Não compre tijolos de solo cimento fora das especificações

A NBR 8492 de 12/2012 – Tijolo de solo-cimento — Análise dimensional, determinação da resistência à compressão e da absorção de água — Método de ensaio estabelece o método para análise dimensional, determinação da resistência à compressão e da absorção de água em tijolos de solo-cimento para alvenaria sem função estrutural.

Para a análise dimensional, deve-se usar uma escala metálica ou paquímetro com resolução de pelo menos 0,5 mm e comprimento adequado à dimensão máxima do tijolo. A máquina de ensaio à compressão deve: cumprir com os requisitos da NBR ISO 7500-1. Para laboratórios de ensaios, a máquina de ensaio deve pertencer à classe I, no mínimo. Para laboratórios instalados em obras e fábricas, admite-se a utilização de máquina de ensaio de classe II.

Além disso, a máquina deve ser equipada com dois pratos de apoio, de aço, sendo um deles articulado, que atuem na face superior do corpo de prova. Quando as dimensões dos pratos de apoio não forem suficientes para cobrir o corpo de prova, uma placa de aço monolítica deve ser colocada entre os pratos da máquina e o corpo de prova, com as características a seguir: as superfícies planas e rígidas dos pratos e placas de apoio não podem apresentar desníveis superiores a 0,08 mm para cada 400 mm; a placa deve ter espessura de 35 mm para cargas até 1 000 kN; possuir instrumentos que permitam a medida e a leitura de carga máxima com aproximação de ± 2%; ser provida de dispositivo que assegure distribuição uniforme dos esforços ao corpo de prova e ser capaz de transmitir a carga de modo progressivo e sem choques. Incluir um tanque com dimensões que permitam manter os corpos de prova submersos em água à temperatura ambiente durante todo o período de imersão.

Para o ensaio de absorção de água, deve-se dispor de uma balança com 10 kg de capacidade e resolução de 1 g; uma estufa capaz de manter a temperatura entre 105 °C e 110 °C; tanque de imersão com dimensões que possibilitem submergir os corpos de prova em água à temperatura ambiente durante a realização do ensaio. Para a execução dos ensaios, deve-se dispor de amostra que deve ser representativa do lote estabelecido na NBR 8491, em um total de 10 tijolos por lote. Cada tijolo deve ser marcado de maneira a ser identificado facilmente. Primeiramente, a amostra deve ser submetida ao ensaio de análise dimensional e, posteriormente, sete tijolos devem ser submetidos ao ensaio de compressão simples e três tijolos ao ensaio de absorção de água.

Para cada dimensão do corpo de prova devem ser executadas pelo menos três determinações em pontos distintos de cada face, sendo realizada uma determinação em cada extremidade e uma no meio do corpo de prova, com exatidão de 0,5 mm. Para o ensaio à compressão simples, de cada amostra devem ser preparados sete corpos de prova da seguinte maneira: cortar o tijolo ao meio, perpendicularmente à sua maior dimensão; superpor, por suas faces maiores, as duas metades obtidas e as superfícies cortadas invertidas, ligando-as com uma camada fina de pasta de cimento Portland, pré-contraída (repouso de aproximadamente 30 min), com 2 mm a 3 mm de espessura, e aguardar o endurecimento da pasta.

A resistência da pasta de cimento não pode ser menor que a do tijolo em ensaio. Quando o tijolo apresentar rebaixo, superpor suas duas metades de modo que as reentrâncias fiquem localizadas nas faces de trabalho do corpo de prova e encher as reentrâncias com pasta de cimento Portland, aguardando aproximadamente 12 h antes de proceder à etapa seguinte.

O corpo de prova obtido anteriormente, antes de ser submetido ao ensaio, deve apresentar suas faces planas e paralelas para que haja perfeito contato entre as superfícies de trabalho, podendo ser regularizadas por meio de retífica adequada ou capeamento com pasta de cimento Portland, com espessura máxima de 3 mm. Com uma espátula, retirar as rebarbas existentes.

Após o endurecimento do material utilizado, os corpos de prova devem ser identificados e imersos em água por no mínimo 6 h. Os corpos de prova devem ser retirados da água logo antes do ensaio e enxugados superficialmente com um pano levemente umedecido. Essa operação deve ser realizada em no máximo 3 min.

As dimensões das faces de trabalho devem ser determinadas com exatidão de 1 mm, sem o desconto das áreas de furos ou reentrâncias. O corpo de prova deve ser colocado diretamente sobre o prato inferior da máquina de ensaio à compressão, de maneira a ficar centrado em relação a este. A aplicação da carga deve ser uniforme e à razão de 500 N/s (50 kgf/s). A carga deve ser gradativamente elevada até ocorrer a ruptura do corpo de prova.

Para o ensaio de absorção de água, os três corpos de prova restantes da amostra retirada de cada lote formam a amostra para o ensaio de absorção de água. Secar os corpos de prova em estufa, entre 105 °C a 110 °C, até constância da massa, obtendo-se assim a massa m1 do corpo de prova seco, em gramas (g). Imergir o corpo de prova em um tanque durante 24 h. A imersão deve ser feita depois dos corpos de prova atingirem a temperatura ambiente.

Após retirar da água, enxugar superficialmente com um pano levemente umedecido e pesar (antes de decorridos 3 min), obtendo-se assim a massa do corpo de prova saturado m², em gramas (g). A dimensão de cada face é o valor médio das três determinações, em décimo de unidade, expressa em milímetros (mm). Pode-se destacar que o tijolo de solo cimento é obtido a partir da mistura de partes proporcionais de solo, cimento e água que, após um processo de cura endurece ganhando consistência e durabilidade para aplicação em várias obras.

O uso deste tipo de material vem desde 1948 e é uma evolução das construções de taipa e adobe. Além do baixo custo e do aproveitamento de materiais regionais (o que o torna sustentável) o tijolo solo-cimento também permite agregar um maior valor arquitetônico à obra que pode ganhar curvas, formas arredondadas e espessuras diferentes, graças à sua modularidade, o que permite um encaixe dos tijolos. O manejo e emprego deste tipo de material é similar aos convencionais no que concerne às fundações, reboco, vedações e, principalmente, na economia – tanto com alvenaria quanto com os demais elementos da construção como parte elétrica, hidráulica, fundação e telhado.

Pode-se a aplicar o tijolo de solo cimento em paredes monolíticas: com o auxílio de formas e guias erguem-se painéis inteiriços em camadas sucessivas no próprio local da obra; em pavimentos que são placas maciças totalmente apoiadas no chão, feitos em uma única camada; e o solo-cimento ensacado que é a mistura destinada à fabricação do solo-cimento e, em seguida compacta-se individualmente cada saco. As aplicações para o solo cimento vão desde a área urbana até a rural.

Por ser um material resistente que oferece perfeito acabamento nas faces prensadas, dispensa reboco ou chapisco e permite um maior conforto térmico e acústico. Além disso, evita a proliferação de pragas e insetos nocivos à saúde. Essas características somadas ao melhor custo benefício, durabilidade, beleza arquitetônica, sustentabilidade e versatilidade fazem do tijolo solo-cimento uma escolha que dá uma vantagem e segurança maior ao investimento, convertendo-se em satisfação garantida ao final da execução da obra.

Outro aspecto que conta a favor do produto é que ele tem desempenho equivalente ao tijolo cerâmico e aos blocos de concreto. Desde que fabricado com materiais de qualidade, pode ser empregado em praticamente todo tipo de construção. Pode ser usado na construção de edifícios com estrutura de concreto normal ou em parede monolítica. A Associação Brasileira de Cimento Portland recomenda o uso de cimento Portland composto CP II-F (com adição de material carbonático – fíler) para a produção de um solo cimento mais resistente. Neste caso, o produto pode ser utilizado até em pavimentação, que foi como ele começou a ser empregado no Brasil.

Ele possui algumas vantagens: um de seus principais componentes, o solo arenoso, é abundante em várias regiões do Brasil; o processo construtivo é simples e facilmente assimilado por mão de obra não qualificada; tem nível de conforto acústico e térmico semelhante ao do tijolo cerâmico; apresenta boa durabilidade e impermeabilidade; no caso de paredes monolíticas, dispensa chapisco, emboço e reboco; baixo custo de produção e ideal para a construção de habitações de interesse social. Possui desvantagens: pouco produzido industrialmente; ainda tem penetração limitada no mercado da construção civil, principalmente nas regiões sul e sudeste do país; quase nenhum incentivo governamental para que possa ser produzido em escala industrial.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: