Autonomia e poder geram mais resultados para empresas

Mais informaçoes: clique no link

“Sou seu chefe, faça o que estou mandando.” Esse tipo de ordem, tão comum de ser ouvida no passado, já não existe mais nas empresas que já despertaram para a cultura de “empowerment” ou de “empoderamento”. De acordo com o consultor e especialista em vendas José Ricardo Noronha, as companhias que dão poder a seus colaboradores tendem a ter resultados incríveis.

“De forma bastante simplificada, pode-se traduzir ‘empowerment’ como a competência essencial das organizações de alta performance. Com ela, todos os profissionais têm real autonomia para fazer tudo o que é possível para encantar e fidelizar os clientes, para torná-los fãs e verdadeiros embaixadores da marca”, afirma o autor do livro “Vendas! Como eu faço”?

Noronha admite que, nas reuniões de briefing com os clientes que atende, fica evidente o desejo das empresas em desenvolver internamente esta cultura de empowerment, mas a grande dúvida é como fazer isso adequadamente. “Trata-se de um dos maiores e mais espinhosos desafios das companhias e, sem dúvida, é de responsabilidade da alta gestão, dos grandes líderes. Quando o processo é bem executado e se tem toda uma organização 100% focada e empoderada para resolver os problemas e realizar os sonhos dos clientes, os resultados são fantásticos. Para isso, é fundamental existir confiança entre líderes e liderados”.

Confira abaixo três dicas de Noronha para você criar uma cultura de empowerment em sua organização:

1) Os líderes precisam inspirar, capacitar e motivar seus profissionais o tempo todo. Isso só é possível quando os líderes verdadeiramente conhecem cada um dos liderados e sabem fazer a boa conexão entre sonhos, desejos, necessidades e expectativas deles com valores, missão, propósito e metas da empresa. Sem isso, fica muito difícil encantar o cliente com profissionais 100% comprometidos em bem servi-los o tempo todo.

2) Os líderes precisam se fazer disponíveis aos seus liderados o tempo todo e dar a eles real autonomia. Não nos esqueçamos de que a grande função do líder é oferecer um propósito, uma visão e uma missão grandiosa aos seus liderados. E, para que isso se viabilize na prática, o líder precisa estar disponível o tempo todo para dar “coaching” constante que privilegie a alta performance dos profissionais e da empresa como um todo. Além disso é preciso que haja confiança plena entre líder e liderados, e esta confiança só existe quando os profissionais têm real autonomia para bem realizar suas tarefas e responsabilidades. Lidere pelo exemplo.

3) Os líderes precisam servir e ajudar o tempo todo. Como ensina James Hunter, autor do best-seller “O Monge e o Executivo”, liderança servidora é dedicar tempo e esforço para identificar e satisfazer as necessidades legítimas de suas pessoas. Quando você faz isso, necessariamente constrói relacionamentos sólidos e saudáveis.

“A cultura de empowerment é um dos grandes segredos das empresas que mais encantam seus clientes. Portanto, dê poder e autonomia aos seus profissionais e coloque como a missão maior encantar todos os clientes e transformá-los em fãs. Os resultados que você e sua empresa alcançarão serão surpreendentes e poderosos”, finaliza Noronha.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Facebook: http://www.facebook.com/#!/hayrton.prado

Skype: hayrton.prado1

Anúncios

Descubra como desenvolver novas competências em sete passos


NBR 5920 (EB901) de 10/2015: os requisitos e ensaios de bobinas e chapas finas laminadas a frio

Quais os requisitos de composição química para análise de panela desses produtos? E quais…

Leia mais…

Bibianna Teodori

A neurociência diz que nunca é tarde para desenvolver uma nova competência. Já a neuroplasticidade mostrou que, ao contrário do que se imaginava, nossa capacidade de aprendizado não é perdida ao longo dos anos. Atividades como raciocínio lógico, exercícios físicos e mentais estimulam novas ligações cerebrais. Conheça os sete passos para desenvolver novas competências em qualquer momento da sua vida.

1. Identificação
O primeiro passo é definir a competência necessária para atingir determinado objetivo. Vamos supor que você deseja uma promoção em seu trabalho. Você deve descobrir o caminho que o levará até esse objetivo. Para isso, pergunte-se: Que habilidades eu devo desenvolver para alcançar meus objetivos? O que me fará um profissional diferenciado na minha empresa? Para responder a essas perguntas, pense em pessoas que já chegaram onde você deseja: Quais eram seus diferenciais? Que competências tinham e que você ainda não desenvolveu?

2. Entendimento
O quanto você está motivado a desenvolver uma nova competência? Reflita no que está deixando de ganhar por ainda não dominar essa competência. Pense em uma situação em que uma competência foi exigida de você.

3. Assessment
Nesta fase, você deve descobrir em que grau possui a competência que quer desenvolver. Relacione as que quer desenvolver e responda: Em uma escala de 1 a 10, o quanto acha que essas competências são necessárias para alcançar seus objetivos? De 1 a 10, em que nível você acha que possui essas competências? Se a competência for fundamental e seu domínio muito baixo, não se desespere, ainda assim é possível desenvolvê-la com um plano de ação adequado. Saber seu grau de domínio, ainda que baixo, é importante para te ajudar a elaborar o plano ideal.

4. Aquisição
Você já sabe o que, por que e o quanto precisa ser desenvolvido. A próxima etapa é descobrir como desenvolver. Faça uma lista de tudo que precisa para dominar a competência que deseja, como, por exemplo, cursos e treinamentos, coaching, leituras, estudos…

5. Plano de ação
Depois, elabore um plano de ação, definindo claramente o que, quando e onde vai fazer e os recursos necessários para isso.

6. Experimentação
Aqui você deve tentar novos comportamentos que expressem a competência que deseja adquirir. Suponha que esteja desenvolvendo as competências necessárias para se tornar um grande líder. Pense: Como esse grande líder se comporta? Que evidências os outros devem perceber em você para vê-lo como um grande líder?

7. Prática
Dizem que a prática leva à perfeição. O ditado popular foi comprovado pelo psicólogo Anderss Ericsson, da Universidade da Flórida (EUA). Pioneiro nos estudos da prática deliberada, Ericsson afirma que uma pessoa se torna expert em qualquer atividade ao repeti-la cotidianamente. A prática eficaz é um pouco mais do que a mera repetição. Ela vai dar mais resultados se você observar os seguintes aspectos: Identificação, Isolamento, Reforço, Integração e Intensificação.

Agora é hora de seguir, de verdade, esses sete passos e desenvolver o que deseja.
Bibianna Teodori é executive e master coach, idealizadora e fundadora da Positive Transformation Coaching. Autora do livro “Coaching para pais e mães – Saiba como fazer a diferença no desenvolvimento de seus filhos” e coautora de “Coaching na Prática – Como o Coaching pode contribuir em todas as áreas da sua vida” – www.bibiannateodoricoach.com.br