Como transformar a inveja em um sentimento produtivo

Aterramento e a Proteção de Instalações e Equipamentos Sensíveis contra Raios: Fatos e Mitos – A partir de 3 x R$ 257,81 (56% de desconto)

Inspetor de Conformidade das Instalações Elétricas de Baixa Tensão de acordo com a NBR 5410 – A partir de 3 x R$ 320,57 (56% de desconto)

Interpretação e Aplicações da Norma Regulamentadora Nº 13 (NR-13) do MTE (Inspeção de Segurança de Caldeiras e Vasos de Pressão) – A partir de 3 x R$ 257,81 (56% de desconto)

Filtros de Harmônicos em Sistemas Industriais – A partir de 3 x R$ 257,81 (56% de desconto)

Nenhum sentimento por si só é bom ou ruim. Tudo depende da forma de administrá-lo. É preciso saber reconhecer e evitar a inveja destrutiva, que nada mais é do que a arma dos incompetentes, cujo gatilho está no prazer pelo insucesso do outro. É necessário livrar-se da culpa e humanizar a inveja

Eunice Mendes

Certo dia, em uma reunião só de mulheres em minha casa, uma amiga fez uma pergunta que me pareceu ao mesmo tempo instigadora e perigosa: “O que invejamos umas nas outras?”. A pergunta suscitou constrangimento, olhares voltados para o chão, risadas nervosas, desconforto…

Mas, eis que chegou o momento da redenção: uma das integrantes da roda passou a confidenciar o que invejava em relação às demais presentes. Curiosamente, esse início corajoso fez com que, aos poucos, o clima desanuviasse.

Em efeito dominó, todas nós começamos a dizer as qualidades que gostaríamos de ter e eram representadas pela colega do lado. Identificamos características como beleza, sedução, facilidade para escrita, criatividade, capacidade para ganhar dinheiro, carisma, simpatia, e assim por diante.

Todas estavam tão à vontade que uma das mulheres não hesitou em reclamar: “E eu? Ninguém vai falar de mim? O que vocês invejam em mim? Será que eu não tenho nada para ser invejado?”.

O resultado não podia ter sido melhor. Estavam ali sete mulheres sem receio de se expor e, de alguma forma, deixando as sombras entre si desaparecerem com a luz que advinha de pequenas frestas abertas em suas janelas. Foi um momento terapêutico e de muita cumplicidade.

E quanto a você, algum dia sentiu-se frustrado porque um colega de trabalho conquistou a posição que tanto almejava ou aquele amigo, com menos experiência e estudo, conseguiu consolidar um patrimônio financeiro maior do que o seu? Já se surpreendeu pensando que venderia 10% da sua inteligência para conquistar maior beleza física e magnetismo pessoal? Experimentou a desagradável sensação de pequenez em uma festa, reunião familiar ou evento social em que alguém brilhou mais que você, mostrando-se comunicativo e cativante?

Se você já se viu como protagonista de cenas como essas ou outras semelhantes, seja bem-vindo ao mundo dos “normais”! A inveja é um dos sentimentos mais comuns entre os seres humanos. Mas por que esse sentimento costuma ser tão constrangedor?

O preconceito contra a inveja é milenar. Nossa cultura estabelece como crença e valor que se trata de um sentimento a ser negado, pois é considerado sintoma de falta de caráter, uma verdadeira anomalia social. Na tradição judaica, por exemplo, a inveja motivou Caim a matar Abel, ao passo que os cristãos a incluíram entre os sete pecados capitais.

Se você acha que estou exagerando, experimente admitir, em um bate-papo com colegas de trabalho, que alguém do staff da mesma empresa desperta a sua inveja. Você correrá o risco de ser alvo de fofocas e receber do grupo uma atitude de isolamento por ser considerado um elemento perigoso à organização. Essa pressão psicológica contribui para alimentar um sentimento de culpa aos nos flagrarmos invejando as habilidades do outro, como se isso representasse uma ameaça às qualidades necessárias para mantermos o status de “pessoas de bem”.

Nenhum sentimento por si só é bom ou ruim. Tudo depende da forma de administrá-lo. É preciso saber reconhecer e evitar a inveja destrutiva, que nada mais é do que a arma dos incompetentes, cujo gatilho está no prazer pelo insucesso do outro.

É um tipo de sentimento relacionado a conflitos internos e corrosivos resultantes do complexo de inferioridade e da autoimagem negativa, podendo gerar ressentimentos e um profundo pessimismo existencial. Sem conseguir sair do lugar, a única válvula de escape é maldizer o sucesso alheio.

Por outro lado, quando bem gerenciada, a inveja pode tornar-se produtiva, tirando-nos do comodismo e nos impulsionando a uma competição saudável para enfrentar desafios. Evidentemente, o processo não é tão simples assim e exige que invistamos pesado em uma reforma íntima.

Imagine-se como um arquiteto, cujo principal projeto é melhorar a sua morada interior. E você pode começar iluminando os cantos mais escuros, como é o caso da inveja. A rigor, o simples fato de reconhecer a sua existência já é uma forma de reduzir as sombras e torná-la um sentimento mais produtivo e enriquecedor.

Eis algumas sugestões para esse trabalho de burilamento interior:

  • Realize uma autoanálise, avaliando sem preconceitos os próprios sentimentos;
  • Olhe-se com mais compaixão, procurando aceitar que você não está imune ao sentimento de inveja, o qual é inerente ao ser humano;
  • Não reprima sua inveja; antes, procure entender o que significa esse sentimento dentro de você e use-o como elemento propulsor para a criatividade;
  • Reconheça que a inveja pode ser fator de crescimento quando é propulsora de ações para a conquista de desejos;
  • Procure objetivar o processo de autoavaliação respondendo a questões como: O que invejo é possível de ser conquistado? Que conhecimentos preciso obter? Quais habilidades precisam ser desenvolvidas?
  • Não sofra pelo sucesso alheio; otimize seu tempo e sua energia traçando metas para atingir seus objetivos;
  • Não tenha vergonha de perguntar para as pessoas que você considera ter qualidades invejáveis qual é o segredo do sucesso delas;
  • Conscientize-se de suas habilidades a serem exploradas e valorizadas;
  • Direcione seus talentos e habilidades em seu próprio benefício;
  • Tenha coragem para admitir e corrigir suas falhas;
  • Avalie constantemente os resultados alcançados;
  • Se sentir necessidade, procure ajuda terapêutica.

Inveja = defeito

– Só o outro possui características positivas a serem admiradas;
– Sou eterno espectador do sucesso alheio;
– Dedico-me a destruir quem tem aquilo que ambiciono;
– Desperdiço tempo, deixando de viver plenamente quem sou e mantendo meus próprios talentos ocultos;
– Tenho desejos, mas não faço nada para conquistá-los;
– Não concretizo meus sonhos e até saboto as possíveis oportunidades.

Inveja = virtude

– Sou capaz de me autoanalisar, sem o perigo do autoengano;
– Esse encontro comigo mesmo estimula meu crescimento pessoal;
– Não sinto dor pelo sucesso do outro; isso funciona como elemento propulsor para minha mudança;
– Equilibro minhas relações interpessoais e realizo movimentos de empatia;
– Aproximo-me mais das pessoas a quem admiro;
– Luto para conseguir aquilo que quero.
Em nossa vida não precisamos ficar como eternos voyeurs rancorosos do sucesso alheio nem nos colocarmos na posição de vítimas abandonadas pelo destino. É possível fazer da inveja uma alavanca que nos conduza a um maior comprometimento com a autorrealização e com um jeito mais produtivo de viver. Você não é o último ser humano da Terra por sentir inveja, mas pode estar entre os primeiros a transformá-la em fonte de inúmeras vitórias!

Eunice Mendes é atriz, pedagoga e especialista em comunicação empresarial.

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: