A logística no e-commerce

COLETÃNEAS DE NORMAS TÉCNICAS

e-commerceO comércio eletrônico, para ser eficiente, deve ter uma cadeia logística que é composta por recepção e condicionamento de produtos; estocagem; picking ou deslocamento de produtos para a preparação do pedido; e intervenção das transportadoras assumindo a entrega. Essas etapas devem ser inseridas em ferramentas de rastreamento dos pedidos, permitindo um melhor controle das diferentes operações, e dando aos clientes informações em tempo real da fase em que se encontra o produto adquirido.

A Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) fez um levantamento sobre logística no e-commerce brasileiro que apontou: 61% das lojas virtuais têm como principal problema o atraso nas entregas, seguido por extravios, furtos e roubos mencionado como maior dificuldade por 39% dos entrevistados. “O preço pago pela falta de planejamento aumenta a cada dia e afeta todos os setores da economia, incluindo o comércio eletrônico. A falta de segurança é um problema nacional e não deixa de impactar também o comércio eletrônico. Essa questão traz ainda aumento de custos na operação, pois há casos de transportadoras que necessitam de escolta para entregar em algumas áreas, além dos custos elevados de seguro”, aponta o presidente da ABComm, Maurício Salvador.

O levantamento levou em consideração três pontos da logística: armazenagem, transportes e manuseio. A pesquisa coletou 585 questionários online, entre 10 e 20 de junho de 2013, considerando proprietários de lojas virtuais do varejo e bens de consumo. “A logística foi escolhida para ser o tema do primeiro estudo ABComm por ser de alta relevância para a competitividade das lojas virtuais brasileiras. Considerando um universo de 11 mil lojas virtuais no Brasil, a margem de erro da pesquisa é de 6% com grau de confiança de 95%”, explica o presidente.

A pesquisa revelou também que 82% das lojas virtuais entrevistadas têm armazenagem própria. A justificativa dos entrevistados é que umas entre as vantagens estão o custo mais baixo e o maior controle sobre a operação. “Nem sempre é uma verdade. Aumento brusco na curva de vendas em datas sazonais é um dos pontos negativos pela baixa adaptabilidade e menor poder de barganha com transportadoras privadas por volume transportado. Um fator nas empresas que tem armazenagem terceirizada, é que conseguem operar a partir de outros estados, aproveitando incentivos fiscais”, afirma Salvador.

Uma parcela de 13% da amostra declarou ter frota própria para as entregas por oferecer entrega no mesmo dia e produtos especiais/perecíveis (jóias, flores, alimentos, etc) aos seus clientes. No entanto, os Correios ainda têm papel fundamental no transporte de encomendas do comércio eletrônico nacional, pois 81% das lojas virtuais entrevistadas utilizam esse serviço.

Mas, 23% das lojas virtuais optam pela contratação de transportadoras de acordo com a região da entrega. “O número é significativo e mostra amadurecimento e preocupação em ter uma estratégia de transportes. Ao criar tabelas de fretes separando transportadoras por região, a loja virtual reduz custos e aumenta a qualidade dos serviços prestados aos seus clientes”, enfatiza.

O frete grátis aparece com força no comércio eletrônico brasileiro e 69% das lojas virtuais entrevistadas oferecem frete grátis. Dois terços disseram que ao oferecer frete grátis, suas vendas aumentam. Por outro lado, 34% disseram que oferecem porque seus concorrentes também oferecem. A rentabilidade das lojas virtuais vem sendo espremida pelos custos cada vez mais elevados em duas pontas: mídia online e frete. Percebendo isso, 55% das lojas virtuais entrevistadas repassam o valor do frete para os consumidores e 30% adotam um modelo híbrido, repassando apenas parte do valor.

“Quando bem planejado, o frete grátis pode ser uma ferramenta bastante útil para aumentar o tíquete médio da loja virtual. Por outro lado, utilizar frete grátis sem ter definidas estratégias de preços e transportes, é como ativar uma bomba relógio.”, ressalta o presidente da ABComm. Quando perguntados sobre a partir de qual valor oferecem frete grátis, 19% dos entrevistados disseram que oferecem a partir de qualquer valor, ou seja, para todas as compras no site. 40% disseram que oferecem frete grátis para pedidos na faixa de 100 a 300 reais.

As alternativas de gerenciamento da logística desse tipo de comércio incluem o gerenciamento da sua própria logística ou delegar a atividade logística utilizando plataformas logísticas externas. Importante dizer que no início de atividade de uma loja virtual o volume de pedidos é normalmente baixo e é possível se gerenciar internamente a logística.

CLIQUE NA FIGURA PARA UMA MELHOR VISUALIZAÇÃO

logistica

À medida que se torna mais popular, a loja virtual passa a entregar um volume cada vez maior de pedidos. Nesses casos, a delegação da atividade logística passa a ser uma opção interessante. A terceirização da atividade logística implica em: dispor de uma interface de gestão da plataforma logística, o que significa que cada pedido feito no site será levado em conta. Apos o envio do pedido a loja virtual e o cliente poderão fazer o tracking do pedido, e a loja pode gerenciar o estoque de seus produtos.

Além disso, a logística poderá fazer a recepção, o controle e o estoque dos produtos, além de fazer o picking, empacotar e enviar os pedidos aos clientes. Igualmente, é fudamental fazer uma melhor gestão dos pedidos devolvidos, pois cada produto devolvido pode ser reintegrado ao estoque ou então descartado caso esteja em más condições.

Enfim, para obter sucesso esse tipo de negócio necessita de uma cadeia logística que atenda a necessidade de entregas em um país continental com uma velocidade extremamente restrita, em vista que uma das principais questões valorizadas por clientes de e-commerce é justamente o tempo de espera entre a compra e a chegada do produto. Atualmente esse tempo depende de algumas variáveis logísticas, tais como: aquisição de estoques, recebimento, conferência, separação (picking), expedição, transporte de mercadorias e atendimento ao consumidor.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Facebook: http://www.facebook.com/#!/hayrton.prado

Skype: hayrton.prado1

Anúncios

Cartilha para ajudar empresários a enfrentar a crise

Aterramento e a Proteção de Instalações e Equipamentos Sensíveis contra Raios: Fatos e Mitos – Em 3 x R$ 585,93

Proteção contra Descargas Atmosféricas de acordo com a Nova NBR 5419 de 06/2015 – Em 3 x R$ 600,00

sebraeCom informações para aqueles que precisam superar o momento pelo qual atravessa a economia brasileira, o Sebrae-SP desenvolveu a cartilha “Alavanque sua empresa em tempos de turbulência”. Elaborada por especialistas, traz orientações para ajudar o empreendedor a escolher a melhor estratégia para enfrentar a crise e reduzir custos sem perder qualidade, exemplificando quais pontos devem ser levados em consideração para que o empresário melhore a situação do seu negócio.

“É o momento de aprimorar a capacidade de gerir a empresa, de administrá-la, controlar quanto custa o produto e melhorar o serviço. Quem está no controle precisa ter senso de oportunidade e visão. Afinal, é quem vai apontar o rumo a ser tomado, agindo como verdadeiro empresário e não como dono do negócio apenas”, afirma o diretor-superintendente do Sebrae-SP, Bruno Caetano.

De acordo com os especialistas que elaboraram o conteúdo, a falta de dinheiro na empresa pode ser resultado de várias ações equivocadas, como excesso de compras, venda de produtos a preços que não cobrem os gastos e retirada dos sócios acima daquilo que a empresa pode pagar. Essas e outas dúvidas podem ser esclarecidas por meio de uma rotina capaz de diagnosticar as razões. “Existem controles – como de caixa e bancos, contas a pagar, a receber e controle de estoque – que ajudam no acompanhamento da movimentação financeira da empresa”, destaca o diretor.

A cartilha ainda ensina ao empresário o que deve ser considerado na renegociação com fornecedores, dívidas com bancos, compromissos de curto prazo que devem ser priorizados e, também, sobre quando recorrer a empréstimos bancários para retomar os negócios. Nessa hora, por exemplo, é importante mostrar aos credores que sua empresa ainda é viável, demonstrando frieza sem ser intransigente.

Aliada a eficientes planejamento, investimento, análise de oportunidades e do relacionamento com clientes e colaboradores, o material também dá destaque para temas, como fazer com que o cliente compre mais mesmo em tempos de baixa, motivação de funcionários para vender mais e como tirar melhor proveito da comunicação promocional.  “A cartilha vai ajudar o empresário a listar as atividades que deverão ser feitas para superar a crise: quais as ações imediatas, os objetivos a serem alcançados, os benefícios para a empresa, os responsáveis para que eles aconteçam, o prazo da atividade e como analisar os resultados. É preciso agir, a prevenção é sempre o melhor remédio, e se faz com a vacina chamada boa gestão”, enfatiza Caetano.

Nesta cartilha os especialistas levam o empresário a refletir como está a gestão de sua empresa e recomendam algumas soluções que podem tirar o negócio do vermelho, com foco no caixa, custos, vendas, compras e pessoas da sua empresa. A figura abaixo exemplifica quais os pontos de atenção que o empresário deve ter para melhorar a situação de sua empresa.

sebrae1

O material está disponível no link http://www.sebraesp.com.br/index.php/component/content/article/173-produtos-online/administracao/publicacoes/guias-e-cartilhas/16629-alavanque-sua-empresa-em-tempos-de-turbulencia, sendo necessário se cadastrar para fazer o download.