O ensaio de intemperismo e a relação com o tempo de exposição natural

Copyright© 1994-2016 Target Engenharia e Consultoria Ltda. Todos os direitos reservados.
Home |  Aviso Legal |  Sobre

Fernando Soares de Lima, técnico especializado do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT)

Cada vez mais os fabricantes de artigos têxteis e materiais em geral tomam consciência da importância de melhorar a qualidade de seus produtos com relação ao intemperismo, mas ainda existem alguns mitos e hábitos relacionados a esta análise que necessitam ser melhor esclarecidos a fim de se evitar erros graves que podem comprometer o resultado destas análises.

Intemperismo é a resposta de materiais e produtos ao ambiente, geralmente causando falhas indesejáveis e prematuras. Para analisar quais seriam essas falhas, ou o quanto elas podem deteriorar o material, geralmente são efetuados ensaios de intemperismo seguindo normas especificas em equipamentos apropriados.

No caso de avaliar danos causados pela exposição solar, utilizam-se equipamentos que possuem lâmpadas de arco de xenônio. Este tipo de lâmpada é apropriada por possuir comprimentos de onda em faixas próximas as do sol, o que favorece uma degradação no material semelhante a que ocorreria caso este ficasse exposto ao sol por determinado tempo.

Quando há a necessidade de acelerar o processo de degradação no material, com o objetivo de avaliar quais os danos causados pela exposição ao ambiente por longo prazo, utilizam-se equipamentos com lâmpadas ultravioleta, que emitem comprimentos de onde específicos de UVA ou UVB. Estes equipamentos são câmaras que sujeitam o material a ciclos de exposição ultravioleta, altas temperaturas e condições de choque térmico.

Para avaliação da degradação de materiais têxteis expostos ao intemperismo geralmente utiliza-se a exposição à luz de arco de xenônio, onde observa-se principalmente sua solidez da cor, ou seja, o quanto este material “desbota” quando exposto à luz. A principal norma utilizada neste ensaio é a NBR ISO 105 B02 que possui vários métodos de ensaios mas o mais utilizado é o método 1, que se refere à analise de materiais cujas propriedades de exposição à luz são desconhecidas.

Seguindo-se esta norma e este método, o material a ser ensaiado é exposto à luz da lâmpada de arco de xenônio com irradiância, umidade e temperaturas controladas juntamente com tecidos de lã azuis de referência. A irradiância controlada é o fluxo de energia que é emitido no material e sua unidade é W/m². A umidade é controlada pois a quantidade de água disponível no ambiente pode alterar as reações que ocorrem no material durante a exposição.

No caso da temperatura deve-se observar que duas temperaturas são controladas. A primeira é a temperatura no corpo-de-prova que é controlada por um termômetro em um painel negro, este termômetro é chamado de BST – Black Standard Termometer ou BPT – Black Panel Termometer. A segunda é a temperatura interna da câmara do equipamento onde o material está sendo exposto chamada de CHT – Chamber Temperature.

Os tecidos de lã azuis de referência tratam de oito tecidos de lã, tintos na cor azul e que possuem solidez da cor conhecidas quando expostos à luz. O primeiro tecido de lã apresenta uma solidez da cor menor em relação ao segundo e assim segue para os demais, sendo o oitavo tecido de lã o que oferece uma maior solidez da cor.

A avaliação do material exposto é feita em função dos tecidos de lã azuis de referência e existem dois critérios para finalização do ensaio, devendo-se seguir o que ocorrer primeiro. Um dos critérios é seguir com o ensaio avaliando-se o corpo de prova até que este atinja o grau 3 da escala cinza de alteração da cor. Neste caso ao final do ensaio o material analisado é comparado ao conjunto de tecidos de lã azul e sua nota é relacionada ao tecido de lã azul que apresentar solidez da cor semelhante ao material.

O outro critério é seguir com o ensaio até que o sétimo tecido de lã azul atinja o grau 4 da escala cinza de alteração da cor, caso isto ocorra antes do material avaliado atingir nota 3 da escala cinza de alteração da cor. Neste caso o material avaliado tem sua nota dada como > 7, que significa que este material possui solidez da cor maior que o tecido de lã padrão azul 7.

Existe uma postura equivocada de muitos solicitantes do ensaio de exposição de materiais à luz de arco de xenônio pela norma citada que muitas vezes, principalmente por motivos financeiros, determina o número de horas de exposição do material. Como vimos anteriormente, para seguir a norma o número de horas de exposição dependerá totalmente da resistência do material quando exposto à luz.

No caso da necessidade de determinar um valor fixo de horas de exposição, deve-se adotar outro critério que é a quantidade de energia irradiada no material, e ao final avaliar a solidez da cor deste em relação à escala cinza de alteração da cor. Outro engano muito comum é relacionar o número de horas de exposição em equipamentos de laboratório com o tempo de exposição do material ao ambiente.

Nenhum fabricante de equipamento ou norma de ensaio determina esta correlação. A única forma de encontrar esta relação seria obtendo informações do tipo: qual a irradiância emitida pelo sol na superfície da Terra? Isto é muito difícil de dizer pois cada região recebe uma irradiância diferente em função da angulação da Terra, da quantidade de nuvens, da poluição em determinadas regiões e assim por diante.

O ensaio de intemperismo feito em laboratório possui apenas alguns dos fatores que podem causar degradação no material e estes são totalmente controlados (irradiância, umidade, temperatura da amostra e temperatura da câmara). Quando o material é exposto ao ambiente, além de não haver controle dos parâmetros já citados, existem outros fatores que podem causar degradação, como exemplo poluição, chuva ácida e poeira.

Mas se não há relação do tempo de ensaio em equipamento de laboratório e o tempo de exposição do material no ambiente, para que eu deveria efetuar este ensaio?Os ensaios de intemperismo são de extrema importância para conhecer qual será o comportamento do material quando exposto ao natural e avaliar quais os danos que podem ser causados no material exposto ao ambiente e o quanto este dano impacta na integridade do material. Empresas preocupadas com a qualidade de seus produtos executam estes ensaios com o objetivo de melhorar seus processo e formulações a fim de evitar que seus produtos tenham uma degradação desfavorável ou precoce.

Uma opção para proceder com este ensaio também é de maneira comparativa, onde o novo material desenvolvido é exposto juntamente com um material de resistência já conhecida e então criam-se os parâmetros de aceitação para este novo produto.

NBR ISO 105-B08 de 04/2009

A NBR ISO 105-B08 de 04/2009 – Têxteis – Ensaios de solidez da cor – Parte B08: Controle de qualidade dos tecidos de lã azul de referência 1 a 7 descreve um método para efetuar o controle de qualidade de produção de tecidos de lã azul de referência 1 a 7 que serão usados em partes apropriadas das séries ABNT NBR ISO 105-B de métodos de ensaios de solidez da cor a luz. Especifica um procedimento de avaliação instrumental da regularidade de tingimento e dois procedimentos para avaliação de características de desbotamento de materiais de referência.

É aplicável a todos os tecidos de lã tintos planejados para uso como tecidos de lã azul de referência 1 a 7 (ver NBR ISO 105-B01:2009, subseção 4.1 .I ). Não é adequada para tecido de lã azul de referência 8. É baseada na NBR ISO 105-B02, que é internacionalmente considerado o método mais amplamente empregado para ensaios de solidez da cor a luz e representativo de todos os métodos onde se especificam os tecidos de lã azul de referência.

Teste: descubra como você raciocina

Normas regulamentadoras

O Portal Target disponibiliza aos seus clientes e usuários, todas as Normas Regulamentadoras, estabelecidas pelo MINISTÉRIO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, que têm como objetivo disciplinar as condições gerais relacionadas à saúde e segurança do trabalhador em cada atividade ou posto de trabalho.Você pode realizar pesquisas selecionando o produto “Normas Regulamentadoras” e informando a(s) palavra(s) desejada(s): https://www.target.com.br/produtos/normas-regulamentadoras

Ernesto Berg

Existem duas formas de tomar decisões: através da lógica e da criatividade. Isto afeta diretamente a sua forma de encarar problemas e, também, a maneira de decidi-los. O teste revela sua preferência em tomar decisões.

Instruções de preenchimento

Leia atentamente as situações abaixo dispostas em duas alternativas, a e b.

Atribua notas de 1 a 3 para cada alternativa, conforme segue:

Você deve necessariamente registrar uma nota para a e outra nota para b, cuja soma final terá que ser, sempre, igual a 3.

Se a alternativa a for muito característico do seu modo de ser e agir, e b nada característico, anote 3 para a, e 0 para b.

Se a alternativa a for um pouco mais característico do seu modo de ser e agir, e b um pouco menos característico, anote 2 para a, e 1 para b.

Se b for um pouco mais característico do seu modo de ser e agir, e a um pouco menos característico, anote 2 para b, e 1 para a.

Se b for muito característico seu modo de ser e agir, e a nada característico, anote 3 para b, e 0 para a.

Para que o resultado seja confiável responda como você efetivamente agiria, e não como você acha que seria a melhor solução.

A soma dos pares (a e b) deve sempre ser igual a 3.

Prefiro:

1a ____ Idealizar e fazer planos sem que obrigatoriamente tenha que executá-los.

1b ____ Fazer acontecer planos detalhados e minuciosos.

2a ____ Saber bem, e com muita antecedência, o que esperam de mim.

2b ____ Agir livremente conforme a inspiração do momento.

3a ____ Começar as reuniões no horário estipulado.

3b ____ Começar as reuniões só depois que todos tiverem chegado.

4a ____ Debater exaustivamente um novo problema ou situação que surgiu envolvendo todas as pessoas ligadas ao assunto.

4b ____ Analisar individualmente, em detalhes, as situações e problemas, e depois levar minhas conclusões ao grupo.

5a ____ Trocar ideias com pessoas.

5b ____ Raciocinar sozinho.

6a ____ Auxiliar as pessoas a exprimirem seus sentimentos.

6b ____ Ajudar os outros a tomarem decisões racionais e ponderadas.

7a ____ Assuntos objetivos, práticos, reais.

7b ____ Assuntos teóricos, abstratos.

8a ____ Que me olhem como alguém objetivo, que vai “direto ao ponto”.

8b ____ Que me olhem como alguém criativo e imaginoso.

9a ____ Conversar longamente com as pessoas, examinar calmamente a situação e dar uma solução ao problema mais tarde.

9b ____ Obter rapidamente todos os dados através de pessoas e registros, refletir e tomar decisão sem demora.

10a____ Tomar decisões lógicas.

10b____ Tomar decisões intuitivas.

11a____ Utilizar métodos comprovadamente eficazes para executar tarefas.

11b____ Criar novos métodos e processos para executar tarefas.

12a____ Analisar as circunstâncias através daquilo que percebo e creio a respeito das pessoas.

12b____ Fazer análises criteriosas e lógicas, para então tirar conclusões.

13a____ Imaginar novas alternativas, presumir novas possibilidades mesmo que talvez não funcionem.

13b____ Ater-me aos fatos e trabalhar em coisas objetivas.

14a____ Trabalhar com programação definida e prazos certos.

14b____ Trabalhar com programação maleável e prazos flexíveis.

15a____ Basear-me em previsões e planejar o trabalho detalhadamente com a devida antecedência.

15b____ Planejar o suficiente pouco antes de implantar.

16a____ Tomar decisões criativas e diferenciadas.

16b____ Tomar decisões práticas e objetivas.

17a____ Interagir com pessoas inovativas, sentimentais, singulares e originais.

17b____ Interagir com pessoas objetivas, ponderadas e lógicas.

18a____ Colocar em prática meus conhecimentos de  análise e solução de problemas.

18b____ Envolver-me com outras pessoas, discutir em grupo e vivenciar novas situações.

19a____ Solucionar problemas e questões com base na lógica.

19b____ Solucionar problemas e questões com  base na percepção que eu tenho deles.

20a____ Utilizar processos criativos de tomada de decisão.

20b____ Utilizar processos lógicos de tomada de decisão.Veja seu resultado

Vale lembrar que cada par – a e b – tem que somar 3. Como são 20 pares de situações, as duas colunas juntas (hemisfério esquerdo e hemisfério direito) devem necessariamente somar 60.

Transponha a pontuação para a coluna correspondente. Certifique-se de que você está transferindo cada escore para a coluna certa.

Hemisfério Esquerdo

H E        Hemisfério Direito

H D

1b ______

2a  ______

3a  ______

4b  ______

5b  ______

6b  ______

7a  ______

8a  ______

9b  ______

10a ______

11a ______

12b ______

13b ______

14a ______

15a ______

16b ______

17b ______

18a ______

19a ______

20b ______

 

TOTAIS   _______

 

1a  ______

2b  ______

3b  ______

4a  ______

5a  ______

6a  ______

7b  ______

8b  ______

9a  ______

10b ______

11b ______

12a ______

13a ______

14b ______

15b ______

16a ______

17a ______

18b ______

19b ______

20a ______

_______

 

A coluna de maior pontuação indica sua tendência em utilizar o hemisfério correspondente. Quanto maior o escore em uma coluna, maior a sua tendência em usar esse hemisfério, conforme interpretação abaixo.

PONTUAÇÕES TOTAIS

HE             HD                               INTERPRETAÇÃO

Entre

60 e 46

Entre

0 e 14

Esses escores revelam um acentuado predomínio do hemisfério esquerdo. Você usa processos eminentemente lógicos e racionais na resolução de problemas e tomada de decisão. O lado criativo praticamente não é utilizado.

Entre

45 e 34

Entre

15 e 26

Certa preponderância do uso da lógica. Pode existir alguma criatividade, entretanto encontra-se tolhida.

Entre

33 e 2

Entre

27 e 33

Há um equilíbrio na utilização dos dois hemisférios, onde a lógica e a criatividade encontram-se balanceadas.

Entre

26 e 15

Entre

34 e 45

Certa preponderância da abordagem criativa e intuitiva. Os aspectos racionais e lógicos estão em segundo plano.

Entre

14 e 0

Entre

46 e 60

Acentuada predominância da criatividade e da visão inovativa, em sacrifício do raciocínio lógico e conceitual na tomada de decisão.

Ernesto Berg é consultor de empresas, professor, palestrante, articulista, autor de 15 livros, especialista em desenvolvimento organizacional, negociação, gestão do tempo, criatividade na tomada de decisão, administração de conflitos – berg@quebrandobarreiras.com.br