Pescoço de texto e whatsappite: duas novas doenças no mundo moderno

CURSO PELA INTERNET

5S A Base para a Qualidade Total – Disponível pela Internet

As dicas para o sucesso do 5S em sua empresa.

Text-neck1Com o advento do celular na sociedade moderna, os seres humanos estão sendo atacados por duas novas doenças: pescoço de texto (text neck) e whatsappite. Assim, de acordo com os especialistas, cada vez mais pessoas estão sujeitas a estas condições – devido ao mau uso constante dos aparelhos celulares.

Atualmente, o celular é quase um companheiro inseparável, visto por muitos como um bem essencial no dia a dia, mas o que muitas pessoas não sabem é que o uso excessivo deles pode causar danos ao corpo humano. Se as pessoas sentem constantes dores de cabeça, um couro cabeludo extremamente sensível ou um incômodo atrás de um olho, a culpa pode estar no uso indevido do smartphone.

Os especialistas dizem que são cada vez mais comuns os casos de text neck ou pescoço de texto, dores na cabeça ligadas a tensões na nuca e no pescoço causadas pelo tempo inclinado em uma posição indevida para visualizar a tela do celular. Já a whatsappite é a nomenclatura dada pela médica espanhola Inés Fernandez-Guerrero a uma lesão no pulso causada pelo esforço repetitivo feito por quem digita no smartphone com muita frequência.

whatsappiteO jornal médico britânico The Lancet publicou o caso de uma paciente de Inés que não tinha histórico de trauma nas mãos até passar cerca de 6 horas respondendo mensagens recebidas pelo WhatsApp no último Natal. A paciente diagnosticada com whatsappite recebeu como tratamento anti-inflamatórios e distância de smartphones.

A whatsappite lembra a nintendinite, comum entre as crianças dos anos 90 pelo uso excessivo do polegar ao jogar o videogame da Nintendo durante horas a fio. É bom os usuários alucinados de smartphones passarem bem menos tempo nos aplicativos que exigem muito das suas mãos, por mais viciantes que possam ser.

Segundo os fisioterapeutas, o pescoço de texto pode levar a dores no braço e no ombro. O que está acontecendo são as cefaleias ceratogênicas, pois o problema vem da quantidade de tempo que se passa com a cabeça para frente da tela do celular, e isso cria uma pressão intensa nas partes frontais e traseiras do pescoço. Esse problema pode se agravar e, em alguns casos, pode levar a uma condição conhecida como nevralgia occipital.

É uma condição neurológica em que os nervos occipitais – que vão do topo da medula espinhal até o couro cabeludo – ficam inflamados ou lesionados. Ela pode ser confundida com dores de cabeça ou enxaqueca.

Parecia que tudo caminhava tão bem para o ser humano e cada vez mais equilibrado em duas pernas, mas de uma hora para outra a sua atenção foi desviada a ponto de transformar a postura. O nome da doença é porque a cabeça fica abaixada quando a pessoa está digitando no celular. O certo é deixar o celular mais na altura do olho. O pescoço faz menos força.

Enfim, a que ponto chegou o homo sapiens sapiens: um mundo novo na palma da mão puxou a sua cabeça como um imã para o chão. Agora, o desafio é voltar um pouco ao passado para que o horizonte volte a ser o foco do seu olhar.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Facebook: http://www.facebook.com/#!/hayrton.prado

Skype: hayrton.prado1

Currículo: a porta de entrada na empresa

LIVRO (clique na capa para mais informações)

A importância de se ter um currículo apresentável não pode ser subestimada, pois ele é a primeira coisa que os recrutadores percebem..

Na hora de procurar um novo emprego, as pessoas pensam, normalmente, no que elas querem fazer, quanto elas querem ganhar e no momento da entrevista. Poucos candidatos pensam no que vem antes de tudo isso: a apresentação do profissional, que é feita, primeiramente, através do currículo.

Para muitos, o CV (Curriculum Vitae, como é formalmente chamado) não passa de um pedaço de papel, e o que o importante é o que será apresentado na hora da entrevista presencial. O que essas pessoas não percebem é que, devido ao grande número de candidatos que as empresas geralmente recebem, o currículo acaba sendo, por diversas vezes, o único contato que o profissional tem com a empresa contratante. “O currículo é sua porta de entrada para qualquer lugar. Sem um documento apresentável, dificilmente o entrevistador, ou quem quer que seja que analise os currículos dos candidatos, vai se interessar por você”, afirma Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers.

A coach orienta que um bom currículo deve conter as informações básicas do profissional, além de toda e qualquer outra informação que seja relevante para a sua contratação. “Nome, idade e endereço, bem como os contatos, são essenciais, mas não pode-se parar por aí. Informações sobre sua formação universitária e cursos paralelos (como de idiomas ou de outras habilidades) também são muito importantes. Seu objetivo com aquela entrevista, além de um resumo das suas qualificações, experiências profissionais e cases de sucesso, não podem ser deixados de lado. Caso você trabalhe ou já tenha trabalhado com filantropia também adicione essa informação, pois é um diferencial”, explica.

A profissional diz que, ao mesmo tempo em que o currículo deva ser claro e objetivo, a pessoa não pode se acanhar. “Ao falar de suas habilidades, não tenha medo de fazer um pouco de marketing pessoal, apresentando casos de clientes anteriores e que obtiveram sucesso com sua ajuda, por exemplo. Para quem nunca trabalhou e está atrás de uma primeira experiência, nada de pânico: esse é o momento de demonstrar, seja por meio do currículo ou ainda na entrevista, que você já está buscando garantir seu futuro, e exaltar isso também é importante”, observa.

A profissional finaliza, lembrando que o currículo é como um cartão de visitas para aqueles que não foram contratados ainda. “Existem milhares de modelos de currículos na Internet. Procure aquele que encaixe melhor com seu momento profissional, e não esqueça de mostrar seus diferenciais”, conclui.