A agricultura orgânica tenta ser a mais natural possível

Norma comentada

NBR ISO 14001 – COMENTADA
de 10/2015

 

Sistemas de gestão ambiental – Requisitos com orientações para uso – Versão comentada….

Nr. de Páginas: 41

Antonio Batista Filho

A maior parte da existência do homo sapiens sapiens não exigiu alterações do meio ambiente para sua subsistência. A caça e coleta o tornavam um elemento natural como qualquer outro. Com a revolução neolítica, reconhecida como a mais importante da história, a espécie humana começou a alterar a paisagem para obter seu mantimento.

No início, os assentamentos humanos estabeleciam-se próximos a rios, sendo que as técnicas de agricultura não interferiam muito na natureza. De forma sutil, o cultivo complementou a caça e coleta por várias gerações, e por tempos diferentes em povos diferentes, até ir gradualmente ocupando um papel central na subsistência dos grupos humanos. Esse evento mudou a relação humana com o mundo que o cercava, pois, a partir desse momento, deixou de ser apenas parte dele para moldá-lo conforme suas necessidades.

A abundância de alimentos, proporcionada pela agricultura, ocasionou um crescimento demográfico inédito até então, e exigiu medidas para se acelerar a produção. Fez-se necessário desmatar áreas para criar novos campos e desenvolver técnicas de irrigação, interferindo no ambiente e tornando-o humanizado.

Ao longo dos séculos, foram criando-se novas tecnologias aplicadas à agricultura, tais como o arado. No entanto, essas tecnologias sempre dependeram da força do trabalho humano e animal (importante salientar que os animais, ao mesmo tempo em que aravam a terra, também adubavam o solo de forma natural), além do cultivo costumar ser sazonal, desgastando menos o solo. Com surgimento de máquinas à vapor, a partir da revolução industrial, o trabalho agrícola pode ser maximizado e avançar em uma escala bem maior.

Por volta da segunda metade do século XX, foram empregadas no meio agrícola grandes máquinas como tratores para arar, máquinas colhedoras de sementes, irrigadores, defensivos químicos e fertilizantes. O novo maquinário impactou firmemente a natureza, assim como o sistema de plantio. Ter uma boa tecnologia à disposição passou a ter mais importância na produtividade do que ter acesso a um solo fértil.

Apesar dos avanços, a agricultura tradicional ainda está baseada em monoculturas. O solo costuma ser preparado através de aragem e intenso revolvimento. Após a colheita, o solo precisa ser preparado novamente e o processo vai desgastando o ambiente, mas, diferentemente, da agricultura pré-revolução industrial, o replantio não é feito apenas uma vez ao ano, contribuindo com a degradação do solo e erosões.

Além desse fato, as colheitas exigem mais campos para serem trabalhados, o que ocasiona mais desmatamento. O uso de pesticidas, e herbicidas para a eliminação de pragas e ervas daninhas também afeta a qualidade da água advinda da irrigação, contamina reservas subterrâneas e polui os lençóis freáticos. Além do impacto natural, os defensivos químicos, quando utilizados de forma inadequada, podem ter efeitos danosos na saúde humana, pois apresentam componentes potencialmente cancerígenos. Os fertilizantes nitrogenados têm o seu papel no efeito estufa, pois liberam óxido nitroso na atmosfera.

Diante de tal quadro, foi estimulada a busca por uma agricultura alternativa, com tecnologias e sistemas que fossem menos nocivos à natureza. Criaram-se então, novas formas de agricultura: as agriculturas orgânica, biodinâmica, ecológica, biológica, natural e agroecológica. Posteriormente, foram todas agrupadas dentro do que se nomeou “agricultura orgânica”.

A agricultura orgânica tenta ser o mais natural possível. Procura se adequar ao ecossistema no qual se dará o cultivo, respeitando seus aspectos topográficos, climáticos, hídricos, geológicos e biológicos. É muito usada também como uma forma de agricultura familiar, devido à sua adaptabilidade às condições locais.

O sistema dispensa os defensivos químicos e opta por empregar os predadores das pragas para fazer um controle de forma natural, impedindo que a cultura seja destruída ao mesmo tempo que evita produtos nocivos tanto para o meio quanto para a saúde do consumidor final. O controle de ervas daninhas é feito sem herbicidas, sendo preventivo e manual. Para adubar o solo, utiliza-se adubo orgânico, como esterco animal (até mesmo a origem do animal é seletiva, pois devem ser de uma espécie existente na região onde se dá o cultivo).

Em vez de utilizar o sistema de monocultura, a agricultura orgânica emprega o sistema de rotação de culturas, comportando uma variação de até cem espécies, o que evita o desgaste do solo. O modo de plantio assemelha-se à agricultura antiga como, por exemplo, estabelecendo uma anualidade para o replantio. O revolvimento do solo também é evitado propositalmente, de modo que seja preservado.

Naturalmente, apesar desse sistema agrícola utilizar-se de métodos antigos, os seus adeptos buscam por tecnologias modernas que tornem o processo mais eficiente. Não há equipamento desenvolvido especificamente para a agricultura orgânica, mas os produtores podem compensar isso fazendo adaptações de instrumentos da agricultura convencional e adotando novos métodos produtivos.

Uma forma que os produtores orgânicos têm de competir com os produtores convencionais, pois a produção destes é mais acelerada, é apostar na variedade de seus produtos, pois costumam cultivar até sessenta culturas. Outra vantagem dos produtores orgânicos é existir uma maior conscientização do mercado consumidor sobre a produção orgânica, criando um quadro favorável para a venda de produtos alternativos.

A agricultura de precisão apresenta-se como uma alternativa mais sustentável, pois procura evitar o máximo de desperdício. Contando com medidas das condições geológicas e meteorológicas, o sistema emprega equipamentos capazes de aplicar precisamente a quantidade certa de defensivos agrícolas e adubos, de forma que não haja excessos. Os resultados são menores custos com maiores ganhos e menos excessos cometidos contra a natureza.

Todas as alternativas para a agricultura convencional têm pontos em comum que convergem para a sustentabilidade do meio ambiente. Entre os recursos principais podemos listar: a minhocultura para proporcionar a estrutura e porosidade do solo, a manipulação da vegetação nativa para assegurar o controle de fatores ambientais, emprego de leguminosas que proporcionem o oxigênio atmosférico, e consumo racional de água ao se aplicar a irrigação.

A agricultura orgânica provou que é possível uma harmonia entre o meio ambiente e o sustento do homem, embora ainda apresente um déficit de produtividade em relação aos métodos convencionais. Entretanto, a ecologia e o agronegócio são preocupações fundamentais o suficiente para estimular a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico que possa contornar os empecilhos para que uma agricultura sustentável se torne cada vez mais viável.

Antonio Batista Filho é diretor geral do Instituto Biológico/Apta da Secretaria de Agricultura e Abastecimento.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Facebook: http://www.facebook.com/#!/hayrton.prado

Skype: hayrton.prado1

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: