As universidades e as montadoras mais reclamadas

PALESTRA GRATUITA

palestra_thumb.jpg

A Target (www.target.com.br) está oferecendo às universidades, faculdades, associações, empresas, etc. uma palestra gratuita:

A IMPORTÂNCIA DA NORMALIZAÇÃO BRASILEIRA

O objetivo é passar conhecimento e disseminar o uso das normas técnicas, pois isso é fundamental para a competitividade brasileira. O palestrante é o engenheiro Cristiano Ferraz de Paiva

A programação inclui:

Objetivos da Normalização

O fórum nacional de Normalização – ABNT

A posição institucional da ABNT

A observância das Normas Técnicas Brasileiras (NBR)

Estrutura do Sinmetro

A função da Normalização no quadro institucional brasileiro

Jurisprudência nos tribunais quanto à obrigatoriedade das normas técnicas

Para agendar, basta entrar em contato comigo e verificar qual a melhor data para a realização do evento, sem custos para a instituição: hayrton@uol.com.br ou 11 99105-5304.

Requisitos: auditório ou um local para a realização do evento, projetor ou data show.

O Procon-SP fez, pelo segundo ano consecutivo, levantamento com as principais queixas das universidades paulistas. Mais uma vez o Grupo Uniesp e a Anhanguera Educacional são os dois primeiros colocados, enquanto a Uninove subiu uma posição, ocupando o terceiro lugar.

Juntas, as três instituições respondem por cerca de 64% das reclamações gerais: 750 das 1.171. Em relação a 2013, o número total apresentou aumento, com 42 casos a mais. Em quase metade dos casos, o principal problema se refere a cobrança. Outras demandas recorrentes como o não fornecimento de documentos escolares, problemas com contrato e prestação de serviços totalizam 48% das reclamações.

A média do índice de solução de problemas dessas universidades é de 73%. Para o Procon-SP, a taxa de solução ideal é acima de 95%. A instituição com o desempenho mais baixo, Anhembi Morumbi, resolve apenas 53% das reclamações e a Anhanguera Educacional, segunda colocada, 54%. Os dados foram coletados entre janeiro e setembro de 2014 e reuniu dez instituições de ensino superior.

universidades

Também, a instituição reuniu as dez montadoras mais reclamadas, entre janeiro e agosto de 2014. Foram, ao todo, 299 casos registrados no órgão. O principal problema – 61% das reclamações – referem-se a algum tipo de defeito no veículo.

Embora sejam as últimas colocadas desse ranking, Peugeot Citroen e Toyota deixaram de resolver 75% das reclamações encaminhadas. A média do índice de resolução das empresas também é baixo: apenas 47,1%. Para o Procon-SP, o número ideal de solução é acima de 95%.

montadoras

Como poupar energia elétrica

 PRÓXIMOS CURSOS
 
 

Consumidor pode economizar mais de R$ 1.200 ao tomar medidas simples em sua casa

Com a chegada do horário de verão, que começou no domingo, 19 de outubro, o Inmetro dá dicas para quem quer poupar sem ter de abrir mão de ventiladores e ar condicionado: trocar as lâmpadas, desligar aparelhos em stand by e optar por produtos eficientes, classificados pelo Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE), são algumas delas. Juntos, podem representar uma economia média de R$ 1.212 ao ano – cálculo feito com base em uma casa de dois quartos, com refrigerador, televisão na sala, máquina de lavar, três ventiladores de teto, um chuveiro elétrico e um ar condicionado e pontos de luz em todos os cômodos.

“A primeira dica é aproveitar luminosidade natural durante o horário de verão, reduzindo o tempo de acendimento de lâmpadas. Inclusive, trocar as lâmpadas incandescentes por fluorescentes proporciona uma economia média de R$ 310 por ano. Agora, se o consumidor for comprar um aparelho novo, é importante levar em consideração a etiqueta de eficiência energética, com a classificação de A a E feita pelo Inmetro, sendo A o mais e E o menos eficiente”, explica Marcos Borges, responsável pelo PBE.

Segundo Marcos, é possível comprar um produto novo somente com a economia gerada durante a sua vida útil. “Ao adotar uma escolha consciente ele induz o desenvolvimento tecnológico e a melhoria do produto. No caso das geladeiras de 300 litros, a economia é de R$ 100 por ano. Ao final de dez, o consumidor troca de aparelho somente com o que economizou. Comprar produtos classificados como A é sempre uma vantagem para o bolso”, ressaltou.
Confira algumas dicas do Inmetro para economia de energia:
Lâmpada incandescente: Pode parecer mais barata porque custa menos na hora da compra, mas, em geral, a fluorescente compacta é quatro vezes mais econômica e dura de oito a dez vezes mais. Em um ano, somente trocando as incandescentes por fluorescentes compactas equivalentes a economia é de cerca de R$ 310 (já incluindo o gasto com as lâmpadas novas, em um apartamento de dois quartos com 13 lâmpadas, por exemplo);

Geladeira: São classificadas quanto à eficiência energética. O modelo mais simples, de uma porta, classificado como ‘A’ em comparação a um classificado como ‘E’, representa uma economia de R$ 54 em um ano (em 10 a 12 anos, período médio de vida da geladeira, isso equivale, praticamente, a compra de uma nova). Em geladeiras maiores essa relação pode ser até superior. Um combinado, em média de 300 litros, pode economizar mais de R$ 100 por ano.
Boas dicas para manter sua geladeira eficiente: mantenha-a limpa, não seque roupas atrás do motor e verifique a borracha de vedação. E se a sua geladeira tem mais de 10 anos, comece a planejar a troca, pois ela começou a perder sua eficiência e começará a custar cada vez mais para funcionar.

Televisão: A etiquetagem de televisores refere-se ao consumo em modo espera (stand by). Um televisor ligado na tomada, em modo espera, pode gastar até R$ 2 por mês. Se somarmos todos os aparelhos de TV da casa, além do forno de micro-ondas e outros que ficam ligados direto na tomada e que possuem lâmpada em modo de espera (stand-by), a conta de energia pode aumentar bastante (cada aparelho gasta no mínimo R$ 1). Portanto, desligue seus aparelhos da tomada quando não for usar.

Chuveiro  elétrico: Esta etiquetagem é diferente pois, ao invés da eficiência energética, o Inmetro classifica a potência do aparelho. Ou seja, produtos menos potentes, que gastam menos energia elétrica, mas aquecem menos a água, são classificados nas faixas superiores da etiqueta (A, B, C). Já as mais potentes, que gastam mais energia e aquecem mais água, ficam nas classificações inferiores.
A diferença de um chuveiro B (menos potente disponível hoje no mercado) para um G (mais potente) é de aproximadamente R$ 9 por pessoa por mês, em média, em um banho de cinco a oito minutos. Em uma família de quatro pessoas, temos uma economia mensal de R$ 36, ou R$ 432 por ano.

Se você mora em uma região quente do país, um chuveiro A ou B ou C é suficiente para aquecer a água a uma temperatura confortável (lembrando que conforto é um conceito muito pessoal). Se você mora em uma região mais fria, chuveiros E, F e G, em tese, seriam mais adequados. Banhos não devem durar mais que oito minutos. Mais que isso, é desperdício de água e energia, que pesam no bolso.

Em dias mais quentes, use o chuveiro no modo “verão” ou potência mínima. Um chuveiro classificado como ‘D’, bastante comum em uma cidade como o Rio de Janeiro, consome em média 23 kWh/mês. Multiplicando pela tarifa média no Brasil (R$ 0,50 o kWh), o gasto aproximado é de R$ 12 por pessoa, em cada mês. Uma família que utiliza o aparelho na posição ‘verão’ gasta a metade deste valor.

Condicionador de ar: para iniciar o uso, feche as portas do ambiente, ligue no máximo e espere refrigerar. Depois, pode diminuir a intensidade de refrigeração para manter a temperatura confortável. É importante não deixas as portas abertas e, se não estiver usando o ambiente, desligue o aparelho.

economia