Ser mulher independente basta?

Clicando aqui é possível ter conhecimento dos Projetos de Normas Brasileiras e Mercosul, disponíveis para Consulta Nacional. Selecione o Comitê Técnico desejado e clique sobre o código ou título para consultar e votar.

Psicóloga comenta que amar se tornou um desafio para a mulher moderna e fala sobre como reverter essa situação.

As mulheres veem quebrando as barreiras impostas pela sociedade patriarcal e machista não é de hoje. Em um mundo em que foram criadas apenas para se dedicarem às suas famílias e maridos, vê-las ocupando cargos altos em empresas e inclusive na presidência de países, é certamente uma conquista inegável. Segundo a psicóloga Carla Ribeiro, ser mulher hoje em dia é muito mais difícil.

“Antigamente, a função da mulher era somente uma, ser dona do lar. Hoje em dia são várias as funções exercidas pela mulher. Ela precisa ser ótima profissional, ao mesmo tempo em que é mãe e esposa perfeita. Ser financeiramente independente, ter uma vida social, cuidar do corpo e ainda ter que manter a mente saudável livre de estresse”, assegura.

O cenário amoroso, de acordo com a psicóloga, é onde as mulheres têm encontrado os maiores desafios. “É comum que casais que já estão há bastante tempo juntos, principalmente com filhos, caiam na rotina. Mas é essencial que a paixão se reacenda sempre e isso também depende dos dois. Mas a mulher é sempre mais criativa neste quesito”, comenta.

Carla, que é especializada em saúde do homem, diz que eles também sofrem com a independência feminina, de certa maneira. Pois a mulher não está mais tão disponível. E o que os homens mais querem da mulher é a sua atenção constante.

“Mesmo que a carreira da mulher não seja mais empecilho no relacionamento, o momento íntimo do casal é fundamental para a estabilidade da relação. As mulheres não devem esquecer como ser simplesmente mulher para sua parceria. Não só pelos homens, mas por elas também. As mulheres querem ser amadas, tocadas e tem desejos sexuais. A sexualidade, a intimidade do casal é ótima para o corpo e para a mente de ambos”, afirma à psicóloga.

Na correria do dia a dia, o cansaço toma conta da rotina do casal. Carla diz que é importante que o par converse sobre o assunto. E se organizem para estarem mais tempo juntos. Experimentem lugares diferentes fora do ambiente de casa, aconselha à especialista.

Para as mulheres que ainda não tem uma parceria fixa, a psicóloga diz que o trabalho e a rotina agitada não devem ser motivo para abandonar a vida amorosa. “Se for mais prático para elas utilizem aplicativos de relacionamento. Apesar das precauções que devem ser tomadas para conhecer estranhos, as redes de relacionamento são uma ótima opção para encontrar parceiros para relações estáveis, ou até mesmo, casuais. O importante é não se esquecer de se divertir e curtir uma boa paquera, um bom papo”, acrescenta.

“É importante lembrar que a definição de feminismo não é excluir ou odiar os homens. É se preocupar com as necessidades do seu parceiro e cuidar do seu bem-estar – e ele do seu – é simplesmente um ato de amor e carinho, em todos os aspectos da relação”, conclui a psicóloga.

Cadeira de rodas para animais

A Dani Navarro teve uma ótima iniciativa de criar um passo a passo para construir uma cadeira de rodas para cachorros ou gatos. Infelizmente muitos cães acabam ficando paraplégicos em decorrência de uma displasia ou mesmo uma lesão na medula.

“Montei um passo a passo caso você queira fazer. Nesse esquema tem foto e material necessário para confecção e montagem. Ele deve ser adaptado ao tamanho do animal, já que cada um tem um tamanho diferente de pernas, troncos, etc. Caso seu bichinho seja mais pesado, pode-se tentar com cano de PVC para água quente. Se for de porte grande, o ideal é que seja cadeira de alumínio. Lembrando sempre que a cadeira serve como fisioterapia e não deve ser usado durante muito tempo, pois o animal não pode descansar quando está com a cadeira”, explica Dani.

Para acessar o a cartilha, clique no link http://www.catraka.com/cadeirinha/Passo_a_passo-montagem_da_cadeira_de_rodas.pdf

Calçadas e asfalto quentes

Você já andou descalço no asfalto quente nos dias de verão? Viu o que acontece? Pois é, com o seu cão pode acontecer a mesma coisa. O clima quente representa muitos perigos para os cães.

A maioria dos proprietários sabe que os cães podem sofrer insolação, ter hipertermia e queimaduras solares, mas muitos ignoram as queimaduras nas “almofadinhas” das patas. Um simples passeio no parque ou mesmo nas calçadas pode causar sérios ferimentos e queimaduras nas almofadas das patas (coxins).

O pior é que os ferimentos de uma almofada da pata de um cão são difíceis de tratar. Cortes, queimaduras, descolamento da pele dos coxins, bolhas e feridas são propensos a infecções e a cicatrização é lenta devido à constante pressão colocada na pata quando o cão anda ou simplesmente fica em pé.

Para prevenir, o primeiro passo é ter bom senso na escolha do horário e local de passeio e nunca levar o seu cão para acompanhar um passeio de bicicleta ou mesmo uma corrida longa. Passear com o cão no início da manhã ou à noite e evitar calçamentos e asfaltos ou mesmo areia quente da praia. Passear com o cão na grama. Nesse caso, a escolha de parques pode ser uma boa opção.

Faça caminhadas frequentes com o cão em pisos mais áspero (mas nunca quente). Isso ajudará a endurecer as almofadas das patas de um cão, promovendo a formação de uma pele mais grossa e menos sensível a queimaduras e abrasão. Os cães que andam somente em piso liso e macio (apartamento e tapetes) terão almofadinhas mais sensíveis e finas, exigindo cortes de unhas frequentes.

Suicídio e sua prevenção

Clicando aqui é possível ter conhecimento dos Projetos de Normas Brasileiras e Mercosul, disponíveis para Consulta Nacional. Selecione o Comitê Técnico desejado e clique sobre o código ou título para consultar e votar.

Karina Okajima Fukumitsu

O suicídio é uma morte escancarada (Kovács, 2003) e interdita (Ariès, 1977), cujas características principais são ser repentina e traumática, por provocar prejuízos devastadores na vida de quem foi impactado pela autoaniquilação de um ente querido. Morte que causa sobressalto, assombro e torpor, o suicídio provoca a sensação de caos no sobrevivente – pessoa que sofre pelo impacto da morte autoinfligida -, o qual inicia uma jornada que o retira do conhecido, provocando a sensação de que está em uma montanha-russa, cujo controle está fora de seu alcance.

Concomitantemente, o outro que se mata, o morto, torna-se alvo de julgamentos, de condenações e de diversas elucubrações a respeito dos motivos que o conduziram para sua morte. Porém, devemos ressaltar que nunca saberemos a verdade a respeito das motivações que fazem uma pessoa se matar, pois, ao morrer, ela leva a verdade consigo.

A questão norteadora da presente reflexão é: “O que significa trabalhar com a prevenção ao suicídio?”. Conforme o Dicionário Mini-Houaiss (2010), prevenir significa “1. Tomar medidas para impedir (mal ou dano); evitar; 2. Informar antes, pondo de sobreaviso; precaver; 3. Agir com cautela; precaver-se” (p. 626, grifo meu).

Nesse sentido, destaco que a segunda definição revela maior proximidade com meu ponto de vista em relação à prevenção do suicídio. E, como apontado em estudo anterior, “(…) há possibilidades para prevenir. No entanto, prevenção não significa previsão” (Fukumitsu, 2013, p. 58).

Dessa maneira, prevenir não significa prever, tampouco evitar, mas sim, dentre inúmeras possibilidades, favorecer acolhimento ao sofrimento existencial por meio da informação e da precaução. “Pôr de sobreaviso” implica um trabalho psicoeducativo, uma das possibilidades preventivas a fim de instrumentalizar profissionais da saúde e familiares a encontrarem maneiras de cuidar da dor que atormenta o coração daquele que percebe a morte como algo mais interessante que a vida.

A vida é, portanto, o argumento principal para o suicídio. Em consonância ao fato de se acreditar que “se tem vida, tem jeito” (Fukumitsu, 2016), o trabalho preventivo agrega a apresentação dos sinais de alerta e fatores predisponentes e precipitantes (Bertolote, 2012) e, principalmente, ações que propiciem as informações adequadas pertinentes ao manejo do comportamento suicida.

Morte que causa sobressalto, assombro e torpor, o suicídio provoca a sensação de caos no sobrevivente – pessoa que sofre pelo impacto da morte autoinfligida -, o qual inicia uma jornada que o retira do conhecido, provocando a sensação de que está em uma montanha-russa, cujo controle está fora de seu alcance.

Certo dia, ao ministrar o curso Suicídio: Prevenção e Manejo do Comportamento Suicida, uma das participantes comentou que sua amiga, também profissional de saúde, perguntou se eu já perdera algum cliente por suicídio. Ao que ela respondeu que não. Sua amiga retrucou: “Então, ela (referindo-se a mim) não sabe o que está falando”.

A partir do comentário dessa participante do curso, iniciei um processo de reflexão a respeito do que tenho realizado de diferente para que, embora atenda várias pessoas que pensam no suicídio e as acompanhe em suas tentativas de se matar, ainda não tenha vivenciado o processo de luto pelo suicídio de um cliente, em virtude de a morte não ter sido consumada.

Tenho estudado esse fenômeno e, conforme exposto na apresentação deste estudo, tive várias experiências que confirmaram minha orientação profissional e, por isso, tornei-me suicidologista. Sendo assim, minha participação ativa nos programas de prevenção é motivadora para que algo seja feito, pois, caso contrário, aquilo que é mais importante – a existência humana – será extinto, ou seja, a vítima será o próprio algoz. Sofreremos, então, pela colheita obrigatória das nossas más escolhas, por não ver, acolher e cuidar desse grande problema de saúde pública (Fukumitsu, 2013, p. 56).

Privilegiada ou não por ter todos os clientes que tentaram suicídio vivos, penso que a diferença em meu trabalho com a prevenção ao suicídio tem relação direta com a maneira como percebo o fenômeno, “[…] a confirmação concreta da descontinuidade do sentido de vida” (Fukumitsu, 2013, p. 19).

Dessa maneira, se todo manejo depende diretamente da forma como o suicídio é percebido, o manejo do comportamento suicida que adoto vai ao encontro de ofertar disponibilidade, respeito, afeto e, principalmente, acolhimento ao sofrimento existencial singular, vinculando a dor à história e aos momentos prévios de superação e de transcendência.

Tenho estudado esse fenômeno e, conforme exposto na apresentação deste estudo, tive várias experiências que confirmaram minha orientação profissional e, por isso, tornei-me suicidologista. Sendo assim, minha participação ativa nos programas de prevenção é motivadora para que algo seja feito, pois, caso contrário, aquilo que é mais importante – a existência humana – será extinto, ou seja, a vítima será o próprio algoz.

A prevenção do suicídio representa uma maneira de resgatar as potencialidades existenciais, bem como de identificar as possibilidades que a pessoa pode exercitar no enfrentamento das adversidades que a vida lhe impõe. Um dos inúmeros problemas de saúde pública no Brasil e no mundo, o suicídio deve ser um assunto cada vez mais discutido nas pautas sobre políticas públicas. Mais do que falar sobre o suicídio, devemos adotar ações que promovam a valorização da existência, facilitando, assim, a descoberta de formas de gerenciamento das crises e aprimoramento da tolerância, para que a pessoa encontre acalanto para sua dor e esperança para a apropriação de sua responsabilidade existencial.

Referências

Ariès, P. (1977). O homem diante da morte. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Bertolote, J.M. (2012). Suicídio e sua prevenção. São Paulo: Unesp.

Fukumitsu, K.O. (2013). Suicídio e Luto: histórias de filhos sobreviventes. São Paulo: Digital Publish & Print Editora, 2013b.

Kovács, M.J. (2003). Educação para a morte: temas e reflexões. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Karina Okajima Fukumitsu é psicoterapeuta e pós-doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano do Instituto de Psicologia da USP.

Sinalização tátil no piso para acessibilidade deve cumprir a norma técnica

Quando se pensa em acessibilidade, o que vem à cabeça é uma rampa de entrada para cadeirantes. Mas o que é acessibilidade? O dicionário diz que é qualidade ou caráter do que é acessível; facilidade na aproximação, no tratamento ou na aquisição. Segundo a lei, é a condição para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos serviços de transporte e dos dispositivos, sistemas e meios de comunicação e informação, por pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida.

Conforme a norma técnica, acessibilidade é a possibilidade e condição de alcance, percepção e entendimento para utilização com segurança e autonomia de espaços, mobiliários, equipamentos urbanos, edificações, transportes, informação e comunicação, inclusive seus sistemas e tecnologias, bem como outros serviços e instalações abertos ao público, de uso público ou privados de uso coletivo, tanto na zona urbana como na rural, por pessoa com deficiência ou mobilidade reduzida.

Ou seja, em outras palavras, a acessibilidade é uma mulher grávida conseguir embarcar no ônibus e passar pela roleta sem nenhuma dificuldade, é uma pessoa obesa poder se sentar confortavelmente na poltrona do avião, é um anão que encontra um balcão de bilheteria da sua altura, na hora de ir ao teatro, é um cego que cruza a rua sozinho, porque o semáforo emite um sinal sonoro, avisando que pode atravessá-la, é uma criança surda ter à disposição intérpretes de Libras (dicionário da língua brasileira dos sinais) na escola pública e é um cadeirante que pode se locomover por conta própria, numa cidade sem buracos nem obstáculos. Enfim, acessibilidade é a garantia plena do direito de ir e vir – e permanecer.

Em resumo, é um direito de todos, e para todos. Acontece que algumas pessoas dependem mais desse direito do que outras. A Organização Mundial de Saúde (OMS) calcula existir, em todo o planeta, aproximadamente 650 milhões de pessoas que possuem algum tipo de deficiência. Só no Brasil, segundo o Censo 2000 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), essa parcela representa 14,5% dos brasileiros, ou quase 30 milhões de habitantes.

A NBR 16537 de 06/2016 – Acessibilidade – Sinalização tátil no piso – Diretrizes para elaboração de projetos e instalação estabelece critérios e parâmetros técnicos observados para a elaboração do projeto e instalação de sinalização tátil no piso, seja para construção ou adaptação de edificações, espaços e equipamentos urbanos às condições de acessibilidade para a pessoa com deficiência visual ou surdo-cegueira (deficiência singular que apresenta perdas concomitantes, auditivas e visuais, em diferentes graus, levando a pessoa surdo-cega a desenvolver diferentes formas de comunicação para entender e interagir com pessoas e meio ambiente). No estabelecimento desses critérios e parâmetros técnicos, foram consideradas as diversas condições de mobilidade e percepção do ambiente, com ou sem a ajuda de recursos ópticos.

Esta norma fornece orientações para mobilidade às pessoas com deficiência visual, cujo comprometimento ou tipo de visão requer o acréscimo das informações oferecidas pela sinalização tátil no piso. Também fornece orientações para mobilidade às pessoas com surdo-cegueira, cujo comprometimento ou treinamento permita sua circulação autônoma.

Não se aplica às placas com informações táteis, mapas táteis, informações sonoras ou por meio de equipamentos eletrônicos, que consistem em sinalização complementar e que podem ser necessários para auxiliar na orientação e mobilidade das pessoas com deficiência visual ou surdo-cegueira. O projeto arquitetônico considera soluções diversas e complementares para permitir o uso simples e intuitivo de ambientes e edificações e o atendimento às premissas do desenho universal, como a padronização dos espaços e a ausência de obstáculos nas áreas de circulação, minimizando os riscos e as consequências adversas de ações involuntárias e imprevistas.

Convém que o usuário desta norma esteja atento aos preceitos do desenho universal, complementando as diretrizes de sinalização tátil, estabelecidas nas demais normas brasileiras que tratam de acessibilidade, bem como as normas que venham a ser publicadas posteriormente, sem esgotar as possibilidades de soluções para os diferentes casos. A sinalização tátil no piso é considerada um recurso complementar para prover segurança, orientação e mobilidade a todas as pessoas, principalmente àquelas com deficiência visual ou surdo-cegueira.

Ao acatar os preceitos do desenho universal, o projetista está beneficiando e atendendo às necessidades de pessoas de todas as idades e capacidades. A sinalização tátil no piso compreende a sinalização de alerta e a sinalização direcional, respectivamente, para atendimento a quatro funções principais: identificação de perigos (sinalização tátil alerta): informar sobre a existência de desníveis ou outras situações de risco permanente; condução (sinalização tátil direcional): orientar o sentido do deslocamento seguro; mudança de direção (sinalização tátil alerta): informar as mudanças de direção ou opções de percursos; marcação de atividade (sinalização tátil direcional ou alerta): orientar o posicionamento adequado para o uso de equipamentos ou serviços.

A sinalização tátil de alerta deve ser utilizada conforme condições estabelecidas no item 5.2. A sinalização tátil direcional deve ser utilizada somente para as situações estabelecidas em 6.2. O principal recurso de orientação da sinalização tátil no piso é a percepção por meio da bengala de rastreamento ou da visão residual.

A percepção da sinalização tátil pelos pés é um recurso complementar de orientação. Pessoas com deficiência visual têm dificuldade de locomoção em situações espaciais críticas para sua orientação, como espaços com excesso de informação e espaços com ausência de informação.

A compreensão e a correta utilização da sinalização tátil no piso pelas pessoas com deficiência visual dependem de treinamento de orientação e mobilidade. A utilização de sinalização tátil direcional em situações não abrangidas nesta norma deve ser definida de acordo com a necessidade verificada.

O piso tátil de alerta consiste em um conjunto de relevos de seção tronco-cônica sobre placa, integrados ou sobrepostos ao piso adjacente, conforme dimensões constantes na Tabela 1 e Figura 1.

Clique nas figuras para uma melhor visualização

tátil1

Os relevos táteis de alerta consistem em sinalização tátil de alerta aplicada diretamente no piso, conforme dimensões e distâncias constantes na Tabela 2 e na Figura 3.

tátil2

O piso tátil direcional consiste em um conjunto de relevos lineares de seção tronco-cônica, conforme dimensões constantes na Tabela 3 e Figura 5.

tátil3

A sinalização tátil de alerta no piso deve atender aos seguintes requisitos: ser antiderrapante, em qualquer condição, devendo ser garantida a condição antiderrapante durante todo o ciclo de vida da edificação/ambiente, tanto em áreas internas como externas; ter relevo contrastante em relação ao piso adjacente, para ser claramente percebida por pessoas com deficiência visual que utilizam a técnica de bengala longa; ter contraste de luminância em relação ao piso adjacente, para ser percebida por pessoas com baixa visão, devendo ser garantida a cor do relevo durante todo o ciclo de vida da edificação/ambiente, tanto em áreas internas como externas.

As áreas públicas ou de uso comum em edificações, espaços e equipamentos urbanos devem ter sinalização tátil de alerta no piso para: informar à pessoa com deficiência visual sobre a existência de desníveis ou outras situações de risco permanente, como objetos suspensos não detectáveis pela bengala longa; orientar o posicionamento adequado da pessoa com deficiência visual para o uso de equipamentos como elevadores, equipamentos de autoatendimento ou serviços; informar as mudanças de direção ou opções de percursos, estabelecidas na Seção 7; indicar o início e o término de escadas e rampas; e) indicar a existência de patamares, nas situações indicadas; indicar o local de travessia de pedestres.

A sinalização tátil de alerta no piso deve ser instalada no início e no término de escadas fixas, com ou sem grelhas, degraus isolados, rampas fixas com inclinação (i) superior ou igual a 5 % (i ≥ 5 %), escadas e esteiras rolantes.

tátil4

Enfim, os pisos táteis são os diferenciados com textura e cor sempre em destaque com o piso que estiver ao redor. Deve ser perceptível por pessoas com deficiência visual e baixa visão. É importante saber que o piso tátil tem a função de orientar pessoas com deficiência visual ou com baixa visão. Pode parecer abstrato para as pessoas que enxergam, mas para o deficiente visual e a pessoa com baixa visão este piso é fundamental para dar autonomia e segurança no dia a dia.

Há dois tipos de piso tátil: de alerta e direcional. O de alerta é conhecido popularmente como piso de bolinha. Sua função é a de alertar. Por isso é instalado em início e término de escadas e rampas; em frente à porta de elevadores; em rampas de acesso às calçadas ou mesmo para alertar quanto a um obstáculo que o deficiente visual não consiga rastrear com a bengala. A cor contrastante serve para auxiliar a pessoa que tem baixa visão.

A função do piso tátil direcional é direcionar e orientar o trajeto. Em locais amplos onde não tem ponto de referência que seja detectado com a bengala, o piso tátil direcional serve como guia direcional. O excesso deste piso ou a colocação em locais inadequados pode confundir e atrapalhar a locomoção.

Comunicação surda

Acessibilidade

Clique no link para acessar as normas técnicas de acessibilidade: http://www.normas.com.br/?p=16&q=acessibilidade&lang=pt-BR

alfabeto-surdo

Há um tempo vivi uma situação inusitada. Estava sentando em um voo, sempre sento no corredor, e chegou uma moça para sentar na poltrona do meio. Me levantei, ela entrou e se sentou. Na hora da partida, notei que ela tinha dificuldade em fechar o cinto. Falei como era e vi que ela parecia não entender. Fiz alguns gestos com as mãos e parece que a comunicação se estabeleceu. Depois descobri que ela era surda.

O surdo é a pessoa que não possui a audição funcional na vida comum e que apresenta uma identidade, cultura e língua própria. Segundo o IBGE, de acordo com o Censo 2010, do total da população brasileira, 190 milhões, cerca de 45 milhões de pessoas apresentavam alguma deficiência (mental, visual, auditiva ou motora) e 7,5 milhões de brasileiros apresentavam deficiência auditiva, sendo destes, 519.460 jovens de idade entre 0-17 anos, e 256.884 jovens com idade entre 18-24.

Do total de pessoas que apresentam deficiência no Brasil, 20,9% são deficientes auditivos, uma porcentagem muito alta. Alguns estudos dão como causa a rubéola e a meningite como principais causas da surdez. No Brasil a meningite é a maior responsável da surdez, em 1993 cerca de 9% a 20% dos casos de deficientes auditivos atendidos na PUC–SP e na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

Uma pessoa é considerada surda a partir da perda auditiva de 25 dB. Os graus de surdez que uma pessoa pode possuir variam de surdez leve” à profunda. A leve corresponde a uma perda auditiva de 25 a 40 dB. A moderada, uma perda auditiva de 41 a 55 dB, a acentuada, uma perda auditiva de 56 a 70 dB, a severa, uma perda auditiva de 71 a 90 dB e a profunda é dividida em graus variando de 90 a 100 dB.

Uma pessoa possuidora de perda auditiva de 25 a 40 dB tende a ouvir bem, mas não compreender completamente o que ouve, principalmente a fala dos demais. Já uma que apresente uma perda auditiva entre 41 e 90 dB tende a ouvir distorcidamente, as palavras se tornam mais difíceis ainda de entender e alguns sons, como o de campainhas, chegam até a não serem mais ouvidos. Já uma que possua perda auditiva acima de 90 dB ouve somente sons demasiado profundos ou percebe vibrações variáveis de um som.

No Brasil, está disponível a língua de sinais ou a Língua Brasileira de Sinais (Libras), que é a usada por comunidades surdas dos centros urbanos. É uma língua natural reconhecida como meio legal de comunicação pela Lei 10.436 de 2002. É a partir desta lei que os profissionais da pedagogia, fonoaudiologia e das licenciaturas têm a garantia do contato com o ensino da Libras em sua formação: uma vitória grande para esses profissionais, mas principalmente para a comunidade surda que será atendia por eles.

Os surdos apresentam maiores dificuldades para se adaptarem a sociedade por questões como, por exemplo, a dificuldade na comunicação existente entre surdos e ouvintes. O trabalho de integração do surdo na sociedade é algo que vem progredindo com o passar dos tempos, no entanto o progresso é um pouco tardio por conta de antigas más interpretações do surdo como um deficiente mental.

Atualmente há maior inclusão dos surdos na sociedade, desde sua infância quando são matriculados em uma instituição regular, porém aqueles matriculados nas instituições regulares não aprendem ou praticam a Língua de Sinais e, por isso, acabam desenvolvendo a leitura de lábios e fala com a ajuda de fonoaudiólogos, estes são os surdos oralizados. Alguns surdos optam por não utilizar da língua oralauditiva e somente se comunicam através da LS (os chamados surdos sinalizados) e, por conta disso, podem ser considerados mais excluídos da sociedade.

Os surdos podem ser divididos em dois grupos, os que falam e os que não falam, também conhecidos como surdos oralizados e surdos sinalizados, respectivamente. Há semelhanças entre eles, como o fato de que, em geral, ambos fazem leitura labial. No entanto existem diferenças como o modo através do qual se comunicam, já que os surdos sinalizados optam somente pela língua de sinais, e os oralizados a língua oralauditiva ou ambas as línguas.

Para entender melhor a linguagem dessas pessoas, há um curso gratuito no link http://disciplinas.stoa.usp.br/course/view.php?id=5603&section=0

dB (decibéis) é a unidade usada mundialmente para medir o nível de som. A escala de decibéis é uma escala logarítma, em que a duplicaҫão da pressão do som corresponde a 6 decibéis no aumento de nível. É importante entender que o termo dB pode ter diferentes significados e não tem uma unidade fixa como as relacionadas a tensão, metro, etc. A unidade de dB vai depender do contexto em que ela é utilizada. Exemplos de diferentes intensidades de som expressas em dB, ou seja, em decibéis de nível do som: 180 dB: decolagem de foguete; 140 dB: motor a jato em movimento; 120 dB: banda de rock; 110 dB: trovoadas altas; 90 dB: tráfego urbano; 80 dB: rádio em volume bem alto; 60 dB: conversação normal; e 30 dB: sussurro suave.

 

A importância do ócio para o corpo e a mente

Especialista explica a necessidade de não fazer nada de vez em quando.

Dormir tarde, acordar cedo, pegar trânsito, levar os filhos na escola, ir pro trabalho, sofrer pressão no trabalho, trânsito de novo, pegar os filhos na escola, levá-los no dentista, passar no supermercado, trabalhar mais em casa, dormir tarde…Hoje em dia, parece que a maioria das pessoas está presa em loop infinito. É necessário parar para respirar porque o estresse pode desencadear uma série de problemas.

Um alto nível de irritação pode causar desde uma leve agitação e insônia a problemas cardíacos. Ainda, especialistas afirmam que o estresse ocasiona sintomas emocionais e físicos os quais abrem espaço para vários problemas psicológicos e patológicos. “Grande parte da população, em níveis diferentes, está estressada.”, diz Andreia Rego, psicanalista e coach de Desenvolvimento Humano. “E isso se torna um problema quando começa a afetar diretamente a vida pessoal, profissional e até social.”, completa.

O estresse é interpretado pelo corpo da mesma forma como numa situação de perigo. E, para isso, o organismo tem uma defesa natural. O hipotálamo do cérebro envia um estímulo para as glândulas supra-renais, e essas, por sua vez, liberam um hormônio chamado cortisol, que aumenta a pressão arterial e o açúcar no sangue. As pessoas quando estão estressadas, tendem a procurar alguma forma para canalizar esse estresse, geralmente, através da comida, por causa do cortisol, que se ligou aos receptores que controlam a vontade de comer no cérebro, além de aumentar também as células de gordura no corpo.

“Se você não tem tempo ou dinheiro para planejar uma viagem ou um passeio, tirar duas horas do seu dia para deitar no sofá e ler um livro, ou assistir a algum outro programa de TV que não sejam os jornais – filmes, seriados, etc. – já ajuda bastante a desacelerar o corpo e descansar a mente.” aconselha Andreia. “Ir a academia também é uma ótima forma de aliviar o estresse. Além de manter o corpo em forma e mais saudável, o organismo libera substâncias que trazem bem-estar e também ajudam a dormir melhor”.

Não somente pela pressão arterial, mas o nervosismo é responsável pela queda de imunidade, tensão muscular, gastrite e algumas alergias respiratórias, que nessa época fria do ano já são causas suficientes para adoecer. Aproveite as férias escolares das crianças e relaxe um pouco, a sua sanidade também agradece.

O interesse pela gastronomia caseira traz tendência de paisagismo com horta

GLOSSÁRIO TÉCNICO GRATUITO

Utilize este glossário para auxiliar na sua busca.

Selecione o idioma que deseja ordenar os termos técnicos:

de Português para Inglês

de Português para Espanhol

de Inglês para Português

de Espanhol para Português

Preocupados com a saúde, os chefs caseiros se utilizam cada vez mais de hortaliças fresquinhas.

Daniela Sedo

Nunca a gastronomia esteve tão em alta no Brasil como agora. Dá para se ter uma ideia sobre isso ao vermos os inúmeros programas sobre o assunto na TV aberta ou paga, alguns deles são reality shows de grande audiência. Alguns programas apresentados por famosos em suas próprias casas ou em estúdios – que se assemelham a uma cozinha caseira -, mostram também a nova tendência por paisagismo com horta. Além de ser prático ter os ingredientes à mão, eles são saudáveis, fresquinhos e bonitos, tendo o charme de terem sido cuidados pelos anfitriões.

A horta pode ser feita juntamente com um projeto geral de paisagismo externo ou interno, pois o cantinho dela será bem planejado e executado de forma profissional, sem o risco de estarem em local inadequado ou plantada de forma que não se desenvolva. Charmosas e úteis, as hortaliças podem se desenvolver em gavetas (basta que tenha um furo para drenagem e impermeabilidade com três demãos de neutrol); pneus (utilizados deitados e sempre cheios de terra na parte interna); sapatos como botas de couro (para que tenha uma vida mais duradoura, já que os demais calçados só permitem que a planta viva por 15 dias); e garrafa PET (com um furo embaixo para drenagem, e em cima do furo colocar a manta bidim, impedindo assim que a terra saia com a água).

Porém, não basta executar o projeto, é necessário arrumar tempo na correria dos dias atuais, ainda que breve, para o cuidado de plantas, principalmente quando falamos em horta caseira. Além desse apelo gourmet, ter uma horta em casa ou no apartamento, independendo do espaço disponível, se tornou também uma atividade de prazer e lazer – algo como uma terapia. E não há nada mais especial do que poder dar um toque especial ao molho de tomate utilizando o seu próprio pé de manjericão. Além, é claro, de ajudar na decoração e nos diversos aromas que se espalham pela casa.

Mas lembre-se: é necessário investir em tempo e cuidados, como regá-la todos os dias. Se muitos dias passarem sem que a terra, que também necessita ser adubada, receba água, a horta irá morrer. Outro ponto importante é saber como fazer a poda de determinada espécie, pois com a retirada das folhas para utilização na comida, a vegetação da planta se revigora para novos brotos, onde se ramifica e fortalece. Neste caso, a poda inadequada pode matar a planta.

Os apartamentos, apesar de pequenos, podem ter a sua horta com espécies de hortaliças, como o manjericão e o alecrim, que são bem resistentes. O ideal é que com pouco espaço no ambiente, eles sejam cultivados em vasos que tenham, no mínimo, 30 cm. Já em casas com jardins, além do manjericão e do alecrim, outras espécies são hortelã, salsinha e cebolinha. Lembre-se sempre de que entre uma espécie e outra devem ter no mínimo 50 cm de distância.

Há um detalhe extremamente importante que por parecer prático para alguns parece um benefício: o uso de produtos químicos para acabar com as pregas na horta. Isso deve ser feito manualmente, pois estes produtos prejudicam a saúde! As espécies frutíferas, como limão, laranja e morango, precisam ter cuidado redobrado neste sentido, apesar de todas exigirem atenção especial.

Os ventos fortes também são “inimigos” das hortaliças. Por isso, para quem deseja que sua horta fique na varanda, é bom pensar duas vezes. Porém, é necessário que o local seja bem iluminado, com pelo menos duas horas de sol ao dia. Ter uma horta para chamar de sua não é tão simples como muitas pessoas pensam, mas vale a pena ter todos estes cuidados, não só pelos sabores, mas também para criatividade na decoração.

Daniela Sedo é arquiteta e paisagista – euracy@estilopress.com.br