Educação digital

CURSO PELA INTERNET

A Manutenção Autônoma – Disponível pela Internet

Como conscientizar e habilitar o operador a cuidar adequadamente do equipamento.

criança_tabletTenho certeza de que um pai ou uma mãe não deixa seu filho pequeno sozinho em um shopping center, mas deixa esse mesmo filho com um tablet plugado na internet inteiramente só e sem nenhum controle. Ele pode sofrer assédio de pedófilos e sequestradores, phishing scam, cyberbullying, acessar conteúdos inapropriados a menores, sofrer consequências legais do mau uso da internet, crimes cometidos sob a falsa impressão de anonimato, inabilidade de pensamento crítico quanto a informações falsas e verdadeiras disponíveis na rede, plágio, pirataria, e até uso indevido da marca da sua escola.

Essas podem ser algumas das situações que os filhos podem acessar, sobre os quais poucos pais conversam com os filhos. Muitos acreditam que filtros de conteúdo ou bloqueadores podem ser a solução para a falta de tempo em acompanhar o filho na internet.

Os pais não podem fugir de suas obrigações. Como os filtros de conteúdo não são 100% eficientes, é quase inevitável que crianças e adolescentes se deparem com pornografia infantil e adulta, conteúdos que promovem delinquência (destruir, construir armas, falsificar documentos, etc.), conteúdos que promovem ódio, tráfico de drogas, jogos de azar, entre outros.

Assim, não há tecnologia que substitua uma boa conversa sobre domínio da curiosidade e moderação. Sendo quase inevitável a descoberta desses problemas (até porque os jovens são peritos em descobrir meios de burlar os filtros), é o que os jovens farão naquele momento que fará toda a diferença.

Há modos fáceis das crianças entrarem em contato com conteúdos inapropriados: propagandas (pop-ups, na maioria), palavras em sites de busca, typosquatting e cybersquatting, email spam, entre outros. As crianças devem conhecer tudo isso para saber o que fazer.

Outro ponto a ser observado é o ensino sobre a diferença entre domínio público e ambiente público. Muitas crianças e adolescentes pensam que se o conteúdo está na Internet é porque pode ser utilizado de qualquer forma, sem ao menos pedir autorização ao responsável por ele. Porém, nem tudo o que está em “ambiente público” (no caso, a internet) está em domínio público (hipótese legal na qual o material pode ser utilizado sem autorização do autor).

Educação digital é a conscientização e o treinamento das pessoas para o uso das tecnologias, permitindo-lhes atuação correta, ética, livre de riscos ou com estes minimizados, de modo a não incorrerem especialmente em práticas danosas e com consequências jurídicas não desejadas. E a educação digital deve ser feita não só de forma leiga, mas com a assessoria que a complexidade de consequências exige. Todavia, a educação digital não é e não deve ser algo complexo.

Educar digitalmente não pode se resumir a ensinar o uso, na prática, da tecnologia, como o envio de uma mensagem de texto pelo aparelho celular ou de se fazer uma vídeo chamada entre computadores. É preparar as pessoas para que possam diante da fluência de informações e da enxurrada de novos aparelhos eletrônicos, atuar adequadamente, permeados pela ética e pelas normas jurídicas.

Mas o que importa ao direito a educação digital? Importa que pessoas digitalmente educadas não são afetadas pelo mau uso da tecnologia. As situações nas quais são criadas comunidades em redes sociais (como o facebook, por exemplo) para manifestar seu desgosto por um professor ou colega podem facilmente ser vinculadas a crime contra a honra, além das consequências civis, como a obrigação de indenizar por dano moral. Isso sem se falar nas possíveis punições no âmbito escolar.

O mesmo se diga para a “moda” do momento: selfie ou pessoas e adolescentes tirando fotos em poses sensuais ou até com nudez e divulgado por meio de mensagens de texto, inclusive para redes sociais. De novo podem se fazer presentes facilmente as indesejáveis consequências jurídicas da prática de crime e obrigação de indenizar.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Facebook: http://www.facebook.com/#!/hayrton.prado

Skype: hayrton.prado1

22 perguntas imprescindíveis para você fazer apresentações marcantes

CURSO PELA INTERNET

Aterramento e a Proteção de Instalações e Equipamentos Sensíveis contra Raios: Fatos e Mitos – Disponível pela Internet

Ernesto Berg

As apresentações em público são oportunidades incríveis para converter ouvintes em colaboradores, ou em compradores. Uma apresentação bem feita vale mais do que dezenas de conversas pessoais ou de reuniões intermináveis, porque, quando você domina as técnicas, você pode mudar opiniões e ideias das pessoas e, também, expor projetos e objetivos de forma sequenciada e profissional. Nada alavanca mais rapidamente a carreira de uma pessoa do que realizar apresentações em público.

Abaixo estão relacionadas 22 questões sobre técnicas de apresentação em público. Elas permitem que você conheça sua atual situação como palestrante e apresentador . Procure responder de acordo com sua realidade e não pensando no que é ideal.

S = SIM        N = NÃO        AV = ÀS VEZES

1. Quando você vai fazer uma apresentação os objetivos da mesma estão bem claros para você? S    N    AV 

2. Antes de realizar sua apresentação você costuma ensaiá-la? S    N    AV 

3. Você sabe a melhor forma de iniciar uma apresentação? S    N    AV 

4. Antes da apresentação você procura saber quem serão as pessoas (ou o perfil delas) que comporão a audiência? S    N    AV 

5. Você procura saber quem serão as pessoas-chave da audiência presentes à palestra?

S    N    AV 

6. Antes da apresentação você procura descobrir quais são os interesses e necessidades da audiência? S    N    AV 

7. Você adapta sua exposição a esses interesses e necessidades?  S    N    AV 

8. Você procura fazer sua apresentação em torno de dois ou três tópicos principais?

S    N    AV 

9. Você, às vezes, perde o fio da meada em meio à apresentação? S    N    AV 

10. Você sabe como prender a atenção e despertar o interesse da audiência em torno do produto, serviço ou ideia que você está apresentando? S    N    AV 

11. Ao fazer uma apresentação, por vezes, você acha que fala em demasia (ou fala pouco) sem transmitir tudo o que queria? S    N    AV 

12. Você sabe controlar o tempo de sua apresentação? S    N    AV 

13. Antes da palestra você procura analisar e antever possíveis perguntas críticas que a plateia poderá fazer? S    N    AV 

14. Durante a apresentação seus movimentos são tranquilos e confiantes? S    N    AV

15. Durante sua apresentação você costuma gesticular muito ou, ao contrário, fica quase imóvel?        S    N    AV 

16. Durante sua apresentação você tem cacoetes, ou repete constantemente, palavras do tipo:” tá?”, “compreendeu?”, “certo?”, “né?”, “tá OK?”, “logicamente…”, “claro que…” ? S    N    AV 

17. Durante sua apresentação você tem o hábito de fixar seu olhar em uma determinada pessoa, como se estivesse falando apenas para ela?; ou então de fixar os olhos para um determinado lugar como, o fundo da sala, o teto, o chão? S    N    AV 

18. Durante sua apresentação você tem hábitos do tipo: apoiar-se na mesa, ficar de braços cruzados, mãos nos bolsos, corpo arqueado, andar sem parar, ficar manipulando caneta ou pointer a laser? S    N    AV 

19. Você costuma falar baixo, ou muito rápido, ou muito lento durante a apresentação?          

S    N    AV 

20. Você costuma trajar-se de acordo com o ambiente (ou a plateia) em que sua apresentação será feita? S    N    AV 

21. Você utiliza com destreza material/equipamento audiovisual (como projetor, slides em power point, filmes, flip-chart etc.) em sua apresentação? S    N    AV 

22. Você sabe como e quando encerrar sua apresentação de forma marcante? S    N    AV 

Faça sua Contagem de Pontos.

Marque um ponto para cada resposta SIM dadas às seguintes perguntas: 1, 2, 3,  4, 5, 6, 7, 8, 10, 12, 13, 14, 20, 21, 22

Marque um ponto para cada resposta NÃO dadas às seguintes afirmações: 9, 11, 15, 16, 17, 18, 19

Marque meio ponto para cada resposta ÀS VEZES.

TOTAL DE PONTOS_______

SUA AVALIAÇÃO

Entre 19 e 22 pontos. Parabéns. Você realmente conhece as técnicas de uma apresentação eficaz e sabe como se comunicar com sua audiência.

Entre 15 e 18,5 pontos. Você conhece várias técnicas de apresentação e as utiliza bem e também consegue interagir com a audiência, mas pode melhorar mais.

Entre 11 e 14,5 pontos. Você tem boas noções de técnicas de apresentação, mas precisa adquirir mais know-how se quiser obter melhores resultados em suas palestras. Reveja as questões onde não pontuou, ou fez meio ponto, e tente corrigir as deficiências, considerando que o inverso da resposta que você deu é a situação correta e desejável.

Abaixo de 11 pontos. Você tem problemas quanto às técnicas de apresentação. Não desanime. Reveja as questões onde não pontuou, ou fez meio ponto, e tente corrigir as deficiências, considerando que o inverso da resposta que você deu é a situação correta e desejável.

Invista em técnicas de apresentação em público.

Não há nada que faça você se destacar mais do que falar em público. É a técnica de sucesso que mais rapidamente o projeta perante outras pessoas, a empresa ou a comunidade. Não é exagero afirmar que nenhuma outra técnica consegue abrir mais portas, ou lhe trazer mais oportunidades profissionais. As apresentações são oportunidades grandiosas para transformar os ouvintes em clientes ou executores de ideias.

É o que mais consegue alterar opiniões e concepções, pois alí quem detém a magia da palavra e da ideia é você, e isso vale mais do que muitas reuniões, e-mails, memorandos ou infindáveis discussões frente a frente. Basta uma apresentação bem feita, e você terá comprado a audiência a seu favor.

A vantagem da apresentação é que você tem tempo de se preparar, fazer a sequência da exposição e encerrá-la de forma convincente. Nada é feito de improviso, pois você tem o domínio do andamento da palestra.

Você pode fazer apresentações de qualquer tipo e em qualquer lugar, como falar na abertura de uma reunião ou convenção, expor um novo projeto, um novo sistema ou processo, uma exposição sobre resultado semestral de vendas, sensibilizar acionistas ou diretores para um novo investimento etc. As possibilidades são infinitas. Faça um curso de técnicas de apresentação ou de oratória (ponha isso em suas metas) e descobrirá que foi um dos investimentos mais lucrativos e vantajosos que você já fez para alavancar sua carreira.

Ernesto Berg é consultor de empresas, professor, palestrante, articulista, autor de 14 livros, especialista em desenvolvimento organizacional, negociação, gestão do tempo, criatividade na tomada de decisão, administração de conflitos – www.quebrandobarreiras.com.brberg@quebrandobarreiras.com.br