BS 10008-1: a autenticidade e a integridade das informações

Essa norma, publicada pelo BSI em 2020, estabelece a autenticidade e as integridade das informações que são cada vez mais importante no mundo dos negócios de hoje – especialmente onde as informações eletrônicas são usadas na resolução de disputas ou para demonstrar conformidade. Portanto, detalha o que os usuários precisam fazer para gerenciar informações armazenadas eletronicamente (electronically stored information – ESI) de forma que retenha sua autenticidade e integridade.

A BS 10008-1:2020 – Evidential weight and legal admissibility of electronically stored information (ESI) – Specification estabelece a autenticidade e as integridade das informações que são cada vez mais importante no mundo dos negócios de hoje – especialmente onde as informações eletrônicas são usadas na resolução de disputas ou para demonstrar conformidade. Portanto, detalha o que os usuários precisam fazer para gerenciar informações armazenadas eletronicamente (electronically stored information – ESI) de forma que retenha sua autenticidade e integridade.

Essa norma se destina a organizações de usuários finais que desejam garantir que o ESI criado, inserido, armazenado e/ou transmitido em seus sistemas de gerenciamento de informações possa ser usado com confiança como evidência em qualquer disputa, dentro ou fora de um tribunal. Ou que desejam garantir que os sistemas de gerenciamento de identidade eletrônica possam ser usados com confiança como evidência em qualquer disputa, dentro ou fora de um tribunal. Ela também pode ser usada por integradores e desenvolvedores de sistemas de gestão de informações que fornecem recursos para atender aos requisitos do usuário.

Os usuários específicos podem ser os gerentes de negócios, registradores ou gerentes de TI, responsáveis pela conformidade da empresa, assessores jurídicos em instituições financeiras, seguradoras e departamentos governamentais locais. Essa norma britânica especifica os requisitos para a implementação e a operação de sistemas eletrônicos de gestão de informações. Isso inclui o armazenamento e a transferência de informações armazenadas eletronicamente (ESI). O objetivo é permitir que os usuários mantenham a autenticidade e integridade do ESI, para que seja confiável e seja aceito sem contestação ou resista a desafios com sucesso.

Tudo isso é importante em circunstâncias em que o ESI possa ser usado como evidência – seja para fins comerciais, de conformidade, legais ou de resolução de disputas. A norma abrange a gestão da disponibilidade de ESI ao longo do tempo, a transferência eletrônica ou comunicação de ESI, a vinculação de identidade eletrônica a um ESI específico, incluindo o uso de assinaturas eletrônicas e sistemas eletrônicos de direitos autorais, bem como a verificação de identidade eletrônica, maneiras de autenticar informações criptografadas e assinaturas eletrônicas e como migrar os registros em papel para microforma ou formato digital sem comprometer a qualidade.

A norma também inclui requisitos para a administração e responsabilidade da gestão de ESI ao longo de seu ciclo de vida. Aplica-se ao ESI em qualquer forma, incluindo documentos gerais de escritório, imagens eletrônicas e informações mantidas em bancos de dados e outros sistemas eletrônicos. O ESI pode ser alfanumérico, baseado em imagem e/ou gravações de voz/vídeo, capturadas de dispositivos estáticos e móveis.

Os benefícios de usar essa norma incluem maior eficiência, maior confiança e melhor gerenciamento de risco, bem como os melhores processos implementados para lidar com problemas de direitos autorais, rastreamento e verificação, o uso reduzido de papel que contribui para credenciais ambientais e custos reduzidos de armazenamento de papel, melhor alinhamento das políticas de segurança da informação da organização, gestão das informações de longo prazo mais direta, incluindo migrações mais fáceis durante as atualizações de tecnologia, continuidade e resiliência dos negócios mais fortes – as informações eletrônicas podem ter backup e proteção mais eficaz do que registros em papel com risco de danos físicos.

Esta norma não cobre os processos usados para avaliar a autenticidade e integridade do ESI antes de ser capturado ou criado no sistema. Mas, a norma contribui para o Objetivo 15 de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas sobre a proteção, restauração e promoção do uso sustentável de ecossistemas terrestres, incluindo o manejo sustentável de florestas e a redução da perda de biodiversidade, porque apoia o uso de menos papel.

Esta edição é uma revisão completa da BS 10008:2014, introduzindo algumas mudanças. Foi adicionada orientação sobre informações relacionadas à Internet das Coisas. Foram adicionados requisitos relacionados às informações gerenciadas pela tecnologia de blockchain/livro digital distribuído (DLT) e todos os aspectos técnicos deste documento foram atualizados, incluindo o armazenamento na nuvem e onde as informações são armazenadas em objetos digitais.

Conteúdo da norma

Introdução 1

1 Escopo 2

2 Referências normativas 2

3 Termos e definições 3

4 Contexto da organização 6

4.1 Geral 6

4.2 Questões 6

4.3 Requisitos 6

4.4 Limites e aplicabilidade 6

5 Liderança 6

5.1 Liderança e comprometimento 6

5.2 Declarações de política 7

5.3 Funções e responsabilidades dos trabalhadores 10

5.4 Ambiente legal e regulatório 11

6 Planejamento 11

6.1 Ações para abordar os riscos e as oportunidades 11

6.2 Objetivos e realizações 12

7 Suporte 12

7.1 Recursos 12

7.2 Competência 12

7.3 Conscientização 13

7.4 Relatórios e comunicação 13

7.5 Informações documentadas 13

8 Operação 15

8.1 Geral 15

8.2 Criação 15

8.3 Importando 16

8.4 Gestão de processos de negócios, automação de processos robóticos e sistemas de fluxo de trabalho 16

8.5 Digitalização de documentos 16

8.6 Extração de dados 17

8.7 Captura de metadados 17

8.8 Arquivos automodificáveis 17

8.9 Documentos compostos 17

8.10 ESI em bancos de dados estruturados 17

8.11 Blockchain e tecnologias de razão distribuída 18

8.12 Controle de versão 19

8.13 Sistemas de armazenamento 19

8,14 Transferência de ESI 20

8,15 Indexação e outros metadados 21

8.16 Procedimentos de saída autenticados 21

8,17 Identidade 21

8,18 Retenção, redação e descarte de ESI 22

8,19 Procedimentos de segurança da informação 23

8.20 Manutenção do sistema 24

8,21 Prestação de serviço externo 24

8.22 Teste do sistema de gerenciamento de informações 25

9 Avaliação de desempenho 25

9.1 Monitoramento, medição, análise e avaliação 25

9.2 Auditoria interna 26

9.3 Análise crítica da gestão 26

10 Melhoria 27

10.1 Não conformidade e ações corretivas 27

10.2 Melhoria contínua 27

Bibliografia 28

A informação é um ativo organizacional que precisa ser gerenciado ao longo de seu ciclo de vida, sendo freqüentemente necessária para ser usada dentro e fora de uma organização para demonstrar conformidade e/ou resolução de disputas. Se a autenticidade e/ou integridade das informações não puderem ser confiáveis, as conclusões baseadas nelas podem ser desacreditadas. Esta norma britânica especifica como as informações armazenadas eletronicamente (ESI) devem ser gerenciadas por uma organização, em um sistema de gestão das informações, para permitir que tenham um forte peso probatório e sejam comprovadamente confiáveis no que diz respeito à sua autenticidade e integridade sempre que durante seu ciclo de vida for necessário a ser usado – seja para fins comerciais, de conformidade, legais ou de resolução de disputas.

Se o sistema de gestão eletrônico de informações de uma organização estiver em conformidade com esta norma, prevê-se que o peso da evidência do ESI gerenciado pela organização será maximizado, garantindo sua confiabilidade e confiabilidade. Isso provavelmente reduzirá o esforço e o custo envolvidos na resolução de disputas, pois o foco do processo de resolução estará menos preocupado com a autenticidade ou integridade do ESI divulgado do que seria o caso se o sistema de gestão não estivesse em conformidade com esta norma. Também se prevê que a conformidade com esta norma minimizará os riscos envolvidos na retenção de ESI a longo prazo.

O BSI publicou inicialmente o PD 0008, Código de Prática para Peso de Prova e Admissibilidade Legal, em 1996. Este código de prática foi amplamente adotado e é referenciado, por exemplo, pelo Código de Prática Lord Chancellor sobre a gestão de registros [3] publicado sob a Seção 46 da Lei de Liberdade de Informação de 2000 e no equivalente escocês, o Código de Prática sobre a gestão de registros emitido [5] sob a Seção 61 da Liberdade de Informação (Escócia) Lei de 2002 [6]. A edição de 2004 foi emitida como BIP 0008 de acordo com as alterações de procedimento do BSI. Em 2008, para refletir as solicitações dos adotantes do Código de Prática do BIP 0008, foi publicada uma especificação padrão formal, BS 10008: 2008, Peso da prova e admissibilidade legal da informação eletrônica – Especificação. Foi substituído pela edição de 2014, que agora é substituída por esta edição.

Esta norma é complementada por recomendações e orientações na BS 10008-2. Sua publicação reflete as solicitações dos adotantes do BIP 0008 para um padrão formal de conformidade. As recomendações detalhadas e orientações fornecidas na BS 10008-2 destinam-se a auxiliar na implementação bem-sucedida desta parte da BS 10008. A BS 10008-2 substitui o BIP 0008 (agora retirado), que consistia em três partes que tratavam separadamente de armazenamento, transferência e vinculação de identidade para ESI; BS 10008-2 consolida essas três partes em um único código de prática. A Lista de Verificação de Conformidade BIP 0009 fornece uma ferramenta que permite a demonstração da conformidade com esta norma britânica juntamente com as partes apropriadas da BS 10008-2.

A edição anterior do BS 10008 e código de prática associado, BIP 0008, concentrou-se nas coleções estáticas do ESI de uma maneira muito controlada; no entanto, ESI agora está sendo criado usando dispositivos móveis, que incluem os telefones celulares, câmeras usadas no corpo (por exemplo, por ciclistas, polícia, oficiais de justiça, guardas de trânsito), câmeras do painel (frontal e traseira), drones, sistemas de CFTV (públicos e privados), radares (estáticos e portáteis), cobertura de televisão e campainhas com sensores de movimento. Este documento se aplica a todos esses métodos de captura, mas requer procedimentos adicionais para impor controles sobre como este ESI será gerenciado.

As especificações para a fabricação dos cabos ópticos internos

Deve-se entender os requisitos para a fabricação dos cabos ópticos internos. Estes cabos são indicados exclusivamente para instalações internas, interligando cabos ópticos externos às instalações internas comerciais, industriais e residenciais.

A NBR 14771 de 07/2020 – Cabo óptico interno — Especificação especifica os requisitos para a fabricação dos cabos ópticos internos. Estes cabos são indicados exclusivamente para instalações internas, interligando cabos ópticos externos às instalações internas comerciais, industriais e residenciais.

Acesse algumas dúvidas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Qual é o código de cores das unidades básicas, dos elementos ópticos e dos cordões ópticos?

Quais são as cores das fibras ópticas?

Como deve ser executado o revestimento externo?

Quais devem ser os requisitos ópticos desses cabos?

O cabo óptico interno é um conjunto constituído por unidades básicas de cordões ópticos, elementos ópticos ou fibras ópticas, elemento de tração dielétrico, eventuais enchimentos e núcleo seco, protegidos por uma capa externa de material termoplástico retardante à chama. prontos satisfaçam os requisitos especificados nesta norma. Os cabos ópticos internos são designados pelo seguinte código: CFOI – X – Y – Z – W, onde CFOI é o cabo óptico interno; X é o tipo de fibra óptica, conforme a tabela abaixo; Y é a formação do núcleo, conforme a tabela abaixo; Z é o número de fibras ópticas, conforme a tabela abaixo; W é o grau de proteção do cabo quanto ao comportamento frente à chama, conforme a tabela abaixo e ao comportamento frente à chama.

Os materiais constituintes dos cabos ópticos internos devem ser dielétricos. Os materiais utilizados na fabricação do cabo devem ser compatíveis entre si. Os materiais utilizados na fabricação dos cabos com função estrutural devem ter suas características contínuas ao longo de todo o comprimento do cabo.

As fibras ópticas tipo multimodo índice gradual, utilizadas na fabricação dos cabos, devem estar conforme a NBR 13487. As fibras ópticas tipo monomodo com dispersão normal, utilizadas na fabricação dos cabos, devem estar conforme a NBR 13488. As fibras ópticas tipo monomodo com dispersão deslocada e não nula, utilizadas na fabricação dos cabos, devem estar conforme a NBR 14604.

As fibras ópticas tipo monomodo com baixa sensibilidade à curvatura, utilizadas na fabricação dos cabos, devem estar conforme a NBR 16028. Não são permitidas emendas nas fibras ópticas durante o processo de fabricação do cabo. O núcleo deve ser constituído por unidades básicas de fibras ópticas, cordões ópticos ou elementos ópticos. Os cabos ópticos internos devem ser fabricados com unidades básicas de 2, 4, 6, 8, 12, 16, 24, 36 ou 48 fibras ópticas. O núcleo deve ser constituído por unidades básicas.

As unidades básicas devem ser dispostas em elementos de proteção adequados, de modo a atender aos requisitos especificados nesta norma. Os elementos de proteção podem ser constituídos por tubos de material polimérico encordoados em uma ou mais coroas ou de forma longitudinal. Os elementos de proteção encordoados devem ser reunidos com passo e sentido escolhidos pelo fabricante, de modo a satisfazer as características previstas nesta norma.

No caso de cabos ópticos constituídos por elementos de proteção encordoados dispostos em mais de uma coroa, opcionalmente estas coroas podem ser separadas por fitas, a fim de facilitar a sua identificação. É recomendado que os cabos ópticos compostos por elementos de proteção de até 12 fibras ópticas sejam constituídos por unidades básicas, onde cada unidade pode conter duas ou seis fibras ópticas. Para os cabos ópticos de 18 a 36 fibras ópticas, constituídos por unidades básicas, é recomendado que cada unidade contenha seis ou 12 fibras ópticas.

Para os cabos ópticos de 48 a 288 fibras ópticas, constituídos por unidades básicas, é recomendado que cada unidade contenha 12 ou 24 fibras ópticas. Para os cabos ópticos superiores a 288 fibras ópticas, constituídos por unidades básicas, é recomendado que cada unidade contenha 24, 36 ou 48 fibras ópticas. Para o núcleo constituído por fibras ópticas dispostas em tubo único (central loose tube), a construção deve conter um único tubo central de material polimérico contendo uma ou mais unidades básicas.

Os cabos ópticos de até 48 fibras ópticas devem ser constituídos por fibras ópticas reunidas. Os cabos ópticos acima de 48 até 72 fibras ópticas devem ser constituídos por unidades básicas. Para o núcleo constituído por unidades básicas de cordões ópticos monofibra, o cordão óptico deve ser conforme a NBR 14106. A unidade básica de cordões ópticos deve ser constituída por até 12 cordões agrupados e deve ser identificada das unidades básicas, dos elementos ópticos e dos cordões ópticos.

Os cabos de até 12 fibras ópticas devem ser constituídos por cordões ópticos reunidos. Para cabos de 18 a 36 fibras ópticas, é recomendado que cada unidade básica contenha seis cordões ópticos. Para cabos ópticos de 48 a 72 fibras, é recomendado que cada unidade básica contenha 12 cordões ópticos. O cordão óptico deve ser conforme a NBR 14106.

A unidade básica de cordões ópticos deve ser constituída por até 12 cordões agrupados e deve ser identificada conforme essa norma e os cabos de até 12 fibras ópticas devem ser constituídos por um ou mais cordões ópticos. Para cabos de 18 a 288 fibras ópticas, é recomendado que cada unidade básica contenha seis ou 12 cordões ópticos.

Para o núcleo constituído por unidades básicas de elementos ópticos, a unidade básica de elementos ópticos deve ser constituída por até 12 elementos agrupados e deve ser identificada conforme essa norma. Os cabos de até 12 fibras ópticas devem ser constituídos por elementos ópticos reunidos. Para cabos de 18 a 36 fibras ópticas, é recomendado que cada unidade básica contenha seis elementos ópticos.

Para cabos ópticos de 48 a 144 fibras, é recomendado que cada unidade básica contenha 12 elementos ópticos. Podem ser colocados enchimentos de material polimérico compatível com os demais materiais do cabo, a fim de formar o núcleo cilíndrico. No núcleo do cabo pode haver uma identificação legível e indelével, contendo impressos o nome do fabricante e o ano de fabricação, em intervalos não superiores a 50 cm, ao longo do eixo do cabo.

Sobre o revestimento externo devem ser gravados o nome do fabricante, a designação do cabo, o número do lote e o ano de fabricação, de forma legível e indelével, em intervalos de 1 m ao longo do eixo do cabo. A pedido do comprador, podem ser impressas informações adicionais. A marcação métrica sequencial deve ser feita em intervalos de 1 m ao longo do revestimento externo do cabo óptico interno. A marcação deve ser feita com algarismos de altura, forma, espaçamento e método de gravação ou impressão tais que se obtenha legibilidade perfeita e permanente. Não são permitidas marcações ilegíveis adjacentes.

Na medida da marcação do comprimento ao longo do eixo do cabo, é tolerada uma variação para menos de até 0,5%, não havendo restrição de tolerância para mais. A marcação inicial deve ser feita em contraste com a cor da capa do cabo, sendo preferencialmente azul ou preta para cabos de cores claras, e branca para cabos de cores escuras ou em relevo. Se a marcação não satisfizer os requisitos anteriores, é permitida a remarcação na cor amarela.

A remarcação deve ser feita de forma a não se sobrepor à marcação inicial defeituosa. Cada lance de cabo deve ser fornecido acondicionado em um carretel de madeira com diâmetro mínimo do tambor de 22 vezes o diâmetro externo do cabo. A largura total do carretel não pode exceder 1,5 m e a altura total não pode ser superior a 2,1 m.

Os carretéis devem conter um número de voltas tal que entre a camada superior e as bordas dos discos laterais exista um espaço livre mínimo de 6 cm. Os carretéis utilizados devem estar conforme a NBR 11137. As extremidades do cabo devem ser solidamente presas à estrutura do carretel, de modo a não permitir que o cabo se solte ou se desenrole durante o transporte.

A extremidade interna do cabo na bobina deve estar protegida para evitar danos durante o transporte, ser acessível para ensaios, possuir um comprimento livre de no mínimo 2 m e ser acomodada com diâmetro de no mínimo 22 vezes o diâmetro externo do cabo. Após efetuados todos os ensaios requeridos para o cabo, as extremidades do lance devem ser fechadas, a fim de prevenir a entrada de umidade. Cada lance do cabo óptico interno deve ter um comprimento nominal de 1.000 m, podendo, a pedido do comprador, ser fornecido em comprimento específico. A tolerância de cada lance deve ser de + 3%, não sendo admitidos comprimentos inferiores ao especificado.

Devem ser identificadas em cada bobina, com caracteres perfeitamente legíveis e indeléveis, as seguintes informações: nome do comprador; nome do fabricante; número da bobina; designação do cabo; comprimento real do cabo na bobina, expresso em metros (m); massa bruta e massa líquida, expressas em quilogramas (kg); uma seta ou marcação apropriada para indicar o sentido em que o cabo deve ser desenrolado; identificação de remarcação, quando aplicável. O transporte, armazenamento e utilização das bobinas dos cabos ópticos internos devem ser feitos conforme a NBR 7310.

Os requisitos dos cabos ópticos protegidos contra o ataque de roedores

Saiba como deve ser a fabricação dos cabos ópticos dielétricos protegidos contra o ataque de roedores. Os cabos com revestimento NR ou RC são indicados para instalações subterrâneas aplicadas em linhas de dutos e em instalações aéreas, espinado junto ao mensageiro.

A NBR 14773 de 07/2020 – Cabo óptico dielétrico protegido contra o ataque de roedores para aplicação subterrânea em duto ou aérea espinado — Especificação especifica os requisitos para a fabricação dos cabos ópticos dielétricos protegidos contra o ataque de roedores. Os cabos com revestimento NR ou RC são indicados para instalações subterrâneas aplicadas em linhas de dutos e em instalações aéreas, espinado junto ao mensageiro. Os cabos com revestimento COG, COR, COP ou LSZH são utilizados apenas para instalações subterrâneas em dutos ou internas. Um cabo óptico dielétrico protegido contra o ataque de roedores para aplicação subterrânea em duto ou aérea espinado é um conjunto constituído por fibras ópticas monomodo ou multimodo de índice gradual, revestidas em acrilato, com elemento (s) de proteção da (s) unidade (s) básica (s), eventuais enchimentos; com elemento (s) de proteção da (s) unidade (s) básica (s) e núcleo resistente à penetração de umidade, e protegidos por revestimento interno de material termoplástico, uma barreira resistente à ação de roedores e revestimento externo de material termoplástico.

Acesse algumas questões relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Como pode ser definido o material hidroexpansível?

Qual é o código de cores das unidades básicas?

Quais são as cores das fibras ópticas?

Como deve ser executada a barreira resistente à ação de roedores?

Como deve ser feita a marcação métrica sequencial?

Na fabricação dos cabos ópticos dielétricos protegidos contra o ataque de roedores para aplicação em linhas de dutos ou aérea espinado, devem ser observados processos de modo que os cabos prontos satisfaçam os requisitos especificados nesta norma. Os cabos ópticos dielétricos protegidos contra o ataque de roedores para aplicação em linhas de dutos ou aérea espinado são designados pelo seguinte código: CFOA – X – Y – W – Z – K, onde CFOA é o cabo com fibra óptica revestida em acrilato; X é o tipo de fibra óptica, conforme a tabela abaixo; Y é a aplicação do cabo e formação do núcleo, conforme a tabela abaixo; W é o tipo de barreira à penetração de umidade, conforme a tabela abaixo; Z é o número de fibras ópticas, conforme a tabela abaixo. Outras quantidades de fibras por cabo podem ser adotadas, sendo objeto de acordo entre o comprador e o fornecedor. K é o grau de proteção do cabo quanto ao comportamento frente à chama, conforme a tabela abaixo e especificado em 5.2.7 (Comportamento frente à chama). A gravação do termo NR é facultativa.

Os materiais constituintes dos cabos ópticos dielétricos protegidos contra o ataque de roedores para aplicação em linhas de dutos ou aérea espinado devem ser dielétricos. Os materiais utilizados na fabricação do cabo devem ser compatíveis entre si. Os materiais utilizados na fabricação dos cabos com função estrutural devem ter as suas características contínuas ao longo de todo o comprimento do cabo. As fibras ópticas tipo multimodo de índice gradual, utilizadas na fabricação dos cabos, devem estar conforme a NBR 13487.

As fibras ópticas tipo monomodo com dispersão normal, utilizadas na fabricação dos cabos, devem estar conforme a NBR 13488. As fibras ópticas tipo monomodo com dispersão deslocada e não nula, utilizadas na fabricação dos cabos, devem estar conforme a NBR 14604. As fibras ópticas tipo monomodo com baixa sensibilidade a curvatura, utilizadas na fabricação dos cabos, devem estar conforme a NBR 16028.

Não são permitidas emendas nas fibras ópticas durante o processo de fabricação do cabo. O núcleo deve ser constituído por unidades básicas. Os cabos ópticos devem ser fabricados com unidades básicas de 2, 4, 6, 8, 12, 16, 24, 36 ou 48 fibras ópticas. As unidades básicas devem ser dispostas em elementos de proteção adequados, de modo a atender aos requisitos especificados nesta norma.

Os elementos de proteção podem ser constituídos por tubos de material polimérico encordoados em uma ou mais coroas, ou de forma longitudinal. Os elementos de proteção encordoados devem ser reunidos com passo e sentido escolhidos pelo fabricante, de modo a satisfazer as características previstas nesta norma. Podem ser colocados enchimentos de material polimérico compatível com os demais materiais do cabo, a fim de formar um núcleo cilíndrico.

No caso de cabos ópticos constituídos por elementos de proteção encordoados dispostos em mais de uma coroa, opcionalmente estas coroas podem ser separadas por fitas, a fim de facilitar a sua identificação. O núcleo pode ser constituído por um único elemento de proteção central de material polimérico. É recomendado que cabos ópticos compostos por elementos de proteção encordoados de até 12 fibras ópticas sejam constituídos por unidades básicas, onde cada unidade pode conter 2 ou 6 fibras ópticas.

É recomendado que cabos ópticos compostos por elementos de proteção encordoados de 18 a 36 fibras ópticas sejam constituídos por unidades básicas, onde cada unidade pode conter 6 ou 12 fibras ópticas. É recomendado que cabos ópticos compostos por elementos de proteção encordoados de 48 a 288 fibras ópticas sejam constituídos por unidades básicas, onde cada unidade pode conter 12 ou 24 fibras ópticas. É recomendado que cabos ópticos compostos por elementos de proteção encordoados com capacidade superior a 288 fibras ópticas sejam constituídos por unidades básicas onde cada unidade pode conter 24, 36 ou 48 fibras ópticas.

Os elementos de proteção das unidades básicas devem ser preenchidos com composto não higroscópico ou com materiais hidroexpansíveis que assegurem o enchimento dos espaços intersticiais. O núcleo do cabo óptico geleado deve ser preenchido com composto não higroscópico que assegure o enchimento dos espaços intersticiais e limite a penetração e propagação de umidade no interior do cabo. O núcleo do cabo óptico seco deve ser protegido com materiais hidroexpansíveis, de forma a assegurar a sua resistência à penetração de umidade.

Os compostos de preenchimento e os materiais hidroexpansíveis devem ser homogêneos e inodoros, e devem permitir a identificação visual das partes componentes do cabo. Os compostos de preenchimento e os materiais hidroexpansíveis devem ser livres de impurezas, partículas metálicas ou outros materiais estranhos.

Os compostos de preenchimento e os materiais hidroexpansíveis devem ser facilmente removíveis e não tóxicos, e não podem provocar danos ao operador. Os compostos de preenchimento e os materiais hidroexpansíveis devem apresentar características que não degradem os componentes do cabo. O núcleo do cabo óptico deve ser protegido termicamente, de modo que sejam evitados danos às fibras ópticas e às unidades básicas, não permitindo a adesão entre elas, provocada pela transferência de calor durante a aplicação dos revestimentos.

O desempenho dos dutos corrugados de polietileno

Saiba quais são os requisitos gerais e de desempenho, bem como os métodos de ensaio, para fabricação de dutos corrugados de polietileno, empregados em instalações de infraestrutura elétrica (baixa, média ou alta-tensão) e/ou de telecomunicações, podendo estar confinados, enterrados ou aparentes.

A NBR 15715 de 07/2020 – Sistemas de dutos corrugados de polietileno (PE) para infraestrutura de cabos de energia e telecomunicações — Requisitos e métodos de ensaio especifica os requisitos gerais e de desempenho, bem como os métodos de ensaio, para fabricação de dutos corrugados de polietileno, empregados em instalações de infraestrutura elétrica (baixa, média ou alta-tensão) e/ou de telecomunicações, podendo estar confinados, enterrados ou aparentes. Esta norma não especifica os requisitos a serem atendidos pelos eletrodutos utilizados em sistemas elétricos prediais.

Acesse algumas questões relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Quais são as características dimensionais dos dutos corrugados?

Como deve ser feita a marcação dos dutos corrugados?

Qual deve ser o plano de amostragem para verificação dimensional e visual?

Como deve ser executada a aceitação e rejeição na inspeção de recebimento?

A matéria-prima para a fabricação dos dutos corrugados deve ser o composto de polietileno, que é o material fabricado com resina à base de polietileno, contendo os aditivos e pigmentos necessários. As conexões devem ser fabricadas com composto de polietileno, polipropileno ou PVC. Os dutos corrugados e suas conexões devem atender à classificação da tabela abaixo, quanto à sua aplicação e a sua classificação à propagação de chama. Os dutos corrugados devem atender à classificação da tabela abaixo, quanto à sua aplicação e classificação de resistência à compressão.

Recomenda-se que o fabricante adote um controle do processo de fabricação capaz de assegurar que os produtos que fabrica estejam de acordo com esta Norma. Como referência informativa, pode ser utilizado o Anexo A. Os sistemas de dutos corrugados, quando montados de acordo com as instruções do fabricante, devem ter resistência apropriada às influências externas, conforme a classificação declarada pelo fabricante.

Os dutos corrugados e as conexões devem suportar os esforços normais que ocorrem durante o transporte, armazenamento, instalação recomendada e aplicação. Devem ser fabricados por processo de extrusão e as conexões podem ser fabricadas por qualquer processo de transformação, desde que atendam aos requisitos desta norma. A cor dos dutos corrugados e das conexões deve ser estabelecida entre o fabricante e o comprador, porém recomenda-se a utilização da cor preta.

Os dutos corrugados devem ser aditivados com absorvedores e estabilizantes que assegurem suas propriedades, quando expostos a intempéries durante o período de armazenamento. As superfícies dos dutos corrugados e conexões devem apresentar cor e aspecto uniformes e devem ser isentas de corpos estranhos, bolhas, fraturas do fundido, trincas ou outros defeitos visuais que comprometam o desempenho do produto. O fornecimento e o acondicionamento devem atender ao seguinte: os dutos corrugados devem ser fornecidos em barras com comprimentos múltiplos de 6 m ou em rolos com comprimentos múltiplos de 25 m; quando transportados, os dutos corrugados e conexões não podem ficar expostos à fonte de calor e agente químico agressivo, devendo ser acondicionados adequadamente para que não se soltem durante o transporte e para que preservem sua integridade mecânica.

Os dutos corrugados que não forem na cor preta e as conexões não podem ser estocados em locais sujeitos a intempéries por período superior a seis meses. Para os dutos corrugados pretos, em locais sujeitos a intempéries, recomenda-se que o período de estocagem não seja superior a 12 meses. Para períodos maiores de armazenamento, recomenda-se que os dutos sejam guardados protegidos dos raios solares ou intempéries.

Os dutos corrugados em barras devem ser fornecidos acompanhados de suas respectivas luvas de emenda e dos elementos de vedação, de forma a garantir a resistência às influências externas e, para os dutos corrugados em rolos, o fornecimento de luvas, tampões e elementos de vedação deve ser objeto de acordo entre o comprador e o fornecedor. Os dutos corrugados em rolos devem ser fornecidos com fio-guia interno, cujas extremidades devem ser amarradas nas pontas do duto. A unidade de compra do duto é o metro e das conexões é a peça.

Os dutos corrugados fabricados conforme esta norma devem ser compatíveis entre si, utilizando-se conexões de transição correspondentes. Os dutos corrugados e as conexões devem ser apropriados para a montagem da junta de vedação. Quaisquer que sejam os tipos de juntas formadas, seu desempenho deve ser garantido pela verificação da resistência às influências externas. A junta de vedação deve ser montada segundo as instruções do fabricante.

O duto corrugado deve suportar a carga mínima de 450 N ou 680 N, de acordo com a sua classificação indicada na tabela acima, quando submetido ao ensaio de resistência à compressão. Após o ensaio, os corpos de prova não podem apresentar fissuras, trincas ou estrangulamentos. O ensaio de resistência à compressão deve ser realizado de acordo com o Anexo C.

Quanto à resistência à curvatura, esse ensaio deve ser aplicado somente para os dutos corrugados fornecidos em rolos, aplicando o raio de curvatura indicado pelo fabricante do duto. O duto corrugado deve permitir a passagem de uma esfera ou gabarito cilíndrico com diâmetro de 95% do diâmetro interno mínimo do duto corrugado, quando submetido à curvatura. Após o ensaio, os corpos de prova não podem apresentar quebra, trinca ou fissuras. O ensaio de resistência à curvatura deve ser realizado de acordo com o Anexo D. O duto corrugado e a conexão devem resistir ao impacto sem apresentar quebra, rachaduras ou trincas que permitam a passagem de água ou luz entre os seus meios interior e exterior.

As juntas entre os dutos corrugados e as conexões devem apresentar grau de proteção às influências externas de classificação mínima IP38. A junta é constituída de segmentos de dutos corrugados, conexões e/ou elementos de vedação (quando aplicável). Se necessário, as extremidades abertas do conjunto montado podem ser fechadas ou não incluídas no ensaio.

A montagem das juntas deve ser realizada de acordo com as instruções indicadas no manual técnico do fabricante. A conformidade, de acordo com a classificação informada pelo fabricante, deve atender aos requisitos descritos a seguir, conforme aplicável. O ensaio de verificação da resistência às influências externas da junta deve ser realizado de acordo com a NBR IEC 60529.

Para os efeitos de aplicação da NBR IEC 60529, onde é utilizado o termo invólucro nesta norma é utilizado o termo junta. O conjunto montado deve ser ensaiado de acordo com o ensaio apropriado da NBR IEC 60529, considerando o primeiro numeral característico de proteção especificado pelo fabricante e os respectivos requisitos específicos do grau de proteção contra ingresso de objetos sólidos estranhos.

O conjunto montado ensaiado para o primeiro numeral característico 5 ou 6 deve ser considerado aprovado no ensaio se não houver penetração de poeira visível a olho nu, sem ampliação adicional. O conjunto montado deve ser ensaiado de acordo com o ensaio apropriado da NBR IEC 60529, considerando o segundo numeral característico de proteção e os respectivos requisitos específicos contra a penetração de água. O conjunto montado ensaiado deve ser considerado aprovado no ensaio se não houver penetração de água suficiente para formar uma gota visível a olho nu, sem ampliação adicional.

O ensaio do teor de negro de fumo deve ser aplicado somente ao duto corrugado fornecido na cor preta e somente para sua camada externa. A parede externa do duto corrugado na cor preta deve ser pigmentada com negro de fumo dispersado homogênea e adequadamente, com conteúdo na massa do composto de (2,5 ± 0,5) %. O ensaio de determinação do teor de negro de fumo deve ser realizado de acordo com a ISO 6964.

O ensaio de resistência ao intemperismo artificial deve ser aplicado somente ao duto corrugado fornecido em qualquer cor diferente da cor preta. A parede externa do duto corrugado não fornecido na cor preta deve ser aditivada com protetores ultravioletas dispersados homogênea e adequadamente, permitindo sua proteção dentro do período de estocagem às intempéries. Os resultados dos ensaios de tração no escoamento e alongamento na ruptura dos corpos de prova antes do envelhecimento, comparados com os resultados após o envelhecimento, devem ter variação máxima dentro do intervalo de ‒ 25% a + 25%. O ensaio de resistência ao intemperismo artificial deve ser realizado de acordo com o Anexo F.

O ensaio de dispersão de pigmentos deve ser aplicado somente à camada externa dos dutos corrugados. Este ensaio não é aplicado aos dutos corrugados classificados como não propagantes à chama. O duto corrugado deve apresentar uma dispersão de pigmentos que atenda à classificação máxima grau 3.

O ensaio de dispersão de pigmentos deve ser realizado de acordo com a NBR ISO 18553. O ensaio de resistência à chama deve ser aplicado somente aos dutos corrugados e às conexões classificados como não propagantes de chama. Os corpos de prova do duto corrugado não podem inflamar, para que sejam considerados resistentes à chama.

Se os corpos de prova queimarem ou forem consumidos sem queimar, o duto corrugado deve ser considerado aprovado, se os três corpos de prova atenderem a todos os requisitos a seguir: não pode haver combustão por mais 30 s após a remoção da chama; após ter cessado a combustão e após o corpo de prova ter sido limpo, utilizando-se um pedaço de tecido embebido em água, a amostra não pode apresentar evidência de queima ou carbonização a menos de 50 mm de qualquer parte da abraçadeira; e não pode ocorrer combustão no lenço de papel. O ensaio de resistência à chama do duto corrugado deve ser realizado de acordo com o Anexo G.

O planejamento do cabeamento estruturado

Saiba quais são os requisitos para o planejamento do cabeamento e infraestruturas de cabeamento (incluindo o cabeamento, caminhos, espaços, aterramento e equipotencialização) em suporte às normas de cabeamento estruturado e outros documentos.

A NBR 16869-1 de 07/2020 – Cabeamento estruturado – Parte 1: Requisitos para planejamento especifica os requisitos para o planejamento do cabeamento e infraestruturas de cabeamento (incluindo o cabeamento, caminhos, espaços, aterramento e equipotencialização) em suporte às normas de cabeamento estruturado e outros documentos. Os seguintes aspectos são abordados: as práticas de instalação; o planejamento da instalação; a documentação; a administração; os ensaios; e a inspeção. Os requisitos de segurança elétrica, incêndio e compatibilidade eletromagnética (EMC) estão fora do escopo desta norma. Esta parte é aplicável ao planejamento de projeto e instalação de sistemas de cabeamento estruturado.

Acesse algumas dúvidas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Quais são as abreviaturas usadas nessa norma?

Como deve ser executado o ensaio de enlace permanente?

Como deve ser feita a medição dos parâmetros de alien crosstalk?

Quais são os requisitos do plano de qualidade?

Uma especificação de instalação deve ser feita pelo contratante e deve ser entregue ao instalador previamente, compreendendo: as especificações técnicas (ver 5.3); o escopo do trabalho (ver 5.5); um plano de qualidade (ver 6.1). Diferentes tipos de infraestruturas podem compartilhar os mesmos espaços destinados ao cabeamento e causar interferências mecânicas. Portanto, o instalador deve ter acesso ao detalhamento de: outros serviços do edifício como distribuição elétrica e aterramento; sistemas de gestão do edifício, incluindo segurança, controle de acesso, etc.; sistemas para detecção de fogo e fumaça e controles associados a eles; aquecimento, ventilação e ar-condicionado (HVAC); maquinário industrial, ilhas de automação, etc. e cuidados relacionados a eles; sistemas de água, esgoto, combate a incêndio, ar comprimido, óleo lubrificante, fluido hidráulico, material seco e saídas de troca de calor; especificações de ambientes e equipamentos hospitalares.

A especificação da instalação deve assegurar que o instalador tenha acesso às legislações, regulamentações, padrões e políticas internas referentes a: edificação; ambiente; segurança do trabalho; segurança patrimonial; autorização do contratante; credenciamento (certificações e qualificações) profissional. É de responsabilidade do instalador demonstrar o cumprimento do acima estabelecido. A especificação da instalação deve detalhar os contatos no local de instalação responsáveis por: requisitos operacionais; restrições, permissões e acessos aplicáveis; conhecimento de áreas perigosas; requisitos técnicos; documentação do cabeamento existente; compatibilidade com os componentes de cabeamento existente; materiais e equipamentos a serem disponibilizados para o instalador de cabeamento pelo contratante; armazenamento dos materiais; remoção, descarte e reciclagem do excesso e entulho; saúde ocupacional e segurança do trabalho; instalação de cabeamento por terceiros; contratante principal e/ou subcontratantes; transferência de responsabilidade e/ou propriedade.

Convém que a especificação de instalação assegure a execução adequada do projeto, de modo garantir a expansão no cabeamento para acomodar usuários, aplicações e serviços adicionais no que diz respeito a: caminhos e sistemas de distribuição de cabos; gabinetes e racks; pontos de terminação; demanda de energia elétrica. As especificações técnicas devem conter os requisitos de desempenho e detalhes do cabeamento e componentes associados, a base da avaliação de desempenho do cabeamento e as práticas de instalação utilizadas.

As especificações técnicas devem abranger tanto as novas instalações quanto as ampliações das instalações existentes. Devem detalhar a localidade e os requisitos de qualquer interface de rede externa (ver NBR 16415). As especificações técnicas devem estabelecer: o nível de administração a ser aplicado à infraestrutura de cabeamento (ver Seção 8); o escopo da documentação a ser fornecida pelo instalador, incluindo quaisquer requisitos necessários para relacionar registros entre si e de outros serviços do edifício; o formato (impresso, eletrônico, etc.) da documentação (ver Seção 8); identificadores a serem adotados pelo instalador (ver Seção 8); a especificação dos elementos de identificação ou etiquetas; os requisitos para ensaios de aceitação (ver Seção 9); os requisitos para inspeção (ver Seção 10); o padrão de tratamento dos canais e enlaces que não atendam aos requisitos de inspeção e ensaios de aceitação; o formato do resultado dos ensaios e documentação da inspeção (ver Seções 9 e 10), que contêm os resultados de passa/falha, e as ações tomadas para reparar ou corrigir falhas de instalação.

A especificação técnica deve: identificar e classificar quaisquer potenciais perigos dentro dos caminhos e espaços e pontos determinação. A classificação de perigo de áreas contendo (ou com a intenção de conter) equipamento e cabeamento de fibra óptica é descrita na IEC 60825-2 e é usada para orientar as práticas adequadas de instalação e identificação. Também deve-se detalhar os limites das áreas contendo perigo ou áreas potencialmente perigosas; incluir todas as normas regulamentadoras aplicáveis ao local da instalação.

As especificações técnicas devem detalhar as medidas necessárias para prevenir o acesso não autorizado aos caminhos, espaços, gabinetes e racks. As especificações técnicas devem detalhar as condições ambientais previstas de instalação e operação. A classificação MICE descrita na NBR 16521 deve ser usada onde as condições ambientais e a instalação prevista estejam dentro dos limites definidos por M3I3C3E3. Adicionalmente, as seguintes condições ambientais devem ser observadas: ataque biológico (bolor ou outros fungos); dano físico (acidental ou intencional), incluindo dano causado por animais; presença ou potencial presença de perigos, como contaminações por líquidos, gases ou materiais explosivos; fluxo de ar (causado por sistemas de aquecimento e ventilação); efeitos meteorológicos (vento, chuva e inundação); impactos naturais (raios, terremotos etc.). Ver IEC 60721 para classificações ambientais.

Convém que as especificações técnicas prevejam uma análise de riscos, incluindo condições ambientais anômalas (mudanças de temperatura, inundações, etc.), que podem afetar a determinação dos requisitos dos componentes ou o método de mitigação possível. A especificação da instalação deve: conter uma lista de itens tratados no plano de qualidade aplicável à instalação definido pelo contratante; identificar as responsabilidades por quaisquer tarefas adicionais necessárias para permitir o cumprimento do plano de qualidade (ver Seção 6).

Um plano de qualidade que aborda os requisitos de instalação deve ser produzido pelo instalador de acordo com os requisitos desta norma. O plano de qualidade deve ser acordado com o contratante antes do início da instalação. O plano de qualidade deve claramente apresentar as medidas e procedimentos a serem adotados para demonstrar conformidade com: os requisitos desta norma; os requisitos do projeto de cabeamento; a especificação da instalação.

O plano de qualidade deve detalhar os procedimentos: para a transferência de responsabilidades entre o instalador e o contratante; para a aceitação dos componentes de cabeamento (incluindo a verificação das especificações físicas, mecânicas, ópticas ou elétricas, baseadas nas especificações dos fabricantes ou fornecedores e normas aplicáveis). Os componentes do cabeamento a serem instalados podem ser fornecidos pelo instalador, desde que em comum acordo com o contratante.

Devem ser detalhados os procedimentos a serem adotados para verificar a compatibilidade entre os componentes do cabeamento a serem usados durante a instalação; a serem adotados para verificar a compatibilidade com algum cabeamento existente; para abordar o impacto de potenciais incompatibilidades; para garantir a seleção de patch cords adequados para uso nos canais de cabeamento.

Onde, em qualquer ponto durante o processo de instalação, a inspeção ou ensaio do cabeamento ou seus componentes for especificado na especificação da instalação ou por outras normas, o plano de qualidade deve detalhar: o equipamento de inspeção e ensaio; o estado de calibração do equipamento de inspeção e ensaio; os planos de amostragem (ver 6.2); os procedimentos de ensaios (ver 9.5.1); o tratamento dos resultados que não estejam em conformidade com as especificações de ensaio ou que apresentem valores marginais, ou seja, dentro do limite de precisão especificado do equipamento de medição (ver 6.3 e 6.4).

A tabela abaixo mostra dois grupos de ensaios para cabeamento balanceado (verificação básica e parâmetros de transmissão), usando os parâmetros que estabelecem as classes de enlaces e canais em relação ao cabeamento projetado. Esta subseção especifica os requisitos e recomendações para ensaios desses grupos de parâmetros. Os procedimentos de ensaio e equipamentos para enlaces e canais do cabeamento balanceado estão especificados na Seção 9. Os requisitos são estabelecidos para outros parâmetros de transmissão que não são considerados atingidos pelo projeto.

Recomenda-se que o modelo de ensaio de enlace permanente seja especificado como requisito de projeto, pois este traz margem adequada para suportar a variedade de patch cords utilizados para conformar canais. Independentemente dos requisitos da especificação da instalação, os parâmetros de verificação básica da tabela acima devem ser medidos para toda a instalação. Os parâmetros de transmissão da tabela acima, com exceção dos parâmetros de alien crosstalk, devem ser medidos para todos os enlaces permanentes da instalação de cabeamento balanceado de classes D, E, F ou FA. Caso a especificação da instalação exija a medição dos parâmetros de alien crosstalk para essas classes de desempenho, o instalador deve incluir esses parâmetros nos ensaios.

As características dos isoladores compostos tipo suporte

Conheça as dimensões principais e os valores para as características mecânicas e elétricas dos isoladores compostos tipo suporte.

A NBR 15644-1 de 07/2020 – Isoladores compostos tipo suporte para subestações com tensões nominais acima de 1.000 V até 245 kV – Parte 1: Características dimensionais, elétricas e mecânicas especifica as dimensões principais e os valores para as características mecânicas e elétricas dos isoladores compostos tipo suporte. Aplica-se aos isoladores compostos tipo suporte para subestações com tensão nominal de corrente alternada acima de 1.000 V até 245 kV. Esta parte se aplica aos isoladores compostos tipo suporte de projeto similar, usados em estações de força para sistemas ferroviários. Os isoladores compostos tipo suporte cobertos por esta norma são primeiramente para uso externo, mas podem também ser empregados em uso interno.

Acesse algumas questões relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

O que é uma carga de compressão especificada?

Quais são as tolerâncias para os produtos?

Qual é a codificação e as características de isoladores compostos tipo suporte?

Qual é a codificação e as características de isoladores compostos tipo suporte – Prática Norte Americana/ANSI?

Um isolador composto tipo suporte consiste em um núcleo cilíndrico isolante, sólido, que suporta uma carga mecânica, protegido por um invólucro polimérico, sendo a carga transmitida ao núcleo por meio de ferragens integrantes fixadas ao núcleo isolante. Os isoladores compostos tipo suporte são classificados pelas seguintes características mecânicas e dimensionais: carga de flexão máxima de projeto (CFMP); carga de flexão especificada (CFE); carga de compressão especificada (CCoE); carga de tração especificada (CTE); carga de torção especificada (CToE); altura do isolador; distância de escoamento mínima; diâmetro máximo da parte isolante; arranjo das ferragens integrantes (ver Seção 9).

As Tabelas A.1 e A.2 (disponíveis na norma) apresentam a distância de escoamento mínima para cada isolador junto com a tensão máxima de operação, com base na distância de escoamento específica unificada (DEEU) de 34,7 mm/kVΦ-Φ ou 43,3 mm/kVΦ-t. Esta dimensão é dada somente como informação. O valor da DEEU é considerado um valor representativo das classes de poluição média e pesada, como definidas na ABNT IEC/TR 60815-1. A Tabela A.3 na norma apresenta informação similar para os isoladores, com base na prática norte-americana, considerando 27,8 mm/kVΦ-t para o valor da DEEU, que corresponde a uma classe de poluição leve.

As distâncias de escoamento diferentes das apresentadas nas referidas tabelas podem também ser consideradas para o projeto de isoladores a serem utilizados em várias condições de poluição. Mais informações sobre a DEEU e a seleção de isoladores para condições sob poluição podem ser obtidas nas ABNT IEC/TR 60815-1 e ABNT IEC/TR 60815-3.

Eletricamente, os isoladores compostos tipo suporte são caracterizados pelas tensões a seguir, cujos valores são apresentados nas Tabelas A.1 a A.3: tensão suportável de impulso atmosférico, a seco; tensão suportável em frequência industrial, sob chuva. Os isoladores compostos tipo suporte devem ser identificados conforme as Tabelas A.1 a A.3 por um código alfanumérico contendo quatro indicações: a primeira indicação é representada pelas letras CS ou NACS seguidas do valor da tensão suportável nominal de impulso atmosférico a seco, em quilovolts; a segunda indicação é representada pelas letras A ou B, indicando o diâmetro do círculo de furação das ferragens integrantes no topo e na base do isolador (A = 76 mm e B = 127 mm); a terceira indicação representa a carga de flexão máxima de projeto, em quilonewtons, com dois dígitos; a quarta indicação refere-se ao valor da distância de escoamento mínima, em milímetros.

Exemplo: um isolador código NACS1050B-06-5030 refere-se a um isolador composto tipo suporte, tensão suportável nominal de impulso atmosférico a seco igual a 1.050 kV, diâmetro do círculo de furação de 127 mm, carga de flexão máxima de projeto de 0,6 kN e distância de escoamento mínima de 5 030 mm. Os isoladores devem ser acondicionados em embalagens adequadas, estabelecidas mediante prévio acordo entre as partes interessadas.

As embalagens devem ser identificadas no mínimo com o nome ou a marca do fabricante, tipo do isolador e quantidade de unidades. Quando necessário, para facilidade de manuseio, transporte e armazenagem, as embalagens devem ser paletizadas. Neste caso, o palete é considerado parte integrante da embalagem.

A conformidade dos cabos ópticos dielétricos para aplicação enterrada

Um cabo óptico dielétrico enterrado (DE) como o conjunto constituído por fibras ópticas tipo monomodo ou multimodo índice gradual, revestidas em acrilato, elementos de proteção da unidade básica, elemento de tração dielétrico, eventuais enchimentos, com elementos de proteção da unidade básica e núcleo preenchido com material resistente à penetração ou propagação de umidade, protegidos por um revestimento interno de material termoplástico, um revestimento adicional de poliamida e um revestimento externo de material termoplástico. 

A NBR 14103 de 07/2020 – Cabo óptico dielétrico para aplicação enterrada — Especificação especifica os requisitos técnicos para a fabricação dos cabos ópticos dielétricos para aplicação enterrada. Esses cabos são indicados preferencialmente para instalação subterrânea em aplicação diretamente enterrada, em redes de entroncamentos e redes especiais.

Acesse algumas dúvidas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Como deve ser feita a identificação das unidades básicas?

Quais devem ser as cores das fibras ópticas?

Como deve ser fabricado o revestimento adicional de poliamida?

Qual deve ser o acréscimo ou variação de atenuação?

Pode-se definir um cabo óptico dielétrico enterrado (DE) como o conjunto constituído por fibras ópticas tipo monomodo ou multimodo índice gradual, revestidas em acrilato, elementos de proteção da unidade básica, elemento de tração dielétrico, eventuais enchimentos, com elementos de proteção da unidade básica e núcleo preenchido com material resistente à penetração ou propagação de umidade, protegidos por um revestimento interno de material termoplástico, um revestimento adicional de poliamida e um revestimento externo de material termoplástico. O cabo óptico dielétrico protegido enterrado (DPE) é o conjunto constituído por um cabo óptico conforme a NBR 14566, sobre o qual é aplicado um revestimento de poliamida. O cabo assim constituído é protegido por um duto de material termoplástico.

Na fabricação dos cabos ópticos para aplicação subterrânea diretamente enterrada, devem ser observados processos de modo que os cabos prontos satisfaçam os requisitos técnicos fixados nesta norma. Os cabos ópticos são designados pelo seguinte código: CFOA – X – Y – W – Z, onde CFOA é o cabo de fibras ópticas revestidas em acrilato; X é o tipo de fibras ópticas, conforme a tabela abaixo1; Y é a aplicação do cabo e formação do núcleo, conforme a tabela abaixo; W é a barreira à penetração de umidade no cabo, conforme a tabela abaixo; Z é o número de fibras ópticas, conforme a tabela abaixo. Outras quantidades de fibras por cabo podem ser adotadas, sendo objeto de acordo entre o comprador e o fornecedor.

Todos os materiais utilizados na fabricação dos cabos ópticos devem ser dielétricos. Os materiais utilizados na fabricação do cabo devem ser compatíveis entre si. As fibras ópticas tipo multimodo índice gradual, utilizadas na fabricação dos cabos, devem estar conforme a NBR 13487. As fibras ópticas tipo monomodo de dispersão normal, utilizadas na fabricação dos cabos, devem estar conforme a NBR 13488. As fibras ópticas tipo monomodo de dispersão deslocada e não nula, utilizadas na fabricação dos cabos, devem estar conforme a NBR 14604.

As fibras ópticas tipo monomodo de baixa sensibilidade à curvatura, utilizadas na fabricação dos cabos, devem estar conforme a NBR 16028. Não são permitidas emendas nas fibras ópticas durante o processo de fabricação do cabo. O núcleo deve ser constituído por unidades básicas. Os cabos ópticos devem ser fabricados com unidades básicas de 2, 4, 6, 8, 12, 16, 24, 36 ou 48 fibras ópticas.

As unidades básicas devem ser dispostas em elementos de proteção adequados, de modo a atender aos requisitos especificados nesta norma. Os elementos de proteção podem ser constituídos por tubos de material polimérico encordoados em uma ou mais coroas ou de forma longitudinal. Os elementos de proteção encordoados devem ser reunidos com passo e sentido escolhidos pelo fabricante, de modo a satisfazer as características previstas nesta norma.

Podem ser colocados enchimentos de material polimérico compatível com os demais materiais do cabo, a fim de formar um núcleo cilíndrico. No caso de cabos ópticos constituídos por elementos de proteção encordoados dispostos em mais de uma coroa, opcionalmente estas coroas podem ser separadas por fitas, a fim de facilitar a sua identificação. O núcleo pode ser constituído por um único elemento de proteção central de material polimérico. É recomendado que os cabos ópticos compostos por elementos de proteção encordoados de até 12 fibras ópticas sejam constituídos por unidades básicas, onde cada unidade pode conter duas ou seis fibras ópticas.

Para os cabos ópticos de 18 a 36 fibras ópticas constituídos por unidades básicas, é recomendado que cada unidade contenha seis ou 12 fibras ópticas. Para os cabos ópticos de 48 a 288 fibras ópticas constituídos por unidades básicas, é recomendado que cada unidade contenha 12 ou 24 fibras ópticas. Para os cabos ópticos superiores a 288 fibras ópticas constituídos por unidades básicas, é recomendado que cada unidade contenha 24, 36 ou 48 fibras ópticas. Cada lance de cabo deve ser fornecido acondicionado em um carretel de madeira com diâmetro mínimo do tambor de 22 vezes o diâmetro externo do cabo óptico ou duto de proteção.

A largura total do carretel não pode exceder 1,5 m e a altura total não pode ser superior a 2,7 m. Os carretéis devem conter um número de voltas tal que entre a camada superior e as bordas dos discos laterais exista um espaço livre mínimo de 6 cm. Os carretéis utilizados devem estar de acordo com a NBR 11137. As extremidades do cabo devem ser solidamente presas à estrutura do carretel, de modo a não permitir que o cabo se solte ou se desenrole durante o transporte. A extremidade interna do cabo na bobina deve estar protegida para evitar danos durante o transporte, ser acessível para ensaios, possuir um comprimento livre de no mínimo 2 m e ser acomodada com diâmetro de no mínimo 22 vezes o diâmetro externo do cabo óptico DE ou duto de proteção do cabo óptico DPE.

Após efetuados todos os ensaios requeridos para o cabo, as extremidades do lance devem ser fechadas, a fim de prevenir a entrada de umidade. No conjunto do cabo óptico dielétrico protegido enterrado devem ser fechados o cabo e o duto de proteção, separadamente. Cada lance de cabo óptico deve ter um comprimento nominal de 2.000 m, podendo, a pedido do comprador, ser fornecido em comprimento específico. A tolerância de cada lance deve ser de + 3%, não sendo admitidos comprimentos inferiores ao especificado.

No caso do cabo óptico dielétrico protegido enterrado, o comprimento do cabo deve ser no mínimo igual ao comprimento do duto de proteção. Devem ser marcadas em cada bobina, com caracteres perfeitamente legíveis e indeléveis, as seguintes informações: nome do comprador; número da bobina; designação do cabo; comprimento real do cabo na bobina, expresso em metros (m); massa bruta e massa líquida, expressa em quilogramas (kg); uma seta ou indicação apropriada para indicar o sentido em que o cabo deve ser desenrolado; identificação de remarcação, quando aplicável. O transporte, armazenamento e utilização das bobinas dos cabos ópticos devem ser feitos conforme a NBR 7310.

BS EN IEC 62984-2: as baterias secundárias para alta temperatura

Essa norma europeia, editada em 2020 pelo BSI, especifica os requisitos de segurança e os procedimentos de ensaio para as baterias para altas temperaturas para uso móvel e/ou estacionário e cuja tensão nominal não exceda 1.500 V. Este documento não inclui as baterias de aeronaves cobertas pela IEC 60952 (todas as partes) e baterias para propulsão de veículos elétricos rodoviários, cobertas pela IEC 61982 (todas as partes).

A BS EN IEC 62984-2:2020 – High-temperature secondary batteries. Safety requirements and tests especifica os requisitos de segurança e os procedimentos de ensaio para as baterias para altas temperaturas para uso móvel e/ou estacionário e cuja tensão nominal não exceda 1.500 V. Este documento não inclui as baterias de aeronaves cobertas pela IEC 60952 (todas as partes) e baterias para propulsão de veículos elétricos rodoviários, cobertas pela IEC 61982 (todas as partes). As baterias de alta temperatura são sistemas eletroquímicos cuja temperatura operacional interna mínima das células está acima de 100 °C.

CONTEÚDO DA NORMA

PREFÁCIO…………………… 4

1 Escopo……………………… 6

2 Referências normativas………… ….. 6

3 Termos, definições, símbolos e termos abreviados………… 7

3.1 Construção da bateria……………………………………. 7

3.2 Funcionalidade da bateria………………………….. 10

3.3 Símbolos e termos abreviados…………………….. 12

4 Condições ambientais (de serviço)…………………………… 13

4.1 Geral………………………. …………… 13

4.2 Condições normais de serviço para instalações estacionárias……………………. .13

4.2.1 Geral………………… ……… 13

4.2.2 Condições ambientais normais adicionais para instalações internas ……………. 14

4.2.3 Condições ambientais normais adicionais para instalações externas ………….. 14

4.3 Condições especiais de serviço para instalações estacionárias……………………….. .14

4.3.1 Geral…………………. ……… 14

4.3.2 Condições especiais de serviço adicionais para instalações internas………………….. 14

4.3.3 Condições especiais de serviço adicionais para instalações externas………………… 14

4.4 Condições normais de serviço para instalações móveis (exceto propulsão) ………………. 14

4.5 Condições especiais de serviço para instalações móveis (exceto propulsão) ……………… 14

5 Projeto e requisitos……………………… 15

5.1 Arquitetura da bateria……………………. 15

5.1.1 Módulo…………. ………. 15

5.1.2 Bateria………………. ……….. 15

5.1.3 Montagem das baterias………………. 16

5.1.4 Subsistema de gerenciamento térmico……….. 17

5.2 Requisitos mecânicos……………………………. 17

5.2.1 Geral…………………………… ……… 17

5.2.2 Carcaça da bateria………………….. 17

5.2.3 Vibração………………………… …….. 18

5.2.4 Impacto mecânico……………………… 18

5.3 Requisitos ambientais………………………. 18

5.4 Requisitos de Electromagnetic compatibility (EMC)…………….. 18

6 Ensaios……… ……………………… 19

6.1 Geral……………… …………… 19

6.1.1 Classificação dos ensaios………………….. 19

6.1.2 Seleção de objetos de ensaio…………………….. 19

6.1.3 Condições iniciais do DUT antes dos ensaios………………… 20

6.1.4 Equipamento de medição……………. 20

6.2 Lista de ensaios…………….. ……….. 20

6.3 Ensaios de tipo…………….. ………… 21

6.3.1 Ensaios mecânicos………………. 21

6.3.2 Ensaios ambientais…………………………. 23

6.3.3 Ensaios EMC…………………….. ……. 24

6.4 Ensaios de rotina……………… …….. 33

6.5 Ensaios especiais………………. …….. 33

7 Marcações………….. …………………. 33

7.1 Geral……………………………. …………… 33

7.2 Marcação da placa de dados……………………. 33

8 Regras para transporte, instalação e manutenção ……… 33

8.1 Transporte…………………….. …. 33

8.2 Instalação………………. ………. 33

8.3 Manutenção………………… ……. 33

9 Documentação……………………. ………… 33

9.1 Manual de instruções……………………. 33

9.2 Relatório de ensaio……. ……….. 34

Bibliografia……………… ………………….. 35

Figura 1 – Componentes de uma bateria………………….. 16

Figura 2 – Componentes de um conjunto de baterias……….. 16

Figura 3 – Subsistema de gerenciamento térmico……………………. 17

Tabela 1 – Lista de símbolos e termos abreviados………………….. 13

Tabela 2 – Ambientes eletromagnéticos……………. 19

Tabela 3 – Ensaios de tipo…………………….. ………….. 21

Tabela 4 – Ensaio de calor úmido – Estado estacionário…………………………. 23

Tabela 5 – Nível de gravidade dos ensaios EMC………………………… 25

Tabela 6 – Descrição dos critérios de avaliação para ensaios de imunidade…….. …….. 26

Tabela 7 – Parâmetros de ensaio EFT/Burst……………….. 28

Tabela 8 – Níveis de ensaio de surto…………………. ….. 29

Segundo a International Electrotechnical Commission (IEC), as baterias são dispositivos indispensáveis na vida cotidiana: muitos itens que são usados diariamente, desde os telefones celulares até os laptops, dependem da energia da bateria para funcionar. No entanto, apesar de uso mundial, a tecnologia das baterias está subitamente dominando os holofotes porque é usada para alimentar todos os tipos de diferentes veículos elétricos (VE), de carros elétricos a scooters eletrônicas, que estão regularmente nos mercados. Para os ambientalistas, no entanto, a tecnologia da bateria é mais interessante como forma de armazenar eletricidade, à medida que a geração e o uso de energia renovável – que é intermitente – aumentam.

As baterias de íon lítio podem ser recicladas, mas esse processo permanece caro e, por enquanto, as taxas de recuperação de material raramente chegam a 20%. As matérias-primas usadas nas baterias de íon lítio são geralmente níquel, cobalto, manganês e lítio, que são caros de se obter. Algumas dessas matérias primas são escassas e, mesmo que as pesquisas estejam progredindo rapidamente, alguns laboratórios conseguiram atingir 80% dos níveis de recuperação.

Os cientistas também estão analisando as baterias recarregáveis de ar lítio como uma alternativa ao íon lítio. As baterias de íon de lítio usadas em uma aplicação podem ser avaliadas quanto à capacidade de serem usadas em outras aplicações menos exigentes. Uma segunda vida útil possível para as baterias é um componente para estações de carregamento flexíveis.

São estações de carregamento rápido que podem ser operadas de forma autônoma durante eventos de grande escala, como festivais ou eventos esportivos. As baterias de veículos elétricos podem ser reutilizadas em tudo, desde energia de backup para data centers até sistemas de armazenamento de energia. Na Europa, vários fabricantes de veículos, empresas pioneiras no mercado de carros elétricos, instalaram baterias usadas principalmente em diferentes tipos de sistemas de armazenamento de energia, variando de pequenos dispositivos residenciais a soluções maiores em escala de grade em contêiner.

Como definir os elementos consistentes dos metadados

O propósito deste modelo é permitir a descrição padronizada de documentos de arquivo e entidades contextuais críticas para documentos de arquivo, fornecer uma compreensão comum dos pontos fixos de agregação para permitir a interoperabilidade de documentos de arquivo e informações relevantes para documentos de arquivo entre sistemas organizacionais e permitir reutilização e padronização de metadados para gerenciar documentos de arquivo ao longo do tempo, espaço e entre aplicações.

A NBR ISO 23081-2 de 04/2020 – Informação e documentação — Gerenciamento de metadados para documentos de arquivo – Parte 2: Problemas conceituais e implementação estabelece um modelo para definir os elementos de metadados consistentes com os princípios e as considerações de implementação descritos na NBR ISO 23081-1. O propósito deste modelo é permitir a descrição padronizada de documentos de arquivo e entidades contextuais críticas para documentos de arquivo, fornecer uma compreensão comum dos pontos fixos de agregação para permitir a interoperabilidade de documentos de arquivo e informações relevantes para documentos de arquivo entre sistemas organizacionais e permitir reutilização e padronização de metadados para gerenciar documentos de arquivo ao longo do tempo, espaço e entre aplicações. Ela também identifica alguns dos pontos de decisão críticos que precisam ser abordados e documentados para permitir a implementação de metadados para gerenciar documentos de arquivo. Ela visa identificar os problemas que precisam ser abordados na implementação de metadados para gerenciamento de documentos de arquivo, identificar e explicar as várias opções para abordar as questões, e identificar vários caminhos para tomar decisões e escolher opções na implementação de metadados para gerenciar documentos de arquivo.

Acesse algumas dúvidas relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Quais as relações entre entidades nos metadados?

Quais são os conceitos relativos à implementação de metadados?

Por que os metadados podem ser herdados de um agregado superior para um inferior?

Qual o modelo de metadados para gerenciar documentos de arquivo?

A série NBR ISO 23081 descreve metadados para documentos de arquivo. Esta parte 2 concentra-se no modelo de definição de elementos de metadados para gestão de documentos de arquivo, e fornece uma declaração genérica de elementos de metadados, sejam estes físicos, analógicos ou digitais, de acordo com os princípios da NBR ISO 23081-1. Ela fornece uma fundamentação sólida dos metadados para gerenciar documentos de arquivo em organizações, modelos conceituais de metadados e um conjunto de elementos de alto nível de metadados genéricos, adequados para qualquer ambiente de documentos de arquivo.

Abrange, por exemplo, implementações atuais de gestão de documentos de arquivo ou arquivísticas. Ela define os tipos genéricos de metadados, tanto para entidades de documentos de arquivo quanto para outras entidades que precisam ser gerenciadas para documentar e entender o contexto dos documentos de arquivos. Esta parte 2 também identifica, para entidades-chave, um número mínimo de camadas de agregação fixas que são necessárias para fins de interoperabilidade. Os modelos e os tipos de metadados genéricos delineados nesta parte são principalmente focados na entidade documentos de arquivo.

No entanto, eles também são relevantes para as outras entidades. Não estabelece um conjunto específico de elementos de metadados. Em vez disso, ela identifica tipos genéricos de metadados que são necessários para cumprir os requisitos para gerenciar documentos de arquivo. Essa abordagem fornece às organizações a flexibilidade para selecionar metadados específicos para atender aos requisitos de seus negócios e gerenciar seus documentos de arquivo enquanto eles são necessários.

Ela fornece diagramas para determinar os elementos de metadados que podem ser definidos em uma implementação específica e os que podem ser aplicados a cada agregação das entidades definidas. Ela reconhece que essas entidades podem existir em diferentes camadas de agregação. Ela define tipos de metadados genéricos que podem ser aplicados em todas as camadas de agregação, ao mesmo tempo em que alerta aos implementadores para elementos de metadados que só podem ser aplicados em camadas de agregação específicas.

A implementação de metadados para gerenciar documentos de arquivo usando parâmetros organizacionais e de sistema envolve uma série de escolhas, que são determinadas pelas conjunturas da organização, pelos sistemas instalados e pelos requisitos para gerenciar documentos de arquivo. Com base nos princípios da NBR ISO 23081-1, esta parte 2 fornece explicações adicionais sobre os conceitos subjacentes de esquemas de metadados para gerenciar documentos de arquivo, oferece orientações práticas para o desenvolvimento e construção desses esquemas do ponto de vista organizacional e, finalmente, aborda questões relacionadas à implementação e ao gerenciamento de metadados ao longo do tempo.

Destina-se a arquivistas (ou pessoas atribuídas dentro de uma organização para gerenciar documentos de arquivo em qualquer ambiente) responsáveis pela definição de metadados para gerenciar documentos de arquivo em qualquer camada de agregação em um sistema de negócios ou software de documentos de arquivo dedicado, sistemas/analistas de negócio responsáveis pela identificação de metadados para gerenciar documentos de arquivo em sistemas de negócio, arquivistas ou analistas de sistemas que abordam os requisitos de interoperabilidade do sistema envolvendo documentos de arquivo, e fabricante de software, como fornecedores de aplicativos que apoiam e permitem a definição, captura e gestão de metadados ao longo do tempo. As organizações precisam de sistemas de informação que capturem e gerenciem informações contextuais adequadas para auxiliar o uso, compreensão, gerenciamento e acesso a documentos de arquivo ao longo do tempo.

Esta informação é crítica para assegurar autenticidade, confiabilidade, integridade, usabilidade e qualidades probatórias de documentos de arquivo. Coletivamente, essa informação é conhecida como metadados para gerenciamento de documentos de arquivo. Os metadados para gerenciar documentos de arquivo podem ser usados para uma variedade de propósitos dentro de uma organização, apoiando, identificando, autenticando, descrevendo, localizando e gerenciando seus recursos de forma sistemática e consistente para atender às necessidades de negócio, responsabilidade e requisitos societários das organizações.

O software de documentos de arquivo e os sistemas de negócio com funcionalidade de gerenciamento de registros gerenciam documentos de arquivo, capturando e gerenciando os seus metadados e o contexto de sua produção e uso. Os documentos de arquivo, particularmente sob a forma de transações eletrônicas, podem existir fora do software de documentos de arquivo formais, muitas vezes sendo produzidos em sistemas de negócio que atendem a fins específicos (por exemplo, sistemas de licenciamento).

Os documentos de arquivo são usados e compreendidos por pessoas que possuem ou têm acesso a conhecimentos suficientes sobre os processos que estão sendo realizados ou por pessoas que estão envolvidas na transação dos documentos de arquivo gerados e seu contexto imediato. Tais documentos de arquivo nem sempre são robustos, por razões que incluem as ligações contextuais que podem não ser escritas e depender da memória individual e do grupo.

Essa confiança no entendimento contextual não escrito não é confiável; algumas pessoas têm acesso a mais conhecimento do que outras; ao longo do tempo, a usabilidade dos documentos de arquivo será comprometida pelo movimento do pessoal e pela diminuição da memória corporativa. Os documentos de arquivo muitas vezes não possuem informações explícitas necessárias para identificar os componentes de uma transação fora do contexto de negócio específico e, portanto, são difíceis de intercambiar com outros sistemas de negócio relacionados aos fins de interoperabilidade.

Os processos de gestão necessários para assegurar a sustentabilidade dos documentos de arquivo ao longo do tempo, que eles requerem, geralmente não são uma característica de tais sistemas. Existem limites práticos para a quantidade de informações contextuais que podem ser explicitadas e capturadas em um determinado sistema na forma de metadados. O contexto é infinito, enquanto um único sistema de informação possui limites finitos. Outras informações contextuais sempre existirão fora dos limites de qualquer sistema. Um único sistema de software de documentos de arquivo precisa capturar o máximo de metadados que forem considerados úteis para que o sistema e seus usuários interpretem e gerenciem os documentos de arquivo pelo tempo que forem necessários no sistema e para permitir a migração daqueles documentos de arquivo requeridos fora do sistema.

Os bons esquemas de metadados são dinâmicos e podem incluir metadados adicionais para gerenciar documentos de arquivo conforme necessário ao longo do tempo. Muitos metadados para gerenciar documentos de arquivo podem ser obtidos de outros sistemas de informação. Para que eles sejam úteis em um sistema de gerenciamento de documentos de arquivo, eles precisam ser estruturados e organizados de forma padronizada.

Os metadados padronizados são um pré-requisito essencial para a interoperabilidade do sistema de informação dentro e entre organizações. Os metadados para gerenciar documentos de arquivo não só descrevem seus atributos, de forma a permitir seu gerenciamento e uso/reutilização, mas também documentam as relações entre os documentos de arquivo e os agentes que os definem e os usam, além dos eventos ou circunstâncias em que os documentos de arquivo são produzidos e utilizados. Os metadados apoiam a busca de informações e a manutenção de sua autenticidade.

As organizações precisam produzir documentos de arquivo de suas transações e mantê-los enquanto forem necessários. Isso pode ser feito somente se os sistemas de negócio das organizações capturarem metadados de documentos de arquivo de acordo com os requisitos organizacionais para gerenciá-los. O quanto melhor um sistema gerencia documentos de arquivo é em grande parte dependente das funcionalidades de metadados do sistema. As relações entre os sistemas de negócio e os sistemas de softwares específicos de documentos de arquivo estão sujeitas às decisões nas implementações, conforme descrito na Seção 11.

A interoperabilidade refere-se à capacidade de dois ou mais sistemas automatizados de trocar informações e reconhecer, processar e usar essas informações com sucesso. Os sistemas interoperáveis precisam ser capazes de funcionar simultaneamente em níveis técnicos, semânticos e sintáticos. Os metadados padronizados são um pré-requisito essencial para a interoperabilidade do sistema de informação.

Os metadados padronizados para gerenciar documentos de arquivo ajudam a permitir a interoperabilidade da seguinte maneira: entre sistemas de negócio dentro de uma organização (por exemplo, entre os sistemas que apoiam um processo de negócio e aqueles que oferecem apoio a outros processos de negócio em toda a organização); entre sistemas de negócio que produzem documentos de arquivo e software de documentos de arquivo que os administram como documentos de arquivo; entre sistemas de negócio durante a migração de um sistema; entre várias organizações envolvidas na condução de processos de negócio (por exemplo, em uma cadeia de gerenciamento ou transações de comércio eletrônico); entre organizações para uma variedade de outros propósitos do negócio (por exemplo, na realização de transações compartilhadas ou transferência de documentos de arquivo para um terceiro); ao longo do tempo entre os sistemas de negócio que produzem documentos de arquivo e sistemas arquivísticos que os preservam. Ao apoiar a interoperabilidade, os metadados para gerenciar documentos de arquivo permitem a descoberta de recursos em sistemas de negócio, bem como em software de documentos de arquivo.

Os esquemas de metadados podem ser adaptados aos requisitos organizacionais para mitigação dos riscos. As organizações especificarão elementos que devem estar presentes para que os documentos de arquivo sejam confiáveis, autênticos e íntegros. Outros elementos serão opcionais, para inclusão, a critério das subunidades de organizações, ou para sistemas de negócio específicos dentro das organizações.

Ao considerar estratégias de implementação de metadados, recomenda-se que as organizações identifiquem os riscos que existem, considerem o grau de risco envolvido e garantam que a estratégia de implementação: forneça acesso aos sistemas de negócio críticos ao longo do tempo, satisfaça os requisitos legais de autenticidade e confiabilidade, e seja sustentável a partir de uma perspectiva de recursos ao longo do tempo. Os metadados estruturados para gerenciamento de documentos de arquivo, em combinação com boas funcionalidades de sistemas de busca, apoiam o acesso e a recuperação de documentos de arquivo em toda a organização. Isso maximiza a capacidade das pessoas de encontrar documentos de arquivo relevantes de forma rápida e fácil, quando precisam.

Além disso, os metadados de documentos de arquivo estruturados permitem que as informações sejam recuperadas no contexto do negócio, aumentando assim a compreensão e a confiabilidade das informações recuperadas para reutilização. Um investimento inicial, relativamente pequeno, em bons metadados, pode melhorar a qualidade e reduzir os custos de recuperação de informações para a organização. Os metadados para gerenciar documentos de arquivo podem ser usados para reduzir o risco de uso não autorizado. Metadados são necessários para especificar se o acesso aos documentos de arquivo é restrito.

Recomenda-se que somente aqueles com autorização apropriada tenham acesso aos documentos de arquivo. Convém que quaisquer instâncias de acesso sejam documentadas como metadados. Os metadados de controle de acesso são vitais para assegurar os interesses legais e de negócio da organização. Eles asseguram o gerenciamento adequado da confidencialidade e privacidade de informações pessoais e outras restrições de uso e segurança identificadas nos documentos de arquivo de uma organização.

Com a mudança da estrutura, função ou processo de trabalho de uma organização, ocorre uma alteração nas responsabilidades para as atividades do negócio. A implementação de metadados de documentos de arquivo padronizados e estruturados ajudam a identificar os documentos de arquivo apropriados para serem movidos em todos os sistemas e limites organizacionais. Esses metadados padronizados também ajudam a extrair documentos de arquivo de um sistema e importá-los para outros sistemas, preservando a ligação contextual, independentemente de qualquer sistema de negócio particular.

Os documentos de arquivo digitais dependem de metadados para sua existência, gestão e uso futuro. As características dos documentos de arquivo (ISO 15489-1:2001, 7.2), em todos os formatos, são definidas nos metadados dos documentos de arquivo. Assegurar a preservação dos documentos de arquivo, incluindo seus metadados, em formato eletrônico, exige conformidade com padrões de metadados estáveis, estruturados e bem definidos, para sua sustentabilidade em atualizações ou mudanças de software. A preservação dos documentos de arquivo digitais, enquanto eles são necessários, pode envolver uma série de estratégias (ver Seção 11), mas todas as estratégias dependem da existência de metadados padronizados para gerenciar documentos de arquivo.

Muitas das informações necessárias para documentar e descrever os documentos de arquivo e seu contexto em sistemas arquivísticos podem ser obtidas a partir dos metadados em software de documentos de arquivo. Recomenda-se que esta interligação seja tão perfeita quanto possível. Capturar metadados para gerenciar documentos de arquivo de acordo com um esquema padronizado torna esse processo mais fácil de implementar.

Conforme indicado na ISO 23081-1:2006, Seção 6, recomenda-se que estratégias de metadados sejam tratadas como parte integrante, ou explicitamente relacionada, a uma estratégia mais ampla de gerenciamento de informações e documentos de arquivo da organização. A este respeito, convém que seja elaborada uma política clara relacionada aos metadados, seja como uma área de política autônoma separada, ligada ao modelo de políticas de documentos de arquivo existente ou mesmo como uma parte integrante e distinta das políticas de documentos de arquivo organizacionais existentes.

Em ambos os casos, recomenda-se que as organizações identifiquem e atribuam funções e responsabilidades, incluindo responsabilidades para assegurar a qualidade de metadados; identifiquem os requisitos de confiabilidade, acessibilidade, recuperação, manutenção e segurança de metadados; selecionem padrões ou esquema de metadados aplicáveis; identifiquem e estabeleçam regras para a aplicação de esquemas de codificação de metadados (vocabulários controlados, esquemas de sintaxe); determinem normas técnicas a serem utilizadas na implementação; identifiquem como a política de metadados para gerenciar documentos de arquivo se relaciona a outras políticas ou esquemas de metadados que estão em uso na organização; identifiquem critérios e metodologias de avaliação para determinar a conformidade e a eficácia da política; desenvolvam estratégias de monitoramento e avaliação para acompanhar a política; determinem como a política será mantida atualizada, de acordo com as atividades do negócio.

Recomenda-se que qualquer política permita diferentes níveis de implementação. Convém identificar o nível e a forma a serem alcançados. Recomenda-se que uma política também identifique as áreas mais críticas e requeira atenção especial em relação às estratégias de implementação de metadados, como sustentabilidade, acessibilidade, identificação de documentos de arquivo vitais, preservação e análise de risco.

Em conformidade com o modelo estabelecido de funções e responsabilidades para os documentos de arquivo (ver ISO 15489-1:2001, 6.3), recomenda-se que a responsabilidade pelo desenvolvimento, implementação e manutenção de modelos de metadados para gerenciamento de documento de arquivo seja atribuída aos arquivistas, em associação com outros funcionários da organização, como da área de tecnologia da informação ou profissionais da área jurídica, conforme apropriado. Esta responsabilidade inclui analisar as necessidades da organização de metadados para gerenciar documentos de arquivo baseados nos requisitos do negócio; monitorar e analisar a evolução da organização em relação aos metadados, em particular os requisitos para o gerenciamento dos documentos de arquivo; assegurar que os esquemas de metadados para gerenciamento de documentos de arquivo sejam desenvolvidos de acordo com as melhores práticas e com as normas aplicáveis da indústria; desenvolver o modelo de metadados para gerenciar documentos de arquivo, incluindo o esquema de metadados, e as normas organizacionais relacionados e as regras para utilizar o modelo; identificar ou desenvolver esquemas de codificação de metadados apropriados, refinamentos de elementos e qualificadores, por exemplo, plano de classificação; manter o esquema de metadados atualizado e alinhado com as necessidades do negócio; gerenciar o esquema de metadados também como um documento de arquivo; manter a qualidade geral dos metadados definidos por máquina e por seres humanos, particularmente no que se refere à sua precisão, integridade, autenticidade, usabilidade e confiabilidade; coordenar as questões de implementação entre os documentos de arquivo e o pessoal de tecnologia da informação; realizar a coordenação com os proprietários dos sistemas de negócio para assegurar a integração dos metadados de gerenciamento de documentos de arquivo, conforme apropriado; realizar a coordenação com autoridades/processos arquivísticos para assegurar a interoperabilidade entre o software de documentos de arquivo e os ambientes de arquivamento de documentos de arquivo que possuem valor permanente; elaborar um programa e rotina de treinamento dos agentes sobre o uso e a aplicação do esquema de metadados; comunicar sobre o esquema de metadados dentro da organização.

Os sistemas desenvolvidos para gerenciar documentos de arquivo requerem metadados que apoiam processos de arquivos ou mesmo de gerenciamento de documentos de arquivo. Um dos principais usos dos metadados é representar entidades a partir do ambiente de negócio no sistema de negócio. As entidades apoiam a perspectiva dos documentos de arquivo para entender o ambiente de negócio, mas eles não são em si mesmos objetos sempre tangíveis.

A figura abaixo especifica o modelo conceitual de entidade e apoia qualquer número de entidades, mas de particular importância são as seguintes: os próprios documentos de arquivo sejam um documento individual ou agregações de documentos de arquivo (conhecidos como entidades de registro); as pessoas ou estruturas de organização no ambiente de negócio (conhecidas como entidades agente); transações de negócio (conhecidas como entidades de negócio); as regras que regem a transação e documentação de negócio (conhecidas como entidades competentes).

Não se espera que todas as implementações desta parte da NBR ISO 23081 implementem diretamente todas as classes de entidades descritas. Tais decisões dependerão da capacidade de assegurar ligações contínuas descritas entre as várias classes de entidades. As incertezas sobre a persistência podem levar a implementações centradas em documentos de arquivo, onde metadados sobre outras classes de entidades são trazidos explicitamente para dentro dos limites da própria classe de documento de arquivo.

Tais implementações achatam o modelo de entidade e incluem a informação sobre as classes faltantes de entidades dentro de outras entidades. Por exemplo, uma implementação que não contenha classes de agentes, determinações ou de negócio pode incluir as informações necessárias para a implementação da classe de documento de arquivo.

As orientações para a gestão da segurança da informação

Conheça as orientações sobre os requisitos para um sistema de gestão de segurança da informação (SGSI) conforme especificado na NBR ISO/IEC 27001.

A NBR ISO/IEC 27003 de 04/2020 – Tecnologia da informação — Técnicas de segurança — Sistemas de gestão da segurança da informação — Orientações fornece explicações e orientações sobre a NBR ISO/IEC 27001:2013.

Acesse algumas questões relacionadas a essa norma GRATUITAMENTE no Target Genius Respostas Diretas:

Como entender as necessidades e expectativas das partes interessadas?

Quais as orientações para estabelecer o escopo de um SGSI?

Por que a liderança e o comprometimento são essenciais para um sistema de gestão de segurança da informação (SGSI) efetivo?

Quais as orientações para uma política de segurança?

Este documento fornece orientações sobre os requisitos para um sistema de gestão de segurança da informação (SGSI) conforme especificado na NBR ISO/IEC 27001 e fornece recomendações (‘Convém que’), possibilidades (‘pode’) e permissões (‘pode’) em relação a eles. Não é a intenção de este documento fornecer orientações gerais sobre todos os aspectos de segurança da informação. As Seções 4 a 10 deste documento espelham a estrutura da NBR ISO/IEC 27001:2013. Este documento não adiciona quaisquer novos requisitos para um SGSI e seus termos e definições relacionados.

Convém que as organizações consultem a ABNT NBR ISO/IEC 27001 e a ISO/IEC 27000 para requisitos e definições. As organizações implementando um SGSI não estão sob qualquer obrigação de observar as orientações deste documento. Um SGSI enfatiza a importância das seguintes fases: compreender as necessidades da organização e a necessidade de estabelecer política de segurança da informação e objetivos de segurança da informação; avaliar a organização, e os riscos relacionados à segurança da informação; implementar e operar processos, controles e outras medidas de segurança da informação para o tratamento de riscos; fiscalizar e analisar o desempenho e a eficácia do SGSI; e praticar a melhoria contínua.

Um SGSI, semelhante a qualquer outro tipo de sistema de gestão, inclui os seguintes componentes principais: política; pessoal com responsabilidades definidas; processos de gestão relacionados com o estabelecimento de política; provisão de conscientização e competência; planejamento; implementação; operação; avaliação de desempenho; análise crítica pela direção; melhoria; e informação documentada. Um SGSI tem componentes principais adicionais, como: avaliação de riscos de segurança da informação; e tratamento de riscos de segurança da informação, incluindo a determinação e a implementação de controles.

Este documento é genérico e se destina a ser aplicável a todas as organizações, independentemente do tipo, tamanho ou natureza. Convém que a organização identifique que parte destas orientações se aplica a ela de acordo com o seu contexto organizacional específico (ver NBR ISO/IEC 27001:2013, Seção 4). Por exemplo, algumas orientações podem ser mais adequadas para grandes organizações, mas para organizações muito pequenas (por exemplo, com menos de dez pessoas) algumas das orientações podem ser desnecessárias ou inadequadas.

As descrições das Seções 4 a 10 são estruturadas da seguinte forma: Atividade necessária: apresenta as principais atividades necessárias na subseção correspondente da NBR ISO/IEC 27001; Explicação: explica o que os requisitos da NBR ISO/IEC 27001 demandam; Orientações: fornece informações mais detalhadas ou de apoio para implementar a “atividade necessária”, incluindo exemplos para implementação; e Outras informações: fornece mais informações que podem ser consideradas.

As NBR ISO/IEC 27003, NBR ISO/IEC 27004 e NBR ISO/IEC 27005 formam um conjunto de documentos que dão suporte e orientações para a NBR ISO/IEC 27001:2013. Dentre esses documentos, a NBR ISO/IEC 27003 é um documento básico e abrangente que fornece orientações para todos os requisitos da NBR ISO/IEC 27001, mas não tem descrições detalhadas sobre “monitoramento, medição, análise e avaliação” e gestão de riscos de segurança da informação.

As NBR ISO/IEC 27004 e ABNT NBR ISO/IEC 27005 focam em conteúdos específicos e fornecem orientações mais detalhadas sobre “monitoramento, medição, análise e avaliação” e gestão de riscos de segurança da informação. Existem várias referências explícitas à informação documentada na NBR ISO/IEC 27001. No entanto, uma organização pode reter informações documentadas adicionais que considera necessárias para a eficácia do seu sistema de gestão como parte de sua resposta à NBR ISO/IEC 27001:2013, 7.5.1 b).

Nestes casos, este documento usa a frase “Informação documentada sobre esta atividade e o seu resultado é mandatório somente na forma e na medida em que a organização determina como necessário para a eficácia do seu sistema de gestão (ver NBR ISO/IEC 27001:2013, 7.5.1 b)”. A organização determina questões externas e internas relevantes para sua finalidade e que afetam a sua habilidade para obter o (s) resultado (s) pretendido (s) do sistema de gestão da segurança da informação (SGSI).

Como uma função integrante do SGSI, a organização analisa constantemente a si própria e o mundo que a rodeia. Esta análise está preocupada com questões internas e externas que de alguma maneira afetam a segurança da informação e como a segurança da informação pode ser gerida, e que são relevantes para os objetivos da organização. A análise destas questões tem três objetivos: entender o contexto a fim de decidir o escopo do SGSI; analisar o contexto para determinar riscos e oportunidades; e assegurar que o SGSI esteja adaptado para mudar questões externas e internas.

Questões externas são aquelas que estão fora do controle da organização. Isso é frequentemente referido como o ambiente da organização. A análise deste ambiente pode incluir os seguintes aspectos: social e cultural; político, jurídico, normativo e regulatório; financeiro e macroeconômico; tecnológico; natural; e competitivo. Estes aspectos do ambiente da organização apresentam continuamente questões que afetam a segurança da informação e como a segurança da informação pode ser gerida. As questões externas relevantes dependem da situação e das prioridades específicas da organização.

Por exemplo, questões externas para uma organização específica podem incluir: implicações legais do uso de um serviço de TI terceirizado (aspecto legal); características da natureza em termos de possibilidade de desastres como incêndios, inundações e terremotos (aspecto natural); avanços técnicos de ferramentas de invasão e uso de criptografia (aspecto tecnológico); e demanda geral por serviços da organização (aspectos sociais, culturais ou financeiros).

Questões internas estão sujeitas ao controle da organização. A análise das questões internas pode incluir os seguintes aspectos: cultura da organização; políticas, objetivos e estratégias para alcançá-los; governança, estrutura organizacional, funções e responsabilidades; normas, diretrizes e modelos adotados pela organização; relações contratuais que podem afetar diretamente os processos da organização incluídos no escopo do SGSI; processos e procedimentos; capacidades, em termos de recursos e de conhecimento (por exemplo, capital, tempo, pessoas, processos, sistemas e tecnologias); infraestrutura e ambiente físicos; sistemas de informação, fluxos de informação e processos de tomada de decisão (ambos formal e informal); e auditorias anteriores ou resultados de análise de riscos anteriores. Os resultados desta atividade são usados em 4.3, 6.1 e 9.3.

Com base em um entendimento da finalidade da organização (por exemplo, se referindo a sua declaração de missão ou plano de negócios), bem como o(s) resultado(s) pretendido(s) do SGSI da organização, convém para a organização: analisar criticamente o ambiente externo para identificar questões externas relevantes; e analisar criticamente os aspectos internos para identificar questões internas relevantes. A fim de identificar questões relevantes, a seguinte pergunta pode ser feita: Como uma determinada categoria de questões (ver 4.1 a) a t)) afetam os objetivos de segurança da informação?

Três exemplos de questões internas servem como uma ilustração de: EXEMPLO 1 Sobre a governança e a estrutura organizacional (ver 4.1 m)): Ao estabelecer um SGSI, convém considerar a governança e as estruturas organizacionais já existentes. Como um exemplo, a organização pode modelar a estrutura do seu SGSI com base na estrutura de outros sistemas de gestão existentes, e pode combinar funções comuns, como análise crítica pela direção e auditoria.

EXEMPLO 2 Sobre a política, objetivos e estratégias (ver 4.1 l)): Uma análise das políticas, objetivos e estratégias existentes pode indicar o que a organização pretende obter e como os objetivos de segurança da informação podem ser alinhados com os objetivos de negócio para assegurar resultados bem-sucedidos. EXEMPLO 3 Sobre os sistemas de informação e fluxos de informação (ver 4.1 s)): Quando determinar questões internas, convém à organização identificar, a um nível de detalhe suficiente, os fluxos de informação entre os seus vários sistemas de informação.

Como tanto as questões internas e externas irão mudar ao longo do tempo, convém serem analisadas criticamente, de forma periódica, as questões e a sua influência sobre o escopo, restrições e requisitos do SGSI. Informação documentada sobre esta atividade e os seus resultados é mandatória somente na forma e na medida em que a organização determina como necessária para a eficácia do seu sistema de gestão (ver NBR ISO/IEC 27001:2013, 7.5.1 b).

Na ISO/IEC 27000, a definição de “organização” possui uma nota que diz: “O conceito de organização inclui, mas não se limita a, comerciante independente, companhia, corporação, firma, empresa, autoridade, parceria, caridade ou instituição, ou parte ou combinação destas, incorporadas ou não, pública ou privada”. Alguns destes exemplos são entidades jurídicas em sua totalidade, enquanto outros não são.