Os riscos de ameaças móveis e as cópias de segurança de dados

VÍDEO EXPLICATIVO

Treinamento Prático ASP 3.0 – Disponível pela Internet

Introdução à linguagem e objetos intrínsecos.

Apesar da grande popularização dos dispositivos móveis, os usuários ainda subestimam os riscos que correm ao se conectarem. Segundo uma pesquisa realizada pela Kaspersky Lab e pela B2B International, 28% dos usuários sabem nada ou muito pouco sobre malware móvel. Infelizmente, esta falta de conhecimento é benéfica aos cibercriminosos.

A pesquisa mostra que, dentre os aparelhos com sistema Android, somente 58% dos smartphones e 63% dos tablets estão protegidos por alguma solução antivírus enquanto, no geral, 31% dos smartphones e 41% dos tablets nem sequer estão protegidos por uma senha. A conduta despreocupada dos usuários talvez se deva ao fato de que 28% deles não sabem da existência de ameaças cibernéticas dirigidas a dispositivos móveis e 26% sabem, porém não se preocupam com elas.

Para piorar o cenário, dentre os Androids desprotegidos, 18% contém as informações que os criminosos mais querem encontrar: senhas dos cartões de banco, senhas de e-banking e outros dados financeiros. 24% dos mesmos usuários armazenam as senhas das redes sociais, e-mails pessoais e de trabalho, VPN (rede privada virtual) e outros recursos sensíveis. Mesmo os usuários que não se preocupam em proteger seus dispositivos com senhas, armazenam em seus smartphones e-mails pessoais (49%), e-mails de trabalho (18%), e “dados que não querem que ninguém veja” (10%).

Ainda de acordo com a pesquisa, usuários de Android enfrentam ameaças online com mais frequência do que os usuários de Windows*. Estes últimos têm mais conhecimento dos perigos da internet e 90% deles costumam proteger seus dispositivos. Desta forma, a pesquisa descobriu que, em um período de 12 meses, 41% dos usuários de smartphones e 36% dos usuários de tablets possuem aplicativos maliciosos; as contas de serviço de 18% dos usuários de smartphones e de 24% dos usuários de tablets foram hackeadas, enquanto os ciberataques financeiros afetaram 43% dos usuários de smartphones e 50% dos usuários de tablets. Contabilizando todos os sistemas de diferentes plataformas móveis, a média de ataques soma 31% (aplicativos maliciosos), 14% (invasão de contas de serviços online) e 43% (ciberataques financeiros) – significativamente menor do que apenas os valores da plataforma Android.

“O fato das ameaças para dispositivos móveis crescerem não surpreende, já que os dispositivos estão fazendo cada vez mais e muitas pessoas passaram a utiliza-los. É claro que isto atrai os fraudadores. Para que não se tornem vítimas, aconselhamos que os usuários protejam seus dispositivos contra ciberameaças, especialmente se armazenam dados financeiros”, explica Victor Yablokov, diretor da Kaspersky Lab.

Outro estudo concluiu que aproximadamente um quarto dos usuários (24%) que mantinha cópias de segurança dos seus dados em dispositivos físicos perdeu tais informações. No mundo moderno, em que a informação tem valor crescente, é importante não apenas criar cópias dos arquivos, mas fazê-lo de forma correta.

O estudo relevou que, embora a vasta maioria (92%) dos entrevistados mantenha informações confidenciais — como correspondência privada, fotos, senhas ou dados financeiros — em seus dispositivos, menos de um terço opta por fazer cópias de segurança para prevenir eventuais perdas. Além disso, 29% dos usuários não toma qualquer medida de segurança deste gênero e 11% admitiram que não pretendem fazê-lo no futuro.

O estudo revela ainda que mesmo quem faz cópias de segurança não tem a garantia de não perder os arquivos. Os dispositivos de armazenamento físico, tais como discos externos ou memórias flash, continuam sendo os mais populares: 87% dos entrevistados mantiveram as suas cópias guardadas neste tipo de dispositivo, enquanto apenas 12% usaram serviços na nuvem. Contudo, dentre os que preferem os métodos físicos de armazenamento, 24% já sofreram alguma perda irreversível de informação, como resultado do extravio, avaria ou roubo do dispositivo.

“Optar por fazer backups de forma sistemática, permite tomar conta dos dados de maneira eficaz. Decida quais informações são mais valiosas para você e crie cópias de segurança regularmente. A melhor maneira é manter a informação importante em pastas criptografadas, guardadas tanto em suportes físicos como na nuvem. Isto irá proteger os seus dados mesmo se acontecer algo de extraordinário que leve à destruição de um dos mecanismos de armazenamento dos seus dados”, afirma Elena Kharchenko, responsável pela gestão de produtos para consumidores da Kaspersky Lab.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: