Transformando crise em oportunidade

Clique para mais informações

Especialista revela que o coaching pode ser a saída para buscar o sucesso.

A população brasileira está passando por um momento oportuno, principalmente no sentido de refletir sobre tudo que tem ocorrido no país. Porém, como tomar ações energéticas a partir dessa reflexão, se há uma sensação de impotência e se todos não sentem suas vozes ouvidas em meio a tantos assuntos desagradáveis?

A coach Andreia Rego fala que o coaching se refere ao alcance da potência individual. “O processo promove questionamentos inteligentes, estimulando cada um a olhar para dentro de si, trazendo à tona o seu melhor, suas qualidades, seus pontos fortes, valores pessoais. Esses fatores são imprescindíveis nos dias de hoje, justamente porque orientam para solução de problemas, ações e realização”, conta ela.

Dessa forma, existe sempre um antídoto para aquilo que a pessoa não gosta, fazendo com que o processo ajude o indivíduo a transformar o que é negativo em positivo. Ou seja, o ponto principal é ampliar e modificar o olhar diante das situações. Por conseqüência, mudanças ocorrem no comportamento.

“A palavra crise, na origem grega, diz respeito à ruptura e essa quebra pode significar ameaçar a segurança, trazendo incerteza no que está por vir. Independente de qualquer estado é importante saber que nunca se está seguro de nada, exceto da morte”, conta Andreia. Sendo assim, a crise, seja ela social, de saúde, emocional, governamental, política, amorosa ou financeira requer que todos tenham impulsos para pensar com determinação, a fim de modificar aquilo que incomoda. O progresso começa a partir de cada um, podendo até alcançar um coletivo.

Por outro lado, a palavra oportunidade (opportunitas), significa ‘ocasião favorável/chance’. De acordo com a coach, é tempo, então, de transformar o antídoto de crise em oportunidade. “Rupturas contêm em si uma pausa, um antes e um depois. Abrem portas para o desconhecido, o novo. O sucesso é buscar o que se precisa com foco e criatividade”, afirma a especialista.

É nessa linha que o coaching auxilia cada um, para que haja um aprofundamento do autoconhecimento, na construção de uma vida melhor. Ele resgata a essência da pessoa, o que viabiliza descobertas, atenção para o pensamento positivo e revitalização. Já dizia o filósofo Ernst Bloch: pensar significa ultrapassar.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Facebook: http://www.facebook.com/#!/hayrton.prado

Skype: hayrton.prado1

Anúncios

A obrigatoriedade da presença do advogado no inquérito policial


IEC 60335-2-25: a segurança de fornos micro-ondas

Essa norma, editada com novos requisitos em 2015 pela International Electrotechnical Commission (IEC), trata…

Leia mais…

Leopoldo Luis Lima Oliveira

No último dia 15 de dezembro foi aprovada a Lei 13.245/2016 que altera a lei federal nº 8906/94 no que tange aos direitos dos advogados. A nova lei traz a obrigatoriedade da presença do advogado no inquérito policial e realça mais uma vez a importância da nobre profissão no Estado Democrático de Direito. Um convite à observância maior da legalidade na comprovação da culpabilidade do acusado.

Para entender melhor a nova lei é importante a compreensão de que o inquérito policial por exemplo colhe informações previamente à propositura da ação penal sob a égide da Constituição Federal e caracteriza-se como um procedimento administrativo para a maioria dos autores e cientistas do direito. De caráter inquisitivo e presidido justamente pela autoridade policial, também possui a função de colher elementos para o deferimento de medidas cautelares judiciais. Tratado pela maioria dos cientistas como procedimento e não processo, justifica-se a ausência de princípios como contraditório e ampla defesa, primordiais para a busca da verdade real.

Porém, com o decorrer dos tempos, percebe-se a concepção de que os princípios constitucionais se irradiam em todo o sistema, também sendo aplicados à respectiva fase investigatória. Longe de discutir neste momento se a expressão correta será processo ou procedimento administrativo, a palavra chave na atualidade passa a ser a busca pelo devido processo legal através de uma leitura eminentemente constitucional, garantindo-se direitos às vítimas e investigados. Neste diapasão o advogado deve exercer o seu ministério em consonância com a sua elevada função e com os valores que lhe são inerentes, sendo sua presença na fase de inquérito literalmente obrigatória com a necessária transparência e possibilidade de acesso a todos os documentos de uma investigação.

É importante destacar que a autoridade competente poderá delimitar o acesso do advogado aos elementos de prova relacionados a diligências em andamento e ainda não documentados nos autos, quando houver risco de comprometimento da eficiência, da eficácia ou da finalidade das diligências. De outro lado não impedirá sua presença durante o inquérito e a vista dos autos, já que a inobservância aos direitos dos advogados estabelecidos implicará na responsabilização criminal e funcional da autoridade competente.

Em aspectos amplos as investigações são realizadas em delegacias, inquéritos parlamentares, militares, inquéritos cometidos por magistrados ou mesmo por autoridades com foro privilegiado. A necessidade de procuração passa a ser obrigatória apenas em inquéritos sigilosos de flagrante ou investigação, sejam eles findos ou em andamento. A nova lei usa o termo “qualquer instituição responsável por conduzir investigação”.

Em algumas repartições públicas por exemplo, em plena modernidade, a extração de cópias físicas e principalmente digitais pelos advogados ainda é um dilema, sendo restringida pela autoridade, o que pela letra da nova lei passa a ser declaradamente obrigatória e sem necessidade de prévia fundamentação. A lei é clara no sentido de que o advogado possui o direito de copiar as peças e a recusa implica na clara violação de prerrogativas profissionais.

Porém, o destaque importante da novatio legis surge justamente no fato de que o advogado passa a ter o direito de assistir a seus clientes durante a apuração de infrações, sob pena de nulidade absoluta do respetivo interrogatório ou depoimento. Uma inovação legal e técnica, já que antes da respectiva lei os profissionais advogados muitas vezes acompanhavam seus clientes em delegacias de polícia e sua presença era de algum modo menosprezada por algumas autoridades, tratada como dispensável, sem qualquer menção até mesmo no documento de intimação.

Ora, nas varas do júri, o advogado era dispensável para requerer, apresentar razões ou mesmo quesitos durante a fase investigatória. Agora sua presença será imprescindível e até mesmo em autos sujeitos ao sigilo o nobre causídico apresentará sua procuração. Assim a nova lei 13.245/2016 ingressa justamente na conscientização do diálogo efetivo e de vanguarda do processo penal atual, trazendo a valorização efetiva do cidadão, que através da figura do advogado será destacado como maior e mais digno cliente do país. Enquanto isso está em andamento o projeto de lei 5762/05 que dispõe sobre o crime de violação de direitos e prerrogativas do advogado necessitando ser aprovado com celeridade. Valorizar a advocacia é valorizar a cidadania.

Leopoldo Luis Lima Oliveira é pós graduado em direito penal, processo penal e tributário, mestre em Direito Penal pela PUC São Paulo e presidente da OAB Tatuapé.