Como espantar o estresse e garantir a saúde no trabalho

SOLUÇÕES PARA A GESTÃO DE ACERVOS

Controlar e manter o seu acervo de normas técnicas e de documentos internos e externos sempre atualizados e disponíveis para compartilhamento entre todos os usuários é hoje um grande desafio em diversas organizações por envolver a dedicação e o esforço de vários profissionais. As Normas de Sistemas da Qualidade – série ISO 9000, são rigorosas quanto aos critérios de controle, atualização e disponibilização de documentos corporativos aos seus usuários. Tanto os documentos de origem interna como externa, devem ser controlados para evitar a utilização de informações não-válidas e/ou obsoletas, cujo uso pode trazer sérios problemas aos sistemas, produtos e negócios da empresa. É por isso que a Target Engenharia e Consultoria desenvolveu Sistemas que gerenciam e controlam estes documentos de forma rápida, ágil e segura, facilitando o acesso à informação e ajudando os seus clientes a garantirem suas certificações.

Target GEDWeb
O Target GEDWeb – Gerenciador Eletrônico de Documentos via Web da Target – é o único Portal Corporativo no mercado que possibilita o gerenciamento de grandes acervos…

Portal de Normas
Realize sua pesquisa e compre as Normas Técnicas Digitais com um simples clique

O Dia Mundial da Saúde, comemorado em 7 de abril, alerta para várias questões que muitas vezes são deixadas de lado: e uma delas é o estresse causado no trabalho. O trabalhador, além de ter os exames médicos em dia, precisa tomar cuidado com pequenas atitudes para não ser consumido pelo estresse do cotidiano – e, consequentemente, deixar que isso abale a sua saúde. O trabalho pode abalar a paciência e a calma das pessoas, porém, para lidar com essas questões do dia-a-dia da melhor forma e manter a saúde intacta, existem algumas regrinhas básicas que podem ser seguidas.

Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, explica que as pessoas não devem se sentir em uma prisão enquanto estão no trabalho. “Com esperteza, responsabilidade e mantendo um bom ritmo, é possível fazer com que o bem-estar seja preservado, sem que a sua vida pessoal seja prejudicada – assim como o seu rendimento profissional”, comenta. Para isso, ela oferece algumas dicas.

“Entre no ritmo: logo cedo, escolha sua trilha sonora e garanta o bom humor para o dia. A música tem o poder de transformar os sentimentos, por pior que seja o seu dia. Ouvir uma música de que você gosta pode ajudar a aumentar o foco e a concentração no trabalho, e, além disso, deixa o clima mais leve”, exalta Madalena.

Reserve uns cinco minutos para você levantar e se alongar, sempre que puder – e aproveite o quanto puder para ficar descalço e caminhar por alguns minutos. Confira se a sua cadeira está na posição correta antes de começar a trabalhar – a melhor postura é com os joelhos formando um ângulo de 90 graus e os pés inteiros apoiados no chão. Os braços e ombros devem ficar relaxados quando você usa o teclado. “Com o passar das horas, policie-se para manter as costas retas e o corpo virado para a frente. Evite sentar sobre uma das pernas, pois isso reduz a circulação e pode chegar a dar dores”, explica.

Porém, lembre-se que além do corpo, os olhos também precisam de descanso durante o dia de trabalho. Para evitar maiores problemas, o ideal é que a tela do computador fique na altura do olhar e que os funcionários façam uma pausa de cinco minutos de hora em hora.

Tenha sempre no escritório alguns lanches saudáveis para não ficar com muita fome entre as refeições principais – e, ao mesmo tempo, não precisar interromper o trabalho ou sair da dieta. Frutas, barrinhas de cereais, iogurte e sanduíches naturais são boas pedidas. Ainda sobre a alimentação, o ideal é não comer nada muito “pesado” no almoço, para evitar o sono – e a consequente queda de produção. “A refeição na hora do almoço deve ser leve e completa. Evite alimentos gordurosos e, para sobremesa, a fruta é sempre uma boa escolha, mas o chocolate não é ‘proibido’ – as melhores opções são o meio amargo ou o amargo” ressalta Madalena.

Outra dica é não exagerar no café – você pode substituí-lo pelo chá verde. “O chá, além de cafeína, contém L-teanina, substância que melhora as funções cognitivas e diminui o stress. Três xícaras por dia é a dose ideal”, fala.

Quando, mesmo assim, o estresse ou as dores de cabeça tomarem conta, não se desespere ou perca o controle. Para as dores de cabeça faça uma automassagem, e, para o autocontrole, encontre uma medida mais inteligente: alguns meditam, outros se isolam por alguns minutos, outros respiram profundamente com calma e mudam o foco da tensão, outros tiram cinco minutos para um café, outros chamam algum amigo para conversar. “Passados esses minutos, o problema provavelmente vai parecer menor – e você, de cabeça menos quente, encontrará mais fácil uma solução para ele”.

E, muito importante: entenda que você pode ser produtivo e comprometido com o seu trabalho sem precisar ignorar o mundo lá fora. “Distrair-se é preciso. Entrar no Facebook por alguns instantes ou ler alguma matéria interessante, por exemplo, não irá afetar o seu desempenho. Só é preciso ter bom senso e não deixar o trabalho em segundo plano.

Parar alguns minutos de manhã e à tarde ajudam a tornar o trabalho menos estressante”, comenta Madalena, que sugere que as pessoas reservem cerca de 15 minutos para cuidarem da sua vida pessoal no começo da manhã e no fim da tarde, por exemplo. “Mas organize-se: se você não controlar o tempo, o estresse depois pode ser maior devido a pendências e cobranças”, conclui.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Facebook: http://www.facebook.com/#!/hayrton.prado

Skype: hayrton.prado1

Anúncios

As recomendações ergonômicas para o trabalho

ergonomicDor nas costas, tensão nos ombros, braços doloridos e pernas cansadas. Estes sintomas fazem parte da sua vida? Se não aparecem constantemente, provavelmente pode ser que já tenha sentido um deles alguma vez. Os trabalhadores sofrem com os problemas ergonômicos, de ordem musculoesqueléticas. As LERs (lesões por esforços repetitivos) e os DORTs (distúrbios osteomoleculares relacionados ao trabalho), ligados aos problemas de postura, estresse e trabalho excessivo, podem ser caracterizados por: tendinite, bursite e outras doenças do gênero.

Por exemplo, o trabalho em pé por tempo prolongado gera sobrecarga na coluna e fadiga na musculatura. No caso de um professor, por exemplo, há ainda o hábito de escrever no quadro em um ângulo superior a 90°, a correção de um volume grande de provas e trabalhos e a necessidade de carregar muitos livros e papéis de uma sala para outra e, muitas vezes, até mesmo de uma escola para outra. E não é só! Mesmo sentado diante do computador para preparar as aulas, a falta de apoio para os punhos, o monitor acima ou abaixo do nível dos olhos e a cadeira mal regulada podem causar problemas de natureza ergonômica. O resultado: dores.

Mas este não é um problema sem solução. Algumas atitudes simples podem minimizar estes problemas e evitar outros mais sérios. Em relação ao material, por exemplo, é aconselhável levá-lo em mochilas e não nas mãos e braços. Para escrever no quadro, a sugestão é utilizar um quadro móvel ou uma plataforma de madeira no chão. Além disso, em vez de escrever no quadro todo o conteúdo da aula, opte por ditar parte dele ou fornecer um resumo da matéria impresso para os alunos. E quando precisar trabalhar diante do computador, controle o tempo e faça intervalos para descansar.

Também é importante praticar exercícios físicos e, se possível, fazer alongamentos e relaxamentos com regularidade. Se mesmo com todos os cuidados aparecerem sintomas como dor ou desconforto na coluna, nos ombros, nos cotovelos ou nos punhos, procure orientação médica para tentar descobrir logo a causa. Afinal, tão fundamental quanto a prevenção é o diagnóstico precoce.

A NBR ISO 11226 de 10/2013 – Ergonomia – Avaliação de posturas estáticas de trabalho estabelece as recomendações ergonômicas para diferentes tarefas de trabalho. Fornece informações para aqueles envolvidos no projeto, ou reprojeto, do trabalho, tarefas e produtos que estejam familiarizados com os conceitos básicos de ergonomia, em geral, e de posturas de trabalho, em particular. Especifica limites recomendados para posturas estáticas de trabalho sem qualquer ou somente um mínimo de esforço, enquanto leva em conta aspectos como ângulos posturais e tempo.

É projetada para fornecer orientações na avaliação das variáveis de diversas tarefas, permitindo que os riscos à saúde da população trabalhadora sejam avaliados. Ela se aplica à população trabalhadora adulta. As recomendações fornecerão proteção razoável para quase todos os adultos saudáveis. As recomendações a respeito de riscos e proteção à saúde estão baseadas principalmente em estudos experimentais com respeito à carga muscoloesquelética, ao desconforto/dor, e à resistência/fadiga relacionados às posturas estáticas de trabalho.

Dor, fadiga e distúrbios do sistema musculoesquelético podem ser resultado da manutenção de posturas de trabalho inadequadas, que podem ser causadas por situações de trabalho precárias. Fadiga e dor musculoesquelética podem influenciar o controle postural, o que pode aumentar o risco de erros e pode resultar na redução da qualidade do trabalho ou da produção, e em situações perigosas. Um bom projeto ergonômico é uma necessidade básica para evitar esses efeitos adversos.

Esta norma contém uma abordagem para determinar a aceitabilidade de posturas estáticas de trabalho. O seu conteúdo está baseado no conhecimento ergonômico atual e está sujeito a mudanças de acordo com pesquisas futuras. Convém que as tarefas e operações de trabalho possibilitem que haja VARIAÇÕES suficientes tanto físicas quanto mentais. Isso significaca um trabalho completo, com VARIAÇÃO suficiente de tarefas (por exemplo, um número adequado de tarefas organizacionais, uma combinação apropriada de ciclos de tarefas longos, médios e curtos, e uma distribuição equilibrada de tarefas simples e complexas), autonomia suficiente, oportunidades para interação, informação e aprendizado.

Além disso, convém que toda a gama de trabalhadores possivelmente envolvidos com as tarefas e operações seja considerada, em particular as suas medidas corporais. Com relação às posturas de trabalho, convém que o trabalho ofereça variação suficiente entre as posturas sentada, de pé e caminhando. Convém que posturas inadequadas, como ajoelhada e agachada, sejam evitadas, sempre que possível.

A abordagem descrita na norma pode ser utilizada para determinar a aceitabilidade de posturas estáticas de trabalho. O procedimento de avaliação considera vários segmentos corporais e articulações, independentemente, em um ou dois passos. O primeiro passo considera somente os ângulos corporais (as recomendações estão, principalmente, baseadas nos riscos por sobrecarga das estruturas passivas do corpo, como ligamentos, cartilagens e discos intervertebrais). Uma avaliação pode conduzir para o resultado “aceitável”, “vá para o passo 2” ou “não recomendado”. Um resultado da avaliação “aceitável” significa que uma postura de trabalho é aceitável somente se VARIAÇÕES da postura estão também presentes (ver 3.1). Em qualquer eventualidade, convém que todo esforço seja feito para obter uma postura de trabalho mais próxima da postura neutra, se isto já não for o caso.

Um resultado da avaliação “vá para o passo 2” significa que a duração da postura de trabalho também precisará ser considerada (recomendações estão baseadas em dados de resistência). Convém que posições extremas das articulações sejam avaliadas como “não recomendadas”. Há vários meios para determinar as posturas de trabalho, por exemplo, observação, fotografia/vídeo, sistemas de medição tridimensional óptico eletrônico ou por ultrassom, dispositivos de mensuração posicionados sobre o corpo, como inclinômetros e goniômetros. O método apropriado depende, entre outras coisas, da precisão requerida na avaliação.

Na maioria dos casos, a observação direta (sem instrumentos/sistemas de medição) será sufi ciente. Contudo, para determinação mais precisa de posturas de trabalho, instrumentos/sistemas de medição podem ser necessários (para um panorama geral e descrição detalhada. O Anexo A descreve os procedimentos para determinar parâmetros de postura específicos apresentados em 3.4 a 3.7, ou seja, inclinação do tronco, inclinação da cabeça, flexão/extensão de pescoço, elevação do braço e posições extrema das articulações.

Novo manual ISO/TS 16949

Há anos a International Automotive Task Force (IATF) publica o manual Esquema de Certificação Automotiva para a ISO/TS 16949:2009 – Regras para Obtenção do Reconhecimento IATF, publicação técnica que chega à 4ª edição, totalmente reformulado, e passa a valer a partir de 1º de abril de 2014. Os critérios inclusos nesse manual devem ser compreendidos por qualquer indústria que pretende conquistar ou manter sua certificação ISO/TS 16949, assim como prestadores de serviços relacionados ao tema, como consultores, desenvolvedores de sistemas e laboratórios.

Mais conhecido como Regras 4ª Edição, o manual é distribuído com exclusividade no Brasil pelo Instituto da Qualidade Automotiva (IQA). “Esta nova edição do manual substitui a anterior, Regras 3ª Edição, e as edições atuais das Interpretações Sancionadas (SI) e respostas às Questões Feitas com Frequência (FAQ)”, diz Sergio Kina, gerente técnico do IQA. Assim, os organismos de certificação deverão adequar os processos de certificação das empresas em conformidade aos novos requisitos.

O manual Regras foi criado pelas nove montadoras integrantes do IATF (BMW Group, Chrysler Group, Daimler AG, Fiat Group Automobiles, Ford Motor Company, General Motors, PSA Peugeot Citroën, Renault e Volkswagen AG), e por cinco associações nacionais dos fabricantes: ANFIA (Associazione Nazionale Fra Industrie Automobilistiche), da Itália, AIAG (AIAG – Automotive Industry Action Group), dos EUA, FIEV (Fédération des Industries des Équipements pour Véhicules), da França, SMMT (Society of Motor Manufacturers and Traders), do Reino Unido, e VDA (Verband der Automobilindustrie), da Alemanha.

No Brasil, o manual Regras da IATF é adaptado e traduzido com exclusividade por especialistas em engenharia automotiva do IQA, responsável também pela distribuição e comercialização. “O texto é traduzido considerando os termos técnicos usuais da indústria brasileira, de forma que todas as frases tenham a mesma interpretação do original em inglês. Não se trata, assim, de uma simples tradução”, afirma Kina. Quem estiver interessado, acesse www.iqa.org.br ou obtenha mais informações pelo e-mail manuais@iqa.org.br ou pelo telefone (11) 5091-4545.