A amostragem manual de petróleo, derivados de petróleo e biocombustíveis

A NBR 14883 de 08/2021 – Petróleo, derivados de petróleo e biocombustíveis – Amostragem manual descreve os procedimentos e os equipamentos para obtenção manual de amostras de petróleo, derivados e biocombustíveis à temperatura e pressão ambientes a partir do ponto de amostragem até o recipiente primário. Essa norma também inclui os procedimentos para amostragem de água livre e outros componentes pesados, associados com petróleo, derivados e biocombustíveis.

Não se aplica à amostragem de óleos isolantes e fluidos hidráulicos. Para a amostragem destinada à determinação de pressão de vapor, utilizar a ASTM D5842, em conjunto com essa norma. Para a mistura e o manuseio de amostras, utilizar a ASTM D5854. Para a descrição dos recipientes e preparação de amostras de combustíveis de aviação, ver ASTM D4306 e NBR 15216.

Confira algumas dúvidas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Como deve ser construído o saca-amostras tipo garrafa?

Como deve ser feito o tubo pescador para amostragem de tambor ou barril?

Como devem ser os amostradores em tubulações?

Como devem ser feitos os acessórios de amostradores?

O uso deste método pode envolver equipamentos e materiais perigosos. Recomenda-se que o responsável pelo laboratório pesquise e oriente a aplicação das boas práticas das normas técnicas e dos requisitos das legislações de segurança, saúde no trabalho e ambiental antes de sua utilização.

O planejamento do ensaio deve identificar os riscos relacionados às tarefas a serem executadas, bem como a descrição das medidas de proteção necessárias e a estrutura do treinamento específico. Dependendo do ensaio, pode ocorrer exposição ao risco de acidentes, doenças e danos ambientais que exigem a aplicação de medidas preventivas e corretivas específicas.

Recomenda-se que, antes da realização do ensaio, as seguintes medidas sejam observadas: identificar os produtos químicos que devem ser utilizados no ensaio; analisar as fichas de informações de segurança de produtos químicos (FISPQ), de forma a identificar os riscos e especificar os equipamentos de proteção coletiva (EPC) e/ou individual (EPI) adequados; ter em mente que a exposição ocupacional a produtos químicos ocorre principalmente pela via respiratória e, secundariamente, pela pele e via digestiva; consultar o Anexo A para mais informações.

As amostras representativas de petróleo, derivados de petróleo e biocombustíveis são necessárias para determinar as propriedades físico-químicas. Essas propriedades podem ser utilizadas para a apuração de quantidade na transferência de custódia, controle de estoque e verificação do atendimento às especificações comerciais e regulamentares, entre outros processos.

Para os efeitos desta norma, é utilizado o termo produto para designar petróleo, derivados de petróleo e biocombustíveis. A execução dos procedimentos de amostragem é aplicada, em alguns casos, para a obtenção de uma pequena porção do produto que seja representativa do conteúdo do tanque ou recipiente.

Em outros casos, as amostras são especificamente destinadas a representar o produto em apenas um determinado nível no tanque, como superior, inferior, fundo ou amostra de saída. Devem ser tomadas precauções para manter a integridade da amostra, impedindo-a de ser contaminada por sujeira proveniente do amostrador, resíduos da limpeza do recipiente, condições climáticas e operações de transferência.

O procedimento de amostragem, o tipo de recipiente, a quantidade e os requisitos de manuseio da amostra são baseados nos ensaios a serem executados, em procedimentos relacionados à transferência de custódia e em requisitos de guarda da amostra. Embora esta norma forneça orientações relativas a determinados produtos e ensaios, os critérios para seleção, preparação, limpeza do recipiente, volume e armazenamento da amostra devem ser observados em cada método de ensaio.

O recipiente de amostra deve ser selecionado considerando-se o produto a ser amostrado, para se assegurar de que não haja interação entre o recipiente e o produto, de modo a não afetar a integridade de ambos. Os recipientes devem atender aos seguintes requisitos: não apresentar cavidades internas que possam reter produto; possuir superfície interna projetada para evitar corrosão, incrustação e aderência de água ou sedimento; ter abertura de tamanho adequado para facilitar o enchimento, a inspeção e a limpeza; possuir configuração que evite a perda de constituintes, podendo afetar a representatividade da amostra.

A seleção do tipo de recipiente de amostra deve considerar também os ensaios a serem executados. O tamanho do recipiente deve ser suficiente para conter o volume de amostra exigido e, salvo se estabelecido no método de ensaio, um espaço vazio para permitir a expansão térmica, a homogeneização e a mistura da amostra. Observar as orientações específicas dos métodos de ensaio.

Alguns tipos de amostra requerem procedimentos específicos de embalagem antes de serem transportados. O uso de garrafas de vidro atende à maioria dos requisitos de ensaios e de armazenamento de amostras. As garrafas de vidro incolores e transparentes permitem a inspeção visual da amostra quanto à turbidez, cor, água livre e impurezas sólidas, enquanto as garrafas de vidro âmbar proporcionam proteção às amostras fotossensíveis.

Para fechamento, devem ser usados tampas, batoques, selos ou outros dispositivos de material que não se deteriorem, não contaminem a amostra e evitem a perda dos seus componentes. Podem ser usados recipientes plásticos para óleo diesel, óleo combustível, óleo lubrificante, etanol, biodiesel, gasolina, querosene de aviação, querosene iluminante, petróleo, solvente, óleo mineral ou outros produtos de petróleo e biocombustíveis, desde que testes indiquem que não há problemas de solubilidade, absorção de água, contaminação ou perda de componentes leves e desde que o tempo decorrido entre a coleta e as análises não comprometa a integridade da amostra. Os recipientes de polietileno, de baixa densidade, não podem ser usados para armazenar amostras de hidrocarbonetos líquidos, a fim de evitar a contaminação da amostra ou a degradação do recipiente.

As amostras de óleos lubrificantes usados que foram submetidos à diluição com combustível não podem ser armazenadas em recipientes plásticos. Para fechamento, devem ser usadas tampas, batoques, selos ou outros dispositivos de material que não se deteriorem, não contaminem a amostra e evitem a perda dos seus componentes.

Recomendam-se frascos de polietileno de alta densidade sem costuras internas, não reciclados e com parede de espessura mínima de 1,5 mm. Os recipientes metálicos devem ter as costuras soldadas externamente, usando material que seja inerte ao produto a ser amostrado.

Traços do material de soldagem podem contaminar a amostra, podendo comprometer os resultados dos ensaios, como capacidade dielétrica, resistência à oxidação e formação de borra. As tampas devem prover um fechamento hermético em relação aos vapores. Em caso de utilização de tampas metálicas, estas devem ser do mesmo material do recipiente. Para combustíveis de aviação, devem ser utilizadas latas revestidas internamente com epóxi.

Os dispositivos e processos para amostragem manual que não necessitem que uma amostra seja transferida do recipiente primário para um recipiente intermediário são os mais indicados para a coleta de amostras representativas. Os dispositivos de amostragem de líquidos devem ser estanques para manter as características originais da amostra.

Os materiais utilizados para construção de dispositivos de amostragem e seus acessórios devem ser compatíveis com o produto amostrado e assegurar que não haja interação alguma entre o produto e o dispositivo de amostragem que possa afetar a integridade da amostra. Se houver qualquer dúvida sobre a aplicabilidade do dispositivo de amostragem para um produto específico, devem-se consultar os métodos de ensaio a serem executados. Alguns amostradores são denominados saca-amostras.

Os saca-amostras tipo alçapão deve ser projetado para que a amostra possa ser obtida entre 2,0 cm e 2,5 cm a partir do fundo ou em qualquer outro local específico dentro do tanque. Deve ser selecionado um amostrador com tamanho adequado em função do volume de amostra necessário, e que seja capaz de penetrar no produto até o nível exigido, equipado mecanicamente para permitir o seu preenchimento até qualquer nível desejado, bem como seja capaz de ser retirado sem contaminação da amostra.

O amostrador pode possuir: seção transversal uniforme e fechamento no fundo; hastes de extensão para obtenção de amostras em níveis correspondentes ao requerido para altas conexões ou de amostras para determinar água e sedimentos em níveis elevados; medidor de água e sedimentos para determinação da altura destes no amostrador; visor, para ser usado quando for tomada a temperatura e a massa específica do produto; dispositivo de abertura para vencer a tensão sobre a válvula ou obturador em qualquer nível desejado; uma corda marcada para que a amostra possa ser coletada em qualquer profundidade na seção transversal vertical do tanque; um gancho para pendurar o amostrador verticalmente na escotilha; e uma torneira para obtenção de amostras para determinação de água e sedimentos, espaçadas nos marcadores de nível 10 cm e 20 cm.

O saca-amostras tipo cesta (amostrador) deve ser construído em um metal redutor de centelha, com dimensões apropriadas para o recipiente, normalmente, uma garrafa de 1 L. A garrafa deve possuir um diâmetro de abertura de boca suficiente para o enchimento de maneira adequada.

O sistema de içamento deve ser conectado ao amostrador de modo que uma rolha possa ser aberta por meio de um forte puxão. Um dispositivo de restrição, como um tampão com um orifício perfurado, pode ser utilizado para restringir a taxa de enchimento. O aparelho deve ter peso suficiente para afundar prontamente no produto a ser amostrado.

Os amostradores, tipo cesta, podem ser usados para se obter amostras de níveis, de todos os níveis e corridas. A utilização de um amostrador tipo cesta, ou qualquer processo de amostragem que evite a necessidade de transferir a amostra para um recipiente intermediário, é mandatória para amostras destinadas aos ensaios de volatilidade.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: