O intraempreendedorismo e a inovação

banner_fnq_savethedate_160x190_v2

Últimas vagas. Informações e inscrições: http://www.fnq.org.br/CEG2015/

Claudius D’Artagnan C. Barros

No atual mundo dos negócios, o que se observa em larga escala é um mercado cada vez mais exigente em relação ao desempenho das organizações, sejam elas instituições pequenas, médias ou grandes, sejam prestadoras de serviços ou produtoras de bens de qualquer natureza. A sobrevivência organizacional começa a ficar atrelada à iniciativa de seus dirigentes e executivos em relação a valorização do conhecimento e ao novo perfil de atividades intrínsecas de seus colaboradores, com vistas à melhoria contínua dos processos, incremento da qualidade e ganhos de produtividade de bens e serviços.

A tendência é que permaneçam em atividade apenas as organizações classificadas como “ótimas” pelos clientes. Aquelas reputadas por “mais ou menos” ou mesmo “boas”, terão sérias dificuldades em permanecer no mercado e tendem a desaparecer.

Há, portanto, uma necessidade premente de que os colaboradores se tornem intraempreendedores e as organizações, por sua vez, se transformarem em instituições empreendedoras, sob pena de serem engolidas pelos concorrentes. O que importa é se o colaborador é realmente estimulado a ser um intraempreendedor, ou seja, um profissional pró-ativo, empenhado na melhoria constante de seu trabalho e com uma visão ampla do segmento em que atua. Um profissional focado em expandir os seus conhecimentos e habilidades.

Em outras palavras, um profissional que interage na organização não apenas para conquistar espaços, mas para executar tarefas como se o empreendimento fosse seu próprio, agindo sempre com criatividade e espírito inovador, antecipando-se aos fatos, buscando novos desafios e promovendo a diferença no ambiente em que trabalha. Por outro lado, é fundamental que as empresas propiciem condições e incentivem ambientes corporativos afeitos à prática do intraempreendedorismo, disponibilizando recursos e fomentando nos colaboradores uma cultura de inovação e melhoria contínua.

Sentindo-se como “donos do negócio”, os intraempreendedores ocupar-se-ão com os resultados da empresa e perseguirão soluções inovadoras para suas rotinas diárias que, por conseguinte, afetarão eficazmente toda a cadeia organizacional. Através da prática da cultura do intraempreendedorismo, os colaboradores serão desafiados, de fato, a contribuir com novas ideias e propostas incrementais, serão valorizados por meritocracia e serão parte integrante da sinergia do trabalho em equipe.

O maior desafio de um intraempreendedor ainda é o de apresentar e comprovar a eficácia de suas ideias no âmbito das empresas. Muitas vezes, é necessário refrear essa imposição e quebrar paradigmas, especialmente quando no caso de estruturas organizacionais conservadoras e refratárias à situações e ambientes de risco. Destarte, é mister a persistência para que se evidencie o valor das boas ideias e se encoraje a prática do intraempreendedorismo, transformando o desafio da inovação num bem inestimável ao sucesso dos negócios.

As atividades profissionais voltadas para um intraempreendedor devem ser convertidas em momentos prazerosos e de constante aprendizado, além de propiciarem oportunidade de investimento contínuo em sua autoestima. Ter suas ideias aceitas e efetivamente implantadas, além de gozar do reconhecimento de dirigentes e colegas de trabalho, pode vir a ser um diferencial preponderante na manutenção da motivação profissional.

No cenário atual, onde a inovação se destaca como forte subsídio ao diferencial competitivo e fator preponderante na sobrevivência organizacional, o estímulo ao empreendedorismo interno é um caminho sem volta. Além de notável estratégia no campo da gestão empreendedora, a inovação transforma a rotina de trabalho num ambiente altamente desafiador.

Essa nova e dinâmica atmosfera possibilita transformar adversidades em oportunidades de melhoria, a exemplo do ocorrido com o emblemático programa “ThinkDifferent”, ferramenta transformadora que elevou a Apple a uma posição de destaque no ranking das organizações mais inovadoras do mundo, conforme publicado na revista FastCompany – ranking de inovação e empreendedorismo 2015

Enfim, em tempos incertos, empreender de forma inovadora pode ser uma opção promissora de bons resultados, seja através do empreendedorismo de negócios, seja pela via do intraempreendedorismo. O fato é que precisamos disseminar e apoiar tais iniciativas. A hora é agora!

Claudius D’Artagnan Cunha de Barros é administrador de empresas (OGE/SP), membro da Academia Brasileira da Qualidade (ABQ), pós-graduado em gestão empresarial e administração de recursos humanos (INPG/SP), possui especialização pela Japanese Union of Scientists and Engineers (JUSE), é fundador da União Brasileira para a Qualidade (UBQ), empresário e docente do curso de Pós Graduação da Faculdade de Engenharia de Roseira (Unisal).

Anúncios

O grande segredo das pessoas bem sucedidas

REGULAMENTOS TÉCNICOS

Os Regulamentos Técnicos, estabelecidos por órgãos oficiais nos níveis federal, estadual ou municipal, de acordo com as suas competências específicas, estabelecidas legalmente e que contém regras de observância obrigatórias às quais estabelecem requisitos técnicos, seja diretamente, seja pela referência a uma Norma Brasileira ou por incorporação do seu conteúdo, no todo ou em parte, também estão disponíveis para se fazer uma busca no link https://www.target.com.br/produtossolucoes/regulamentos/regulamentos.aspx

Ernesto Berg

Você sabe o que é necessário fazer para ser promovido, ou então para ser altamente produtivo, ou ainda, ser reconhecido como uma pessoa realizadora? É simples: faça o que a maioria das pessoas não está disposta a fazer.

Seja você um membro de equipe, um gestor de equipe ou um dirigente, o sucesso das pessoas vitoriosas advém da disciplina em fazer as coisas que você sabe que precisam ser feitas, mesmo que você não sinta a menor vontade de fazê-las. Mas a verdade é que, se você regularmente praticar este tipo de autodisciplina, automaticamente irá se destacar do resto da turma, porque a maioria das pessoas não quer “pegar na enxada” e fazer o trabalho duro.

Elas preferem acomodar-se, pois sentem-se melhor fazendo as rotinas, ou as tarefas fáceis. Mas, no longo prazo, o que é fácil ou simples de fazer não leva a lugar algum e ainda pode criar problemas. O que é necessário fazer, mas que no momento parece difícil, ou mesmo chato, vai tornar as coisas muito melhores e mais fáceis para você no futuro, mesmo que no momento você não sinta a menor vontade de realizar.

Por isso, a palavra autodisciplina assusta muita gente, mas é apenas uma questão de como você encara isso. Gente de sucesso domina plenamente a arte da autodisciplina e não faz disso um drama.

Zig Ziglar, um dos maiores palestrantes motivacionais americanos estudou por mais de uma década alguns dos maiores homens de negócios daquele país tentando descobrir o que os tornava tão diferentes. A conclusão a que ele chegou é esta: eles não são mais inteligentes ou mais talentosos do que a maioria das pessoas. A grande diferença é que eles consistentemente fazem o que as outras pessoas não se dispõem a fazer.  Eles adotam três princípios básicos:

1°- Faça, mesmo que tenha medo. Um dos maiores sabotadores de nossos objetivos é o medo porque ele inibe a ação. Da próxima vez que você não quiser agir por medo de fracassar, siga em frente e faça o que tem que fazer, apesar do medo, porque a ação paralisa o medo. A ação concentrada une mente e esforços, não dando espaço nem ambiente a dúvidas e receios.

2°- Adote  hábitos, não  resultados  de  curto  prazo.  Só  começar  algo  depois que tudo estiver perfeito é um dos maiores erros que podemos cometer, pois é uma atitude perfeccio-nista que adia indefinidamente o início de um projeto, empreendimento ou trabalho importante. Para manter-se motivado, cultive hábitos de trabalho consistentes, que levem a resultados, em vez de se preocupar com resultados imediatos. Pode levar algum tempo para ver os frutos desse trabalho, porque depende de continuidade e perseverança, mas concentrando-se no dia a dia o triunfo automaticamente acontecerá.

3°- Fixe os olhos no resultado final. Os desafios de hoje talvez não o motivem muito, contudo você deve ter fé de que no longo prazo eles apenas representam esforços passageiros necessários. Veja o quadro na sua totalidade; veja a realização final. Com essa perspectiva, convicção e fé, você terá forças para avançar nos momentos mais difíceis, quando todos já recuaram. Logo, não se trata de autodisciplina, mas de você adotar comportamentos positivos repetidos diariamente que acabam tornando-se hábitos vencedores, e que levam você aos objetivos maiores. Pessoas bem-sucedidas compreendem melhor do que ninguém que, para realizarem seus sonhos, elas têm que também fazer muitas coisas das quais não gostam, mas são  imprescindíveis, e não perdem tempo se lamentando por ter de fazê-las.

Perguntaram, certa vez, ao grande bilionário do petróleo H. L. Hunt qual o segredo do sucesso. Ele respondeu que, para ter sucesso, eram  necessárias duas coisas e nada mais. Primeiro, disse ele, você precisa saber exatamente o que quer. A maioria das pessoas nunca chega a tomar essa decisão. Em segundo lugar, prosseguiu, você deve determinar o preço que terá de pagar para consegui-lo e começar a pagá-lo. Portanto, faça.

A diferença básica entre os que realizam muito e os que realizam pouco é a “orientação para a ação”. Os homens e mulheres que alcançam grandes feitos na vida têm grande autodisciplina e são intensamente orientados para a ação. Estão em constante movimento e sempre ocupados. Quando têm uma ideia, imediatamente começam a agir. Por outro lado, os que realizam pouco ou nada, estão sempre cheios de boas intenções, mas sempre têm uma desculpa para não agir imediatamente. É com razão que se diz: que o inferno está cheio de gente com  boas intenções.

Ernesto Berg é consultor de empresas, professor, palestrante, articulista, autor de 14 livros, especialista em desenvolvimento organizacional, negociação, gestão do tempo, criatividade na tomada de decisão, administração de conflitos – berg@quebrandobarreiras.com.br