Carta a um jovem universitário

Claudius D’Artagnan C. Barros

Pediram-me para lhe escrever uma carta, apresentando sugestões sobre como você poderia aproveitar minha experiência – profissional e de vida, para melhor se situar no desafiante mundo de hoje. Vou fazê-lo sim, é claro.

Mas, quero que saiba que a experiência, seja tácita, ou explícita compartilhada, mesmo tendo valor inestimável, é apenas um ponto de partida. Há mais coisas importantes que caberá a você mesmo fazer!

Dizem que a experiência não é aquilo que nos acontece, mas o que fazemos com aquilo que nos acontece. Dizem também (atribuem esta frase, aliás, ao grande Albert Einstein), que não se podem resolver problemas criados a partir de uma realidade, utilizando instrumentos que pertencem a essa mesma realidade. Assim, temos que nos reinventar constantemente.

Pensando nisso, fico imaginando como minha experiência, que se deu ontem, em momento tão diverso desse que você vive hoje, pode ajudá-lo a resolver – com ferramentas de ontem, os problemas que você enfrenta hoje? Certamente não pode.

O que talvez possa ser útil a você, levando em conta minha experiência de praticamente cinco décadas no mundo corporativo, é o fato de que vivi momentos importantes de transição e essa parte específica de minha experiência – esta sim, pode ajudá-lo a perceber e a agir adequadamente em momentos de transição que você próprio está vivenciando ou, com certeza irá vivenciar.

Falando nisso, o mundo passa atualmente por uma enorme transição e os jovens – como você, que se preparam para ingressar no mundo dos negócios, em particular no mercado de trabalho, precisam ser muito ousados e, atitudinalmente, preparados para enfrentar mudanças muito rápidas e inesperadas. Tal qual afirmou o filósofo Heráclitus (535 a.C.), “A única certeza permanente que temos… é a mudança”.

Como gerenciar essas mudanças tem sido um enorme desafio. De que maneira nos preparamos para o que vem por aí, quando nem mesmo sabemos que aparência essa nova realidade terá? Como, enfim, lidar com tamanha incerteza, frente a tantas dúvidas sem resposta?

Você, particularmente, tem de responder a algumas questões concretas que hoje atormentam uma grande quantidade de alunos das universidades: Que curso seguir? Qual é a melhor escola? Como custear meus estudos? Que garantia terei de que com isso obterei uma posição de destaque e uma remuneração atraente depois de formado?

A resposta mais honesta a tudo isso é, simplesmente, não sabemos: temos de procurar dados informativos disponíveis, transforma-los em conhecimento e tratar de fazer o melhor uso possível deles, para que nossa decisão seja a mais instrumentada, balizada e assertiva possível. Somente assim teremos alguma chance de encontrar uma boa saída gerindo as mudanças com eficácia.

Descobrir em que você tem mais talento e tratar de aproveitá-lo, transformando-o num negócio, pode ser uma oportuna opção para sua atuação efetiva no mercado de trabalho como um empreendedor. Faça uma boa reflexão sobre isso antes de definir como única opção a de “profissional com carteira assinada”

Durante o período em que estiver fazendo seu curso, não despreze as oportunidades de estágio. Mas, não faça estágio apenas por fazer, ou para cumprir uma exigência acadêmica. Aplique-se nele, faça dele um trampolim para aprendizagem efetiva de uma profissão.

Estude muito e continuamente. Busque incessantemente o conhecimento, não apenas no âmbito daquilo que escolher como especialização profissional, mas sobretudo o conhecimento amplo, holístico, que relaciona entre si áreas díspares, que pareçam as vezes, nada ter a ver umas com as outras. Isso é o que realmente pode garantir um diferencial na concorrência profissional. Lembre-se, o conhecimento é o ouro moderno.

Não deixe passar em branco as boas oportunidades que se oferecerem em sua vida. Saiba perceber o cavalo encilhado que passa ao seu lado, como destaca o consultor Al Ries em seu livro “Horse Sense”.

Se você não aproveita para montar no cavalo encilhado que passa, este poderá nunca mais passar novamente por você. E, se você não prestar atenção na possibilidade de cavalos encilhados virem a passar ao seu lado, poderá nem sequer perceber que algum deles eventualmente já terá passado!

Às vezes, deixamos este cavalo passar, na expectativa de que outro virá representando uma oportunidade ainda melhor. Ledo engano meu caro – o próximo pode não ser um tranquilo e exuberante cavalo encilhado; mas sim, uma boiada estourada…!

Cultive o relacionamento autêntico e aprofundado com as pessoas: conviva com elas e não perca a oportunidade de aprender com elas; fortaleça e desenvolva sua capacidade de conquistar pessoas e fazer amigos. Como sugere o pensador e escritor polonês Zygmunt Bauman, em seu livro “Amor líquido”, …construa uma comunidade efetiva de amigos, não necessariamente uma rede (virtual) de amigos!

Mas, sobretudo, procure se cercar de gente melhor do que você, com quem possa verdadeiramente aprender. Procure também pessoas que tenham alta intensidade ao se debruçarem nos estudos.

As organizações de hoje querem profissionais competentes em suas respectivas especialidades, porém, querem ao mesmo tempo, pessoas capazes de relacionar-se com outras pessoas e formar comunidades de prática e de aprendizagem. Embarque nessa e meus votos de que você tenha muito sucesso!

Claudius D’Artagnan é membro da Academia de Letras de Lorena, Vice Presidente da Academia Brasileira da Qualidade, Empresário, Coordenador pedagógico do Projeto de Educação Gerencial Continuada – EGECON® e autor do livro “Missão Qualidade – Uma autobiografia profissional” – 2016 Ed.Qualitymark.

Anúncios

A qualidade das rodovias nacionais

A Confederação Nacional dos Transportes publicou a 21ª edição da Pesquisa de Rodovias que avaliou 105.814 km de rodovias, um acréscimo de 2.555 km (+2,5%) em relação a 2016. Foi percorrida toda a extensão pavimentada das rodovias federais e das principais rodovias estaduais do país.

Neste ano, a pesquisa constatou uma queda na qualidade do estado geral das rodovias pesquisadas. A classificação regular, ruim ou péssima atingiu 61,8%, enquanto em 2016 esse índice era de 58,2%. Em 2017, 38,2% das rodovias foram consideradas em bom ou ótimo estado, enquanto um ano atrás esse percentual era de 41,8%.

A sinalização foi o aspecto que mais se deteriorou. Em 2017, o percentual da extensão de rodovias com sinalização ótima ou boa caiu para 40,8%, enquanto no ano passado 48,3% haviam atingido esse patamar. Neste ano, a maior parte da sinalização (59,2%) foi considerada regular, ruim ou péssima.

Em relação à qualidade do pavimento, a pesquisa indica que metade (50,0%) apresenta qualidade regular, ruim ou péssima. Em 2016, o percentual era de 48,3%. Já a geometria da via, outro quesito avaliado pela Pesquisa CNT de Rodovias, manteve o mesmo resultado do ano passado: 77,9% da extensão das rodovias tiveram sua geometria avaliada como regular, ruim ou péssima e apenas 22,1% tiveram classificação boa ou ótima.

“A queda na qualidade das rodovias brasileiras tem relação direta com um histórico de baixos investimentos em infraestrutura rodoviária e com a crise econômica dos últimos anos”, afirma o presidente da CNT, Clésio Andrade. Segundo ele, a drástica redução dos investimentos públicos federais a partir de 2011 levou a um agravamento da situação das rodovias.

Em 2011, os investimentos públicos federais em infraestrutura rodoviária foram de R$ 11,21 bilhões; em 2016, o volume investido praticamente retrocedeu ao nível de 2008, caindo para R$ 8,61 bilhões. Este ano, até o mês de junho, foram investidos apenas R$ 3,01 bilhões.

Para dotar o país de uma infraestrutura rodoviária adequada à demanda nacional, são necessários investimentos da ordem de 293,8 bilhões, segundo o Plano CNT de Transporte e Logística. Apenas para manutenção, restauração e reconstrução dos 82.959 km onde a Pesquisa CNT de Rodovias 2017 encontrou trechos desgastados, trincas em malha, remendos, afundamentos, ondulações, buracos ou pavimentos totalmente destruídos são necessários R$ 51,5 bilhões.

Esse problema gerou 96.362 acidentes, com 6.398 óbitos, registrados em 2016, nas rodovias federais policiadas, resultaram em um custo de R$ 10,88 bilhões para o país. Esse valor é superior ao investimento feito em rodovias no ano passado, que foi de R$ 8,61 bilhões.

Estima-se que, apenas em 2017, o setor de transporte tenha um consumo desnecessário de 832,30 milhões de litros de diesel. Esse desperdício custará R$ 2,54 bilhões aos transportadores. O cálculo é feito com base nas inadequações encontradas no pavimento.

A 21ª edição da Pesquisa CNT de Rodovias foi realizada em 30 dias, por 24 equipes de pesquisadores, com cinco equipes de checagem. Além da avaliação do estado geral, do pavimento, da sinalização e da geometria da via, a pesquisa traz informações sobre infraestruturas de apoio, como postos policiais, postos de abastecimento, borracharias, concessionárias e oficinas de caminhões ou ônibus, restaurantes e lanchonetes.