Não compre tijolos de solo cimento fora das especificações

A NBR 8492 de 12/2012 – Tijolo de solo-cimento — Análise dimensional, determinação da resistência à compressão e da absorção de água — Método de ensaio estabelece o método para análise dimensional, determinação da resistência à compressão e da absorção de água em tijolos de solo-cimento para alvenaria sem função estrutural.

Para a análise dimensional, deve-se usar uma escala metálica ou paquímetro com resolução de pelo menos 0,5 mm e comprimento adequado à dimensão máxima do tijolo. A máquina de ensaio à compressão deve: cumprir com os requisitos da NBR ISO 7500-1. Para laboratórios de ensaios, a máquina de ensaio deve pertencer à classe I, no mínimo. Para laboratórios instalados em obras e fábricas, admite-se a utilização de máquina de ensaio de classe II.

Além disso, a máquina deve ser equipada com dois pratos de apoio, de aço, sendo um deles articulado, que atuem na face superior do corpo de prova. Quando as dimensões dos pratos de apoio não forem suficientes para cobrir o corpo de prova, uma placa de aço monolítica deve ser colocada entre os pratos da máquina e o corpo de prova, com as características a seguir: as superfícies planas e rígidas dos pratos e placas de apoio não podem apresentar desníveis superiores a 0,08 mm para cada 400 mm; a placa deve ter espessura de 35 mm para cargas até 1 000 kN; possuir instrumentos que permitam a medida e a leitura de carga máxima com aproximação de ± 2%; ser provida de dispositivo que assegure distribuição uniforme dos esforços ao corpo de prova e ser capaz de transmitir a carga de modo progressivo e sem choques. Incluir um tanque com dimensões que permitam manter os corpos de prova submersos em água à temperatura ambiente durante todo o período de imersão.

Para o ensaio de absorção de água, deve-se dispor de uma balança com 10 kg de capacidade e resolução de 1 g; uma estufa capaz de manter a temperatura entre 105 °C e 110 °C; tanque de imersão com dimensões que possibilitem submergir os corpos de prova em água à temperatura ambiente durante a realização do ensaio. Para a execução dos ensaios, deve-se dispor de amostra que deve ser representativa do lote estabelecido na NBR 8491, em um total de 10 tijolos por lote. Cada tijolo deve ser marcado de maneira a ser identificado facilmente. Primeiramente, a amostra deve ser submetida ao ensaio de análise dimensional e, posteriormente, sete tijolos devem ser submetidos ao ensaio de compressão simples e três tijolos ao ensaio de absorção de água.

Para cada dimensão do corpo de prova devem ser executadas pelo menos três determinações em pontos distintos de cada face, sendo realizada uma determinação em cada extremidade e uma no meio do corpo de prova, com exatidão de 0,5 mm. Para o ensaio à compressão simples, de cada amostra devem ser preparados sete corpos de prova da seguinte maneira: cortar o tijolo ao meio, perpendicularmente à sua maior dimensão; superpor, por suas faces maiores, as duas metades obtidas e as superfícies cortadas invertidas, ligando-as com uma camada fina de pasta de cimento Portland, pré-contraída (repouso de aproximadamente 30 min), com 2 mm a 3 mm de espessura, e aguardar o endurecimento da pasta.

A resistência da pasta de cimento não pode ser menor que a do tijolo em ensaio. Quando o tijolo apresentar rebaixo, superpor suas duas metades de modo que as reentrâncias fiquem localizadas nas faces de trabalho do corpo de prova e encher as reentrâncias com pasta de cimento Portland, aguardando aproximadamente 12 h antes de proceder à etapa seguinte.

O corpo de prova obtido anteriormente, antes de ser submetido ao ensaio, deve apresentar suas faces planas e paralelas para que haja perfeito contato entre as superfícies de trabalho, podendo ser regularizadas por meio de retífica adequada ou capeamento com pasta de cimento Portland, com espessura máxima de 3 mm. Com uma espátula, retirar as rebarbas existentes.

Após o endurecimento do material utilizado, os corpos de prova devem ser identificados e imersos em água por no mínimo 6 h. Os corpos de prova devem ser retirados da água logo antes do ensaio e enxugados superficialmente com um pano levemente umedecido. Essa operação deve ser realizada em no máximo 3 min.

As dimensões das faces de trabalho devem ser determinadas com exatidão de 1 mm, sem o desconto das áreas de furos ou reentrâncias. O corpo de prova deve ser colocado diretamente sobre o prato inferior da máquina de ensaio à compressão, de maneira a ficar centrado em relação a este. A aplicação da carga deve ser uniforme e à razão de 500 N/s (50 kgf/s). A carga deve ser gradativamente elevada até ocorrer a ruptura do corpo de prova.

Para o ensaio de absorção de água, os três corpos de prova restantes da amostra retirada de cada lote formam a amostra para o ensaio de absorção de água. Secar os corpos de prova em estufa, entre 105 °C a 110 °C, até constância da massa, obtendo-se assim a massa m1 do corpo de prova seco, em gramas (g). Imergir o corpo de prova em um tanque durante 24 h. A imersão deve ser feita depois dos corpos de prova atingirem a temperatura ambiente.

Após retirar da água, enxugar superficialmente com um pano levemente umedecido e pesar (antes de decorridos 3 min), obtendo-se assim a massa do corpo de prova saturado m², em gramas (g). A dimensão de cada face é o valor médio das três determinações, em décimo de unidade, expressa em milímetros (mm). Pode-se destacar que o tijolo de solo cimento é obtido a partir da mistura de partes proporcionais de solo, cimento e água que, após um processo de cura endurece ganhando consistência e durabilidade para aplicação em várias obras.

O uso deste tipo de material vem desde 1948 e é uma evolução das construções de taipa e adobe. Além do baixo custo e do aproveitamento de materiais regionais (o que o torna sustentável) o tijolo solo-cimento também permite agregar um maior valor arquitetônico à obra que pode ganhar curvas, formas arredondadas e espessuras diferentes, graças à sua modularidade, o que permite um encaixe dos tijolos. O manejo e emprego deste tipo de material é similar aos convencionais no que concerne às fundações, reboco, vedações e, principalmente, na economia – tanto com alvenaria quanto com os demais elementos da construção como parte elétrica, hidráulica, fundação e telhado.

Pode-se a aplicar o tijolo de solo cimento em paredes monolíticas: com o auxílio de formas e guias erguem-se painéis inteiriços em camadas sucessivas no próprio local da obra; em pavimentos que são placas maciças totalmente apoiadas no chão, feitos em uma única camada; e o solo-cimento ensacado que é a mistura destinada à fabricação do solo-cimento e, em seguida compacta-se individualmente cada saco. As aplicações para o solo cimento vão desde a área urbana até a rural.

Por ser um material resistente que oferece perfeito acabamento nas faces prensadas, dispensa reboco ou chapisco e permite um maior conforto térmico e acústico. Além disso, evita a proliferação de pragas e insetos nocivos à saúde. Essas características somadas ao melhor custo benefício, durabilidade, beleza arquitetônica, sustentabilidade e versatilidade fazem do tijolo solo-cimento uma escolha que dá uma vantagem e segurança maior ao investimento, convertendo-se em satisfação garantida ao final da execução da obra.

Outro aspecto que conta a favor do produto é que ele tem desempenho equivalente ao tijolo cerâmico e aos blocos de concreto. Desde que fabricado com materiais de qualidade, pode ser empregado em praticamente todo tipo de construção. Pode ser usado na construção de edifícios com estrutura de concreto normal ou em parede monolítica. A Associação Brasileira de Cimento Portland recomenda o uso de cimento Portland composto CP II-F (com adição de material carbonático – fíler) para a produção de um solo cimento mais resistente. Neste caso, o produto pode ser utilizado até em pavimentação, que foi como ele começou a ser empregado no Brasil.

Ele possui algumas vantagens: um de seus principais componentes, o solo arenoso, é abundante em várias regiões do Brasil; o processo construtivo é simples e facilmente assimilado por mão de obra não qualificada; tem nível de conforto acústico e térmico semelhante ao do tijolo cerâmico; apresenta boa durabilidade e impermeabilidade; no caso de paredes monolíticas, dispensa chapisco, emboço e reboco; baixo custo de produção e ideal para a construção de habitações de interesse social. Possui desvantagens: pouco produzido industrialmente; ainda tem penetração limitada no mercado da construção civil, principalmente nas regiões sul e sudeste do país; quase nenhum incentivo governamental para que possa ser produzido em escala industrial.

Anúncios

Os riscos de cargas fora das tolerâncias em movimentação de carga

A NBR 8400-5 de 06/2019 – Equipamentos de elevação e movimentação de carga – Regras para projeto – Parte 5: Cargas para ensaio e tolerâncias de fabricação estabelece as cargas de ensaio e as tolerâncias de fabricação para equipamentos de elevação de carga. As tolerâncias especificadas são válidas para equipamentos, como pontes rolantes, pórticos rolantes e guindastes. A NBR 8400, sob o título geral Equipamentos de elevação e movimentação de carga – Regras para projeto, tem previsão de conter as seguintes partes: Parte 1: Classificação e cargas sobre estruturas e mecanismos; Parte 2: Verificação das estruturas ao escoamento, fadiga e estabilidade; Parte 3: Verificação à fadiga e seleção de componentes dos mecanismos; Parte 4: Equipamento elétrico; Parte 5: Cargas para ensaio e tolerâncias de fabricação. Esta parte não é aplicável aos seguintes equipamentos: guindastes móveis com lança sobre pneus de borracha sólida ou pneumáticos, esteiras de lagartas, caminhões e reboques; equipamentos de elevação produzidos em série; talhas elétricas; talhas pneumáticas; acessórios para içamento; talhas manuais; plataformas de elevação, plataformas de trabalho; guinchos; macacos, tripés, aparelhos combinados para tração e içamento; empilhadeiras; equipamentos de manuseio de materiais a granel.

Antes de estarem em serviço, os equipamentos devem ser ensaiados dinamicamente sob condições de sobrecarga, utilizando a velocidade nominal máxima para cada movimento de acionamento e com sobrecarga que não seja menor do que a obtida pela multiplicação da carga de trabalho SL pelo coeficiente ρ fornecido na tabela abaixo.

Aplicando este ensaio dinâmico nas velocidades nominais, não é necessário realizar o ensaio estático. O procedimento detalhado dos ensaios a serem aplicados aos equipamentos de elevação e movimentação de cargas, antes da colocação em marcha, está estabelecido na NBR 16147. O uso das normas de projeto pressupõe que as tolerâncias especificadas para os equipamentos nos itens 4.2.1.1 ao 4.2.1.13 devem ser mantidas. Estas tolerâncias são aplicáveis exceto se outras condições tiverem sido acordadas com o usuário, sem levar em consideração as deformações elásticas durante a operação.

As deformações elásticas devem ser levadas em consideração se requerido. As tolerâncias especificadas são válidas para equipamentos como pontes rolantes, pórticos rolantes e guindastes. Quando forem utilizadas trenas, elas devem ser metálicas e calibradas. As leituras obtidas devem ser corrigidas levando-se em consideração a catenária da trena, bem como a divergência da temperatura ambiente em relação à temperatura-padrão de calibração. Todas as medições em um e no mesmo equipamento devem ser efetuadas com a mesma trena e a mesma força de tração.

A maior variação do vão do equipamento a partir da dimensão de projeto não pode exceder os seguintes valores: para s ≤ 15 m: Δs = ± 2 mm; para s > 15 m: Δs = ± [2 + 0,15 × (s – 15)] mm (máx. ± 15 mm). (s deve ser expresso em metros). As vigas do equipamento, suportadas livremente em suas extremidades, não podem ter flecha, mesmo se o projeto não prescrever uma contraflechas.

Isso significa que o caminho de rolamento do carro com o equipamento descarregado (sem carro) não pode ter qualquer desvio abaixo da horizontal. Este requisito somente é aplicável aos equipamentos com vão maior que 20 m. Para equipamentos com vão maior que 20 m, as vigas principais devem ser projetadas com uma contraflecha cujo valor deve ser igual à deflexão ocasionada pelo próprio peso das vigas mais 50% da soma do próprio peso do carro e da carga máxima.

Fica a critério do fabricante a aplicação da contraflecha nos seguintes casos: quando o valor calculado for inferior a 5 mm ou 1/2000 do vão (o que for maior); para vigas fabricadas de perfis simples. O equipamento de elevação é qualquer equipamento de trabalho para elevar e baixar cargas, e inclui todos os acessórios utilizados para o fazer (como acessórios para apoiar, fixar ou fixar o equipamento). Exemplos de equipamentos de elevação incluem: pontes rolantes e suas pistas de apoio; gruas de pacientes; elevadores de veículos; elevadores de cauda de veículos e guindastes montados em veículos; um berço de limpeza de edifícios e seu equipamento de suspensão; elevadores de mercadorias e passageiros; empilhadeiras; e acessórios de elevação.

Acessórios de levantamento são peças de equipamento que são usadas para prender a carga ao equipamento de elevação, fornecendo uma ligação entre as duas. Qualquer acessório de içamento usado entre o equipamento de içamento e a carga pode precisar ser levado em conta na determinação do peso total da carga. Exemplos de acessórios de elevação incluem: estilingues de fibra ou corda; cadeias (perna única ou múltipla); ganchos; olhais; vigas espalhadoras; dispositivos magnéticos e de vácuo.

A carga inclui qualquer material, pessoas ou animais (ou qualquer combinação destes) que seja levantada pelo equipamento de elevação. As cargas geralmente são fornecidas com pontos fixos ou fixos permanentes ou semipermanentes para elevação. Na maioria dos casos, esses são considerados parte da carga. Exemplos de cargas incluem: materiais a granel soltos; sacos, malas, paletes, etc.; itens como um grande bloco de concreto, máquinas e quaisquer olhais de elevação fixados permanentemente.

ISO/IEC 27701: o gerenciamento de informações sobre privacidade em segurança da informação

A ISO/IEC 27701:2019 – Security techniques – Extension to ISO/IEC 27001 and ISO/IEC 27002 for privacy information management – Requirements and Guidelines especifica os requisitos e fornece a orientação para estabelecer, implementar, manter e melhorar continuamente um Sistema de Gerenciamento de Informações sobre Privacidade (Privacy Information Management System – PIMS) na forma de uma extensão da ISO/IEC 27001 e ISO/IEC 27002 para gerenciamento de privacidade dentro do contexto da organização. Este documento especifica os requisitos relacionados ao PIMS e fornece orientação para os controladores de Personally Identifiable Information (PII) e processadores de PII que detêm responsabilidade e responsabilidade pelo processamento de PII.

Este documento é aplicável a todos os tipos e tamanhos de organizações, incluindo empresas públicas e privadas, entidades governamentais e organizações sem fins lucrativos, que são controladores de PII e/ou processadores de PII dentro de um SGSI.

Conteúdo da norma

Prefácio……………………………… vi

Introdução…. …………………… vii

1 Escopo…. ………………………. 1

2 Referências normativas……… 1

3 Termos, definições e abreviaturas………………… 1

4 Geral………………………………. ………………….. 2

4.1 Estrutura deste documento…………. ……….. 2

4.2 Aplicação dos requisitos da ISO/IEC 27001: 2013… …….. 2

4.3 Aplicação das diretrizes ISO/IEC 27002: 2013 ……………. 3

4.4 Cliente………………………………………… .4

5 Requisitos específicos do PIMS relacionados à ISO/IEC 27001…….. 4

5.1 Geral…………………………………… …… 4

5.2 Contexto da organização………… ………. 4

5.2.1 Entendendo a organização e seu contexto…………. 4

5.2.2 Entendendo as necessidades e expectativas das partes interessadas……………5

5.2.3 Determinar o escopo do sistema de gerenciamento de segurança da informação…………………. 5

5.2.4 Sistema de gerenciamento de segurança da informação…………………………. … 5

5.3 Liderança…………………………… 5

5.3.1 Liderança e compromisso……………………….. 5

5.3.2 Política……. ………………………………….. 5

5.3.3 Funções organizacionais, responsabilidades e autoridades………………………. 5

5.4 Planejamento………………. 6

5.4.1 Ações para endereçar riscos e oportunidades…….. …. 6

5.4.2 Objetivos de segurança da informação e planejamento para alcançá-los………. …….. 7

5.5 Suporte………………………………… ….. 7

5.5.1 Recursos…… ………………………… 7

5.5.2 Competência……….. ……………………. 7

5.5.3 Conscientização………. ………………….7

5.5.4 Comunicação………………. ……………. 7

5.5.5 Informação documentada………………… 7

5.6 Operação………………………………………….. 7

5.6.1 Planejamento e controle operacional……………… 7

5.6.2 Avaliação de risco de segurança da informação…………… 7

5.6.3 Tratamento do risco de segurança da informação…………………………………………… 7

5.7 Avaliação de desempenho.. ……………. 8

5.7.1 Monitoramento, medição, análise e avaliação………………….. 8

5.7.2 Auditoria interna………. …………………. 8

5.7.3 Revisão da gestão……………………………. 8

5.8 Melhoria…………………………………………. 8

5.8.1 Não conformidade e ação corretiva…………… 8

5.8.2 Melhoria contínua…………………………………. 8

6 Orientações específicas do PIMS relacionadas à ISO/IEC 27002……………………… 8

6.1 Geral……………………………….. …… 8

6.2 Políticas de segurança da informação……………. …. 8

6.2.1 Direção da gerência para a segurança da informação…………………………… 8

6.3 Organização da segurança da informação…………….. 9

6.3.1 Organização interna…………………………………… 9

6.3.2 Dispositivos móveis e teletrabalho………………….. 10

6.4 Segurança dos recursos humanos…………………….. 10

6.4.1 Antes do emprego……………………………………………10

6.4.2 Durante o emprego……………………………………. 10

6.4.3 Rescisão e mudança de emprego…………… 11

6.5 Gestão de ativos…….. ……………………. 11

6.5.1 Responsabilidade pelos ativos……………….. 11

6.5.2 Classificação da informação………………….. 11

6.5.3 Manuseio de mídia…….. …………… 12

6.6 Controle de acesso…………………………. 13

6.6.1 Requisitos de negócios do controle de acesso….. 13

6.6.2 Gerenciamento de acesso do usuário………………. 13

6.6.3 Responsabilidades do usuário…………………………………………. ..14

6.6.4 Controle de acesso a sistemas e aplicativos……….. 14

6.7 Criptografia………. ……………………………….. 15

6.7.1 Controles criptográficos………………………….. 15

6.8 Segurança física e ambiental………………….. 15

6.8.1 Áreas seguras……………. …………………. 15

6.8.2 Equipamento………. ……………………. 16

6.9 Segurança operacional. …………………… 17

6.9.1 Procedimentos operacionais e responsabilidades……………. 17

6.9.2 Proteção contra malware…………………………… 18

6.9.3 Backup……………….. ……………………………. 18

6.9.4 Registro e monitoramento……………………….. 18

6.9.5 Controle do software operacional……………………. 19

6.9.6 Gerenciamento técnico de vulnerabilidades……………. 20

6.9.7 Considerações sobre auditoria de sistemas de informação………………………………. 20

6.10 Segurança de comunicações……………. ……… 20

6.10.1 Gerenciamento de segurança de rede……………………… 20

6.10.2 Transferência de informação……………………………. ..20

6.11 Aquisição, desenvolvimento e manutenção de sistemas…………………….. 21

6.11.1 Requisitos de segurança dos sistemas de informação…………………………………. 21

6.11.2 Segurança em processos de desenvolvimento e suporte……………………………….. 21

6.11.3 Dados de ensaio…………………….. 23

6.12 Relações com fornecedores …………….. 23

6.12.1 Segurança da informação nas relações com fornecedores…………………… 23

6.12.2 Gerenciamento de entrega de serviços de fornecedores…………………………. 24

6.13 Gerenciamento de incidentes de segurança da informação………………. …………….. 24

6.13.1 Gerenciamento de incidentes e melhorias de segurança da informação………………………. 24

6.14 Aspectos de segurança da informação na gestão de continuidade de negócios……………. ………….. 27

6.14.1 Continuidade da segurança da informação……………………. 27

6.14.2 Redundâncias………………… …………….. 27

6.15 Conformidade…………………………………. 27

6.15.1 Cumprimento dos requisitos legais e contratuais………… 27

6.15.2 Revisões de segurança da informação…………………………. 28

7 Orientação adicional ISO/IEC 27002 para controladores PII………………………… ..29

7.1 Geral…………………….. … 29

7.2 Condições para coleta e processamento…………………… 29

7.2.1 Identifique e documente a finalidade………………… 29

7.2.2 Identifique a base legal………………………………. 29

7.2.3 Determinar quando e como o consentimento deve ser obtido…………………………. 30

7.2.4 Obter e registrar o consentimento…………………. 30

7.2.5 Avaliação do impacto de privacidade…………… 31

7.2.6 Contratos com processadores PII………………….. 31

7.2.7 Controlador PII comum…………………….. …….. 32

7.2.8 Registros relacionados ao processamento de PII…………… 32

7.3 Obrigações com os princípios de PII………………….. ….. 33

7.3.1 Determinação e cumprimento de obrigações para com os princípios de PII…………………. 33

7.3.2 Determinando as informações para os principais objetos de informação pessoal…………………………….. 33

7.3.3 Fornecendo informações aos principais PII………. ……… 34

7.3.4 Fornecendo o mecanismo para modificar ou retirar o consentimento…………………… 34

7.3.5 Fornecendo o mecanismo para contestar o processamento de PII…………………………….. 35

7.3.6 Acesso, correção e/ou eliminação……………….. 35

7.3.7 Obrigações dos controladores de PII de informar terceiros…………………………….. 36

7.3.8 Fornecendo cópia das PII processadas……………………… 36

7.3.9 Processando solicitações……………………. …….. 37

7.3.10 Tomada de decisão automatizada………………………. 37

7.4 Privacidade por projeto e privacidade por norma………………………………………………………. 38

7.4.1 Cobrança limite………………………… 38

7.4.2 Processamento de limite…….. ………… 38

7.4.3 Precisão e qualidade…………………… ..38

7.4.4 Objetivos de minimização de PII……………….. 39

7.4.5 Desidentificação e eliminação de PII no final do processamento…………………………. 39

7.4.6 Arquivos temporários… ………….. 39

7.4.7 Retenção….. ………………………. 40

7.4.8 Descarte…. …………………………. 40

7.4.9 Controles de transmissão PII…………………. 40

7.5 Compartilhamento, transferência e divulgação de PII…………. 41

7.5.1 Identificar base para transferência de PII entre jurisdições………………………… 41

7.5.2 Países e organizações internacionais para os quais PII podem ser transferidos ………… 41

7.5.3 Registros de transferência de PII…………………… 41

7.5.4 Registros de divulgação de PII para terceiros……. 42

8 Orientação adicional ISO/IEC 27002 para processadores PII……………………………. … 42

8.1 Geral……………………………….. … 42

8.2 Condições para coleta e processamento……………………. 42

8.2.1 Contrato com o cliente……………………………….. .42

8.2.2 Finalidades da organização………………………………. 43

8.2.3 Marketing e publicidade…. ……………………….. 43

8.2.4 Instrução infratora……………………………. 43

8.2.5 Obrigações do cliente…………………………….. 43

8.2.6 Registros relacionados ao processamento de PII………………. 44

8.3 Obrigações aos principais PII…………………………. ….. 44

8.3.1 Obrigações para com os princípios de PII…………… 44

8.4 Privacidade por projeto e privacidade por norma…… 44

8.4.1 Arquivos temporários………… ……………. 44

8.4.2 Devolução, transferência ou descarte de PII………… 45

8.4.3 Controles de transmissão PII…………………. 45

8.5 Compartilhamento, transferência e divulgação de PII……… 46

8.5.1 Base para transferência de PII entre jurisdições….. 46

8.5.2 Países e organizações internacionais para as quais os PII podem ser transferidos…………. 46

8.5.3 Registros de divulgação de PII para terceiros… ……. 47

8.5.4 Notificação de solicitações de divulgação de PII………… 47

8.5.5 Divulgações de PII legalmente vinculativas………………………. 47

8.5.6 Divulgação de subcontratantes utilizados para processar PII……….. 47

8.5.7 Contratação de um subcontratado para processar PII…………………………………… 48

8.5.8 Mudança de subcontratado para processar PII………. 48

Anexo A (normativo) Objetivos e controles de referência específicos do PIMS (Controladores PII) …… 49

Anexo B (normativo) Objetivos e controles de referência específicos do PIMS (Processadores PII) ……. 53

Anexo C (informativo) Mapeamento para a ISO/IEC 29100……… 56

Anexo D (informativo) Mapeamento ao Regulamento Geral de Proteção de Dados………………… 58

Anexo E (informativo) Mapeamento para a ISO/IEC 27018 e ISO/IEC 29151……………. 61

Anexo F (informativo) Como aplicar a ISO/IEC 27701 à ISO/IEC 27001 e ISO/IEC 27002……………… 64

Bibliografia………………………66

Quase toda organização processa Informações Pessoais Identificáveis (Personally Identifiable Information – PII). Além disso, a quantidade e os tipos de PII processados estão aumentando, assim como o número de situações em que uma organização precisa cooperar com outras em relação ao processamento de PII. A proteção da privacidade no contexto do processamento de PII é uma necessidade social, bem como o tópico de legislação e/ou regulamentação dedicadas em todo o mundo.

O Sistema de Gerenciamento de Segurança da Informação (SGSI) definido na ISO/IEC 27001 foi projetado para permitir a adição de requisitos setoriais específicos, sem a necessidade de desenvolver um novo sistema de gestão. As normas do sistema de gestão ISO, incluindo as específicas do setor, são projetadas para serem implementadas separadamente ou como um sistema de Gestão combinado.

Os requisitos e as orientações para a proteção das PII variam de acordo com o contexto da organização, em particular quando existe legislação e/ou regulamentação nacional. A ISO/IEC 27001 exige que esse contexto seja compreendido e levado em consideração.

Este documento inclui mapeamento para: o quadro e os princípios de privacidade definidos na norma ISO/IEC 29100; ISO/IEC 27018; ISO/IEC 29151; e o Regulamento Geral de Proteção de Dados da UE. No entanto, estas proteções podem precisar ser interpretadas para levar em conta a legislação e/ou regulamentação local. Este documento pode ser usado por controladores PII (incluindo aqueles que são controladores PII de junção) e processadores PII (incluindo aqueles que usam processadores PII subcontratados e aqueles que processam PII como subcontratantes para processadores PII).

Uma organização que atenda aos requisitos deste documento gerará evidências documentadas de como ele lida com o processamento de PII. Tal evidência pode ser usada para facilitar acordos com parceiros de negócios onde o processamento de PII é mutuamente relevante. Isso também pode ajudar nas relações com outras partes interessadas.

O uso deste documento em conjunto com a ISO/IEC 27001 pode, se desejado, fornecer uma verificação independente dessa evidência. Este documento foi inicialmente desenvolvido como ISO/IEC 27552 e ele se aplica a estrutura desenvolvida pela ISO para melhorar o alinhamento entre os normas do sistema de gestão e permite que uma organização alinhe ou integre seu PIMS com os requisitos de outras normas de gestão.

O correto suprimento de gases medicinais

A NBR 12188 de 03/2016 – Sistemas centralizados de suprimento de gases medicinais, de gases para dispositivos médicos e de vácuo para uso em serviços de saúde estabelece os requisitos para a instalação de sistemas centralizados de suprimento de gases medicinais, como o oxigênio medicinal 99, o oxigênio medicinal 93, o dióxido de carbono medicinal, o óxido nitroso medicinal, o ar comprimido medicinal e o ar sintético medicinal; de gases para dispositivos médicos, como nitrogênio e argônio, e limitados a estes; e de produção de vácuo para uso em serviços de saúde. Esta norma não se aplica ao sistema centralizado de gás usado em serviço de saúde que não os listados acima.

Uma central deve ter suprimento primário e reserva, conforme esquema de instalação na figura abaixo, e é composta de comandos, pressostatos e válvulas, e a Central de Suprimentos com sistema concentrador de oxigênio (SCO) deve seguir o disposto na NBR 13587. O suprimento reserva deve ser dimensionado em função do consumo efetivo médio do serviço de saúde ou, se este for desconhecido, do consumo máximo provável e das variáveis de distribuição do fornecedor.

Esta estocagem deve ser de no mínimo 150% do consumo efetivo médio do período de reposição do suprimento reserva estabelecido entre o serviço de saúde e o fornecedor. O controle do estoque do suprimento reserva é de responsabilidade do serviço de saúde, que deve, em comum acordo com o fornecedor deste suprimento, estabelecer comunicação formal para garantir o mínimo de estocagem determinada neste item.

O suprimento primário deve estar regulado para fornecimento constante, à pressão de distribuição. Em caso de falha, o suprimento reserva deve estar ajustado a uma pressão inferior à de distribuição do suprimento primário para entrar em operação automaticamente. A configuração do suprimento reserva deve garantir a sua recarga, sem que haja interrupção de seu fornecimento.

A central de suprimento com cilindros, tanque criogênico, estacionário ou móvel ou SCO deve ser instalada em recinto próprio e de uso exclusivo, com acesso restrito, com ventilação natural, em local que permita fácil acesso de equipamentos móveis de suprimento, não podendo ser usada como depósito de qualquer material estranho à central. Na central não é permitido o armazenamento de cilindros de gases inflamáveis, cheios ou vazios, e outros materiais inflamáveis.

A central, quando situada próxima de incineradores, caldeiras e outras fontes de calor, deve ser protegida de tal forma que se mantenha a uma temperatura abaixo de 54 °C. As instalações elétricas devem estar em conformidade com a NBR 5410. As centrais com tanques estacionários e SCO devem ser aterradas conforme NBR 5410. Deve ser afixado na central um aviso ostensivo proibindo o fumo e o uso de qualquer fonte de fogo ou faísca.

As tubulações, válvulas e manômetros que fazem parte da central devem ser construídos com materiais adequados ao tipo de gás com o qual irão trabalhar e devem ser instalados de forma a resistir às pressões específicas. Os cilindros do suprimento reserva devem estar adequadamente fixados para prevenir acidentes. Os cilindros fora de uso, eventualmente estocados dentro da central, devem permanecer corretamente fixados, identificados como cheios ou vazios e com os capacetes de proteção das válvulas devidamente acoplados.

Quando uma central estiver em área de nível mais baixo que outra área adjacente que contenha armazenamento de líquidos inflamáveis ou combustíveis, tornam-se necessárias medidas de contenção para evitar o fluxo desses líquidos para a área da central. Deve haver na central um ponto de água e iluminação suficiente para permitir a operação da central e dos instrumentos durante a noite. Deve haver proteção para que a central não seja atingida em caso de acidente, incêndio ou explosão.

O abrigo para as centrais de cilindros deve ter um pé-direito mínimo de 2,20 m. O suprimento reserva deve estar conectado com as respectivas válvulas abertas, pronto para entrada imediata por diferença de pressão. A central de suprimento com cilindros deve possuir duas ou mais baterias de cilindros, sendo que cada bateria deve possuir um ou mais cilindros. Os cilindros da central de suprimentos devem estar adequadamente fixados para prevenir acidentes.

A área destinada à central de cilindros ou à armazenagem destes, que contenham um volume de gases superior a 120 m³, quando localizada dentro do prédio do serviço de saúde ou contíguo às edificações, deve ficar protegida em recinto com paredes com resistência ao fogo de no mínimo 1 h. A localização da central de suprimento com cilindros deve obedecer às distâncias mínimas, exceto quando existir parede corta-fogo para proteção contra eventual risco.

As conexões dos chicotes ou das mangueiras flexíveis para acoplamento nos cilindros devem estar em conformidade com a NBR 11725. Cada bateria de cilindros deve estar conectada a uma válvula reguladora de pressão capaz de reduzir a pressão de estocagem para a pressão de distribuição, sempre inferior a 785 kPa, e capaz de manter a vazão máxima do sistema centralizado de forma contínua. Próximo à válvula reguladora de pressão deve haver um manômetro a montante, para indicar a pressão de cada bateria de cilindros, e outro a jusante, para indicar a pressão na rede.

Deve haver uma válvula de bloqueio a ser operada manualmente, entre o bloco central e cada bateria de cilindros, e uma outra válvula de bloqueio imediatamente após cada válvula reguladora de pressão. Deve ser instalada uma válvula de alívio de pressão regulada para abrir a uma pressão sempre superior à pressão de distribuição e inferior a 942 kPa, imediatamente após a válvula reguladora de pressão e antes da válvula de bloqueio.

A válvula de alívio de pressão deve ser instalada de tal forma que, uma vez acionada, o escapamento se dê para o ambiente externo, sem risco de atingir pessoas. A válvula de alívio de pressão deve ser de material adequado para uso nos respectivos sistemas e deve ser calibrada conforme as instruções do fabricante. A central de suprimento com tanque criogênico estacionário ou móvel deve estar localizada conforme legislação vigente. Deve ser instalada acima do solo, no mesmo nível de acesso do veículo de abastecimento e em local de fácil manobra desse veículo.

No caso específico de nitrogênio líquido, quando o tanque criogênico móvel estiver em área confinada, esta deve ser provida de ventilação natural ou forçada para manter a concentração de oxigênio dentro dos níveis aceitáveis. Esse ambiente deve ainda ser provido de monitoramento da atmosfera ambiente, com sinalização e alarme, e de sistema de exaustão próximo ao piso. A localização da central de suprimento com tanque criogênico estacionário ou móvel deve obedecer às distâncias mínimas, exceto quando existir parede corta-fogo para proteção contra eventual risco.

A central deve estar localizada em área distinta à passagem de cabos das linhas de transmissão de energia elétrica e tubulações de gases inflamáveis ou de qualquer classe de líquido inflamável. O piso da área destinada às operações de abastecimento deve ser de material não combustível, compatível com o oxigênio líquido ou o óxido nitroso e com temperaturas criogênicas. Asfalto e coberturas de resinas e tintas são considerados materiais combustíveis.

Em caso de vazamento de produto na forma líquida, deve ser eliminada a possibilidade de seu escoamento atingir as áreas adjacentes que tenham material combustível. Nas centrais de suprimento com tanque criogênico estacionário deve ser instalada uma válvula reguladora de pressão na fase gasosa, antes da conexão do suprimento reserva, capaz de reduzir a pressão de estocagem para a pressão de distribuição, sempre inferior a 785 kPa, e capaz de manter a vazão máxima do sistema centralizado, de forma contínua. Deve ser instalada uma válvula de alívio de pressão regulada para abrir a uma pressão sempre superior à pressão de distribuição e inferior a 942 kPa, imediatamente após a válvula reguladora de pressão e antes da válvula de bloqueio.

A descarga da válvula de segurança ou de alívio e do disco de ruptura deve ser direcionada para baixo, a uma altura aproximada de 20 cm do solo e em locais abertos, sem risco de atingir pessoas. A tubulação usada na fase líquida da central deve ser de liga resistente às temperaturas criogênicas. O suprimento reserva, seja outro tanque ou bateria de cilindros, deve ser do mesmo fornecedor do suprimento primário.

Sempre que o suprimento reserva em cilindros for utilizado, estes devem ser substituídos por cilindros com carga total, logo após reiniciar-se a operação com o suprimento primário. O suprimento reserva em cilindros, mesmo quando não utilizado, deve ser submetido a inspeções trimestrais quanto ao conteúdo, pressão, quantidade, data de validade e fixação dos cilindros, além das condições de operação e conservação geral.

Os locais onde usualmente são utilizados equipamentos de suporte a vida devem ser providos de suprimento de emergência para cada sistema centralizado. O cilindro de gás medicinal destinado a atender ao suprimento de emergência deve estar equipado com regulador de pressão e em condições de uso imediato, devendo ser transportado exclusivamente em carro apropriado. A central de suprimento deve conter um ou mais compressores, como suprimento primário, e um suprimento secundário, composto por um ou mais compressores, ou um suprimento reserva com cilindros. A capacidade da central deve ser tal que 100% do consumo máximo provável possam ser mantidos com um compressor fora de uso. Os compressores das centrais de suprimento primário e secundário devem ser ligados ao suprimento elétrico de emergência do serviço de saúde.

A central de suprimento secundário, com um ou mais compressores, deve ter entrada automática por diferença de pressão e deve ter possibilidade de funcionar manualmente, de forma alternada ou em paralelo. A central reserva de cilindros deve ser instalada com dois ou mais cilindros e o dimensionamento deve ser em função do consumo efetivo médio do cliente ou, nos casos em que este consumo for desconhecido, do consumo máximo provável e das variáveis de distribuição do fornecedor do gás.

A central de suprimento de ar comprimido medicinal com compressor deve estar localizada em recinto iluminado, de fácil acesso e vedado a pessoas estranhas. A central de suprimento de ar comprimido medicinal com compressor deve possuir um ou mais sistemas de purificação, com capacidade para atender a 100% do consumo máximo provável, para produzir o ar comprimido medicinal de acordo com as características da ISO 7396-1; N2: balanço; O2: de 20,4 % a 21,4 % v/v de oxigênio; CO: 5 μg/g máx. v/v; CO2: 500 μg/g máx. v/v; SO2: 1 μg/g máx. v/v; NO + NO2: 2 μg/g máx. v/v; óleos e partículas sólidas: 0,1 mg/m3 máx. v/v, medido a pressão ambiente; vapor de água: 67 μg/g máx. v/v (ponto de orvalho – 45,5 °C, referido à pressão atmosférica).

O sistema de controle e monitoramento deve incluir analisador para monitorar, de forma contínua, o ponto de orvalho. A calibração do analisador de ponto de orvalho deve ser efetuada de acordo com as instruções do fabricante e com as normas vigentes. Para pressões diferentes da pressão atmosférica, usar tabela de conversão. Este dispositivo deve possuir compensação para as variações de temperatura e pressão barométrica.

Enfim, os gases medicinais são medicamentos na forma de gás, gás liquefeito ou líquido criogênico isolados ou associados entre si e administrados em humanos para fins de diagnóstico médico, tratamento ou prevenção de doenças e para restauração, correção ou modificação de funções fisiológicas. São utilizados em hospitais, clínicas de saúde ou outros locais de interesse à saúde, bem como em tratamentos domiciliares de pacientes. São exemplos de gases medicinais: oxigênio medicinal; ar sintético medicinal; óxido nitroso medicinal e dióxido de carbono medicinal.

Aumente a produtividade com uma iluminação adequada nos locais de trabalho

Uma boa iluminação propicia a visualização do ambiente, permitindo que as pessoas vejam, se movam com segurança e desempenhem tarefas visuais de maneira eficiente, precisa e segura, sem causar fadiga visual e desconforto. A iluminação pode ser natural, artificial ou uma combinação de ambas. Uma boa iluminação requer igual atenção para a quantidade e qualidade da iluminação.

Embora seja necessária a provisão de uma iluminância sufi ciente em uma tarefa, em muitos exemplos a visibilidade depende da maneira pela qual a luz é fornecida, das características da cor da fonte de luz e da superfície em conjunto com o nível de ofuscamento do sistema. Importante levar em consideração não apenas a iluminância, mas também o limite referente ao desconforto por ofuscamento e o índice de reprodução de cor mínimo da fonte para especificar os vários locais de trabalho e tipos de tarefas.

Os valores a serem recomendados devem ser considerados, a fim de representar um balanço razoável, respeitando os requisitos de segurança, saúde e um desempenho eficiente do trabalho. Os valores podem ser atingidos com a utilização de soluções energeticamente eficientes. Existem também parâmetros ergonômicos visuais, como a capacidade de percepção e as características e atributos da tarefa, que determinam a qualidade das habilidades visuais do usuário e, consequentemente, os níveis de desempenho.

Em alguns casos a otimização destes fatores de influência pode melhorar o desempenho sem ser necessário aumentar os níveis de iluminância. Por exemplo, pela melhora do contraste na tarefa, ampliando a visualização de própria tarefa através do uso de equipamentos de auxílio à visão (óculos) e pela provisão de sistemas de iluminação especiais com capacidade de uma iluminação local direcional.

A NBR ISO/CIE 8995-1 de 03/2013 – Iluminação de ambientes de trabalho – Parte 1: Interior especifica os requisitos de iluminação para locais de trabalho internos e os requisitos para que as pessoas desempenhem tarefas visuais de maneira eficiente, com conforto e segurança durante todo o período de trabalho. Esta norma não especifica como os sistemas ou técnicas de iluminação devem ser projetados a fim de aperfeiçoar as soluções para locais específicos de trabalho. Estas podem ser encontradas nos guias pertinentes e relatórios da CIE.

A prática de uma boa iluminação para locais de trabalho é muito mais que apenas fornecer uma boa visualização da tarefa. É essencial que as tarefas sejam realizadas facilmente e com conforto. Desta maneira a iluminação deve satisfazer os aspectos quantitativos e qualitativos exigidos pelo ambiente.

Em geral a iluminação assegura: conforto visual, dando aos trabalhadores uma sensação de bem-estar, desempenho visual, ficando os trabalhadores capacitados a realizar suas tarefas visuais, rápida e precisamente, mesmo sob circunstâncias difíceis e durante longos períodos, segurança visual, ao olhar ao redor e detectar perigos. A fim de satisfazer isto, é requerido que seja dada atenção a todos os parâmetros que contribuem para o ambiente luminoso.

Os principais parâmetros são: distribuição da luminância, iluminância, ofuscamento, direcionalidade da luz, aspectos da cor da luz e superfícies, cintilação, luz natural, manutenção. Os valores de projeto para os parâmetros quantificáveis de iluminância, desconforto referente ao ofuscamento e reprodução de cor estão estabelecidos na Seção 5 para várias atividades. Adicionalmente à iluminação, existem outros parâmetros ergonômicos visuais que influenciam o desempenho visual dos operadores, como: as propriedades intrínsecas da tarefa (tamanho, forma, posição, cor e refletância do detalhe e do fundo); a capacidade oftálmica do operador (acuidade visual, percepção de profundidade, percepção da cor).

A atenção a estes fatores pode otimizar o desempenho visual sem a necessidade de um incremento dos níveis de iluminância. A distribuição da luminância no campo de visão controla o nível de adaptação dos olhos, o qual afeta a visibilidade da tarefa. Uma adaptação bem balanceada da luminância é necessária para ampliar: a acuidade visual (nitidez da visão), a sensibilidade ao contraste (discriminação das diferenças relativamente pequenas de luminância), a eficiência das funções oculares (como acomodação, convergência, contrações pupilares, movimento dos olhos etc.).

A distribuição de luminâncias variadas no campo de visão também afeta o conforto visual e convém que sejam evitadas: luminâncias muito altas que podem levar ao ofuscamento. Os contrastes de luminâncias muito altos causam fadiga visual devido à contínua readaptação dos olhos e as luminâncias muito baixas e contrastes de luminância muito baixos resultam em um ambiente de trabalho sem estímulo e tedioso.

Convém que seja dada atenção à adaptação na movimentação de zona para zona no interior do edifício. As luminâncias de todas as superfícies são importantes e são determinadas pela refletância e pela iluminância nas superfícies. As faixas de refletâncias úteis para as superfícies internas mais importantes são: teto: 0,6 – 0,9, paredes: 0,3 – 0,8, planos de trabalho: 0,2 – 0,6, piso: 0,1 – 0,5.

A iluminância e sua distribuição nas áreas de trabalho e no entorno imediato têm um maior impacto em como uma pessoa percebe e realiza a tarefa visual de forma rápida, segura e confortável. Para lugares onde a área específica é desconhecida, a área onde a tarefa pode ocorrer é considerada a área de tarefa. Todos os valores de iluminância especificados nesta norma são iluminâncias mantidas e proporcionam a segurança visual no trabalho e as necessidades do desempenho visual.

Os valores dados na Seção 5 são as iluminâncias mantidas sobre a área da tarefa no plano de referência que pode ser horizontal, vertical ou inclinado. A iluminância média para cada tarefa não pode estar abaixo dos valores dados na Seção 5, independentemente da idade e condições da instalação.

Os valores são válidos para uma condição visual normal e são levados em conta os seguintes fatores: requisitos para a tarefa visual, segurança, aspectos psicofisiológicos assim como conforto visual e bem-estar, economia, experiência prática. Os valores de iluminância podem ser ajustados em pelo menos um nível na escala da iluminância, se as condições visuais forem diferentes das assumidas como normais.

Convém que a iluminância seja aumentada quando os contrastes excepcionalmente baixos estão presentes na tarefa, o trabalho visual é crítico, a correção dos erros é onerosa, é da maior importância a exatidão ou a alta produtividade, a capacidade de visão dos trabalhadores está abaixo do normal. A iluminância mantida necessária pode ser reduzida quando os detalhes são de um tamanho excepcionalmente grande ou de alto contraste, a tarefa é realizada por um tempo excepcionalmente curto.

Em áreas onde um trabalho contínuo é realizado, a iluminância mantida não pode ser inferior a 200 lux. Um fator de aproximadamente 1,5 representa a menor diferença significativa no efeito subjetivo da iluminância. Em condições normais de iluminação, aproximadamente 20 lux de iluminância horizontal é exigida para diferenciar as características da face humana, e é o menor valor considerado para a escala das iluminâncias. A escala recomendada das iluminâncias é: 20 – 30 – 50 – 75 – 100 – 150 – 200 – 300 – 500 – 750 – 1.000 – 1.500 – 2.000 – 3.000 – 5.000 lux. A iluminância no entorno imediato deve estar relacionada com a iluminância da área de tarefa, e convém que proveja uma distribuição bem balanceada da luminância no campo de visão.

Mudanças drásticas nas iluminâncias ao redor da área de tarefa podem levar a um esforço visual estressante e desconforto. A iluminância mantida das áreas do entorno imediato pode ser mais baixa que a iluminância da área da tarefa, mas não pode ser inferior aos valores dados na tabela abaixo.

A uniformidade da iluminância é a razão entre o valor mínimo e o valor médio. A iluminância deve se alterar gradualmente. A área da tarefa deve ser iluminada o mais uniformemente possível. A uniformidade da iluminância na tarefa não pode ser menor que 0,7. A uniformidade da iluminância no entorno imediato não pode ser inferior a 0,5.

O ofuscamento é a sensação visual produzida por áreas brilhantes dentro do campo de visão, que pode ser experimentado tanto como um ofuscamento desconfortável quanto como um ofuscamento inabilitador. O ofuscamento pode também ser causado por reflexões em superfícies especulares e é normalmente conhecido como reflexões veladoras ou ofuscamento refletido.

É importante limitar o ofuscamento aos usuários para prevenir erros, fadiga e acidentes. O ofuscamento inabilitador é mais comum na iluminação exterior, mas também pode ser experimentado em iluminação pontual ou fontes brilhantes intensas, como uma janela em um espaço relativamente pouco iluminado.

No interior de locais de trabalho, o ofuscamento desconfortável geralmente surge diretamente de luminárias brilhantes ou janelas. Se os limites referentes ao ofuscamento desconfortável forem atendidos, o ofuscamento inabilitador não é geralmente um grande problema. O ofuscamento é causado por luminâncias excessivas ou contrastes no campo de visão e pode prejudicar a visualização dos objetos.

Convém que isto seja evitado, por exemplo, através da proteção contra visão direta das lâmpadas ou por um escurecimento nas janelas por anteparos. A iluminação direcional pode ser utilizada para destacar objetos, para revelar texturas e melhorar a aparência das pessoas em um espaço. Isto está descrito pelo termo “modelagem”. A iluminação direcional de uma tarefa visual pode também aumentar sua visibilidade.

A modelagem se refere ao equilíbrio entre a luz difusa e direcional. Isto é um critério válido da qualidade da iluminação em praticamente todos os tipos de ambientes internos. A aparência geral de um ambiente interno é realçada quando sua estrutura, as pessoas e os objetos inseridos nele são iluminados de tal forma que as texturas sejam reveladas de forma clara e agradável. Isto ocorre quando a luz vem notadamente de uma direção; as sombras formadas são essenciais para uma boa modelagem e são formadas sem confusão.

Não é recomendado que a iluminação seja tão direcional a ponto de poder produzir fortes sombras, nem convém que seja tão difusa ou o efeito da modelagem se perde por completo, resultando em um ambiente luminoso monótono. A iluminação em uma direção específica pode revelar os detalhes de uma tarefa visual, aumentando sua visibilidade e fazendo com que a tarefa seja realizada mais facilmente. É particularmente importante para tarefas de texturização finas e gravações/entalhes. As qualidades da cor de uma lâmpada próxima à cor branca são caracterizadas por dois atributos: a aparência de cor da própria lâmpada, sua capacidade de reprodução de cor, que afeta a aparência da cor de objetos e das pessoas iluminadas pela lâmpada.

Estes dois atributos devem ser considerados separadamente. É importante tanto para o desempenho visual quanto para a sensação de conforto e bem-estar que as cores do ambiente, dos objetos e da pele humana sejam reproduzidas natural e corretamente, e de modo que façam com que as pessoas tenham uma aparência atrativa e saudável.

As cores para segurança de acordo com a ISO 3864 devem sempre ser reconhecíveis e claramente discriminadas. Para fornecer uma indicação objetiva das propriedades de reprodução de cor de uma fonte de luz, foi introduzido o índice geral de reprodução de cor Ra. O valor máximo de Ra é 100. Este valor diminui com a redução da qualidade de reprodução de cor.

Não se recomenda a utilização de lâmpadas com Ra inferior a 80 em interiores onde as pessoas trabalham ou permanecem por longos períodos. Pode haver exceções para a iluminação de montagem alta (high-bay – iluminação utilizada em alturas de montagem superior a 6 m) e para iluminação externa.

Mas mesmo nessas condições devem ser tomadas medidas adequadas para garantir que lâmpadas com uma reprodução de cor mais alta sejam utilizadas em locais de trabalho continuamente ocupados e também onde as cores para segurança têm que ser reconhecidas. Os valores mínimos recomendados do índice geral de reprodução de cor de diferentes tipos de ambientes internos, tarefas ou atividades estão estabelecidos na Seção 5.

A luz natural pode fornecer parte ou toda a iluminação para execução de tarefas visuais. A luz natural varia em nível e composição espectral com o tempo e, por esta razão, a iluminação de um ambiente interno sofre variações. A luz natural pode criar uma modelagem e uma distribuição de luminância específica devido ao seu fluxo quase horizontal proveniente das janelas laterais.

A luz natural pode também ser fornecida por aberturas zenitais e outros elementos de fenestração. As janelas podem também fornecer um contato visual com o mundo exterior, o qual é preferido pela maioria das pessoas. Evitar o contraste excessivo e desconforto térmico causados pela exposição direta da luz do sol em áreas de trabalho. Fornecer um controle adequado da luz do sol, com persianas ou brises, de tal forma que a luz do sol direta não atinja os trabalhadores e/ou as superfícies no interior do campo de visão.

Em interiores com janelas laterais, a disponibilidade da luz natural diminui rapidamente com o distanciamento da janela. Não é recomendável, nestes interiores, que o fator de luz natural seja inferior a 1% no plano de trabalho a 3 m da parede da janela e a 1 m das paredes laterais.

Recomenda-se que uma iluminação suplementar seja fornecida para garantir a iluminância requerida no local de trabalho e o balanceamento da distribuição da luminância no interior da sala. Um acionamento automático ou manual e/ou um sistema de dimerização pode ser utilizado para garantir uma integração apropriada entre a luz artificial e a luz natural.

A fim de reduzir o ofuscamento causado pelas janelas, uma proteção deve ser prevista. Os níveis de iluminação recomendados para cada tarefa são fornecidos como iluminância mantida. A iluminância mantida depende das características de manutenção da lâmpada, da luminária, do ambiente e do programa de manutenção.

Convém que o projeto de iluminação seja desenvolvido com o fator de manutenção total calculado para o equipamento de iluminação selecionado, para o tipo de ambiente e para o cronograma de manutenção especificado. Não se recomenda que o fator de manutenção calculado seja inferior a 0,70.

Convém que a instalação do sistema de iluminação atenda aos requisitos de iluminação de um ambiente específico, de uma tarefa ou de uma atividade sem desperdício de energia. Entretanto, é importante não comprometer os aspectos visuais de uma instalação de iluminação simplesmente para reduzir o consumo de energia.

Isto requer que se considere um sistema de iluminação, equipamentos, controles apropriados e a utilização da luz natural disponível. Em alguns países são estabelecidos limites de energia disponível para a iluminação, os quais devem ser observados. Estes limites podem ser alcançados pela seleção criteriosa do sistema de iluminação e pela utilização de acionamento automático ou manual ou dimerização das lâmpadas.