e prescreve os métodos de ensaios para controle de fabricação e recebimento do produto. São aplicáveis a telhas onduladas de fibrocimento que contêm fibras de origem mineral (crisotila) em sua composição, destinadas ao emprego em coberturas e fechamentos laterais.

A NBR 7581, sob o título geral “Telha ondulada de fibrocimento”, tem previsão de conter as seguintes partes: Parte 1: Classificação e requisitos; Parte 2: Ensaios; e Parte 3: Padronização. As telhas onduladas de fibrocimento, objeto desta norma, são constituídas de uma mistura homogênea, em presença de água, de cimento Portland, agregados, adições ou aditivos e fibras de origem mineral (crisotila). O cimento Portland deve cumprir os requisitos da NBR 5732, NBR 5733, NBR 5735, NBR 5736, NBR 5737, NBR 11578, NBR 12989 ou NBR 13116.

As telhas podem ser fornecidas na cor natural, com ou sem revestimento incolor, ou coloridas por adição de pigmentos na mistura ou por aplicação de pintura. As telhas devem apresentar as superfícies das faces regulares e uniformes. 5.2.3 A superfície que fica exposta às intempéries deve ser a lisa, salvo indicação em contrário do fabricante.

As telhas podem apresentar variações de cor ocasionadas por diversos tipos de matéria-prima empregados. As telhas devem ter forma regular e ser isentas de imperfeições que impeçam sua correta superposição nas montagens do telhado. As telhas não podem apresentar quebras ou remendos. As telhas podem ter canto(s) pré-cortado(s) ou furos para facilitar a montagem e fixação.

A telha estrutural submetida ao ensaio de flexão previsto na NBR 7581-2 deve suportar carga não inferior a 2 kN, para peças de largura útil inferior a 0,70 m, ou não inferior a 2,5 kN, para peças de largura útil igual ou superior a 0,70 m, quando colocada isoladamente sobre dois apoios, conforme NBR 7581-2. As dimensões nominais das telhas previstas nesta norma devem ser definidas pelo fabricante.

Os resultados obtidos nas medições de espessura, largura, comprimento, esquadro, passo e altura da onda, de acordo com a NBR 7581-2, devem cumprir as tolerâncias especificadas na Tabela 3. As tolerâncias estabelecidas na Tabela 3 se aplicam às dimensões nominais fornecidas pelo fabricante. O fabricante deve estabelecer as dimensões nominais e tolerâncias das alturas da borda de forma a garantir a estanqueidade do telhado. Este requisito se aplica às telhas que têm de um lado borda ascendente e do outro, borda descendente.

tabela 3

As características físicas das telhas devem ser determinadas sobre os produtos prontos, como entregues pelo fabricante, e estão estabelecidas em 6.3.2 e 6.3.3. Outras características físicas, não incluídas nesta norma, podem ser objeto de ensaio do material em função do tipo de aplicação pretendida para a telha, em comum acordo entre o produtor e o consumidor.

O ensaio de impermeabilidade deve ser realizado de acordo com o estabelecido na NBR 7581-2. As telhas submetidas ao ensaio não podem apresentar vazamentos ou formação de gotas na face oposta à da ação da água, sendo porém tolerado o aparecimento de manchas de umidade.

O ensaio de absorção de água deve ser realizado de acordo com o estabelecido na NBR 7581-2. As telhas submetidas ao ensaio devem apresentar teor de absorção de água igual ou inferior a 37 %.

A ação do granizo e outras cargas acidentais em telhados visa verificar o desempenho da telha sob ação de granizo e outras pequenas cargas acidentais. Sob a ação de impactos de corpo duro, o telhado não pode sofrer ruptura ou traspassamento em face da aplicação de impacto com energia igual a 1,0 J, quando ensaiado de acordo com a NBR 7581-2. É tolerada a ocorrência de falhas superficiais, como fissuras, lascamentos e outros danos, que não impliquem perda de estanqueidade do telhado.

Para desempenho superior a 1,0 J, recomenda-se ao fabricante informar em seu catálogo técnico o nível de resistência sob ação do granizo. O ensaio de calor chuva deve ser realizado de acordo com o estabelecido na NBR 7581-2. Após o ensaio de calor chuva não são admitidas fissuras e de laminações que provoquem vazamentos.

A NBR 7581-2 de 09/2012 – Telha ondulada de fibrocimento – Parte 2: Ensaios estabelece os métodos de ensaios para a determinação das características geométricas e das propriedades mecânicas e físicas das telhas onduladas de fibrocimento para verificação dos requisitos previstos na NBR 7581-1. É complementada pelo método de ensaio previsto na NBR 5643. A NBR 7581-3 de 09/2012 – Telha ondulada de fibrocimento – Parte 3: Padronização estabelece a padronização das telhas onduladas de fibrocimento prevista na NBR 7581-1.

A NBR 15210-1 de 07/2014 – Telha ondulada de fibrocimento sem amianto e seus acessórios – Parte 1 – Classificação e requisitos prescreve os requisitos para aceitação das telhas onduladas de fibrocimento sem amianto, com comprimento maior que 0,9 m, e de seus acessórios. As telhas onduladas de que trata esta norma destinam-se ao uso como material de cobertura.

A NBR 15210-2 de 05/2013 – Telha ondulada de fibrocimento sem amianto e seus acessórios – Parte 2: Ensaios estabelece os métodos de ensaio a serem utilizados para verificação das características dos materiais especificados pela NBR 15210-1.

Enfim, quando o assunto é cobertura, o que não faltam são dúvidas, um bom projeto deve ser construído com telhas de qualidade e possuir resistência suficiente para prevenir complicações, proporcionar conforto e prolongar o período de manutenção. A garantia de uma boa cobertura começa na escolha de qual telha será utilizada na obra.

A cobertura é a parte mais visível do telhado e também a que mais sofre com as mudanças climáticas. Assim, de uma maneira geral, elas não possuem muita resistência térmica, entretanto, o fibrocimento é um excelente isolante térmico, proporcionando um conforto agradável no período de inverno, por exemplo.

As telhas de fibrocimento caracterizam-se por sua leveza e facilidade de colocação. São utilizadas em obras residenciais, comerciais e industriais, e apresentam-se em diferentes modelos que facilitam a adequação ao seu projeto.

Além de serem rápidas de instalar, as telhas de fibrocimento proporcionam maior economia em relação às peças cerâmicas, pois seu comprimento gera redução, tanto no madeiramento quanto na quantidade de peças a serem utilizadas. Com todas as vantagens da telha de fibrocimento, o ideal é adequar a cobertura de uma maneira que tenha a ver com o desejado. Afinal, a pessoa terá que conviver e contar com sua qualidade por um bom período de sua vida.

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: