22 perguntas imprescindíveis para você fazer apresentações marcantes

CURSO PELA INTERNET

Aterramento e a Proteção de Instalações e Equipamentos Sensíveis contra Raios: Fatos e Mitos – Disponível pela Internet

Ernesto Berg

As apresentações em público são oportunidades incríveis para converter ouvintes em colaboradores, ou em compradores. Uma apresentação bem feita vale mais do que dezenas de conversas pessoais ou de reuniões intermináveis, porque, quando você domina as técnicas, você pode mudar opiniões e ideias das pessoas e, também, expor projetos e objetivos de forma sequenciada e profissional. Nada alavanca mais rapidamente a carreira de uma pessoa do que realizar apresentações em público.

Abaixo estão relacionadas 22 questões sobre técnicas de apresentação em público. Elas permitem que você conheça sua atual situação como palestrante e apresentador . Procure responder de acordo com sua realidade e não pensando no que é ideal.

S = SIM        N = NÃO        AV = ÀS VEZES

1. Quando você vai fazer uma apresentação os objetivos da mesma estão bem claros para você? S    N    AV 

2. Antes de realizar sua apresentação você costuma ensaiá-la? S    N    AV 

3. Você sabe a melhor forma de iniciar uma apresentação? S    N    AV 

4. Antes da apresentação você procura saber quem serão as pessoas (ou o perfil delas) que comporão a audiência? S    N    AV 

5. Você procura saber quem serão as pessoas-chave da audiência presentes à palestra?

S    N    AV 

6. Antes da apresentação você procura descobrir quais são os interesses e necessidades da audiência? S    N    AV 

7. Você adapta sua exposição a esses interesses e necessidades?  S    N    AV 

8. Você procura fazer sua apresentação em torno de dois ou três tópicos principais?

S    N    AV 

9. Você, às vezes, perde o fio da meada em meio à apresentação? S    N    AV 

10. Você sabe como prender a atenção e despertar o interesse da audiência em torno do produto, serviço ou ideia que você está apresentando? S    N    AV 

11. Ao fazer uma apresentação, por vezes, você acha que fala em demasia (ou fala pouco) sem transmitir tudo o que queria? S    N    AV 

12. Você sabe controlar o tempo de sua apresentação? S    N    AV 

13. Antes da palestra você procura analisar e antever possíveis perguntas críticas que a plateia poderá fazer? S    N    AV 

14. Durante a apresentação seus movimentos são tranquilos e confiantes? S    N    AV

15. Durante sua apresentação você costuma gesticular muito ou, ao contrário, fica quase imóvel?        S    N    AV 

16. Durante sua apresentação você tem cacoetes, ou repete constantemente, palavras do tipo:” tá?”, “compreendeu?”, “certo?”, “né?”, “tá OK?”, “logicamente…”, “claro que…” ? S    N    AV 

17. Durante sua apresentação você tem o hábito de fixar seu olhar em uma determinada pessoa, como se estivesse falando apenas para ela?; ou então de fixar os olhos para um determinado lugar como, o fundo da sala, o teto, o chão? S    N    AV 

18. Durante sua apresentação você tem hábitos do tipo: apoiar-se na mesa, ficar de braços cruzados, mãos nos bolsos, corpo arqueado, andar sem parar, ficar manipulando caneta ou pointer a laser? S    N    AV 

19. Você costuma falar baixo, ou muito rápido, ou muito lento durante a apresentação?          

S    N    AV 

20. Você costuma trajar-se de acordo com o ambiente (ou a plateia) em que sua apresentação será feita? S    N    AV 

21. Você utiliza com destreza material/equipamento audiovisual (como projetor, slides em power point, filmes, flip-chart etc.) em sua apresentação? S    N    AV 

22. Você sabe como e quando encerrar sua apresentação de forma marcante? S    N    AV 

Faça sua Contagem de Pontos.

Marque um ponto para cada resposta SIM dadas às seguintes perguntas: 1, 2, 3,  4, 5, 6, 7, 8, 10, 12, 13, 14, 20, 21, 22

Marque um ponto para cada resposta NÃO dadas às seguintes afirmações: 9, 11, 15, 16, 17, 18, 19

Marque meio ponto para cada resposta ÀS VEZES.

TOTAL DE PONTOS_______

SUA AVALIAÇÃO

Entre 19 e 22 pontos. Parabéns. Você realmente conhece as técnicas de uma apresentação eficaz e sabe como se comunicar com sua audiência.

Entre 15 e 18,5 pontos. Você conhece várias técnicas de apresentação e as utiliza bem e também consegue interagir com a audiência, mas pode melhorar mais.

Entre 11 e 14,5 pontos. Você tem boas noções de técnicas de apresentação, mas precisa adquirir mais know-how se quiser obter melhores resultados em suas palestras. Reveja as questões onde não pontuou, ou fez meio ponto, e tente corrigir as deficiências, considerando que o inverso da resposta que você deu é a situação correta e desejável.

Abaixo de 11 pontos. Você tem problemas quanto às técnicas de apresentação. Não desanime. Reveja as questões onde não pontuou, ou fez meio ponto, e tente corrigir as deficiências, considerando que o inverso da resposta que você deu é a situação correta e desejável.

Invista em técnicas de apresentação em público.

Não há nada que faça você se destacar mais do que falar em público. É a técnica de sucesso que mais rapidamente o projeta perante outras pessoas, a empresa ou a comunidade. Não é exagero afirmar que nenhuma outra técnica consegue abrir mais portas, ou lhe trazer mais oportunidades profissionais. As apresentações são oportunidades grandiosas para transformar os ouvintes em clientes ou executores de ideias.

É o que mais consegue alterar opiniões e concepções, pois alí quem detém a magia da palavra e da ideia é você, e isso vale mais do que muitas reuniões, e-mails, memorandos ou infindáveis discussões frente a frente. Basta uma apresentação bem feita, e você terá comprado a audiência a seu favor.

A vantagem da apresentação é que você tem tempo de se preparar, fazer a sequência da exposição e encerrá-la de forma convincente. Nada é feito de improviso, pois você tem o domínio do andamento da palestra.

Você pode fazer apresentações de qualquer tipo e em qualquer lugar, como falar na abertura de uma reunião ou convenção, expor um novo projeto, um novo sistema ou processo, uma exposição sobre resultado semestral de vendas, sensibilizar acionistas ou diretores para um novo investimento etc. As possibilidades são infinitas. Faça um curso de técnicas de apresentação ou de oratória (ponha isso em suas metas) e descobrirá que foi um dos investimentos mais lucrativos e vantajosos que você já fez para alavancar sua carreira.

Ernesto Berg é consultor de empresas, professor, palestrante, articulista, autor de 14 livros, especialista em desenvolvimento organizacional, negociação, gestão do tempo, criatividade na tomada de decisão, administração de conflitos – www.quebrandobarreiras.com.brberg@quebrandobarreiras.com.br

Receitas saudáveis

CURSO PELA INTERNET

5S A Base para a Qualidade Total – Disponível pela Internet

As dicas para o sucesso do 5S em sua Empresa

CAPA_LIVRO

Receitas de diferentes regiões do país foram reunidas no livro Mais que Receitas. A publicação é resultado da contribuição de 48 internautas que não apenas sugeriram os pratos, mas também enviaram as histórias que envolvem cada um deles. Mojica de pintado, cuscuz, abobrinha recheada, caldo de aipim e cuca são alguns dos quitutes que podem ser encontrados no livro lançado pela rede virtual “Ideias na Mesa”.

De acordo com a diretora de Estruturação e Integração dos Sistemas Públicos Agroalimentares do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Michele Lessa, “o objetivo é promover alimentação saudável com o consumo de produtos regionais e valorizar o hábito da preparação dos alimentos pelas famílias”. Ela ainda ressalta que a publicação pode ser utilizada pelas equipes municipais de assistência social, saúde e educação junto às famílias acompanhadas.

Para a escolha das receitas, foram levados em consideração o custo, a simplicidade, a combinação e o uso de ingredientes orgânicos, agroecológicos e in natura. Elas estão distribuídas em categorias – pães e bolos, carnes e peixes, molhos e sopas, lanches rápidos, vegetarianos, doces e sobremesas – e recebem uma etiqueta de frequência de consumo, já que a alimentação saudável deve ser variada e equilibrada.

As que possuem a etiqueta “Refeição da Família”, por exemplo, podem fazer parte da rotina alimentar da casa. Já as receitas com a indicação “Fim de Semana” devem ser consumidas de vez em quando, em momentos especiais, como nas visitas de amigos ou parentes. O livro também conta com comidas voltadas para quem possui restrições alimentares, intolerância ou alergias a certos ingredientes, como glúten, leite e ovos.

O Ideias na Mesa é a primeira rede virtual de experiências em Educação Alimentar e Nutricional do Brasil e tem a missão de apoiar, difundir e estimular a prática. Nela, qualquer pessoa interessada pode compartilhar experiências, publicar notícias e eventos, acessar artigos, vídeos e diversas publicações relacionadas ao tema. São mais de 4 mil usuários cadastrados e mais de 10 mil seguidores na página do Facebook.

A rede ainda publica revistas semestralmente e oferece cursos à distância. Neste mês, foi lançado o curso Qualificando a oferta de alimentação adequada e saudável no âmbito de entidades atendidas pelo Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), voltado para as instituições socioassistenciais que recebem alimentos do programa.

Para acessar o livro, clique aqui

Aprendendo com as maiores ameaças de 2014

REGULAMENTOS TÉCNICOS

Os Regulamentos Técnicos, estabelecidos por órgãos oficiais nos níveis federal, estadual ou municipal, de acordo com as suas competências específicas, estabelecidas legalmente e que contém regras de observância obrigatórias às quais estabelecem requisitos técnicos, seja diretamente, seja pela referência a uma Norma Brasileira ou por incorporação do seu conteúdo, no todo ou em parte, também estão disponíveis aqui no Portal Target. Estes regulamentos, em geral, visam assegurar aspectos relativos à saúde, à segurança, ao meio ambiente, ou à proteção do consumidor e da concorrência justa, além de, por vezes, estabelecer os requisitos técnicos para um produto, processo ou serviço, podendo assim também estabelecer procedimentos para a avaliação da conformidade ao regulamento, inclusive a certificação compulsória. Você pode realizar pesquisas selecionando o produto “Regulamentos Técnicos” e informando a(s) palavra(s) desejada(s). Clique no link https://www.target.com.br/produtossolucoes/regulamentos/regulamentos.aspx

hackerA Avast! divulgou um resumo com a ideia de oferecer uma analise do que aconteceu para aprender a se proteger e não cometer os mesmos erros de novo. Até os usuários iCloud da Apple foram alvos dos cyber criminosos. Foi divulgado um resumo das ameaças que mais se destacaram em 2014, um ano muito ativo para o cyber criminosos.

Começando pelos ataques mais recentes e, depois, uma breve olhada em outros eventos importantes do ano passado que envolveram segurança. A ideia é ver o que aconteceu para aprender a se proteger e não cometer os mesmos erros de novo. Os comentários são de Lisandro Carmona, especialista em segurança da companhia.

Espionagem patrocinada pelo governo – Ao final de 2014 ocorreu o hackeamento mais publicado e destrutivo de uma grande companhia multinacional por outro país, a Coreia do Norte. O ataque à Sony Entertainment, ainda sob a investigação do FBI, resultou no roubo de 100 terabytes de dados confidenciais dos funcionários, documentos corporativos e filmes ainda não lançados. Foi um ataque à privacidade devido ao roubo de uma quantidade enorme de dados pessoais, mas também essencialmente uma chantagem: querendo silenciar algo que supostamente o governo da Coreia do Norte não teria gostava: o lançamento de A Entrevista, um filme que descreve uma tentativa de assassinato contra Kim Jong-Un. A maioria das reclamações contra cyber crimes patrocinados por governos em 2014 foram contra hackers da Rússia e China. Independentemente se foram patrocinados por pessoas ou pelo governo, estes hackers tentaram acessar informações secretas do governo dos Estados Unidos, militares ou de grandes companhias. Recentemente, hackers chineses patrocinados pelos militares espionaram o departamento de justiça norte americano.

Vazamento de dados – Além do vazamento da Sony, outras importantes empresas sofreram com o cyber crime, incluindo Home Depot, eBay, Michaels, Staples, Sally Beauty Supply e outras. Um número significativo destes vazamentos começou há meses ou anos, mas somente foram descobertos ou tornados públicos em 2014. Quase 110 milhões de dados foram roubados da Home Depot: o maior vazamento de um atacadista americano. Entre os dados estavam 56 milhões de números de cartão de crédito e 53 milhões de endereços de e-mail. O vazamento de dados do JPMorgan Chase impactou cerca de 80 milhões de norte-americanos, bem como 7 milhões de pequenas e médias empresas. Os cyber criminosos foram capazes entrar no sistema através do roubo da senha de um funcionário, uma cópia do vazamento da Target de 2013. Este vazamento é tido como um dos maiores em uma instituição financeira. O caso ainda está sendo investigando.

Malwares financeiros e de roubo de dados – O GameOver Zeus, chamado de o pior malware já criado, infectou milhões de usuários da internet em todo o mundo e roubou milhões de dólares obtendo dados bancários de computadores infectados. O trojan bancário Tinba utiliza uma técnica de engenharia social chamada spearfishing para atingir suas vítimas. A campanha via e-mail atingiu os clientes do Bank of America, do ING Direct e do HSBC, utilizando táticas de amedrontamento para levá-los a baixar o trojan que obtinha dados pessoais.
Hackers chineses atuaram uma e outra vez, atingindo com malware bancário os clientes dos bancos sul coreanos através de uma conexão VPN. Os clientes eram enviados a uma página muito parecida onde informavam suas senhas e informações bancárias aos cyber criminosos.

Vulnerabilidades dos programas – Muitos dos vazamentos que ocorreram em 2014 foram devidos a falhas de segurança nos programas, que os hackers souberam aproveitar muito bem. Os nomes que mais ouvimos foram o Adobe Flash Player/Plugin, Apple Quicktime, Oracle Java Runtime e Adobe Acrobat Reader.

Inúmeros novos ataques – Falhas em programas trouxeram dois nomes que causaram terror nos corações dos administradores de TI: Shellshock e Heartbleed. O Heartbleed aproveita-se de uma séria falha no protocolo OpenSSL. Ele permite que os cyber criminosos roubem as chaves de criptografia, nomes e senhas, dados bancários e outros dados privados e não deixa nenhuma pista de que foram roubados. O Shellshock acabou afetando mais da metade dos sites da internet. Hackers distribuíram malware em sites legítimos para obter dados confidenciais dos computadores infectados.

Ransomware – Outro nome que foi muito falado foi um grupo de malwares chamados ransomware, como, por exemplo, o CryptoLocker, e as suas variantes Cryptowall, Prison Locker, PowerLocker e Zerolocker. O mais disseminado é o Cryptolocker, que criptografa os dados de um computador e exige da vítima um resgate em dinheiro para fornecer a chave de criptografia.
Ransomware fez o seu caminho do Windows para o Android durante o ano passado, e a Avast criou o Ransomware Remover, um aplicativo para remoção do ransomware do Android que desbloqueia os arquivos criptografados gratuitamente. Fazer regularmente backup dos arquivos importantes é vital para evitar a sua perda para um ransomware.

Ataques à privacidade – Os usuários Mac ficaram chocados, as celebridades foram atingidas mortalmente e os fãs se deliciaram com as notícias sobre o hackeamento do iCloud que tornou públicas online numerosas fotos íntimas de famosas celebridades de Hollywood. A séria falha no serviço da nuvem iCloud foi conseguida através de métodos de força bruta contra as contas do iCloud.

Engenharia social – A arte do engano é um método de grande sucesso para os cibercriminosos. O ponto mais fraco na segurança é o usuário final e os hackers tiram vantagem de nós o tempo todo utilizando estratégias de engenharia social.

Phishing – Em um ataque de phishing ou despearphishing, hackers utilizam emails para enganar as pessoas e conseguir informações privadas, clicar nos links ou baixar malware. Um dos ataques mais famosos foi a falha na Target, na qual hackers conseguiram uma senha de rede de um vendedor terceirizado da Target, entraram na rede e comprometeram as máquinas dos pontos de venda em novembro de 2013.

Fraudes nas redes sociais – As redes sociais como o Facebook oferecem um ambiente perfeito para a engenharia social. Eles podem agitar, atrair a atenção dos usuários com conteúdo chocante, encorajar as próprias pessoas a compartilhar as fraudes. Estas fraudes vêm na forma de links para falsos vídeos que mostram pesquisas e sites falsos.

Exploit Kits à venda – No ano passado, o Laboratório de Vírus da Avast observou um aumento na atividade de malware disseminado através de exploit kits. Estes kits, geralmente à venda no mercado negro online, a deep web, permitem aos cibercriminosos desenvolver ameaças personalizadas para atacar alvos específicos. O código fonte do malware Zeus foi utilizado para desenvolver o Gameover e a rede Zeus Gameover foi utilizada para baixar e instalar o Cryptolocker.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Facebook: http://www.facebook.com/#!/hayrton.prado

Skype: hayrton.prado1

A rastreabilidade dos medicamentos no Brasil

CURSOS PELA INTERNET

A Target preparou um programa especial de cursos pela internet, contemplando as últimas tendências do mercado. Com o objetivo de facilitar a participação daqueles que possuem uma agenda de compromissos complexa, a Target criou a opção para que o cliente possa assistir aos cursos através da transmissão pela internet. Fique atento aos cursos que estão disponíveis. Clique aqui e veja um exemplo de como funciona o recurso. Garanta a seu desenvolvimento profissional adquirindo os cursos pela Internet da Target. Mais informações e compras, acesse o link https://www.target.com.br/produtossolucoes/cursos/gravados.aspx

rastreabilidade_medicamentosO Sistema Nacional de Controle de Medicamentos (Lei nº 11.903/2009), que deverá ser cumprido pela indústria farmacêutica a partir de 2016, começa a ser testado por empresas que estão na fase de implantação do sistema. A rastreabilidade é possível graças à identificação única, capaz de permitir ao usuário saber todo o histórico e localização do produto além de se verificar se ele é original e tem procedência legal – o que evita contrabando e falsificações.

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o objetivo de rastrear medicamentos é o de previnir o desvio de medicamentos ao longo da cadeia produtiva. Isso tem um impacto direto na saúde, pois quando um medicamento é roubado, por exemplo, todas as garantidas de armazenamento do produto são perdidas e isso afeta a qualidade do produto.

Além disso, a rastreabilidade permite identificar e retirar rapidamente do mercado lotes de produtos que possam ter problemas de qualidade. Hoje é impossível ter certeza sobre o destino de cada caixinha de medicamento que está no mercado.

Um medicamento falso ou clandestino (sem registro) deixa o usuário sem o tratamento adequado, provocando uma piora no seu quadro de saúde e atrasando o tratamento correto. Muitas vezes, mesmo o profissional de saúde tem dificuldade em identificar este problema e o usuário fica privado do tratamento. Um produto de origem criminosa expões o cidadão ao consumo de substância desconhecidas que podem piorar rapidamente o seu quadro de saúde.

E quanto ao aumento de preço por causa da nova etiqueta, conforme cálculos da Anvisa, o impacto médio sobre os preços de medicamentos no Brasil será de 0,05%. Na faixa dos medicamentos que custam até R$ 5,00, o impacto será de 2,58%. Esse grupo corresponde a aproximadamente 0,20% do mercado farmacêutico brasileiro.

O padrão GS1 DataMatrix foi a tecnologia escolhida pela Anvisa para conter todos os dados de cada item. O código permite recuperar informações históricas e geográficas sobre o caminho percorrido pelos medicamentos desde sua produção até a entrega ao consumidor.

O código bidimensional funcionará como uma espécie de registro geral (RG) do medicamento, com todas as informações reunidas no Identificador Único de Medicamento (IUM), registro que foi incorporado aos padrões globais de automação pela Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil. Antes desta normatização, o número do registro na Anvisa não poderia ser codificado e interpretado mundialmente. Agora, há regras de formatação seguindo o que é adotado em todo o mundo.

O IUM é formado pelo número do registro do medicamento junto à Anvisa, e contém, além do número serial, a data de validade e o número do lote. Essas informações ficarão armazenadas no GS1 DataMatrix. O mercado também adicionará a essa combinação o GTIN, número do código de barras do produto, que há anos é utilizado em toda a cadeia. Há empresas em processo de implantação e o motivo desta iniciativa é que acreditam ser um sistema de rastreabilidade que leva a uma gestão mais eficaz em toda a cadeia da indústria farmacêutica. Isso representa mais segurança para o consumidor.

Mesmo com a antecipação da produção dos lotes-pilotos, as empresas seguirão os prazos estabelecidos pelo governo federal para a aplicação da regulamentação, período de adaptação e implantação da tecnologia para todos os envolvidos na logística de distribuição dos medicamentos, entre eles, distribuidores e farmácias de todo o território nacional. Importante é que a impressão do código diretamente na caixa do medicamento não protege a principal vítima da falsificação de medicamentos: o consumidor.

Com a etiqueta de segurança o consumidor vai poder se certificar, na própria farmácia, que o produto que está levando para casa é verdadeiro. Basta colocar a etiqueta do medicamento sobre o leitor e conferir o acendimento da luz verde. É uma forma bastante simples, não toma mais de dez segundos e garante ao cidadão que sua vida não está sendo posta em risco. Caso a impressão fosse feita diretamente na caixa o cidadão teria que fazer a consulta do código pela internet ou SAC, depois de ter já ter adquirido o medicamento. Na prática, o código serviria somente para a indústria. Além disso, a simples impressão direta de um código bidimensional 2D nas embalagens dos medicamentos não apresenta nenhuma segurança, uma vez que as embalagens secundárias são de fácil reprodução através de qualquer copiadoras coloridas (jato de tinta ou toner/laser).

A utilização de etiquetas de segurança como mecanismo carreador do código bidimensional assegura a utilização única da codificação, permitindo ainda a avaliação da relação entre o quantitativo de unidades produzidas e o quantitativo de etiquetas utilizadas, minimizando a possibilidade da comercialização de medicamentos as margens do sistema de rastreabilidade. Como as etiquetas serão produzidas exclusivamente pela Casa da Moeda é possível afirmar que não haverá uma etiqueta com número repetido. Com a impressão direta na caixa isso não seria possível.

Estima-se que a informalidade no setor de medicamentos no Brasil atinja a cifra de 30% do mercado nacional. Enquadram-se nessa categoria os medicamentos falsificados, adulterados, sem registro no órgão sanitário, de origem desconhecida (fruto de roubo de carga, por exemplo), comercializados sem o recolhimento de tributos ou em desacordo com as exigências legais, inclusive de retenção de receita. Este último pode representar, inclusive, um prejuízo para os cofres públicos.

A etiqueta que será produzida pela Casa da Moeda reúne duas tecnologias: o código bidimensional (2D – Datamatrix) e o substrato utilizado na produção do selo. O código garante que o medicamento possa ser rastreado e o substrato do selo (etiqueta) garante que ele é verdadeiro.

Atualmente, pode-se afirmar que a etiqueta de segurança é impossível de ser falsificada. O leitor que identifica a etiqueta também possui diferentes níveis de segurança. Por exemplo, os componentes do leitor são fabricados por diferentes empresas, tornando impraticável a montagem do leitor por terceiros. Desta forma, a Anvisa, por meio da adoção de um selo com impressão de código 2D, associou a tecnologia de segurança para impedir a falsificação dos produtos, com a tecnologia que permitirá o rastreamento e identificação única de cada caixinha, garantindo assim a segurança necessária aos usuários de medicamentos do país.

A liderança paternalista pode ser uma boa opção?

CLIQUE NA FIGURA PARA OBTER MAIS INFORMAÇÕES

J B Vilhena, presidente e consultor do Instituto MVC, coordenador dos programas de MBA’s da FGV e autor de livros sobre negociação, vendas, liderança, certificação.

Sabemos que o exercício da liderança é um desafio que, mais cedo ou mais tarde, poderá ser apresentado a qualquer profissional. Neste artigo queremos propor seis reflexões sobre vantagens e desvantagens de uma postura paternalista por parte da liderança. Analisemos juntos os seguintes aspectos:

  • O mundo atual exige do líder decisões muito duras, com frequência baseadas em informações imperfeitas.

Líderes paternalistas não conseguem contrariar a vontade de seus subordinados. Na verdade são reféns da vontade destes. Assim sendo o paternalismo impede a tomada de decisões que serão rejeitadas pelos colaboradores. Neste caso essa postura não parece ser adequada.

  • Cada vez mais liderança não é exercida por uma pessoa; deve vir de muitos.

Líderes paternalistas conseguem aglutinar pessoas ao seu redor com maior facilidade. Se precisamos ter muitas pessoas empenhadas no esforço de liderar, é necessário que cada uma delas seja suficientemente voltada para relacionamentos, visando unir os colaboradores ao redor de um mesmo objetivo. Neste caso a postura paternalista, se utilizada com moderação e sabedoria, pode ser útil.

  • O Líder tende a ser, cada vez mais, um Líder de Líderes.

No seu famoso pipeline de liderança, Ram Charam – respeitado autor sobre o tema – diz que um dos maiores desafios do líder é deixar de lado o conhecimento técnico específico e passar a motivar pessoas para buscar objetivos comuns. Novamente acredito que uma certa dose de paternalismo pode ser útil – desde que utilizada moderadamente – para motivar liderados a se unir em torno de uma proposta que seja estimulante para os colaboradores e sedutora para aqueles que lideram os processos.

  • O líder de hoje lidera uma causa mais nobre.

Causas nobres sobrepõem-se às pessoas. Eis aqui um aspecto que torna a liderança paternalista algo contraproducente.

  • Cada vez mais as empresas concorrerão pelos talentos, e não só pelo mercado.

As pessoas estão cada vez mais carentes, precisando de carinho e atenção. Isso significa que o paternalismo poderá servir para tornar a empresa um ambiente mais humanizado e, consequentemente, mais atraente. Eis aqui mais uma situação em que o paternalismo moderado pode ser útil para aqueles que exercitam a liderança.

  • Empresas precisam cada vez mais do administrador e do líder; um não exclui o outro.

Administradores são pessoas focadas nos processos. Gerentes são focados no resultado. Líderes focam as pessoas. Eis aqui mais um exemplo de que a liderança paternalista, quando exercida com critério e discernimento, não é necessariamente algo ruim.

Como o leitor poderá constatar pela leitura do texto a Liderança Paternalista pode ser, em vários casos, uma boa opção.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Facebook: http://www.facebook.com/#!/hayrton.prado

Skype: hayrton.prado1

Qual o protetor solar ideal para sua pele?

gedweb

???????????????????????????????????????????????????As altas temperaturas chegaram com o verão, e um item muito importante, que não devemos esquecer jamais, é o protetor solar. O uso diário do protetor, mesmo que você não esteja exposto ao sol, é essencial, pois evita doenças como o câncer de pele e previne problemas como manchas e rugas precoces.

Por falta de cultura e até mesmo informação, muitas pessoas não têm esse hábito e só aplicam o protetor em ambientes em que seu uso é primordial, como praias ou piscinas. Mas afinal, qual a maneira correta de aplicar? Qual o melhor protetor para cada tipo de pele? Qual a diferença entre eles? Com o objetivo de sanar essas e muitas outras dúvidas, a dermatologista Adriana Benito, da Rede Pró-Corpo Estética, responde as dez perguntas mais frequentes sobre protetor solar. Confira:

— Porque é importante utilizar o protetor solar mesmo quando não se está exposto ao sol ou em dias nublados?

Mesmo com o céu encoberto, é preciso usar protetor solar e evitar a exposição prolongada, pois os raios ultravioletas, embora em quantidade menor, atravessam as nuvens. Especialmente no verão, os raios ultravioletas são mais intensos, devido à incidência menos inclinada e mais direta dos raios solares em nosso hemisfério. O horário mais crítico é das 10 às 16 horas. O protetor solar deve ser aplicado diariamente, pelo menos vinte minutos antes da exposição ao sol.

— Qual a diferença entre protetor solar e bloqueador solar?

O protetor solar possui componentes que absorvem os raios UVA e UVB e os transformam em luz visível, inofensiva para a pele. Diferentemente do protetor solar, o bloqueador reflete a radiação UV e geralmente apresenta óxido de zinco ou dióxido de titânio em sua composição. O produto protege das radiações UVA e UVB. Quando aplicado, deixa a pele esbranquiçada e opaca, e inibe o bronzeado. O bloqueador solar costuma ser usado por pessoas muito claras e de pele sensível, ou em áreas da pele que sofreram cirurgias. Também é recomendado por dermatologistas para quem fez peeling, para impedir a penetração dos raios UV.

— Protetor solar em maquiagem (base, batom, etc.) substitui o uso do protetor convencional?

Existem apresentações de protetores solares em base e batom que podem substituir o protetor comum mas, para efetivamente proteger a pele, o produto precisa oferecer FPS e PPD adequados, e a maioria das bases não oferece.  Também é importante utilizar a quantidade correta.

— Qual o significado da sigla FPS (4, 8, 20 etc.)?

FPS significa Fator de Proteção Solar. Todo filtro solar tem um número que determina o seu FPS, que pode variar de 2 a 100 nos produtos comercializados no Brasil. O FPS mede a proteção contra os raios UVB, responsáveis pela queimadura solar, mas não medem a proteção contra os raios UVA.  A pele, quando exposta ao sol sem proteção, leva um determinado tempo para ficar vermelha. Quando se usa um filtro solar com FPS 15, por exemplo, a mesma pele leva 15 vezes mais tempo para ficar vermelha.

— É verdade ou mito que, acima do fator 30, todos os produtos têm o mesmo efeito?

É mito. Essa é uma ideia que foi divulgada de forma errada. O filtro solar com FPS 30 bloqueia a maior parte dos raios UV e o aumento do FPS realmente aumenta pouco o percentual de bloqueio desses raios.

No entanto, como explicado acima, usando um filtro solar com FPS 30 a pele levará 30 vezes mais tempo para ficar vermelha, e usando um filtro com FPS 60 levará 60 vezes mais tempo. Se o tempo para a pele ficar vermelha aumenta, significa que protege mais e melhor.

— Existe diferença de protetor solar entre pele clara e escura? E quem tem excesso de pintas no corpo?

O melhor fator de proteção solar para cada tipo de pele é diferente. Pessoas com pele negra necessitam de um protetor com FPS entre 6 e 15. Pessoas com pele morena, FPS entre 20 e 25. Pessoas com pele clara, FPS acima de 30. Pessoas com tendência a ter pintas têm uma aceleração no surgimento dessas lesões devido ao sol. As pintas que já estão instaladas na pele podem sofrer um processo de malignização pela exposição exagerada. Portanto, essas pessoas devem usar filtro solar com fator 30, no mínimo, e analisar suas pintas regularmente para detectar quaisquer alterações em seus aspectos.

— Usar camiseta ou outras roupas substitui o uso do protetor solar?

Mesmo que esteja vestido, não abandone o protetor solar se você irá expor-se ao sol. Peças escuras, embora mais quentes, protegem mais a pele do que roupas claras. As roupas escuras absorvem a radiação, impedindo que ela atinja a pele. Há disponíveis no mercado roupas com protetor solar. Se não puder comprá-las, prefira roupas feitas com poliamida.

— Existe protetor solar para o couro cabeludo?

Sim. Além dos protetores solares capilares, também existem cremes para pentear com proteção solar, e que não são difíceis de encontrar. É o método ideal para praia e piscina. Eles evitam danos ao cabelo e ao couro cabeludo. No dia a dia, cremes e leave-ins também são indicados. Algumas marcas de gel possuem proteção solar. Existem também alguns hidratantes em spray, mais leves que os cremes.

— Qual a diferença entre protetores em spray, creme e gel?

Todos têm o mesmo princípio ativo, mas podem ter vantagens, dependendo do tipo de pele. Os cremes são indicados para quem tem pele ressecada, porque ajudam a hidratar, além de proteger. O gel é ideal para as peles oleosas, porque não deixam aspecto pegajoso nem a superfície cutânea gordurosa. A opção spray serve para economizar tempo de aplicação, sendo muito mais prática que loções e texturas de gel.

— Quem tem alergia, o que deve fazer para se proteger do sol?

Nada substitui por completo a ação do filtro solar. A melhor saída é descobrir a substância que causa alergia em você e encontrar um produto que não a contenha em sua fórmula. Para isso, procure um especialista e mostre a ele os protetores que costuma utilizar. Assim, o médico pode analisar os produtos e indicar-lhe outros que sejam inofensivos para você.

Investimento em ferrovias: motor da competitividade e desenvolvimento econômico do país

Everaldo Barros

Com uma matriz de transportes totalmente desequilibrada, e ocupando a 65º posição no ranking mundial de eficiência logística, o Brasil tem no sistema rodoviário federal o principal e quase único meio de transporte de mercadorias em longos trajetos. E é evidente em todos os planos e escalas geográficas de meios de transporte que a preferência ainda é o investimento em rodovias. Mas, para um país com enormes distâncias, a opção por ferrovias não seria a mais adequada para a integração econômica e regional?

As deficiências estruturais e legais encontradas no país são sentidas tanto pelas empresas que atuam no mercado doméstico, quanto as atuantes no exterior. Com uma pauta exportadora, quase totalmente formada por grãos, minério de ferro e outros commodities, onde os preços são flutuantes e dependem de dezenas de fatores externos, as empresas brasileiras são expostas à própria sorte. O impacto da logística no produto brasileiro retira das nossas empresas a capacidade de competir globalmente, cerceia a entrada em novos mercados e enfraquece acordos bilaterais que poderiam ser desenvolvidos.

O principal argumento dos defensores do transporte rodoviário é que essa modalidade exige investimentos iniciais relativamente baixos para a sua implantação. E isso é verdade, ainda mais porque a malha ferroviária do Brasil tem várias carências, como cobertura territorial insuficiente e problemas graves de funcionalidade. Mas, embora a construção de uma ferrovia possa demandar custos maiores em um primeiro momento, o custo de manutenção é muito inferior ao das estradas de rodagem, já que a estrada de ferro tem maior durabilidade, tanto do seu leito quanto dos equipamentos.

Os favoráveis às rodovias também afirmam que as estradas possibilitam o deslocamento de um número maior de pessoas, favorecem o uso do automóvel e, no caso de países com dimensões continentais como as do Brasil, apresentam-se como um dos meios mais flexíveis e ágeis no acesso às cargas, pois pode chegar até os lugares mais ermos. Contudo, deixam de dimensionar o desgaste físico e mental dos motoristas, os graves acidentes envolvendo caminhões de cargas e a falta de segurança nas estradas, seja pelas péssimas condições das estradas ou pelos altos índices de roubos de cargas no País.

O impacto ambiental é outro fator essencial a ser levado em conta, já que o setor de transporte é o maior responsável pela emissão de CO₂ no Brasil, e responde por mais de 38% do total das emissões. Através de investimentos de longo prazo em ferrovias, seria possível reduzir em 30% as emissões de CO₂ no país, com impacto direto na preservação ao meio ambiente.

Ainda a favor das ferrovias, podemos citar a economia em combustível e energia, o seguro de mercadorias transportadas por esse meio – que são, em média, metade dos valores pagos nos transportes rodoviários –, além de maior facilidade de transbordo e a viabilidade de associar o transporte ferroviário a uma série de entrepostos no sistema portuário nacional. A implementação da malha ferroviária pode contribuir diretamente com a exequibilidade dos portos secos, uma solução eficiente para o ineficiente processo logístico atual do setor portuário, em que as mercadorias se mantêm em filas proibitivas, com tempo de espera que foge de qualquer padrão mundial.

Por que não estabelecer como prioridade absoluta os investimentos em ferrovias? Por que deixamos nossas empresas entregues à própria sorte ou às margens da volatilidade dos preços globais?  Por que, como país, somos incapazes de estabelecer, e cumprir, metas mínimas de investimento na expansão da malha ferroviária? Por que, através das PPPs – Parcerias Público Privadas, não atraímos investidores para as ferrovias no Brasil? Seriam nossos marcos regulatórios, ou a falta deles, um real entrave aos interessados em expandir a malha ferroviária brasileira?

O investimento em ferrovias é ponto inquestionável como fomentador da economia do Brasil, e o resultado refletirá em maior competitividade às nossas empresas e consequente desenvolvimento econômico do país. Deve ser de prioridade das diversas esferas de governo, principalmente do federal, a responsabilidade em tornar a ferrovia o principal meio de transporte do país. Procrastinar tal decisão é determinar a falta de competitividade das nossas empresas e perpetuar o baixo  crescimento econômico do Brasil.

Everaldo Barros é CEO da MAC Logistic.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 2.033 outros seguidores